Gostou do artigo? Compartilhe!

Metabolismo: conceito e como ele influencia na perda e no ganho de peso corporal

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é metabolismo1?

Metabolismo1 (do grego: μεταβολισμός = troca, transformação) é a soma de processos químicos e físicos que ocorrem dentro de um organismo vivo e sustentam a vida. A expressão metabolismo1 celular é usada em referência ao conjunto de todas as reações químicas que ocorrem no interior das células2. Os três principais objetivos do metabolismo1 são:

  1. A conversão de alimentos em energia para executar processos celulares
  2. A conversão de alimentos em proteínas3, lipídios, ácidos nucleicos e alguns carboidratos
  3. A eliminação de resíduos nitrogenados

Ele funciona continuamente para manter o corpo em movimento, mesmo quando a pessoa está descansando ou dormindo, convertendo os alimentos e os demais nutrientes na energia necessária para respirar, fazer o sangue4 circular, crescer e reparar células2 e tudo mais que seja necessário para sobreviver. A palavra metabolismo1 também pode se referir à soma de todas as reações químicas que ocorrem em organismos vivos.

Leia sobre "Idade metabólica versus idade cronológica", "Termogênicos" e "Remédios que engordam".

Qual é o substrato fisiológico5 do que é metabolismo1?

O metabolismo1 depende dos nutrientes que a pessoa ingere para produzir energia. Essa energia, por sua vez, é requerida pelo organismo para sintetizar novas proteínas3, ácidos nucleicos, etc. Os nutrientes essenciais fornecem energia (calorias6) e os produtos químicos necessários que o próprio corpo não consegue sintetizar. Os alimentos fornecem uma variedade de substâncias essenciais para a construção, manutenção e reparo dos tecidos corporais e para o funcionamento eficiente do corpo. Os principais elementos são fornecidos em carboidratos, lipídios e proteínas3. Além disso, vitaminas, minerais e água são igualmente necessários.

Os carboidratos vêm do arroz, trigo, pão, batata, macarrão, etc. e são fornecidos em três formas: amido, açúcar7 e celulose (fibra). Carboidratos e açúcares produzem glicose8 por digestão9 ou metabolismo1 e os tecidos do corpo dependem da glicose8 para todas as atividades. A maioria das pessoas consome cerca de metade da sua dieta em carboidratos.

As proteínas3 fazem parte de todas as células2 do corpo e ajudam na estrutura celular, formação da hemoglobina10 para transportar oxigênio, enzimas para realizar reações vitais e uma infinidade de outras funções no corpo. Elas são vitais no fornecimento de nitrogênio para material genético e produção de energia.

As proteínas3 são necessárias para a nutrição11 porque contêm aminoácidos. Os aminoácidos essenciais incluem lisina, triptofano, metionina, leucina, isoleucina, fenilalanina12, valina e treonina. Alguns aminoácidos são produzidos pelo próprio corpo e outros, que o corpo não produz, devem ser supridos pela alimentação. Os alimentos com proteínas3 da melhor qualidade são ovos, leite, soja, carnes, legumes e grãos.

As gorduras são fontes concentradas de energia. Elas produzem o dobro de energia que os carboidratos ou proteínas3. As funções das gorduras incluem ajuda para formar a estrutura celular, formar uma almofada protetora e isolamento ao redor dos órgãos vitais, ajuda para absorver vitaminas lipossolúveis e fornecer um armazenamento de reserva para energia.

Os ácidos graxos essenciais incluem ácidos graxos insaturados, como os ácidos linoleico, linolínico e araquidônico. Estes precisam ser tomados na dieta. As gorduras saturadas13, juntamente com o colesterol14, têm sido implicadas na arteriosclerose15 e nas doenças cardíacas.

Além disso, minerais e vitaminas também são essenciais ao metabolismo1. Os minerais presentes nos alimentos não contribuem diretamente para as necessidades energéticas, mas são importantes como reguladores corporais e desempenham um papel nas vias metabólicas do corpo. Mais de 50 elementos são encontrados no corpo humano16. Cerca de 25 elementos foram considerados essenciais, uma vez que uma deficiência produz sintomas17 específicos de deficiência. As vitaminas são compostos orgânicos essenciais que o corpo humano16 não pode sintetizar por si só e, portanto, devem estar presentes na dieta.

Como funciona o metabolismo1?

