Gostou do artigo? Compartilhe!

Luz pulsada em Dermatologia

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é luz pulsada?

A luz pulsada é um feixe de luz com característica policromática (possui várias cores) que tem vários comprimentos de onda, que variam de 400 nm (nanômetros) a 1200 nm. Essa luz, que é produzida através da energia elétrica, passa por uma câmara contendo gás xenônio e é liberada através de um bloco de quartzo ou safira que a decompõe de branca em suas cores componentes. Como essa luz é policromática, utilizam-se filtros de corte, os quais fazem com que a faixa de luz fique mais restrita e mais específica.

Como um dispositivo médico, a luz pulsada foi lançada em 1994. Desde então, tem havido constantes melhorias para facilitar o seu manuseio, ampliar seu espectro de indicações e diminuir os seus efeitos adversos.

Qual é a utilização da luz pulsada em dermatologia?

A luz pulsada é um recurso muito utilizado em tratamentos estéticos, nos quais ela tem grande versatilidade e eficácia. A princípio, ela foi utilizada apenas para realizar uma depilação duradoura, mas com o tempo se notou que ela produz resultados satisfatórios em outros tratamentos dermatológicos.

Desde então, ela se tornou um dos recursos mais utilizados e mais desejados no âmbito da estética, sendo utilizada tanto para tratar manchas e marcas de envelhecimento, quanto para atuar sobre a melanina1 e ajudar na recuperação da cor uniforme do rosto. Ela também aumenta a produção do colágeno2, melhorando a textura e elasticidade3 da pele4, tornando-a mais jovem e mais viçosa.

A luz pulsada possui semelhanças e diferenças com o laser. Ambos são baseados no princípio da fototermólise, ou seja, visam destruir o seu alvo e promover uma depilação duradoura. Ambas as técnicas têm como objetivo a melanina1 presente no bulbo5 piloso, mas enquanto a luz pulsada é policromática, o laser é monocromático e, por isso, ele é mais específico em relação ao alvo. Como desvantagem, ele tem o fato de não poder realizar tratamentos em conjunto, enquanto a luz pulsada pode, por exemplo, fazer a fotodepilação e o clareamento da pele4 ao mesmo tempo.

O feixe de luz do laser é coerente (todas as ondas possuem o mesmo comprimento) e colimado (a luz se concentra em um ponto), enquanto a luz pulsada é não coerente e não colimada. Apesar dessas diferenças, estudos científicos mostram que a eficácia das duas técnicas é equiparável, desde que se saiba programar corretamente os parâmetros de aplicação de cada uma.

Leia também sobre "Síndrome6 da distorção da imagem corporal", "Envelhecimento saudável" e "Rugas".

Como é feito o tratamento com a luz pulsada?

O tratamento com a luz pulsada é feito por um dermatologista manuseando um aparelho de aplicação. Este aparelho emite um feixe de luz colorida a partir de um prisma que decompõe a luz branca de uma tomada elétrica em suas diversas cores, o que significa dizer, em seus diversos comprimentos de onda.

Mediante filtros, o dermatologista pode selecionar os comprimentos de onda que mais convém usar num caso determinado. Cada aplicação deve obedecer à frequência e ao intervalo indicado para cada situação.

Em aplicações na face7, o paciente deve usar óculos escuros especiais para proteger os olhos8. O dermatologista quase sempre os usa, qualquer que seja o local em que vá aplicar o tratamento.

Quais são as principais indicações do uso da luz pulsada?

  1. Fotodepilação prolongada: a luz pulsada atinge as moléculas de melanina1 presentes nos pelos e viaja através da haste deles até os respectivos bulbos, onde produz um grande aumento de temperatura e, consequentemente, os destrói. Esse processo é indolor, as chances de irritação da pele4 são mínimas e os seus efeitos persistem por mais ou menos um ano.
  2. Rejuvenescimento: além de diminuir as rugas e marcas de expressão, a luz pulsada também suaviza a aparência da pele4, estimulando a produção de colágeno2 e elastina por meio da estimulação do fibroblasto9.
  3. Hipercromias e manchas na pele4: o alvo é a melanina1 presente em excesso em todas as hipercromias e manchas da pele4. A luz pulsada possui resultados satisfatórios nas manchas e hipercromias mais superficiais, mas não evita a formação de novas manchas.
  4. Acne10: o alvo é a porfirina presente na bactéria11 que causa a acne10. O tratamento é demorado e depende de várias seções para se obter um resultado semelhante às medicações tópicas e sistêmicas.
  5. Telangiectasias12 e rosáceas: o alvo da luz pulsada é a hemoglobina13. Ela tem como objetivo aumentar a temperatura dos microvasos e promover a coagulação14 deles. O resultado dessa técnica pode não se manter por muito tempo e por isso ela deve ser associada a outros procedimentos de melhor manutenção. No que se refere à rosácea, uma condição genética que não tem cura, a luz pulsada pode amenizar as lesões15.
  6. Melanoses solares: a luz pulsátil também é indicada para o tratamento de manchas escuras na pele4 desencadeadas pelo excesso de exposição ao sol. O tratamento clareia a pele4 e aumenta em até 50% a quantidade de fibras de colágeno2 e elastina, deixando a pele4 mais firme e menos flácida. Associações do tratamento devem ocorrer com intervalos de 3 ou 4 semanas e durante ele é recomendado o uso de protetor solar acima de 30 para evitar a exposição solar direta.

