Gostou do artigo? Compartilhe!

Doenças das mãos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são doenças das mãos1?

A maioria das doenças da mão2 afetam principalmente os dedos, embora haja algumas que também afetam a mão2 como um todo. Elas podem ser congênitas3 ou adquiridas, de natureza nervosa, muscular, articular ou infecciosa.

Seja como for, as doenças das mãos1 representam um grave prejuízo para a qualidade de vida individual, uma vez que as mãos1 são o principal instrumento para lidar com as atividades do dia a dia e para a realização de atividades criativas, além de serem um importante meio de defesa e contribuírem com certos automatismos do corpo, como o equilíbrio, por exemplo.

Leia sobre "Reumatismos inflamatórios sistêmicos4", "Artrite5: por que acontece" e "Dedos tortos e doloridos - pode ser artrose6".

Quais são as principais doenças das mãos1?

1. Contratura de Dupuytren7

A contratura de Dupuytren7 é uma afetação dos tecidos situados abaixo da palma da mão2 (fáscia8) que leva os nervos a sofrerem espasmos9 de longa duração. Com isso, os dedos vão sofrendo uma progressiva contração e com o tempo se tornam permanentemente contraídos, prejudicando as funções normais das mãos1.

Contraturas leves não exigem nenhum tratamento. Nos demais casos, o tratamento deve ser, a princípio, conservador, com exercícios de extensão e aumento da extensibilidade da fáscia8 palmar10, por meio de aplicação de calor por correntes ultrassônicas ou outros procedimentos. Em casos graves, com grande limitação das funções da mão2, a deformidade pode ser corrigida por meios cirúrgicos.

2. Tenossinovite de Quervain

Tenossinovite de Quervain é uma condição inflamatória dolorosa que afeta as bainhas sinoviais e os tendões11 do pulso, do lado do polegar. Esses tendões11 prendem os músculos12 aos ossos das mãos13. Embora a causa exata dessa condição não seja conhecida, toda atividade que se baseie em movimentos repetitivos da mão2 ou do punho pode piorar o quadro. A tenossinovite de Quervain também pode acontecer por lesões14 diretas ao pulso, por atividade cicatricial dos tendões11 e por artrite5 inflamatória. Ela é mais comum em mulheres, entre 30 e 50 anos, e pode estar associada  gravidez15 e aos cuidados com o bebê. Também trabalhos ou hobbies que envolvam movimentos repetitivos de mão2 e pulso podem contribuir para a enfermidade.

Os sintomas16 da tenossinovite de Quervain incluem sentir dor ao virar ou agarrar qualquer coisa ou fazer força, inchaço17 perto da base do polegar, dificuldade em mover o polegar e o pulso e uma sensação do polegar ficar "agarrado" ao movê-lo. O tratamento consiste numa combinação de repouso, imobilização, gelo, medicação anti-inflamatória e/ou infiltração de cortisona. A cirurgia para liberar a bainha do tendão18 raramente é necessária e fica reservada para inflamação19 persistente após falha dos outros tratamentos.

3. Fraturas do punho

Fraturas do punho podem ocorrer em qualquer um dos seus oito pequenos ossos ou nas extremidades dos dois ossos longos20 que se articulam com eles (rádio21 e cúbito). Algumas fraturas do punho são “sem desvios”. Isto é, os fragmentos22 ósseos não saem da sua posição inicial. Essas fraturas podem ser consideradas estáveis. Outras são “com desvio” e podem ser estáveis ou instáveis. Algumas vezes, o segmento ósseo que tenha sido reposto em seu lugar tende a permanecer aí. Nas fraturas instáveis, os fragmentos22 ósseos repostos tendem a sair do lugar e isso pode deixar o punho torto. As fraturas que quebram a superfície articular ou que se estilhaçam em vários pedaços podem se tornar instáveis. Elas podem requerer tratamento cirúrgico e recursos de fixação óssea para restaurar e manter o alinhamento ósseo.

Uma fratura23 do punho pode ocorrer de incidentes24 como uma queda, por exemplo, em que a mão2 seja usada como apoio, ou devido a traumas graves como acidentes de carro, moto, quedas de escadas, etc. A fratura23 no punho provoca dor, inchaço17, aparência deformada ao punho e dificuldade para mexer ou usar a mão2 e o punho. Às vezes, há formigamento ou dormência25 nas extremidades dos dedos. O tratamento dependerá principalmente do tipo de fratura23. Uma tala26 gessada pode ser utilizada inicialmente para alinhar os ossos, dar suporte ao punho e aliviar a dor. Nos casos simples, um gesso pode ser aplicado para manter a fratura23 reduzida. Outros casos podem necessitar de procedimentos cirúrgicos para recolocar e manter os fragmentos22 no lugar.