O metabolismo1 divide-se em:

  • Catabolismo18, que é a quebra de uma substância para obter energia (por exemplo, a quebra de glicose8 em piruvato19).
  • Anabolismo20, que é a capacidade que o organismo possui de transformar uma substância em outra (síntese) que sirva para seu desenvolvimento e reparação. Em outros termos é a síntese de compostos como as proteínas3, os carboidratos, lipídios e ácidos nucleicos.

As reações químicas do metabolismo1 são organizadas em vias metabólicas, nas quais uma substância química é transformada através de uma série de etapas em outra substância química, sendo cada etapa facilitada por uma enzima21 específica. As enzimas são grupos de substâncias orgânicas de natureza normalmente proteica, com atividade intra ou extracelular que têm funções catalisadoras (facilitadoras) e reações químicas que dificilmente aconteceriam sem a sua presença. As enzimas também permitem a regulação da taxa de uma reação metabólica, por exemplo, em resposta a mudanças no ambiente da célula22 ou a sinais23 de outras células2. A taxa metabólica basal de um organismo é a medida da quantidade de energia consumida por todas essas reações químicas.

Metabolismo1 lento e metabolismo1 rápido

Os processos químicos que se desenvolvem no organismo requerem energia. A quantidade mínima de energia que o corpo necessita para realizar esses processos químicos é chamada de metabolismo1 basal. O metabolismo1 basal é responsável por algo entre 40% e 70% das necessidades diárias de energia do corpo, dependendo da idade e estilo de vida da pessoa.

Esse processo funciona em diferentes intensidades em pessoas diferentes. As pessoas podem ter metabolismo1 rápido ou lento. A maior ou menor velocidade do metabolismo1 torna mais fácil ou mais difícil para as pessoas ganharem ou perderem peso, embora nem sempre decidam isso. Um metabolismo1 lento queima menos calorias6, o que significa que mais são armazenadas como gordura24 no corpo. Um metabolismo1 rápido queima calorias6 a uma taxa mais rápida, o que explica por que algumas pessoas podem comer muito e não ganhar quilos extras.

As células musculares25 requerem mais energia para se manterem do que as células adiposas26. Portanto, pessoas com mais músculo que gordura24 tendem a ter um metabolismo1 mais rápido. À medida que a pessoa envelhece, tende a ganhar gordura24 e perder músculos27 e isso explica por que o metabolismo1 pode diminuir à medida que a pessoa envelhece. Em geral, os homens tendem a ter um metabolismo1 mais rápido que as mulheres porque têm mais massa muscular, ossos mais pesados e menos gordura24 corporal.

Além disso, os genes definitivamente desempenham um papel no tamanho muscular e na capacidade de fazerem os músculos27 crescer, os quais, por sua vez afetam o metabolismo1.

O metabolismo1, a perda e o ganho de peso

Nem sempre o metabolismo1 é o responsável pela perda ou ganho de peso. Mas como o metabolismo1 é um processo natural, o corpo possui muitos mecanismos que o regulam para atender às suas necessidades básicas. Somente em casos raros, a pessoa obtém ganho de peso excessivo devido a um problema médico que diminui o metabolismo1, como a síndrome de Cushing28 ou a presença de um hipotireoidismo29.

O ganho de peso é uma combinação de composição genética, controles hormonais, composição da dieta e o impacto do ambiente no estilo de vida da pessoa, incluindo sono, atividade física e estresse. Todos esses fatores resultam em um desequilíbrio na equação da energia. A pessoa ganha peso quando come mais calorias6 do que queima ou queima menos calorias6 do que consome.

Embora seja verdade que algumas pessoas parecem capazes de perder peso mais rápida e facilmente do que outras, todos perdem peso quando queimam mais calorias6 do que comem. Para perder peso, a pessoa precisa criar um déficit de energia ingerindo menos calorias6 ou aumentando o número de calorias6 queimadas por atividade física, ou fazendo os dois.

