Gostou do artigo? Compartilhe!

Termogênicos: prós e contras para a saúde

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são termogênicos?

Chama-se de termogênese (=produção de calor) ao processo metabólico que regula a temperatura do corpo. Ela se baseia na queima de gorduras armazenadas para produzir energia e, com isso, gerar calor. Os termogênicos são suplementos alimentares que aumentam o metabolismo1 ou micro-organismos que criam calor a partir de resíduos orgânicos. Eles levam a uma maior perda das calorias2 gastas com a lipólise (queima de gordura3). Atletas ou pessoas que simplesmente desejam perder peso usam os termogênicos para aumentar sua taxa metabólica basal e, assim, aumentar seu gasto energético. Quando fazemos exercícios, a temperatura do nosso corpo aumenta e nosso metabolismo1 se acelera. Os termogênicos produzem um aumento da temperatura, mesmo com o corpo em repouso.

Onde encontrar termogênicos?

Eles estão representados por substâncias como a cafeína e a efedrina, por exemplo, ou contidos em alimentos como chá verde, óleos vegetais e guaraná, dentre outros que aceleram o metabolismo1 lipídico. Alguns alimentos são naturalmente termogênicos, como a pimenta vermelha, a mostarda, o vinagre de maçã, o gengibre e o guaraná. Mas nem os alimentos, nem os suplementos dispensam a pessoa de seguir uma dieta saudável e praticar exercícios físicos regulares. Alguns deles agem diretamente sobre o sistema nervoso central4 impedindo ou adiando a liberação do hormônio5 leptina6, que favorece a saciedade e inibe a sensação de fome. Em geral, deixam o corpo em estado de alerta.

Por que usar termogênicos?

Os termogênicos agem como queimadores de gordura3 e inibidores de apetite e, assim, são benéficos para os indivíduos que almejam perder peso e tecido adiposo7. Em geral, estimulam o sistema nervoso central4 e ativam o estado de alerta e ataque ativo, com aceleração cardíaca, dilatação dos brônquios8 e glicogenólise9 (queima do glicogênio10) para obter energia. Com a aceleração cardíaca, mais sangue11 e nutrientes chegam às células12 e aos tecidos, melhorando a performance no exercício e a queima de gordura3. A broncodilatação13 permite um maior fluxo de oxigênio e assim melhora o rendimento do indivíduo em exercícios aeróbicos. A glicogenólise9 libera energia. Com isso, os indivíduos queimarão mais calorias2 mesmo durante as tarefas comuns do dia a dia, como andar e trabalhar, por exemplo. Como auxiliares no emagrecimento, os termogênicos não dispensam as dietas, os exercícios regulares, o abandono do sedentarismo14 e as mudanças no estilo de vida.

Quais são os perigos dos termogênicos?

Entre outros, os dois maiores malefícios dos termogênicos são (1) doses excessivas e (2) uso inadequado por pessoas para as quais eles seriam contraindicados, como as que sofrem de hipertensão arterial15, arritmias16 cardíacas, insônia, etc. O consumo em excesso pode gerar fadiga17, dor de cabeça18 e tontura19. Pessoas com problemas de ansiedade devem evitar os termogênicos, que podem levar ao nervosismo e a outros sintomas20. Outros estimulantes mais fortes podem gerar quadros de pânico, ansiedade e insônia. Há ainda os que irritam o cólon21, levando a dores abdominais e diarreia22. Pessoas que possuem doenças inflamatórias intestinais devem evitar esses suplementos. Ou seja, embora pareçam produtos simples, os termogênicos só devem ser usados por orientação de um nutricionista23 ou nutrólogo.

ABCMED, 2015. Termogênicos: prós e contras para a saúde. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/806179/termogenicos+pros+e+contras+para+a+saude.htm>. Acesso em: 21 out. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
2 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
3 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
4 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
5 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
6 Leptina: Proteína secretada por adipócitos que age no sistema nervoso central promovendo menor ingestão alimentar e incrementando o metabolismo energético, além de afetar o eixo hipotalâmico-hipofisário e regular mecanismos neuroendócrinos. Do grego leptos = magro.
7 Tecido Adiposo: Tecido conjuntivo especializado composto por células gordurosas (ADIPÓCITOS). É o local de armazenamento de GORDURAS, geralmente na forma de TRIGLICERÍDEOS. Em mamíferos, existem dois tipos de tecido adiposo, a GORDURA BRANCA e a GORDURA MARROM. Suas distribuições relativas variam em diferentes espécies sendo que a maioria do tecido adiposo compreende o do tipo branco.
8 Brônquios: A maior passagem que leva ar aos pulmões originando-se na bifurcação terminal da traquéia. Sinônimos: Bronquíolos
9 Glicogenólise: Consiste na conversão de glicogênio em glicose, realizada no fígado, geralmente entre as refeições.
10 Glicogênio: Polissacarídeo formado a partir de moléculas de glicose, utilizado como reserva energética e abundante nas células hepáticas e musculares.
11 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
12 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
13 Broncodilatação: Aumento do diâmetro dos brônquios e dos bronquíolos pulmonares devido ao relaxamento do músculo liso das vias aéreas.
14 Sedentarismo: Qualidade de quem ou do que é sedentário, ou de quem tem vida e/ou hábitos sedentários. Sedentário é aquele que se exercita pouco, que não se movimenta muito.
15 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
16 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
17 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
18 Cabeça:
19 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
20 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
21 Cólon:
22 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
23 Nutricionista: Especialista em nutricionismo, ou seja, especialista no estudo das necessidades alimentares dos seres humanos e animais, e dos problemas relativos à nutrição.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Nutrologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.