Quais são as contraindicações e os possíveis efeitos adversos com a aplicação da luz pulsada em dermatologia?

Há algumas condições em que a luz pulsada não deve ser aplicada, como em casos de:

  • Bronzeamento natural ou artificial, até quatro semanas antes do tratamento.
  • Gestação.
  • Manchas suspeitas e com potencial maligno.
  • Presença de tatuagem ou maquiagem no local de tratamento.
  • Aplicação direcionada aos olhos8.
  • Uso de algum dispositivo eletrônico implantado no corpo, tipo marca-passo16, por exemplo.
  • Epilepsia17 fotossensível.
  • Doenças que apresentem fotossensibilidade.
  • Pacientes com déficit de cicatrização, como no diabetes mellitus18.
  • Pessoas que usam isotretinoína.

Alguns efeitos adversos da aplicação da luz pulsada em dermatologia podem ser hiperpigmentação, discromias, prurido19, queimaduras, eritema20 ou edema21 local e púrpura22.

Para diminuir a chance de qualquer um desses efeitos indesejáveis, é recomendável que se faça, antes da aplicação, um teste na área a ser posteriormente trabalhada. Este pré-teste consiste em realizar um ou 2 disparos sobre a pele4 a ser tratada e perceber a reação da pele4 após 15 minutos e no dia seguinte. Se nada acontecer, a terapia pode ter prosseguimento sem problemas.

Saiba mais sobre "Laser tratando lesões15 de pele4", "Vitiligo23" e "Bronzeamento artificial".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente do site da SBD – Sociedade Brasileira de Dermatologia.

ABCMED, 2023. Luz pulsada em Dermatologia. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/1433005/luz-pulsada-em-dermatologia.htm>. Acesso em: 15 jun. 2024.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Melanina: Cada uma das diversas proteínas de cor marrom ou preta, encontrada como pigmento em vegetais e animais.
2 Colágeno: Principal proteína fibrilar, de função estrutural, presente no tecido conjuntivo de animais.
3 Elasticidade: 1. Propriedade de um corpo sofrer deformação, quando submetido à tração, e retornar parcial ou totalmente à forma original. 2. Flexibilidade, agilidade física. 3. Ausência de senso moral.
4 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
5 Bulbo: Porção inferior do TRONCO ENCEFÁLICO. É inferior à PONTE e anterior ao CEREBELO. A medula oblonga serve como estação de retransmissão entre o encéfalo e o cordão espinhal, e contém centros que regulam as atividades respiratória, vasomotora, cardíaca e reflexa.
6 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
7 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
8 Olhos:
9 Fibroblasto: Célula que constitui a base do tecido conjuntivo e que, por diferenciação celular, dá origem a vários elementos, tais como fibras, colágenos, tendões, aponeuroses etc.
10 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
11 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
12 Telangiectasias: Dilatações permanentes da parede de um pequeno vaso sanguíneo localizado na derme.
13 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
14 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
15 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
16 Marca-passo: Dispositivo implantado no peito ou no abdômen com o por objetivo de regular os batimentos cardíacos.
17 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
18 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
19 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
20 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
21 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
22 Púrpura: Lesão hemorrágica de cor vinhosa, que não desaparece à pressão, com diâmetro superior a um centímetro.
23 Vitiligo: Doença benigna da pele, caracterizada pela ausência de pigmentação normal nas regiões afetadas, frequentemente face e mãos. Hoje já há tratamento, porém este é demorado e com resultados variáveis de pessoa para pessoa. CÓDIGO INTERNACIONAL DE DOENÇAS (CID): L80- VITILIGO.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.