Gostou do artigo? Compartilhe!

Bronzeamento artificial: informações básicas sobre ele

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é o bronzeamento artificial?

A cor assumida pela pele1 exposta naturalmente ao sol é denominada bronzeado. O bronzeamento artificial corresponde a promover de modo não natural essa cor, para produzir na pele1 uma aparência similar àquela adquirida quando ela é exposta ao sol.

O assunto é controverso. Há médicos que desaconselham formalmente esse tipo de tratamento e outros que o defendem, quando realizado adequadamente. Esses últimos lembram inclusive, que as câmaras de bronzeamento têm utilização terapêutica2 nos casos de psoríase3 e vitiligo4. Em virtude de seus possíveis efeitos colaterais5, alguns dos quais podem ser graves, a ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária - criou uma rigorosa regulamentação sobre o assunto, a qual deve ser previamente consultada por aquelas pessoas que desejam submeter-se ao procedimento. Entre outras exigências burocráticas, a ANVISA determina às clínicas: informar sobre os riscos do procedimento; proibir o uso das máquinas de bronzeamento por menores de 16 anos; exigir autorização dos responsáveis para atender jovens entre 16 e 18 anos; solicitar dos clientes uma avaliação médica prévia.

Quais são as modalidades de bronzeamento artificial que existem?

O bronzeamento artificial pode ser realizado por meio da aplicação de produtos químicos (loções ou cremes), câmaras de bronzeamento, bronzeamento a jato e cápsulas fitoterápicas.

As loções ou cremes bronzeadores podem apresentar resultados instantâneos ou graduais, embora seus efeitos indesejáveis possam demorar alguns anos para aparecer. Os produtos bronzeadores devem ser aplicados na pele1 com intervalos regulares de alguns dias (geralmente entre 2 e 5 dias). Para uso na face6 devem ser preferidos produtos livres de óleo, que evitam o surgimento de cravos e espinhas. O produto aplicado deve ser regularmente espalhado, porque se diferentes áreas do corpo receberem quantidades diferentes do produto ficarão com colorações diferentes. As mãos7 devem ser bem lavadas após a aplicação porque se acumularem o produto em suas palmas elas poderão ficar mais intensamente escuras do que o restante do corpo.

As câmaras de bronzeamento são os meios mais prejudiciais de bronzeamento. Mais que o sol, elas encerram perigos de causar câncer8, envelhecimento precoce da pele1, manchas e, em caso de uso exagerado, inclusive a morte, porque emitem raios ultravioletas em doses maiores que as do sol. Esses raios estimulam a produção da melanina9 que colore a pele1, mas podem desencadear uma reprodução10 descontrolada de células11 que formam as pintas pretas da pele1, levando ao melanoma12, a forma mais grave de câncer8 dermatológico.

O bronzeamento a jato é considerado a forma menos prejudicial de bronzeamento e pode ser realizado tanto em clínicas de estética como em casa. A técnica consiste na aplicação do corante diretamente na pele1, por meio de uma pistola de ar. Ele permanece ali por 15 dias, em média, e não faz mal à pele1 nem tem ação tóxica. A tonalidade do bronzeado e o tempo pelo qual a pessoa permanecerá bronzeada dependem do tipo de produto usado e da frequência com que for aplicado. Antes de aplicar o produto, a pessoa deve ver se não é alérgica a ele, aplicando-o em uma pequena área da pele1 e verificando o resultado. Como é feito com uma tinta para colorir a pele1, esse bronzeamento vai se desbotando ao longo dos banhos. Depois da total remoção, deve-se hidratar a pele1 com cremes ou óleos hidratantes.

As cápsulas fitoterápicas são de uso oral e contêm substâncias corantes como o betacaroteno, existente, por exemplo, na cenoura e no urucum, tinta vermelha usada pelos índios para pintar o corpo em situações solenes. São mais seguras, embora não devam ser usadas continuamente. Podem ajudar a acentuar o bronzeamento natural, mas não dispensam o uso de protetor solar. O resultado do bronzeamento será melhor se a pessoa esfoliar antes a pele1.

Quais são os riscos e as desvantagens do bronzeamento artificial?

  • O bronzeamento artificial, na dependência do processo e do produto utilizado, aumenta os riscos de câncer8 de pele1, envelhecimento precoce da pele1 e catarata13.
  • Os produtos usados para bronzeamento podem desencadear reações alérgicas.
  • Quando o bronzeamento é feito por meios artificiais pode mostrar resultados instantâneos ou graduais, em pouco tempo, mas os efeitos indesejáveis só aparecerão alguns anos depois.
  • Quando o bronzeamento é feito por meio da aplicação de produtos sobre a pele1 a coloração resultante nem sempre fica muito natural. Deve-se experimentar o produto numa pequena região da pele1, para teste, e só aplicar no resto do corpo se a cor ficar conforme desejado.
ABCMED, 2013. Bronzeamento artificial: informações básicas sobre ele. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/503619/bronzeamento-artificial-informacoes-basicas-sobre-ele.htm>. Acesso em: 8 dez. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
2 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
3 Psoríase: Doença imunológica caracterizada por lesões avermelhadas com descamação aumentada da pele dos cotovelos, joelhos, couro cabeludo e costas juntamente com alterações das unhas (unhas em dedal). Evolui através do tempo com melhoras e pioras, podendo afetar também diferentes articulações.
4 Vitiligo: Doença benigna da pele, caracterizada pela ausência de pigmentação normal nas regiões afetadas, frequentemente face e mãos. Hoje já há tratamento, porém este é demorado e com resultados variáveis de pessoa para pessoa. CÓDIGO INTERNACIONAL DE DOENÇAS (CID): L80- VITILIGO.
5 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
6 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
7 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
8 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
9 Melanina: Cada uma das diversas proteínas de cor marrom ou preta, encontrada como pigmento em vegetais e animais.
10 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
11 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
12 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
13 Catarata: Opacificação das lentes dos olhos (opacificação do cristalino).
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.