Gostou do artigo? Compartilhe!

Medicina ortomolecular

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a medicina ortomolecular?

A medicina ortomolecular é uma prática de medicina alternativa que visa manter a saúde1 humana através da suplementação2 nutricional. O conceito baseia-se na ideia de um ambiente nutricional ideal no corpo e sugere que as doenças refletem deficiências nesse ambiente.

Ela também recomenda o uso de quantidades de biomoléculas acima dos limites definidos pela medicina tradicional. No entanto, segundo muitas instituições médicas, exceder os limites de tolerância de substâncias no corpo pode trazer efeitos adversos tanto a curto quanto a longo prazo.

O termo ortomolecular deriva do inglês “orthomolecular”, criado pelo químico americano Linus Pauling, em 1968, a partir da combinação da palavra grega “ortho” (= correto ou certo) com a palavra em inglês “molecule” (molécula). Assim, ortomolecular significa, literalmente, molécula correta. Linus Pauling (1901-1994) foi Prêmio Nobel de química em 1954 por suas descobertas na área de ligações químicas e seu uso na elucidação da estrutura molecular.

Leia sobre "Macronutrientes3", "Micronutrientes4" e "Hipovitaminoses".

Um pouco da história da medicina ortomolecular

Foi no início do século XX que se descobriu que, além de carboidratos, gorduras e proteínas5, o organismo também precisava de outras substâncias para o seu bom funcionamento, como vitaminas e sais minerais. Muito antes, milhares de soldados, marinheiros e presos tiveram que morrer de beribéri ou adoecer de escorbuto6 até que se descobrisse que a causa da doença era a deficiência de vitamina7 B1 e vitamina7 C, respectivamente. Graças a essas descobertas, ambas as doenças foram quase totalmente erradicadas por uma simples mudança na alimentação.

No início dos anos 1940, Linus Pauling foi diagnosticado com uma doença renal8 e seu médico o recomendou uma dieta livre de sal e com suplemento de vitaminas. Pauling ficou curioso com a recomendação e passou a fazer pesquisas de cunho próprio. Nos anos a seguir, ele apresentou diversas palestras, debatendo hipóteses de que as deficiências ou excessos de compostos químicos poderiam ser causas de problemas neurológicos.

Na década de 1960, Pauling recomendou tomar certas substâncias em doses altas. Em 1968, publicou um artigo na revista Science nomeado “Psiquiatria ortomolecular”, cunhando pela primeira vez o termo, defendendo a ideia de que alguns distúrbios psiquiátricos poderiam ser devidos a deficiências de certos nutrientes.

Embora suas recomendações não sejam mais necessárias hoje em dia (apenas em casos raros), por terem sido incorporadas à dietoterapia e à medicina corrente, muitos dos princípios ortomoleculares que ele criou continuam válidos.

Por que a medicina ortomolecular?

Essa prática tem suas raízes quando, nos anos de 1950, uma série de psiquiatras criou a terapia mega vitamínica, que consistia na aplicação de dosagens massivas de vitamina7 B3 em pacientes psiquiátricos. Com o tempo, a terapia foi ampliada e passou a usar outras vitaminas, minerais, hormônios e dietas, combinados com medicamentos e eletroconvulsoterapia (eletrochoque).

No Brasil, o Conselho Federal de Medicina (CFM) considera que a chamada medicina ortomolecular não é uma especialidade médica nem uma área específica de atuação médica, e proíbe todas as práticas ortomoleculares que não tenham comprovação científica, como os tratamentos antienvelhecimento, por exemplo. Todavia, permite as terapias com base científica, desde que sejam indicadas por um médico e apenas após serem tratadas todas as doenças de base concomitantes (resolução 2.004 de 2012).

Veja também sobre "Benefícios do ômega 3", "Dieta mediterrânea9" e "Microbioma10 intestinal humano".

Como a medicina ortomolecular supõe ajudar à saúde1?

A Medicina Ortomolecular em si não é uma forma de tratamento, mas um recurso coadjuvante11 indispensável a muitos tratamentos, além de ser um meio preventivo12 que ajuda o organismo a se manter sadio. Ela busca suplementar em quantidades adequadas certos compostos específicos que julga serem necessários para restaurar um meio fisiológico13 saudável do organismo.

Assim, além de ter uma atuação terapêutica14, a medicina ortomolecular visa manter a saúde1 e o bem-estar do organismo, prevenindo a manifestação de doenças e de outras condições clínicas. Procura fazer isso através da ingestão de nutrientes específicos, que pode ser realizada principalmente a partir de duas abordagens:

  1. Uma reeducação alimentar, evitando alimentos industrializados15 e dando preferência para o consumo de alimentos naturais e que contribuam para a promoção da saúde1 do organismo.
  2. Envolvendo a suplementação2 em doses adequadas de substâncias consideradas naturais ao organismo humano, ou seja, substâncias que estão presentes fisiologicamente no corpo, como vitaminas, aminoácidos e sais minerais.

