Gostou do artigo? Compartilhe!

Distúrbios do sono

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são distúrbios do sono?

Distúrbios do sono são transtornos que acontecem ou são agravados durante o dormir, ou ao se iniciar o sono, ou ao despertar dele. Os variados distúrbios do sono são extremamente comuns na população dita normal. Em pacientes com alterações mentais esses índices chegam a 70%.

Quais são os principais distúrbios do sono?

Segundo a Associaton of Sleep Disorders Center, os transtornos do sono podem ser classificados da seguinte maneira:

  1. Insônias
  2. Hiperssonias
  3. Desordens do ritmo sono/vigília
  4. Parassonias
Saiba mais sobre "Como é o sono", "Insônia" e "Parassonias".

As insônias e as hiperssonias são transtornos da quantidade de sono e os distúrbios no ritmo do sono e as parassonias se referem à qualidade do dormir.

insônia é o mais comum dos distúrbios do sono. Ela se constitui em uma inabilidade crônica para obter a quantidade ou a qualidade de sono necessária para manter um adequado comportamento diurno e pode ser primária ou estar secundariamente presente em diferentes enfermidades. Como a insônia depende de uma avaliação subjetiva, pode haver discrepância entre o que é relatado pela pessoa em causa e o que é constatado por outras pessoas e pelos registros em laboratório.

A insônia pode ser: (a) inicial, se há dificuldades de iniciar o sono; (b) intermitente1, quando a pessoa acorda várias vezes durante o dormir ou (c) terminal, quando o despertar ocorre pela madrugada. As insônias são frequentes na ansiedade ou depressão e podem dever-se também a fatores cotidianos, como mudanças de fusos horários, horários especiais de alimentação, trabalho, etc. A insônia secundária a alguma enfermidade física ou mental é, às vezes, o primeiro sintoma2 dela a aparecer.

As hiperssonias se caracterizam por sonolência excessiva durante o dia e/ou sono noturno prolongado. Pode ser idiopática3 (de causa desconhecida), sintomática4, quando secundária a outros transtornos, como diabetes5, fibromialgia6, hipotiroidismo, ou de causa medicamentosa (efeito colateral7 de medicação). É mais comum entre os 15 e 25 anos e menos comum em adultos de mais de 18 anos.

Leia sobre "Diabetes5", "Fibromialgia6" e "Hipotiroidismo".

Os transtornos do ciclo sono/vigília se referem à dificuldade em dormir e manter-se acordado de acordo com as demandas do ambiente do indivíduo. Por exemplo, ter sono durante o dia e insônia à noite. Com frequência, acontecem naquelas pessoas que têm que inverter o ritmo circadiano8 normal ou que mudam bruscamente de fuso horário, como nas viagens internacionais.

As parassonias são transtornos de diversas naturezas causados ou exagerados pelo dormir. As mais comuns são: (1) enurese9, (2) sonambulismo, (3) comportamento R.E.M anormal, (3) pavor noturno, (4) sonhos terroríficos, (5) apneia10 do sono e (6) narcolepsia.

A enurese9 é o fato de urinar enquanto dormindo. Geralmente acontece em crianças, principalmente em meninos. Embora seja tida como uma anormalidade psicológica, algumas vezes tem causa orgânica. Por vezes, um observador externo nota que ela é precedida por inquietação.

O sonambulismo caracteriza-se pelo exercício de atividades motoras bem coordenadas, embora o indivíduo esteja dormindo. De início, a pessoa mantém os olhos11 abertos e a expressão “vazia” e podem ocorrer murmúrios, fala incoerente e repostas monossilábicas. Aos poucos, a atividade torna-se mais organizada. Em casos especiais, as pessoas executam atividades complexas como fazer café, andar de bicicleta, etc. Deixada a si, usualmente a pessoa retorna para a cama e no dia seguinte não se lembra do ocorrido, nem relata um sonho.

No comportamento REM anormal, verifica-se a ausência da atonia muscular que normalmente acompanha essa fase do sono. Tais pacientes, embora não sejam agressivos quando acordados, podem sê-lo durante o sono. Eles parecem atuar seus sonhos, podendo se tornar perigosos para si e para seus parceiros.

O pavor noturno talvez seja o mais bem estudado dos transtornos do sono. Cerca de trinta minutos após o início do sono a pessoa senta na cama, grita, sua e tem a expressão aterrorizada. As tentativas de acalmá-la, feitas por outras pessoas, não têm sucesso.

Os sonhos terroríficos acontecem na fase REM e ocorrem mais pela manhã, próximo ao acordar, sendo acompanhados de imagens oníricas terroríficas, recordadas no dia seguinte. Ao contrário dos fenômenos que ocorrem nas fases de ondas lentas, não tendem a diminuir com a idade, nem são influenciados pelas medicações que afetam aqueles outros.

A apneia10 do sono é constituída por episódios de pausas da respiração durante o sono que duram de 15 a 30 segundos e que podem levar ao despertar. A apneia10 do sono não é uma moléstia única, mas tem várias causas. Seja qual for a sua razão de ser, a paralisia12 ocasiona elevação de gás carbônico e diminuição de oxigênio no sangue13. Pode ser assintomática e somente ser relatada por um parceiro que observa a pessoa que dorme.

