Atalho: 6EZRFVS
Gostou do artigo? Compartilhe!

O que são luxações?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são luxações?

Uma luxação1 é um deslocamento repentino e duradouro, parcial ou completo de um ou mais ossos de uma das articulações2 do corpo. Em geral, uma luxação1 acontece quando uma força externa atua direta ou indiretamente sobre uma articulação3, empurrando o osso para fora da sua posição normal. É muito comum que isso aconteça nos traumas de certa intensidade. Embora seja possível ocorrer luxação1 em qualquer articulação3, os locais mais comuns são ombros, dedos, joelhos, punhos e cotovelos.

Quais são os tipos de luxações?

Uma luxação1 pode ser completa ou incompleta. Chama-se luxação1 completa aquela em que os segmentos ósseos que constituem a articulação3 ficam completamente desunidos e luxação1 incompleta (ou subluxação) aquela em que a união dos segmentos ósseos é reduzida, mas não é completa.

Na maioria das vezes a extremidade do osso deslocado fica no interior da cápsula articular4 (luxação1 intracapsular), mas em alguns casos ela fica no exterior da mesma (luxação1 extracapsular).

Quais são as causas das luxações?

Na maioria das vezes, a luxação1 é provocada por um traumatismo5 violento incidindo sobre a articulação3. O traumatismo5 pode também incidir indiretamente como acontece, por exemplo, em caso de luxações da articulação do ombro6 provocada por uma queda em que o indivíduo se apoia sobre o cotovelo ou a mão7.

A luxação1 pode resultar de um movimento ou torção8 violento, súbito e intenso como quando uma criança caminha de mão7 dada com um adulto e tropeça. Em alguns casos, a luxação1 é originada pela deterioração dos elementos de sustentação da articulação3 (ligamentos9, cápsula articular4, tendões10 e músculos11), consequente de uma doença ou de uma malformação12 congênita13.

Quais são os sinais14 e sintomas15 das luxações?

A dor aparece imediatamente após o acidente, o que dificulta ou impede qualquer tentativa de movimentar a articulação3 afetada. A articulação3 se apresenta deformada e à palpação16 nota-se o osso fora do seu lugar habitual. O deslocamento do segmento ósseo pode impossibilitar a normal realização dos movimentos da articulação3 lesionada. Caso a luxação1 afete uma articulação3 de um membro, por vezes a extremidade dele fica um pouco mais curta ou mais longa do que o normal. Caso não se tenha realizado o tratamento adequado, a articulação3 pode ser fixada numa posição anômala. Neste caso, a articulação3 permanecerá deformada e com uma limitação funcional mais ou menos significativa.

A zona afetada deve ser imobilizada após a realização da redução da luxação1 e os elementos de sustentação da articulação3 devem ser adequadamente reparados, em caso contrário propiciará certa instabilidade à articulação3.

Como o médico diagnostica as luxações?

Uma primeira impressão decorre do exame clínico. Em seguida, as radiografias são necessárias e suficientes para confirmar o diagnóstico17. Além disso, ajudam a detectar possíveis fraturas que possam ter ocorrido no momento da luxação1.

Como as luxações são tratadas?

A articulação3 comprometida deve ser “reduzida” (recolocar o osso na sua posição original) rapidamente, já que, quando deslocada, o suprimento sanguíneo normal pode estar comprometido. Uma articulação3 luxada só pode ser “reduzida” com sucesso por um médico treinado, uma vez que isso exige uma técnica especializada.

A articulação3 deve ser adequadamente manipulada de volta para sua posição original, num processo que normalmente exige o emprego de muita força e que é muito doloroso. Consequentemente, ele deve ser feito sob sedação18, em uma sala de cirurgia e sob anestesia19 geral. Dependendo da gravidade das luxações elas podem requerer estabilização cirúrgica.

Apenas casos mais leves podem ser reduzidos sob efeito de analgésicos20 ou anestesia19 local.

Aquelas luxações em que haja destruição de partes moles ou as que sejam recidivantes21 podem, também, demandar intervenção cirúrgica. Para diminuir a dor persistente, normalmente são indicados medicamentos analgésicos20 e anti-inflamatórios não esteroides.

Quais são os primeiros socorros a serem prestados em casos de luxações?

