Gostou do artigo? Compartilhe!

Síndrome de Ramsay Hunt

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a síndrome1 de Ramsay Hunt?

A síndrome1 de Ramsay Hunt é uma condição neurológica causada pelo Varicella zoster2 vírus3 (VZV) ou herpesvírus humano tipo 3, o mesmo que causa a varicela4 em crianças e o herpes zóster em adultos, doença que é chamada popularmente de cobreiro. O vírus3 pode permanecer no corpo durante toda a vida, mesmo muito depois de o paciente ter se recuperado da varicela4, e “despertar” de novo (ser reativado) para irritar e inflamar os nervos facial e auditivo, principalmente em crianças pequenas, idosos, pacientes imunossuprimidos ou diabéticos que já tiveram catapora5 anteriormente.

Os nervos que passam pelo rosto passam por canais bastante estreitos dentro dos ossos e, quando estão inflamados, incham e perdem a capacidade de funcionar adequadamente.

A síndrome1 é oficialmente conhecida como herpes zoster2 oticus (herpes zoster2 do ouvido); o seu nome mais comum vem do neurologista6 James Ramsay Hunt, que descreveu a doença pela primeira vez.

Saiba mais sobre "Catapora5", "Herpes zóster", "Paralisia7 facial" e "Paralisia7 de Bell".

Quais são as características clínicas da síndrome1 de Ramsay Hunt?

A doença afeta homens e mulheres igualmente e pode resultar em paralisia7 de um lado do rosto e erupções cutâneas8 dolorosas e com bolhas. É mais comum em pessoas idosas e alguns pacientes experimentam alterações na audição, talvez percebendo sons mais altos num ouvido do que no outro ou desenvolvendo zumbidos (um zumbido crônico9 nos ouvidos) ou mesmo surdez em um ouvido. A dor facial é normalmente uma parte da síndrome1 e alguns pacientes podem sofrer de vertigens10, náuseas11 e vômitos12.

Apenas cerca de 5 a 10 em cada 100.000 pessoas desenvolverão a síndrome1 de Ramsay Hunt todos os anos, podendo ocorrer em qualquer pessoa.

Como o médico diagnostica a síndrome1 de Ramsay Hunt?

O diagnóstico13 é clínico e baseado na observação dos sintomas14 apresentados. Também será feito um exame físico incluindo o exame otorrinolaringológico dos ouvidos. Em alguns casos, podem ser solicitados exames complementares em laboratório, como o exame de PCR15 de secreção das vesículas16, detecção sorológica de anticorpos17 contra VHZ (vírus3 herpes zoster2) e análise de líquor18. Tomografia computadorizada19 e ressonância nuclear magnética são utilizadas para diagnóstico13 diferencial.

As pessoas com a síndrome1 podem demorar muito tempo para receber um diagnóstico13 preciso. O termo Ramsay Hunt é notoriamente vago e a doença pode ter sintomas14 semelhantes à paralisia7 de Bell, que também pode induzir à paralisia7 facial. Os médicos geralmente diagnosticam a síndrome1 de Ramsay Hunt identificando pequenas bolhas que apareceram no ouvido de um paciente. Podem ocorrer, além da paralisia7 facial, zumbido nos ouvidos, vertigens10, dor facial, alterações na audição e até mesmo surdez.

Como é tratada a Síndrome1 de Ramsay Hunt?

O tratamento para Ramsay Hunt envolve tipicamente o uso de medicamentos antivirais, tais como o aciclovir20. Alguns pacientes podem também receber a prescrição de algum esteroide, caso seja necessário. A fisioterapia21 não é normalmente recomendada aos pacientes, mas não seria prejudicial.

Como evolui a síndrome1 de Ramsay Hunt?

A maioria das pessoas que têm Ramsay Hunt recuperam-se totalmente, embora a duração da doença possa variar de semanas a meses. Em casos raros, porém, a paralisia7 facial ou a perda de audição podem ser permanentes.

A doença não é contagiosa22, mas o vírus3 contido nas lesões23 bolhosas encontradas na orelha24 pode ser transmitido, tendo o potencial de causar catapora5 em quem nunca apresentou a doença anteriormente.

Existe alguma ligação entre a vacina25 contra a Covid e a síndrome1 de Ramsay Hunt?

