Gostou do artigo? Compartilhe!

Sindactilia: o que é? Quais as causas? E os sintomas? Como são feitos o diagnóstico e o tratamento?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é sindactilia?

Sindactilia é a fusão entre dois ou mais dedos das mãos1 ou dos pés, que pode ocorrer tanto em partes moles, de fácil solução cirúrgica, como pode ser uma fusão óssea (sinostose), mais complicada. As ligações normalmente vão até a primeira articulação do dedo2, mas podem ocorrer em toda a sua extensão. Pode afetar uma ou ambas as mãos1. Trata-se de uma ocorrência esporádica e extremamente rara, estimada em 1 a cada 160.000 nascimentos.

Quais são as causas da sindactilia?

Não existe uma causa específica da sindactilia. Ela é uma anormalidade embriológica que pode ser herdada de um dos pais (50% em sua descendência), com transmissão do tipo autossômico3 dominante ou ser uma mutação4 nova, espontânea. Desconhecem-se as causas que geram esta mutação4. Uma causa que costuma ser citada é o uso inadequado de certas drogas, como a hidantoína, por exemplo, durante a gravidez5. Em muitas pessoas a sindactilia está associada a outras doenças genéticas ou hereditárias. Não se sabe bem porque, mas a doença é mais comum em homens que em mulheres e na raça branca mais que os de qualquer outra.

Sindactilia

Quais são os sinais6 e sintomas7 da sindactilia?

Na sua forma mais comum, a sindactilia é vista como a ligação entre o segundo e o terceiro dedos dos pés e pode ocorrer em conjunto com outros defeitos congênitos8 envolvendo o crânio9, a face10 e os ossos. A sindactilia pode ser completa e afetar toda a longitude dos dedos ou incompleta e afetar apenas parte deles.

Como o médico diagnostica a sindactilia?

Normalmente a sindactilia pode ser descoberta durante o exame do bebê recém-nascido. O diagnóstico11 exato da condição e das suas características pode ser feito por meio dos seguintes exames: exame cromossômico, exames laboratoriais para verificar a presença de certas enzimas e radiografias. Como muitas crianças com sindactilia também sofrem do coração12, é aconselhável sempre fazer-se um eletrocardiograma13 delas.

Como o médico trata a sindactilia?

Um cirurgião ortopédico pode realizar uma cirurgia para separar os dedos envolvidos. Pacientes com vários dedos afetados muitas vezes exigem mais de um procedimento cirúrgico. No caso das mãos1, a cirurgia deve ser feita o quanto antes, pois a sindactilia pode causar transtornos ao crescimento de cada dedo, deformidades e perda de amplitude dos movimentos. A sindactilia dos dedos dos bordos da mão14 (mindinho e polegar), em virtude do prejuízo funcional que acarreta, requer uma separação nos primeiros meses de vida, mas as demais podem esperar até os 12-18 meses de idade. Os dedos de comprimentos diferentes devem ser mais prontamente separados para permitir o crescimento natural normal e progressivo do maior deles e evitar que possa ser deformado ou danificado em seu crescimento.

Como prevenir a sindactilia?

Não há uma prevenção conhecida para a sindactilia.

Quais são as complicações possíveis da sindactilia?

Em algumas ocasiões raras a cirurgia pode levar a problemas funcionais ou estéticos. 

ABCMED, 2014. Sindactilia: o que é? Quais as causas? E os sintomas? Como são feitos o diagnóstico e o tratamento?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/ortopedia-e-saude/521202/sindactilia-o-que-e-quais-as-causas-e-os-sintomas-como-sao-feitos-o-diagnostico-e-o-tratamento.htm>. Acesso em: 3 dez. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
2 Articulação do Dedo: Articulação, em cada dedo, entre a cabeça de uma falange e a base da falange distal a ela.
3 Autossômico: 1. Referente a autossomo, ou seja, ao cromossomo que não participa da determinação do sexo; eucromossomo. 2. Cujo gene está localizado em um dos autossomos (diz-se da herança de características). As doenças gênicas podem ser classificadas segundo o seu padrão de herança genética em: autossômica dominante (só basta um alelo afetado para que se manifeste a afecção), autossômica recessiva (são necessários dois alelos com mutação para que se manifeste a afecção), ligada ao cromossomo sexual X e as de herança mitocondrial (necessariamente herdadas da mãe).
4 Mutação: 1. Ato ou efeito de mudar ou mudar-se. Alteração, modificação, inconstância. Tendência, facilidade para mudar de ideia, atitude etc. 2. Em genética, é uma alteração súbita no genótipo de um indivíduo, sem relação com os ascendentes, mas passível de ser herdada pelos descendentes.
5 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
6 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
7 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
8 Defeitos congênitos: Problemas ou condições que estão presentes ao nascimento.
9 Crânio: O ESQUELETO da CABEÇA; compreende também os OSSOS FACIAIS e os que recobrem o CÉREBRO. Sinônimos: Calvaria; Calota Craniana
10 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
11 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
12 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
13 Eletrocardiograma: Registro da atividade elétrica produzida pelo coração através da captação e amplificação dos pequenos potenciais gerados por este durante o ciclo cardíaco.
14 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ortopedia e Traumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.