A narcolepsia é um ataque irresistível de sono que dura de 5 a 30 minutos e que, às vezes, acontece abruptamente e sem aviso, nas mais inusitadas situações. Outras vezes, a pessoa sente-se sonolenta e tenta, sem sucesso, lutar contra essa sensação. Em geral, se caracteriza por perda abrupta do tônus muscular14, reação parecida a um desmaio, chamada cataplexia15, paralisias ao acordar, sendo incapaz de se movimentar, alucinações16 hipnagógicas17 (que ocorrem no momento de adormecer) e latência18 para o sono diminuída. Durante um acesso típico, a mandíbula19 cai, a cabeça20 projeta-se para frente, os braços pendem, os joelhos dobram. Se adormece, mesmo que por um tempo pequeno (15 minutos, por exemplo), a pessoa acorda refeita, mas como o sono vem inopinadamente, uma das consequências da narcolepsia pode ser a morte na direção de um veículo, por exemplo. Os ataques podem ser precipitados por emoções como raiva21, medo, excitação sexual.

Veja mais sobre "Enurese9", "Sonambulismo", "Pavor noturno", "Apneia10 do sono" e "Narcolepsia".

Como tratar os distúrbios do sono?

O tratamento dos transtornos de sono depende da sua natureza. Deve-se, no entanto, pesquisar e tratar ou solucionar as causas dos transtornos e não somente usar medicações sintomáticas.

Quais são as complicações possíveis dos distúrbios do sono?

Os distúrbios do sono ocasionam maus rendimentos físicos, mentais e emocionais. Alguns deles contraindicam o manejo de máquinas perigosas, bem como dirigir veículos automotores.

Veja também sobre "Polissonografia22" e "Melatonina".

 

ABCMED, 2016. Distúrbios do sono. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1283983/disturbios+do+sono.htm>. Acesso em: 14 nov. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
2 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Idiopática: 1. Relativo a idiopatia; que se forma ou se manifesta espontaneamente ou a partir de causas obscuras ou desconhecidas; não associado a outra doença. 2. Peculiar a um indivíduo.
4 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
5 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
6 Fibromialgia:
7 Efeito colateral: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
8 Ritmo circadiano: Também conhecido como ciclo circadiano, o ritmo circadiano representa o período de um dia (24 horas) no qual se completam as atividades do ciclo biológico dos seres vivos. Uma das funções deste sistema é o ajuste do relógio biológico, controlando o sono e o apetite. Através de um marca-passo interno que se encontra no cérebro, o ritmo circadiano regula tanto os ritmos materiais quanto os psicológicos, o que pode influenciar em atividade como: digestão em vigília, renovação de células e controle de temperatura corporal.
9 Enurese: Definida como a perda involuntária de urina. Ocorre quando a pressão dentro da bexiga excede aquela que se verifica dentro da uretra, ou seja, há um aumento considerável da pressão para urinar dentro da bexiga, isso ocorre durante a fase de enchimento do ciclo de micção. Pode também ser designada de “incontinência urinária“. E ocorre com certa frequência à noite, principalmente entre os idosos.
10 Apnéia: É uma parada respiratória provocada pelo colabamento total das paredes da faringe que ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo e roncando. No adulto, considera-se apnéia após 10 segundos de parada respiratória. Como a criança tem uma reserva menor, às vezes, depois de dois ou três segundos, o sangue já se empobrece de oxigênio.
11 Olhos:
12 Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
13 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
14 Tônus muscular: Estado de tensão elástica (contração ligeira) que o músculo apresenta em repouso e que lhe permite iniciar a contração imediatamente depois de receber o impulso dos centros nervosos. Num estado de relaxamento completo (sem tônus), o músculo levaria mais tempo para iniciar a contração.
15 Cataplexia: Na medicina, é o mesmo que apoplexia ou perda repentina do tono muscular provocada por emoção forte, às vezes associada a um irresistível desejo de dormir. Prostração por súbito ataque de uma doença, sono hipnótico. Em veterinária, entre animais, é uma emoção forte que produz rigidez muscular. Em zoologia, aparência de morte simulada por certos animais como estratégia de defesa.
16 Alucinações: Perturbações mentais que se caracterizam pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensações sem objeto. Impressões ou noções falsas, sem fundamento na realidade; devaneios, delírios, enganos, ilusões.
17 Hipnagógicas: 1. Que provoca o sono; hipnótico, sonífero. 2. Referente ou associado ao entorpecimento que precede o sono. 3. Paralisias rápidas e transitórias que acometem a pessoa quando ela está pegando no sono.
18 Latência: 1. Estado, caráter daquilo que se acha latente, oculto. 2. Por extensão de sentido, é o período durante o qual algo se elabora, antes de assumir existência efetiva. 3. Em medicina, é o intervalo entre o começo de um estímulo e o início de uma reação associada a este estímulo; tempo de reação. 4. Em psicanálise, é o período (dos quatro ou cinco anos até o início da adolescência) durante o qual o interesse sexual é sublimado; período de latência.
19 Mandíbula: O maior (e o mais forte) osso da FACE; constitui o maxilar inferior, que sustenta os dentes inferiores. Sinônimos: Forame Mandibular; Forame Mentoniano; Sulco Miloióideo; Maxilar Inferior
20 Cabeça:
21 Raiva: 1. Doença infecciosa freqüentemente mortal, transmitida ao homem através da mordida de animais domésticos e selvagens infectados e que produz uma paralisia progressiva juntamente com um aumento de sensibilidade perante estímulos visuais ou sonoros mínimos. 2. Fúria, ódio.
22 Polissonografia: Exame utilizado na avaliação de algumas das causas de insônia.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Psiquiatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.