Gostou do artigo? Compartilhe!

Acidente vascular cerebral em jovens

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é um acidente vascular cerebral1?

O acidente vascular cerebral1 (AVC), popularmente conhecido como derrame2 cerebral, é a doença neurológica que mais frequentemente acomete o sistema nervoso3 e é a principal causa de incapacidades físicas e mentais. Ele ocorre quando o suprimento de sangue4 para uma parte do cérebro5 é interrompido subitamente (AVC isquêmico6) ou quando um vaso sanguíneo no cérebro5 rompe, extravasando seu conteúdo e dando origem a um hematoma7, ou coágulo8, que provoca sofrimento no tecido9 cerebral (AVC hemorrágico10). O AVC isquêmico6 é o mais comum, representa cerca de 85% dos casos de derrames. Já o AVC hemorrágico10, embora menos comum, apresenta maior mortalidade11.

Saiba mais sobre "Acidente vascular cerebral1", "Hemorragia12 cerebral" e "Isquemia13 cerebral transitória".

O que é um acidente vascular cerebral1 em jovens?

Os AVCs habitualmente são eventos que ocorrem em pessoas adultas a partir da 5ª década da vida. Os jovens representam 10% - 14% dos pacientes. Embora mais comum em adultos, o AVC também ocorre mesmo em recém-nascidos, lactentes14 e crianças, resultando em morbidade15 e mortalidade11 significativas.

O AVC em jovens vem aumentando no Brasil. Segundo o Ministério da Saúde16, 62 mil pessoas abaixo dos 45 anos morreram de AVC entre os anos 2000 e 2010, e desde então crianças e adolescentes têm engrossado a lista. Em 2012, quatro mil pessoas entre 15 e 34 anos foram internadas por causa do problema no país.

Quais são as causas do acidente vascular cerebral1 em jovens?

Ambos os sexos são igualmente afetados. Num estudo em pacientes jovens com AVC foram encontrados dislipidemia (38%), tabagismo (34%), hipertensão arterial17 (20%) e diabetes mellitus18 (11%). As artérias19 mais afetadas são, pela ordem, artéria cerebral média20 (23%), carótida interna (13%) e artéria21 vértebro basilar (13%).

A causa maior do acidente foi cardioembólica, em 47% dos casos, e indeterminada em 11%. As justificativas alegadas para o quadro vão desde hábitos pouco saudáveis até os métodos mais precisos de diagnósticos. As pessoas estão expostas cada vez mais a fatores de risco como sedentarismo22, pressão arterial23 elevada, diabetes24, colesterol25 alto e obesidade26.

Leia sobre "Tabagismo", "Sedentarismo22", "Glicemia27", "Hipertensão arterial17", "Colesterol25 alto" e "Obesidade26".

Quais são as principais características clínicas do acidente vascular cerebral1 em jovens?

Os AVCs podem ser de dois principais tipos:

  1. Isquêmico6 (85% dos casos), quando há interrupção da chegada do sangue4 ao cérebro5, provocado pela obstrução dos vasos sanguíneos28.
  2. Hemorrágico10, caracterizado por sangramento dentro do tecido9 cerebral, devido ao rompimento de um vaso sanguíneo.

Os sintomas29 do AVC em jovens são idênticos aos que acontecem em outras faixas etárias. Eles normalmente são agudos ou rapidamente progressivos, caracterizados por perda da força muscular ou formigamento de um lado do corpo; dificuldade para falar ou compreender; dor de cabeça30 forte sem outra causa aparente; perda visual, particularmente de um olho31 apenas; perda do equilíbrio ou tontura32.

Como o médico diagnostica o acidente vascular cerebral1 em jovens?

O diagnóstico33 de AVC deve começar pela história clínica do paciente, mas deve ser refinado por angiografia34 cerebral, ultrassonografia35 cardíaca, Holter36 e exame de coagulabilidade sanguínea. Cerca de um terço dos pacientes jovens com AVC, particularmente os menores de 35 anos, têm infartos múltiplos.

