Gostou do artigo? Compartilhe!

Tipos de insônia

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Quais são os tipos de insônia?

Insônia é a dificuldade de iniciar e/ou manter o sono. Ter uma insônia passageira antecedendo um evento importante ou preocupante é inteiramente normal e ocorre a todas as pessoas. No entanto, isso se torna um problema quando a dificuldade para conciliar o sono se transforma na regra e deixa de ser exceção.

A insônia não é sempre igual e pode ser classificada em diferentes grupos, conforme o critério que se adote, segundo seus motivos, duração ou momento em que ocorre.

Leia sobre "Insônia - informações básicas" e "Insônia - como dormir melhor".

De acordo com seus motivos, a insônia pode ser:

  1. Primária
  2. Secundária

Segundo a duração, pode ser:

  1. Aguda
  2. Crônica

Quanto ao momento do dormir em que acontece, pode ser:

  1. Inicial
  2. Intermediária ou “de manutenção”
  3. Terminal

1. Insônia primária

A insônia primária é aquela que é um problema por si só, existindo “sozinha” e cuja ocorrência não depende de outras situações de base para acontecer. Ela pode ter fatores intrínsecos e extrínsecos envolvidos na sua causa ou causas, mas eles não se relacionam a outro distúrbio.

Geralmente aparece no adulto jovem, mais frequentemente nas mulheres que nos homens, e tem um desenvolvimento crônico1. Estima-se que ela represente de 12% a 22% dos pacientes portadores de insônia crônica. O tratamento da insônia primária compreende higiene adequada do sono, terapia cognitivo2-comportamental e uso orientado de fármacos hipnóticos.

2. Insônia secundária

A insônia secundária ocorre quando a insônia é consequência de uma condição subjacente, orgânica ou psíquica, ou do uso de substâncias lícitas ou ilícitas3. Em resumo, a insônia secundária é aquela que efetivamente tem uma causa detectável.

Estima-se que 85-90% das pessoas com insônia crônica sejam de origem secundária. Nestes casos, o tratamento deve focar tanto na dificuldade de dormir quanto na sua origem.

3. Insônia aguda

A insônia aguda costuma ser passageira e de curta duração (menos de um mês), e tem um evento estressante como causa desencadeante, como a morte de uma pessoa amada, por exemplo. Ela pode ser resultante também de doenças e/ou certos medicamentos e de circunstâncias específicas, como desconforto físico ou dormir em local não habitual. A insônia aguda, às vezes chamada de “insônia de curta duração”, também é mais comum em mulheres do que em homens. 

4. Insônia crônica

A insônia crônica é identificada por aparecer várias vezes em períodos maiores, de anos. Ela tem duração prolongada e causas mais complexas, demandando um diagnóstico4 mais detalhado.

5. Insônia inicial

A insônia inicial é aquela que acontece quando a dificuldade de dormir se dá na passagem do estado de vigília para o de sono. É a famosa “dificuldade de pegar no sono”. A grande maioria dos casos de insônia corresponde à insônia inicial, que se caracteriza pelo aumento da latência5 do sono, ou seja, aumento do tempo que o indivíduo demora para começar a dormir.  

6. Insônia intermediária

A insônia intermediária ou “de manutenção” é aquela em que a pessoa desperta no meio da noite e tem dificuldade de voltar a dormir.

7. Insônia terminal

A insônia terminal, por vezes dita insônia tardia, acontece quando a pessoa desperta muito cedo, antes do horário desejado, e não consegue dormir novamente. Ela decorre da interação de diversos fatores, como predisposição genética e fatores físicos, biológicos, psicológicos e sociais.

 

A insônia pode ainda ser classificada de acordo com o nível de gravidade com que compromete o funcionamento social ou ocupacional: leve, moderada ou grave.

A insônia leve equivale a uma queixa de sono insuficiente e de não se sentir descansado após uma noite de sono, levando a pouco ou nenhum prejuízo social ou ocupacional.

insônia moderada corresponde a uma queixa de quantidade insuficiente de sono, levando a comprometimento leve ou moderado do funcionamento social ou ocupacional.

A insônia grave também corresponde a uma insuficiência6 de sono, mas que leva a grave comprometimento do funcionamento social ou ocupacional.

Os três tipos estão associados, em graus variados, a sentimentos de inquietação, irritabilidade, ansiedade, fadiga7 diurna e cansaço.

Veja também sobre "Distúrbios do sono", "Privação de sono pode atrapalhar seu desempenho", "Pavor noturno" e "Mau humor ao acordar".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da Mayo Clinic e da Cleveland Clinic.

ABCMED, 2022. Tipos de insônia. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1424330/tipos+de+insonia.htm>. Acesso em: 9 dez. 2022.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
2 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
3 Ilícitas: 1. Condenadas pela lei e/ou pela moral; proibidas, ilegais. 2. Qualidade das que não são legais ou moralmente aceitáveis; ilicitude.
4 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
5 Latência: 1. Estado, caráter daquilo que se acha latente, oculto. 2. Por extensão de sentido, é o período durante o qual algo se elabora, antes de assumir existência efetiva. 3. Em medicina, é o intervalo entre o começo de um estímulo e o início de uma reação associada a este estímulo; tempo de reação. 4. Em psicanálise, é o período (dos quatro ou cinco anos até o início da adolescência) durante o qual o interesse sexual é sublimado; período de latência.
6 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
7 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Neurologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.