Após o anúncio de que o cantor Justin Bieber estava com a síndrome1 de Ramsay Hunt apareceram vários posts nas redes sociais especulando que receber a vacina25 contra a Covid-19 tinha aumentado os casos da Síndrome1 de Ramsay Hunt. No entanto, segundo a Dra. Danielle Eytan, professora e assistente clínica de otorrinolaringologia na NYU Lagone Health, não há correlação entre qualquer dos tipos de vacinas contra a Covid com paralisia7 facial, seja a de Ramsay Hunt ou a paralisia7 de Bell.

A síndrome1 de Ramsay Hunt foi descrita pela primeira vez há mais de cem anos, e a “Covid entrou recentemente nas nossas vidas. Claramente a síndrome1 não está de modo algum associada às vacinas contra a Covid ou ao vírus3 causador da doença Covid-19”.

Leia sobre "Lagoftalmo", "Remédios que podem levar à perda auditiva" e "Deficiência auditiva".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da Mayo Clinic e da NORD - National Organization for Rare Disorders

ABCMED, 2022. Síndrome de Ramsay Hunt. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1418620/sindrome+de+ramsay+hunt.htm>. Acesso em: 2 dez. 2022.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Zoster: Doença produzida pelo mesmo vírus que causa a varicela (Varicela-Zóster). Em pessoas que já tenham tido varicela, o vírus se encontra em forma latente e pode ser reativado produzindo as características manchas avermelhadas, vesículas e crostas no território de distribuição de um determinado nervo. Como seqüela pode deixar neurite, com dores importantes.
3 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
4 Varicela: Doença viral freqüente na infância e caracterizada pela presença de febre e comprometimento do estado geral juntamente com a aparição característica de lesões que têm vários estágios. Primeiro são pequenas manchas avermelhadas, a seguir formam-se pequenas bolhas que finalmente rompem-se deixando uma crosta. É contagiosa, mas normalmente não traz maiores conseqüências à criança. As bolhas e suas crostas, se não sofrerem infecção secundária, não deixam cicatriz.
5 Catapora: Doença infecciosa aguda, comum na infância, também chamada de varicela. Ela é provocada por vírus e caracterizada por febre e erupção maculopapular rápida, seguida de erupção de vesículas eritematosas muito pruriginosas.
6 Neurologista: Médico especializado em problemas do sistema nervoso.
7 Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
8 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
9 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
10 Vertigens: O termo vem do latim “vertere” e quer dizer rodar. A definição clássica de vertigem é alucinação do movimento. O indivíduo vê os objetos do ambiente rodarem ao seu redor ou seu corpo rodar em relação ao ambiente.
11 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
12 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
13 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 PCR: Reação em cadeia da polimerase (em inglês Polymerase Chain Reaction - PCR) é um método de amplificação de DNA (ácido desoxirribonucleico).
16 Vesículas: Lesões papulares preenchidas com líquido claro.
17 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
18 Líquor: Líquido cefalorraquidiano (LCR), também conhecido como líquor ou fluido cérebro espinhal, é definido como um fluido corporal estéril, incolor, encontrado no espaço subaracnoideo no cérebro e na medula espinhal (entre as meninges aracnoide e pia-máter). Caracteriza-se por ser uma solução salina pura, com baixo teor de proteínas e células, atuando como um amortecedor para o córtex cerebral e a medula espinhal. Possui também a função de fornecer nutrientes para o tecido nervoso e remover resíduos metabólicos do mesmo. É sintetizado pelos plexos coroidais, epitélio ventricular e espaço subaracnoideo em uma taxa de aproximadamente 20 mL/hora. Em recém-nascidos, este líquido é encontrado em um volume que varia entre 10 a 60 mL, enquanto que no adulto fica entre 100 a 150 mL.
19 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
20 Aciclovir: Substância análoga da Guanosina, que age como um antimetabólito, à qual os vírus são especialmente susceptíveis. É usado especialmente contra o herpes.
21 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
22 Contagiosa: 1. Que é transmitida por contato ou contágio. 2. Que constitui veículo para o contágio. 3. Que se transmite pela intensidade, pela influência, etc.; contagiante.
23 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
24 Orelha: Sistema auditivo e de equilíbrio do corpo. Consiste em três partes
25 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.