Veaj também sobre "Papel dos alimentos ricos em proteínas3", "Frutose30 não é só o açúcar7 das frutas", "Comportamento da glicemia31" e "Alimentos com carboidratos e como agem".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos sites da Mayo Clinic e do National Health Service – UK

ABCMED, 2020. Metabolismo: conceito e como ele influencia na perda e no ganho de peso corporal. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/1368878/metabolismo-conceito-e-como-ele-influencia-na-perda-e-no-ganho-de-peso-corporal.htm>. Acesso em: 1 dez. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
2 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
3 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
4 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
5 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
6 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
7 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
8 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
9 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
10 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
11 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
12 Fenilalanina: É um aminoácido natural, encontrado nas proteínas vegetais e animais, essencial para a vida humana.
13 Gorduras saturadas: Elas são encontradas principalmente em produtos de origem animal. Em temperatura ambiente, apresentam-se em estado sólido. Estão nas carnes vermelhas e brancas (principalmente gordura da carne e pele das aves e peixes), leite e seus derivados integrais (manteiga, creme de leite, iogurte, nata) e azeite de dendê.
14 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
15 Arteriosclerose: Doença degenerativa da artéria devido à destruição das fibras musculares lisas e das fibras elásticas que a constituem, levando a um endurecimento da parede arterial, geralmente produzido por hipertensão arterial de longa duração ou pelo envelhecimento.
16 Corpo humano: O corpo humano é a substância física ou estrutura total e material de cada homem. Ele divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A anatomia humana estuda as grandes estruturas e sistemas do corpo humano.
17 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
18 Catabolismo: Parte do metabolismo que se refere à assimilação ou processamento da matéria adquirida para fins de obtenção de energia. Diz respeito às vias de degradação, ou seja, de quebra das substâncias. Parte sempre de moléculas grandes, que contêm quantidades importantes de energia (glicose, triclicerídeos, etc). Estas substâncias são transformadas de modo a que restem, no final, moléculas pequenas, pobres em energia ( H2O, CO2, NH3 ), aproveitando o organismo a libertação de energia resultante deste processo. É o contrário de anabolismo.
19 Piruvato: Ácido pirúvico ou piruvato é um composto orgânico contendo três átomos de carbono (C3H4O3), originado ao fim da glicólise. Em meio aquoso, ele dissocia-se formando o ânion piruvato, que é a forma sob a qual participa de processos metabólicos.
20 Anabolismo: Parte do metabolismo que se refere à incorporação de substâncias no organismo do indivíduo. Diz respeito à síntese de moléculas complexas a partir de outras mais elementares ou menos complexas. Para isso é necessário um certo dispêndio de energia, (ATP). Exemplo: Formação de proteínas a partir de aminoácidos.
21 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
22 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
23 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
24 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
25 Células Musculares: Células contráteis maduras, geralmente conhecidas como miócitos, que formam um dos três tipos de músculo. Os três tipos de músculo são esquelético (FIBRAS MUSCULARES), cardíaco (MIÓCITOS CARDÍACOS) e liso (MIÓCITOS DE MÚSCULO LISO). Provêm de células musculares embrionárias (precursoras) denominadas MIOBLASTOS.
26 Células Adiposas: Células do corpo que geralmente armazenam GORDURAS na forma de TRIGLICERÍDEOS. Os ADIPÓCITOS BRANCOS são os tipos predominantes encontrados, na maioria das vezes, na cavidade abdominal e no tecido subcutâneo. Os ADIPÓCITOS MARRONS são células termogênicas que podem ser encontradas em recém-nascidos de algumas espécies e em mamíferos que hibernam.
27 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
28 Síndrome de Cushing: A síndrome de Cushing, hipercortisolismo ou hiperadrenocortisolismo, é um conjunto de sinais e sintomas que indicam excesso de cortisona (hormônio) no sangue. Esse hormônio é liberado pela glândula adrenal (também conhecida como suprarrenal) em resposta à liberação de ACTH pela hipófise no cérebro. Níveis elevados de cortisol (ou cortisona) também podem ocorrer devido à administração de certos medicamentos, como hormônios glicocorticoides. A síndrome de Cushing e a doença de Cushing são muito parecidas, já que o que a causa de ambas é o elevado nível de cortisol no sangue. O que difere é a origem dessa elevação. A doença de Cushing diz respeito, exclusivamente, a um tumor na hipófise que passa a secretar grande quantidade de ACTH e, consequentemente, há um aumento na liberação de cortisol pelas adrenais. Já a síndrome de Cushing pode ocorrer, por exemplo, devido a um tumor presente nas glândulas suprarrenais ou pela administração excessiva de corticoides.
29 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
30 Frutose: Açúcar encontrado naturalmente em frutas e mel. A frutose encontrada em alimentos processados é derivada do milho. Contém quatro calorias por grama.
31 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Geriatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.