Antes de chegar a um serviço médico, o paciente ou aqueles que o acompanham devem ter alguns cuidados:

  • Providencie socorro médico o quanto antes, já que quando a articulação3 é deslocada, o suprimento sanguíneo normal pode estar comprometido e, além disso, a reação inflamatória que sobrevém logo em seguida pode fazer com que a redução não possa mais ser realizada através de manobras manuais, sendo necessária a realização de uma intervenção cirúrgica.
  • Não tente recolocar o osso no lugar, pois isso pode piorar o quadro, rompendo vasos, comprimindo nervos, etc.
  • Imobilize a articulação3 na posição em que ela tenha ficado, com uma tala22 ou tipoia, até chegar ao socorro médico.
  • O paciente não deve comer até ser atendido pelo médico, já que poderá necessitar de anestesia19 geral para reduzir a luxação1, o que requer jejum.

Como evoluem as luxações?

As articulações2 que uma vez tenham sido luxadas ficam mais susceptíveis a sofrer novas luxações, devido ao enfraquecimento dos músculos11 e ligamentos9 que mantêm a articulação3 no lugar habitual. Para minimizar este problema e recuperar a plenitude funcional da articulação3 comprometida, toda luxação1 deve ser acompanhada por fisioterapia23.

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas em parte dos sites da Cleveland Clinic, da Stanford Health Care e do National Health Service do Reino Unido.

ABCMED, 2012. O que são luxações?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/294560/o+que+sao+luxacoes.htm>. Acesso em: 8 dez. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Luxação: É o deslocamento de um ou mais ossos para fora da sua posição normal na articulação.
2 Articulações:
3 Articulação: 1. Ponto de contato, de junção de duas partes do corpo ou de dois ou mais ossos. 2. Ponto de conexão entre dois órgãos ou segmentos de um mesmo órgão ou estrutura, que geralmente dá flexibilidade e facilita a separação das partes. 3. Ato ou efeito de articular-se. 4. Conjunto dos movimentos dos órgãos fonadores (articuladores) para a produção dos sons da linguagem.
4 Cápsula articular: É uma membrana conjuntiva que envolve as articulações sinoviais, sendo constituída por duas camadas, uma externa ou fibrosa e outra interna ou sinovial.
5 Traumatismo: Lesão produzida pela ação de um agente vulnerante físico, químico ou biológico e etc. sobre uma ou várias partes do organismo.
6 Articulação do ombro: Articulação entre a cabeça do ÚMERO e a cavidade glenóide da ESCÁPULA. Sinônimos: Articulação Glenoumeral
7 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
8 Torção: 1. Ato ou efeito de torcer. 2. Na geometria diferencial, é a medida da derivada do vetor binormal em relação ao comprimento de arco. 3. Em física, é a deformação de um sólido em que os planos vizinhos, transversais a um eixo comum, sofrem, cada um deles, um deslocamento angular relativo aos outros planos. 4. Em medicina, é o mesmo que entorse. 5. Na patologia, é o movimento de rotação de um órgão sobre si mesmo. 6. Em veterinária, é a cólica de alguns animais, especialmente a do cavalo.
9 Ligamentos: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
10 Tendões: Tecidos fibrosos pelos quais um músculo se prende a um osso.
11 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
12 Malformação: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
13 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
14 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
15 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
16 Palpação: Ato ou efeito de palpar. Toque, sensação ou percepção pelo tato. Em medicina, é o exame feito com os dedos ou com a mão inteira para explorar clinicamente os órgãos e determinar certas características, como temperatura, resistência, tamanho etc.
17 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
18 Sedação: 1. Ato ou efeito de sedar. 2. Aplicação de sedativo visando aliviar sensação física, por exemplo, de dor. 3. Diminuição de irritabilidade, de nervosismo, como efeito de sedativo. 4. Moderação de hiperatividade orgânica.
19 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
20 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
21 Recidivantes: Característica da doença que recidiva, que acontece de forma recorrente ou repetitiva.
22 Tala: Instrumento ortopédico utilizado freqüentemente para imobilizar uma articulação ou osso fraturado. Pode ser de gesso ou material plástico.
23 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

27/03/2014 - Comentário feito por HELOISA
Re: O que são luxações?
EU NUNCA TIVE UMA LUXAÇÃO

  • Entrar
  • Assinar