4. Luxações do punho

Luxações do punho acontecem quando há o deslocamento das extremidades de um ou mais ossos que compõem a articulação27. As luxações de punho podem acontecer após traumas gerais, como quedas e pancadas, ou após traumas diretos na região. Elas podem ser totais ou parciais. Na luxação28 total, os ossos que formam a articulação27 ficam totalmente desligados um do outro. Na luxação28 parcial, também conhecida como subluxação, o ossos não se desligam completamente, mas o comprometimento do ligamento29 é tão grave quanto a própria luxação28.

Os primeiros sintomas16 são as dores localizadas, dificuldade de movimentação, inchaço17 e formigamento. O tratamento é sempre cirúrgico. O ortopedista procurará reposicionar os ossos deslocados. Após a retirada da imobilização é indicada a fisioterapia30, para recuperar corretamente os movimentos do punho e da mão2.

5. Cisto sinovial

Um cisto sinovial é um tumor31 benigno que habitualmente apresenta-se como um pequeno nódulo32 arredondado e de consistência mole acima das articulações33 ou dos tendões11, principalmente nas mãos1 e punhos. O cisto sinovial é uma bolsa que contém líquido sinovial34. Ele é uma herniação35 de parte da sinóvia e da cápsula das articulações33. Este “vazamento” de líquido sinovial34 para fora das articulações33 forma uma bolsa que pode ser facilmente vista e palpada. A teoria mais aceita para explicar o surgimento deles é de que pequenas lesões14 da cápsula articular36, causadas por traumas ou esforço repetitivo, permitem o extravasamento de líquido sinovial34 para fora da articulação27. É possível também que sejam formados a partir de um defeito na formação da articulação27, já que o cisto sinovial pode surgir em pessoas sem história de traumas ou uso repetitivo da articulação27.

O cisto sinovial é uma massa arredondada, de cerca de 1 a 3 centímetros, compressível e de consistência borrachosa, estando a pele37 acima íntegra e sem sinais38 inflamatórios. Pode surgir de repente ou ir crescendo aos poucos, ao longo do tempo, e pode desaparecer espontaneamente e reaparecer tempos depois. Ele não costuma provocar dor, a não ser que a massa esteja comprimindo algum nervo. Na maioria dos casos, nenhum tratamento é necessário. Em casos especiais, um tratamento médico está indicado (compressão, aspiração ou cirurgia).

6. Deformidades

As deformidades das mãos1 geralmente são inatas, mas podem também ser adquiridas. Entre as inatas encontram-se problemas de desenvolvimento; sindactilia, que é a fusão entre dois ou mais dedos das mãos1 ou dos pés; a polidactilia, que é o crescimento de dedos extranumerários; crescimento deficiente ou exagerado dos dedos; e outras. Membros superiores e mãos1 atrofiados podem ocorrer também. Entre as deformidades adquiridas encontram-se as devidas a doenças como a artrite reumatoide39, sequelas40 de acidentes e as deformidades causadas por consolidações defeituosas de fraturas dos ossos da mão41.

7. Lesão42 do tendão18 da mão2

Os tendões11 flexores da mão2 e dos dedos correm pela palma das mãos1 e os tendões11 extensores pelo dorso43 delas. Lesões14 nessas partes da mão2 podem afetar os tendões11, com graves prejuízos para o funcionamento dessa parte corporal. O tratamento é principalmente cirúrgico, seguido de fisioterapia30 intensiva para recuperar a funcionalidade das mãos1.

Veja também sobre "Fratura23 exposta", "Fratura23 espontânea" e "Tumores ósseos".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da American Society for Surgery of the Hand, da Johns Hopkins Medicine e da Mayo Clinic.

