Gostou do artigo? Compartilhe!

Bronzeamento natural ou solar da pele

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é bronzeamento da pele1?

O bronzeamento consiste em conferir à pele1 de pessoas de pele1 clara uma coloração dourada/bronzeada (cor de bronze). Para muitas pessoas (principalmente mulheres jovens) este é um desejo estético de alta relevância, a tal ponto que elas dedicam a isso algum tempo e/ou gastos.

Esse bronzeamento é obtido pela maior concentração de melanina2 na pele1, o que é conseguido pela exposição adequada ao sol (bronzeamento dito natural ou solar) ou por meio de aplicações de meios físicos ou químicos à pele1 (bronzeamento artificial). Este texto trata-se apenas do bronzeamento natural ou solar.

Leia sobre "Cuidados com a pele1", "Queimadura de sol ou eritema3 solar" e "Bronzeamento artificial".

O que é bronzeamento solar da pele1?

Uma pele1 bronzeada, de cor dourada/amorenada, corresponde a um forte desejo estético de muitas pessoas, manifestado a cada verão, principalmente pelas mulheres jovens. O bronzeamento da pele1 corresponde a uma maior concentração nela de melanina2, como efeito da exposição do corpo ao sol.

Melanina2 é a denominação genérica de cada uma das diversas proteínas4 de cor marrom ou preta, derivadas da tirosina5, encontrada como pigmento em coberturas de vegetais e animais. Ela é um pigmento natural da pele1, produzida pelas células6 denominadas melanócitos7, responsável pelo bloqueio das radiações ultravioleta nas regiões expostas. Quanto maior a quantidade de melanina2, mais escurecida a pele1 e, consequentemente, maior a proteção contra as radiações solares. Uma pele1 muito escura (preta) ou muito clara (branca leitosa) varia de um máximo a um mínimo de melanina2 presente na pele1

Embora a cor da pele1 seja determinada geneticamente, ela pode ser alterada pelos raios ultravioletas do sol, UVA, UVB e UVC. Os raios UVA são os principais responsáveis pelo bronzeamento, mas também podem provocar o envelhecimento precoce da pele1, em razão da destruição de fibras de colágeno8 e elastina, responsáveis pela elasticidade9 da pele1. Os raios UVB atingem as camadas mais profundas da pele1 e, em excesso, podem provocar queimaduras, envelhecimento precoce e câncer10 de pele1. Os raios UVC podem provocar cânceres e queimaduras solares, mas raramente alcançam a superfície do nosso planeta, uma vez que são bloqueados pela camada de ozônio.

A pele1 bronzeada deve ser diferenciada da pele1 queimada. A queimadura solar da pele1 é a reação inflamatória aguda em resposta ao excesso de radiação, que varia de acordo com a intensidade, o tempo de exposição e o tipo de pele1. Se a exposição ao sol passar dos limites, acontece vermelhidão, devida à vasodilatação e reação inflamatória, com o aporte de células6 de defesa. Se a radiação continuar a incidir na pele1, em poucas horas a vermelhidão pode evoluir para sensação de ardor11 e formação de bolhas. Além disso, a pele1 pode ficar dolorida, quente, sensível ao toque e pode haver coceira. Em casos mais graves, pode haver também dor de cabeça12, febre13, calafrios14, fadiga15 e podem apresentar descamação16 da pele1 em 4 a 7 dias.

Qual é o substrato fisiológico17 do bronzeamento solar da pele1?

Os raios ultravioletas do sol, do tipo A (UVA) são os grandes responsáveis pelo bronzeamento da pele1. Isso acontece porque a maior concentração da melanina2, responsável pelo bronzeamento é, na verdade, uma defesa do organismo à exposição principalmente a esses raios. Quanto maior a exposição ao sol, maior a quantidade de melanina2 produzida. O número das células6 que produzem melanina2 - os melanócitos7 - é basicamente igual entre as diferentes raças, e sua atividade de produzir melanina2 se dá graças à ação de um hormônio18 produzido pela glândula19 pituitária.

Como obter corretamente um bronzeamento da pele1?

A pessoa deve expor ao sol, em horário adequado, a maior parte possível do corpo. As partes eventualmente cobertas por peças de vestes ficarão mais claras que as partes expostas, gerando as famosas “marquinhas”. Antes de expor-se ao sol, deve-se aplicar um protetor solar de amplo espectro em todo o corpo, 20 a 30 minutos antes da exposição, e reaplicar o produto a cada 3 ou 4 horas. Devem ser evitados os horários em que o sol está mais forte (das 10 às 16 horas) e deve-se hidratar a pele1 depois para manter a cor.

A cor bronzeada não pode ser obtida num único dia. Ela só vai começar a aparecer 48 a 72 horas após a primeira exposição solar, que deve ser repetida nos dias posteriores. Este é o tempo necessário para que a melanina2 seja produzida e liberada pelas células6.