Ambas as práticas são realizadas avaliando-se as necessidades individuais de cada paciente por meio da análise de aspectos clínicos e bioquímicos do indivíduo.

O tratamento ortomolecular é feito através da ingestão de substâncias essenciais que favorecem a recuperação natural do organismo, reduzindo processos associados ao desenvolvimento de doenças como, principalmente, o estresse oxidativo. As principais medicações e nutrientes usados nesse sentido são:

  • a vitamina7 C;
  • a vitamina7 E;
  • as vitaminas do complexo B;
  • o betacaroteno (ou provitamina A);
  • a quercetina;
  • e a coenzima Q10.

Além de auxiliar na prevenção de doenças associadas ao envelhecimento do organismo, a Medicina Ortomolecular pugna, ainda, pelo tratamento adjuvante de condições agudas e crônicas como, por exemplo, obesidade16, doenças cardiovasculares17, infecções18 virais, distúrbios psiquiátricos e diferentes tipos de câncer19.

Entre outras vantagens, ela ajuda na desintoxicação do organismo e no equilíbrio de substâncias essenciais, tornando possível que ocorra:

  • um rendimento metabólico maior;
  • mais vitalidade das células20;
  • redução no tempo de recuperação de doenças;
  • melhoria nos tratamentos de doenças respiratórias;
  • fortalecimento do sistema imunológico21;
  • diminuição da utilização de medicações;
  • e auxílio nos processos de emagrecimento.

No que se refere à alimentação, as principais recomendações de medicina ortomolecular podem ser assim resumidas:

  • priorizar frutas ricas em antioxidantes, como morango, limão, acerola e mirtilo;
  • consumir hortaliças e legumes, como brócolis, pimentão, cenoura, tomate e cebola;
  • priorizar cereais integrais em relação aos processados, como arroz integral, pão integral e aveia;
  • consumir alimentos ricos em ômega 3, como sardinha, linhaça e salmão;
  • evitar frituras, como batatas fritas, salgadinhos e empanados;
  • evitar refrigerantes, sucos industrializados e bebidas alcoólicas;
  • evitar a carne vermelha, como porco, carne bovina e cordeiro;
  • e evitar embutidos, como presunto, salsicha, salame, mortadela e peito22 de peru.

Além disso, é recomendado também beber bastante água, já que ajuda a desintoxicar o organismo, removendo o excesso de líquidos e impurezas do organismo através da urina23. Tudo isso faz parte do que hoje se costuma considerar como “alimentação saudável”.

Saiba mais sobre "Whey Protein (Proteína do Soro24)", "Alimentação saudável" e "Alimentos ricos em fibras".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da Foundation for Alternative and Integrative Medicine e do NIH – National Institutes of Health.

ABCMED, 2022. Medicina ortomolecular. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/1423750/medicina+ortomolecular.htm>. Acesso em: 29 jan. 2023.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
3 Macronutrientes: Os macronutrientes fornecem as calorias aos alimentos. São eles: carboidratos, proteínas e lipídeos.
4 Micronutrientes: No grupo dos micronutrientes estão as vitaminas e os minerais. Esses nutrientes estão presentes nos alimentos em pequenas quantidades e são indispensáveis para o funcionamento adequado do nosso organismo. Exemplos: cálcio, ferro, sódio, etc.
5 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
6 Escorbuto: Doença aguda ou crônica causada pela carência de vitamina C, caracterizada por hemorragias, alteração das gengivas e queda da resistência às infecções.
7 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
8 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
9 Dieta Mediterrânea: Alimentação rica em carboidratos, fibras, elevado consumo de verduras, legumes e frutas (frescas e secas) e pobre em ácidos graxos saturados. É recomendada uma ingestão maior de gordura monoinsaturada em decorrência da grande utilização do azeite de oliva. Além de vinho.
10 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
11 Coadjuvante: Que ou o que coadjuva, auxilia ou concorre para um objetivo comum.
12 Preventivo: 1. Aquilo que previne ou que é executado por medida de segurança; profilático. 2. Na medicina, é qualquer exame ou grupo de exames que têm por objetivo descobrir precocemente lesão suscetível de evolução ameaçadora da vida, como as lesões malignas. 3. Em ginecologia, é o exame ou conjunto de exames que visa surpreender a presença de lesão potencialmente maligna, ou maligna em estágio inicial, especialmente do colo do útero.
13 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
14 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
15 Alimentos industrializados: São aqueles que passam por processamento industrial (larga escala) ou doméstico, contendo elementos químicos. Este processo de transformação, mesmo que caseiro, é percebido como menos saudável que o natural. Geralmente estes produtos sofrem junção com outro tipo de produto, como conservantes, ou alterações em sua temperatura. Exemplo: qualquer produto enlatado, engarrafado ou embutidos.
16 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
17 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
18 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
19 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
20 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
21 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
22 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
23 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
24 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.