ABCMED, 2022. Doenças das mãos. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1429605/doencas+das+maos.htm>. Acesso em: 29 jan. 2023.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
2 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
3 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
4 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
5 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
6 Artrose: Também chamada de osteoartrose ou processo degenerativo articular, resulta de um processo anormal entre a destruição cartilaginosa e a reparação da mesma. Entende-se por cartilagem articular, um tipo especial de tecido que reveste a extremidade de dois ossos justapostos que possuem algum grau de movimentação entre eles, sua função básica é a de diminuir o atrito entre duas superfícies ósseas quando estas executam qualquer tipo de movimento, funcionando como mecanismo de absorção de choque. O estado de hidratação da cartilagem e a integridade da mesma, é fator preponderante para o não desenvolvimento da artrose.
7 Contratura de Dupuytren: Doença hereditária de causa não estabelecida em que os dedos se contraem para dentro da palma da mão. Esta condição é mais comum em diabéticos e pode preceder o seu aparecimento.
8 Fáscia: Fáscia é uma bainha, uma folha ou qualquer outra agregação dissecável de tecido conjuntivo que se forma sob a pele para anexar, fechar e separar músculos e outros órgãos internos. Ela é composta de tecidos conectivos fibrosos, moles, colágenos, soltos e densos espalhados por todo o corpo. O sistema fascial interpenetra e envolve todos os órgãos, músculos, ossos e fibras nervosas, dotando o corpo de uma estrutura funcional e proporcionando um ambiente que permite que todos os sistemas corporais operem de forma integrada.
9 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
10 Palmar: Relacionado com a palma da mão
11 Tendões: Tecidos fibrosos pelos quais um músculo se prende a um osso.
12 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
13 Ossos das Mãos: São os OSSOS DO CARPO, OSSOS do METACARPO e as FALANGES DOS DEDOS. Em cada mão há oito ossos cárpicos, cinco metacárpicos e 14 falanges. Sinônimos: Ossos das Mãos
14 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
15 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
16 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
17 Inchaço: Inchação, edema.
18 Tendão: Tecido fibroso pelo qual um músculo se prende a um osso.
19 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
20 Ossos longos: Exemplo: Fêmur
21 Rádio:
22 Fragmentos: 1. Pedaço de coisa que se quebrou, cortou, rasgou etc. É parte de um todo; fração. 2. No sentido figurado, é o resto de uma obra literária ou artística cuja maior parte se perdeu ou foi destruída. Ou um trecho extraído de uma obra.
23 Fratura: Solução de continuidade de um osso. Em geral é produzida por um traumatismo, mesmo que possa ser produzida na ausência do mesmo (fratura patológica). Produz como sintomas dor, mobilidade anormal e ruídos (crepitação) na região afetada.
24 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
25 Dormência: 1. Estado ou característica de quem ou do que dorme. 2. No sentido figurado, inércia com relação a se fazer alguma coisa, a se tomar uma atitude, etc., resultando numa abulia ou falta de ação; entorpecimento, estagnação, marasmo. 3. Situação de total repouso; quietação. 4. No sentido figurado, insensibilidade espiritual de um ser diante do mundo. Sensação desagradável caracterizada por perda da sensibilidade e sensação de formigamento, e que geralmente ocorre nas extremidades dos membros. 5. Em biologia, é um período longo de inatividade, com metabolismo reduzido ou suspenso, geralmente associado a condições ambientais desfavoráveis; estivação.
26 Tala: Instrumento ortopédico utilizado freqüentemente para imobilizar uma articulação ou osso fraturado. Pode ser de gesso ou material plástico.
27 Articulação: 1. Ponto de contato, de junção de duas partes do corpo ou de dois ou mais ossos. 2. Ponto de conexão entre dois órgãos ou segmentos de um mesmo órgão ou estrutura, que geralmente dá flexibilidade e facilita a separação das partes. 3. Ato ou efeito de articular-se. 4. Conjunto dos movimentos dos órgãos fonadores (articuladores) para a produção dos sons da linguagem.
28 Luxação: É o deslocamento de um ou mais ossos para fora da sua posição normal na articulação.
29 Ligamento: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
30 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
31 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
32 Nódulo: Lesão de consistência sólida, maior do que 0,5cm de diâmetro, saliente na hipoderme. Em geral não produz alteração na epiderme que a recobre.
33 Articulações:
34 Líquido sinovial: Gel viscoso e transparente que lubrifica as estruturas que banha, minorando o atrito entre elas. Ele é encontrado na cavidade da cápsula articular.
35 Herniação: Formação de uma protrusão, de uma hérnia. Também conhecida como herniamento.
36 Cápsula articular: É uma membrana conjuntiva que envolve as articulações sinoviais, sendo constituída por duas camadas, uma externa ou fibrosa e outra interna ou sinovial.
37 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
38 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
39 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
40 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
41 Ossos da Mão: São os OSSOS DO CARPO, OSSOS do METACARPO e as FALANGES DOS DEDOS. Em cada mão há oito ossos cárpicos, cinco metacárpicos e 14 falanges. Sinônimos: Ossos das Mãos
42 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
43 Dorso: Face superior ou posterior de qualquer parte do corpo. Na anatomia geral, é a região posterior do tronco correspondente às vértebras; costas.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ortopedia e Traumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.