O bronzeamento pode ser acelerado por algumas medidas simples:

  1. Adotar uma alimentação rica em betacarotenos (cenoura, laranja, tomate, morango, damasco, pitanga, manga...), que contribuem para a produção de melanina2.
  2. Fazer esfoliação da pele1 cerca de 3 dias antes de tomar sol, que ajuda a remover as células6 mortas, a eliminar as manchas e a estimular a circulação20.
  3. Usar protetor solar adequado ao tipo de pele1, para protegê-la dos raios solares nocivos para a pele1.
  4. Hidratar e nutrir bem a pele1 com um creme hidratante após o banho.
  5. Usar um autobronzeador, para bronzear mais rapidamente.
  6. Após a exposição ao sol, tomar um banho rápido, com temperatura de morna a fria.
  7. Usar um chapéu e camiseta ou saída de praia de cor clara, para proteger a pele1 e os cabelos após o tempo de exposição com os objetivos de bronzeamento.
  8. Ingerir líquidos antes, durante e depois da exposição ao sol, para evitar a desidratação21.

Além dos efeitos de bronzeamento, a exposição ao sol também promove a síntese da vitamina22 D e a absorção do cálcio, que fortalece os ossos.

Quais são os riscos do bronzeamento da pele1?

Se certos cuidados não forem tomados, alguns efeitos nocivos significativos podem ocorrer, porque o sol não emite somente raios benignos, e mesmo os raios UVA podem provocar problemas, caso a exposição seja prolongada e desprotegida. Os danos mais comuns à pele1 são insolação, desidratação21, manchas solares, envelhecimento precoce, queimaduras solares, dermatite23 de contato, alergias e câncer10 de pele1.

Além disso, uma queimadura solar grave, com a formação de bolhas no corpo, é capaz de dobrar os riscos do surgimento do melanoma24. As queimaduras também podem aumentar os danos do fotoenvelhecimento da pele1, que se manifesta através de rugas e manchas ao longo dos anos, ou seja, causando o envelhecimento precoce da pele1.

Veja também sobre "Pele1 com manchas pode ser melasma25", "Protetor solar ou filtro solar", "Lesões26 pré-cancerosas da pele1" e "Rugas".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos sites do Cancer Treatment Centers of America, do UpToDate e do KidsHealth.

ABCMED, 2020. Bronzeamento natural ou solar da pele. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/1369418/bronzeamento+natural+ou+solar+da+pele.htm>. Acesso em: 14 jul. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
2 Melanina: Cada uma das diversas proteínas de cor marrom ou preta, encontrada como pigmento em vegetais e animais.
3 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
4 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
5 Tirosina: É um dos aminoácidos polares, sem carga elétrica, que compõem as proteínas, caracterizado pela cadeia lateral curta na qual está presente um anel aromático e um grupamento hidroxila.
6 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
7 Melanócitos: Células da pele que produzem o pigmento melanina.
8 Colágeno: Principal proteína fibrilar, de função estrutural, presente no tecido conjuntivo de animais.
9 Elasticidade: 1. Propriedade de um corpo sofrer deformação, quando submetido à tração, e retornar parcial ou totalmente à forma original. 2. Flexibilidade, agilidade física. 3. Ausência de senso moral.
10 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
11 Ardor: 1. Calor forte, intenso. 2. Mesmo que ardência. 3. Qualidade daquilo que fulge, que brilha. 4. Amor intenso, desejo concupiscente, paixão.
12 Cabeça:
13 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
14 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
15 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
16 Descamação: 1. Ato ou efeito de descamar(-se); escamação. 2. Na dermatologia, fala-se da eliminação normal ou patológica da camada córnea da pele ou das mucosas. 3. Formação de cascas ou escamas, devido ao intemperismo, sobre uma rocha; esfoliação térmica.
17 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
18 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
19 Glândula: Estrutura do organismo especializada na produção de substâncias que podem ser lançadas na corrente sangüínea (glândulas endócrinas) ou em uma superfície mucosa ou cutânea (glândulas exócrinas). A saliva, o suor, o muco, são exemplos de produtos de glândulas exócrinas. Os hormônios da tireóide, a insulina e os estrógenos são de secreção endócrina.
20 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
21 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
22 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
23 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
24 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
25 Melasma: Manchas escuras na face. O seu surgimento está relacionado à gravidez ou ao uso de anticoncepcionais hormonais (pílula) e tem como fator desencadeante a exposição da pele ao sol. Quando estas manchas ocorrem durante a gravidez, recebem a denominação de cloasma gravídico. Além dos fatores hormonais e da exposição solar, a tendência genética e características raciais também influenciam o surgimento do melasma.
26 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.