Gostou do artigo? Compartilhe!

Tenossinovite de De Quervain

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é tenossinovite de De Quervain?

A tenossinovite de De Quervain é uma condição dolorosa que afeta os tendões1 do pulso, do lado do polegar. Os tendões1 são estruturas parecidas com cordas que prendem o músculo ao osso. Os tendões1 afetados incluem o extensor curto e o abdutor longo do polegar, que movimentam as articulações2 deste dedo. As bainhas sinoviais, também afetadas, são o envoltório fibroso dentro do qual os tendões1 musculares normalmente deslizam.

Quais são as causas da tenossinovite de De Quervain?

Embora a causa exata não seja conhecida, qualquer atividade que se baseie em movimentos repetitivos da mão3 ou do punho pode piorar a situação. O uso excessivo crônico4 do pulso, como pode acontecer na jardinagem, no jogar golfe ou em esportes de raquete, etc. é comumente associado à tenossinovite de De Quervain.

Quando o paciente pega, aperta ou torce qualquer coisa em sua mão3, dois tendões1 do pulso e polegar inferior normalmente deslizam suavemente através do pequeno túnel que os conecta à base do polegar. Repetir um movimento particular, dia após dia, pode irritar a bainha em torno dos dois tendões1, causando espessamento e inchaço5 e restringindo o movimento.

Outras causas da tenossinovite de De-Quervain incluem lesões6 diretas ao pulso ou tendão7, atividade cicatricial que pode restringir o movimento dos tendões1 e artrite8 inflamatória. A tenossinovite de De Quervain é mais comum em mulheres, entre 30 e 50 anos. A condição pode estar associada à gravidez9 e aos cuidados com o bebê, uma vez que levantar o bebê repetidamente envolve usar os polegares. Também trabalhos ou hobbies que envolvam movimentos repetitivos de mão3 e pulso podem contribuir para a tenossinovite de De Quervain.

Qual é o mecanismo fisiopatológico da tenossinovite de De Quervain?

A síndrome10 de De Quervain envolve o espessamento não inflamatório dos tendões1 e das bainhas sinoviais por onde eles passam. Os dois tendões1 envolvidos são os dos músculos11 extensor curto e abdutor longo do polegar. Estes dois músculos11 correm lado a lado e funcionam para afastar o polegar da mão3: o extensor curto do polegar o leva para fora radialmente (no sentido do osso rádio12) e o abdutor longo do polegar o afasta da palma da mão3.

A tenossinovite de De Quervain afeta os tendões1 desses músculos11 quando eles passam do antebraço13 para a mão3 através de um túnel fibro-ósseo. A avaliação mostra um espessamento e degeneração14 consistentes com um processo degenerativo15 crônico4, em oposição à inflamação16.

Quais são as principais características clínicas da tenossinovite de De Quervain?

O paciente que tem a tenossinovite de De Quervain provavelmente vai sentir dor quando virar seu pulso, agarrar qualquer coisa ou fazer força como dar um soco. Os sintomas17 da tenossinovite de De-Quervain incluem também inchaço5 perto da base do polegar, dificuldade em mover o polegar e o pulso e uma sensação do polegar ficar "agarrado" ao movê-lo.

Se a condição demorar muito a ser tratada, a dor pode se espalhar ainda mais pelo polegar e antebraço13. Atividades como beliscar, agarrar e outros movimentos do polegar e do pulso podem agravar a dor.

Como o médico diagnostica a tenossinovite de De Quervain?

A tenossinovite de De Quervain é diagnosticada clinicamente com base na aparência típica, na localização da dor e na sensibilidade do pulso afetado. A tenossinovite de De-Quervain produz dor quando o polegar é dobrado sobre a palma da mão3, os dedos são flexionados sobre o polegar e quando a mão3 é flexionada para baixo em direção ao dedo mínimo, afastando-a da área do punho envolvida. Geralmente não são necessárias radiografias e outros exames de imagem para diagnosticar a tenossinovite de De Quervain.

Como o médico trata a tenossinovite de De Quervain?

Os tratamentos para a tenossinovite de De Quervain incluem uma combinação de repouso, imobilização, gelo, medicação anti-inflamatória e/ou injeção18 de cortisona. A injeção18 de cortisona é extremamente eficaz e costuma ser o tratamento ideal. A atividade normal pode ser retomada dentro de três semanas após uma injeção18. A cirurgia para liberar a bainha do tendão7 raramente é necessária e fica reservada para inflamação16 persistente após falha dos outros tratamentos.

Saiba mais sobre "Corticoides" e "Cuidados ao tomar anti-inflamatórios não esteroides".

Como evolui a tenossinovite de De Quervain?

O prognóstico19 da tenossinovite de De Quervain é excelente. O paciente pode retornar à função completa após a inflamação16 se acalmar com o tratamento. Às vezes, a órtese20 é usada durante atividades futuras que envolvam movimentos repetitivos do punho.

Como prevenir a tenossinovite de De Quervain?

A tenossinovite de De Quervain pode ser prevenida evitando atividades que tensionam o punho e evitando lesões6 por movimentos repetitivos.

Quais são as complicações possíveis da tenossinovite de De Quervain?

A tenossinovite de De Quervain não tratada pode dificultar o uso adequado da mão3 e do pulso e limitar a amplitude de movimentos do pulso.

Leia também sobre "Síndrome10 do túnel do carpo", "Sinovites", "Cisto sinovial" e "Tendinites".

 

ABCMED, 2018. Tenossinovite de De Quervain. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/ortopedia-e-saude/1321568/tenossinovite+de+de+quervain.htm>. Acesso em: 16 jul. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Tendões: Tecidos fibrosos pelos quais um músculo se prende a um osso.
2 Articulações:
3 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
4 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
5 Inchaço: Inchação, edema.
6 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
7 Tendão: Tecido fibroso pelo qual um músculo se prende a um osso.
8 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
9 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
10 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
11 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
12 Rádio:
13 Antebraço:
14 Degeneração: 1. Ato ou efeito de degenerar (-se). 2. Perda ou alteração (no ser vivo) das qualidades de sua espécie; abastardamento. 3. Mudança para um estado pior; decaimento, declínio. 4. No sentido figurado, é o estado de depravação. 5. Degenerescência.
15 Degenerativo: Relativo a ou que provoca degeneração.
16 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
17 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
18 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
19 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
20 Órtese: Qualquer aparelho externo usado para imobilizar ou auxiliar os movimentos dos membros ou da coluna vertebral.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ortopedia e Traumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.