Gostou do artigo? Compartilhe!

Cisto sinovial: o que é? Quais as causas? E os sintomas? Como são o diagnóstico e o tratamento?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é o cisto sinovial?

Cisto é o nome que se dá a toda bolsa orgânica que contenha em seu interior material líquido ou semilíquido. O cisto sinovial é, pois, uma bolsa contendo líquido sinovial1. Ele é uma dilatação anormal da membrana que envolve as articulações2 e tendões3 (membrana sinovial4), formando uma bolsa que armazena a sinóvia, líquido que lubrifica essas estruturas anatômicas, permitindo um deslizamento fácil dos ossos e tendões3 dentro dela. O cisto então é preenchido por fluido sinovial translúcido e geralmente se manifesta como uma tumoração que faz saliência na pele5, na região das articulações2.

Quais são as causas do cisto sinovial?

Os cistos sinoviais surgem nos locais onde haja um enfraquecimento da parede da cápsula sinovial em relação à pressão dentro dela. Nesse ponto ela começa a ceder e a formar uma bolsa que se preenche com líquido sinovial1. As causas disso não são totalmente conhecidas, contudo sabe-se de alguns fatores desencadeantes, como traumas, lesões6 por esforço repetitivo ou um defeito na formação da bolsa articular. Esses fatores parecem causar uma degeneração7 do tecido8 fibroso da bainha sinovial9, permitindo sua dilatação.

Cisto sinovial

Quais são os principais sinais10 e sintomas11 do cisto sinovial?

Os cistos sinoviais podem aparecer nos mais variados locais, porém eles são mais comuns no dorso12 e na frente do punho, na base dos dedos das mãos13 e na região lateral do tornozelo. Em si mesmos os cistos são indolores, porém podem causar compressões de estruturas vizinhas e, então, ocasionarem dor, perda de força e/ou sensibilidade na região afetada.

Como o médico diagnostica o cisto sinovial?

O diagnóstico14 de cisto sinovial é feito principalmente por meio do exame físico. Ele forma para fora das articulações2 uma bolsa que pode ser facilmente vista e palpada. Na maioria das vezes ela tem uma consistência borrachuda, sem sinais10 inflamatórios, ficando avermelhada sob um foco de luz, demonstrando seu conteúdo fluido. Cistos pequenos e ainda ocultos podem ser diagnosticados pela ultrassonografia15 ou pela ressonância magnética16.

Como o médico trata o cisto sinovial?

O tratamento do cisto sinovial pode envolver fisioterapia17, acupuntura, cirurgia ou uso de medicações, geralmente corticoide. Os cistos indolores e que não causam prejuízos funcionais não requerem intervenção e podem apenas ser observados. O uso de uma tala18 sobre o cisto, principalmente durante a noite, ajuda a manter o punho em repouso e a pressionar o conteúdo do cisto. A punção com uma agulha torna o cisto menos tenso e doloroso e colaba (“cola”) as suas paredes, quase sempre impedindo que ele se preencha, embora em alguns casos ele recidive dentro de dias ou semanas. O uso concomitante de cortisona de ação local diminui a inflamação19, mas assim mesmo o tratamento falha muitas vezes. Os casos resistentes à abordagem clínica têm de ser tratados por cirurgia. Embora a cirurgia para correção do cisto sinovial seja muito simples, deve ser reservada como última opção, dando preferência aos tratamentos clínicos.

Uma razão importante para que os cistos sinoviais sejam tratados é quando causam grande desconforto estético.

Como evolui o cisto sinovial?

O cisto sinovial é sempre benigno, sem nenhuma possibilidade de se tornar maligno.

O cisto sinovial pode desaparecer espontaneamente e reaparecer novamente mais tarde.

ABCMED, 2013. Cisto sinovial: o que é? Quais as causas? E os sintomas? Como são o diagnóstico e o tratamento?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/ortopedia-e-saude/503834/cisto-sinovial-o-que-e-quais-as-causas-e-os-sintomas-como-sao-o-diagnostico-e-o-tratamento.htm>. Acesso em: 15 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Líquido sinovial: Gel viscoso e transparente que lubrifica as estruturas que banha, minorando o atrito entre elas. Ele é encontrado na cavidade da cápsula articular.
2 Articulações:
3 Tendões: Tecidos fibrosos pelos quais um músculo se prende a um osso.
4 Membrana Sinovial: Membrana interna de uma cápsula articular, que reveste uma articulação móvel e livre. É frouxamente ligada à cápsula fibrosa externa e secreta LÍQUIDO SINOVIAL. Sinônimos: Sinovium; Sinóvio
5 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
6 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
7 Degeneração: 1. Ato ou efeito de degenerar (-se). 2. Perda ou alteração (no ser vivo) das qualidades de sua espécie; abastardamento. 3. Mudança para um estado pior; decaimento, declínio. 4. No sentido figurado, é o estado de depravação. 5. Degenerescência.
8 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
9 Bainha sinovial: Estrutura que facilita o deslizamento de tendões que passam através de túneis fibrosos e ósseos, por exemplo, o retináculo dos flexores do punho.
10 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
11 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Dorso: Face superior ou posterior de qualquer parte do corpo. Na anatomia geral, é a região posterior do tronco correspondente às vértebras; costas.
13 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
14 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
15 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
16 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
17 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
18 Tala: Instrumento ortopédico utilizado freqüentemente para imobilizar uma articulação ou osso fraturado. Pode ser de gesso ou material plástico.
19 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ortopedia e Traumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

24/10/2014 - Comentário feito por Marcia
Retirei um cisto sinovial na semana passada que...
Retirei um cisto sinovial na semana passada que aparecia em cima do meu pé... mais ou menos um ano atrás, não tive dor durante todo esse tempo, porém comprimiu as veias e nervos, deixando meu pé sem circulação e senti que estava perdendo a sensibilidade e força .... ao retirá-lo através de cirurgia deu hemorragia devido a profundidade do cisto e calor que havia neste dia, o cisto era enorme, tamanho de uma bergamota, pois se criou na articulação ao lado do tornozelo. Mas posso dizer que não é pouca coisa não, ontem já fez uma semana mas ainda não consigo colocar o pé no chão... não pude retirar os pontos ontem, pois está muito inchado e dolorido. Para quem está na mesma situação, apenas cirurgia para remover esse tipo de cisto!

05/04/2014 - Comentário feito por Brunno
Re: Cisto sinovial: o que é? Quais as causas? E os sintomas? Como são o diagnóstico e o tratamento?
Meu cisto ja esta m bom tempo na minha mao direita, ele nunca doeu
apareceu quando eu estava malhando,parei um tempo de malhar ele sumiu, quando eu voltei a malhar
ele tambem voltou e agora que eu voltei a parara meses, ele ainda nao sumiu
o que devo fazer?
quanto custa a cirurgia da remoção do cisto?
e quais as outras formas de remoçao sem precisar da cirurgia?

  • Entrar
  • Assinar