Alguns dos sinais37 e sintomas29 do AVC podem aparecer também em outras condições que levam a um déficit neurológico focal. Muitos destes outros diagnósticos podem ser esclarecidos com um exame de glicemia27 ou com exames de imagem como tomografia computadorizada38 ou ressonância nuclear magnética do crânio39.

Veja mais sobre "Diagnóstico33 e tratamento do AVC" e "Angiografia34".

Como o médico trata o acidente vascular cerebral1 em jovens?

O tratamento do paciente, seja ele jovem ou não, vai depender do tipo de AVC. Nos casos de isquemia13 cerebral, há a possibilidade de utilizar medicações que podem desobstruir os vasos sanguíneos28. Além das medicações, tanto nos casos de isquemia13 quanto de hemorragia12, deve ser considerada e avaliada a necessidade de intervenção cirúrgica.

A presteza no atendimento do AVC é essencial; quanto mais rápido for diagnosticado e tratado o AVC, menor será a sua extensão e consequentemente menores serão as sequelas40 do paciente.

Tão importante quanto o tratamento são os cuidados pós-AVC. A reabilitação motora deve ter início precoce e ser conduzida por uma equipe multidisciplinar. Em geral, 85% dos pacientes apresentam boa resposta à reabilitação quando esta é realizada de forma precoce e eficaz.

Como prevenir o acidente vascular cerebral1 em jovens?

O tratamento preventivo41 deve ser feito pelo controle dos fatores de risco, além da necessidade de não fumar, ter uma alimentação saudável e praticar exercícios físicos regulares.

Leia também sobre "Alimentação saudável" e "Atividade física".

 

ABCMED, 2019. Acidente vascular cerebral em jovens. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1339033/acidente-vascular-cerebral-em-jovens.htm>. Acesso em: 25 ago. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
2 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
3 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
4 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
5 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
6 Isquêmico: Relativo à ou provocado pela isquemia, que é a diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea, numa parte do organismo, ocasionada por obstrução arterial ou por vasoconstrição.
7 Hematoma: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
8 Coágulo: 1. Em fisiologia, é uma massa semissólida de sangue ou de linfa. 2. Substância ou produto que promove a coagulação do leite.
9 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
10 Hemorrágico: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
11 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
12 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
13 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
14 Lactentes: Que ou aqueles que mamam, bebês. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
15 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
16 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
17 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
18 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
19 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
20 Artéria Cerebral Média: A maior das artérias cerebrais. Trifurca-se nos ramos temporal, frontal e parietal fornecendo sangue à maior parte do parênquima dos lobos no CÓRTEX CEREBRAL. Estas são as áreas envolvidas nas atividades motora, sensitiva e da fala.
21 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
22 Sedentarismo: Qualidade de quem ou do que é sedentário, ou de quem tem vida e/ou hábitos sedentários. Sedentário é aquele que se exercita pouco, que não se movimenta muito.
23 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
24 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
25 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
26 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
27 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
28 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
29 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
30 Cabeça:
31 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
32 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
33 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
34 Angiografia: Método diagnóstico que, através do uso de uma substância de contraste, permite observar a morfologia dos vasos sangüíneos. O contraste é injetado dentro do vaso sangüíneo e o trajeto deste é acompanhado através de radiografias seriadas da área a ser estudada.
35 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
36 Holter: Dispositivo portátil, projetado para registrar de forma contínua, diferentes variáveis fisiológicas ou atividade elétrica durante um período pré-estabelecido de tempo. Os mais utilizados são o Holter eletrocardiográfico e o Holter de pressão.
37 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
38 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
39 Crânio: O ESQUELETO da CABEÇA; compreende também os OSSOS FACIAIS e os que recobrem o CÉREBRO. Sinônimos: Calvaria; Calota Craniana
40 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
41 Preventivo: 1. Aquilo que previne ou que é executado por medida de segurança; profilático. 2. Na medicina, é qualquer exame ou grupo de exames que têm por objetivo descobrir precocemente lesão suscetível de evolução ameaçadora da vida, como as lesões malignas. 3. Em ginecologia, é o exame ou conjunto de exames que visa surpreender a presença de lesão potencialmente maligna, ou maligna em estágio inicial, especialmente do colo do útero.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Neurologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.