Atalho: 6CJ9PHU
Gostou do artigo? Compartilhe!

Herpes zóster. Como é esta doença?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é herpes zóster?

O herpes zóster, popularmente chamado de cobreiro, é uma virose causada por uma variante do herpesvirus (Herpesvirus varicellae), o mesmo vírus1 que causa a catapora2.

Normalmente abrigado em latência3 em gânglios4 nervosos do organismo, o vírus1 se reativa em pessoas com baixa defesa imunológica - como idosos, pessoas que estejam passando por uma fase de estresse, pacientes com AIDS - e provoca afecções5 na pele6, de maior ou menor gravidade. Ao contrário do herpes simples, é pouco frequente que o herpes zóster tenha reincidência7 e quando o faz geralmente atinge a mesma região do corpo afetada na primeira vez.

Quais são as causas do herpes zóster?

O vírus1 causador geralmente permanece em latência3 no interior de gânglios4 do sistema nervoso8, mantido sob controle do sistema imunológico9, no entanto, quando as defesas naturais se debilitam, ocorre a proliferação dos vírus1 e a deflagração da doença.

Embora aparentado com o vírus1 que causa o herpes simples, ele é diferente dele.

Como se contrai o herpes zóster?

Após a varicela10 (catapora2), algumas pessoas não adquirem imunidade11 total ao vírus1. Ele permanece inativo nos gânglios4 nervosos e é reativado em momentos de baixa imunidade11 do indivíduo, produzindo a doença.

O contágio12, por sua vez, pode se dar pelo contato direto com as secreções das vesículas13 e é favorecido quando a pessoa receptora está com a imunidade11 baixa. É mais comum em adultos e idosos e muito raro em crianças.

Quais são os sintomas14 do herpes zóster?

Em geral, a crise se inicia com dor na pele6, em um lado do corpo, no lugar do trajeto do nervo afetado. Esta dor ocorre de um a quatro dias antes do surgimento das lesões15 da pele6 ou da boca16 e pode ser acompanhada de febre17, mal-estar, cefaleia18, ardência ou coceira. Neste período, dependendo da região afetada, os sintomas14 da herpes zóster podem ser confundidos com dor de dente19, otite20, infarto do miocárdio21 ou apendicite22.

As manifestações cutâneas23 mostram várias vesículas13 no trajeto nervoso, até a linha média do corpo, as quais eclodem sobre uma base eritematosa24 (pele6 vermelha). Posteriormente (3 ou 4 dias) essas vesículas13 se transformam em pústulas25 e ulceram e dentro de 7 a 10 dias, as lesões15 dão origem a crostas, frequentemente seguidas da formação de cicatrizes26. Algumas vezes, as vesículas13 podem faltar e os pacientes apresentam apenas os demais sintomas14.

A doença em si é autolimitada e em geral desaparece entre 15-20 dias, mas a dor pós-herpética pode ser muito intensa e durar muito tempo (meses ou mesmo anos).

Sabe-se de pacientes que cometeram suicídio como resultado dessa dor aguda, embora isso seja muito raro. Como sequelas27, podem permanecer paralisia28 facial, deficiência auditiva, vertigem29 e outros sintomas14 auditivos e vestibulares30. Pode ocorrer também envolvimento ocular, incluindo cegueira.

Se a ponta do nariz31 for envolvida, isso significa que o ramo nervoso nasociliar, do V par craniano, foi acometido. Neste caso, o encaminhamento para um oftalmologista32 é obrigatório, pois prenuncia comprometimento ocular. O paciente deve procurar este especialista para avaliar um possível comprometimento dos olhos33.

Lesões15 orais indicam o envolvimento do nervo trigêmeo34. O comprometimento da maxila35 pode levar à desvitalização dos dentes da região afetada. 

Como o médico diagnostica o herpes zóster?

Em geral, o exame clínico é suficiente para o diagnóstico36 da herpes zóster, porque o aspecto das lesões15 é bastante característico. O resultado do exame de material colhido das vesículas13 é inespecífico, sendo o mesmo para a varicela10, o herpes simples e o herpes zóster.

Como é o tratamento do herpes zóster?

Ainda não há uma cura conhecida para o herpes zóster. O tratamento usual visa a redução da dor e da queimação, através da prescrição de analgésicos37. O tratamento de base é feito com medicamentos antivirais que, em muitos casos, diminuem a progressão da doença e reduzem a probabilidade de neuralgia38 pós-herpética (dor pós-herpética). Alguns médicos receitam corticoides para reduzir a inflamação39 dos nervos, no entanto, essa medicação pode diminuir significativamente a resistência à infecção40 em pessoas já debilitadas.

ABCMED, 2012. Herpes zóster. Como é esta doença?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/262780/herpes-zoster-como-e-esta-doenca.htm>. Acesso em: 12 nov. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
2 Catapora: Doença infecciosa aguda, comum na infância, também chamada de varicela. Ela é provocada por vírus e caracterizada por febre e erupção maculopapular rápida, seguida de erupção de vesículas eritematosas muito pruriginosas.
3 Latência: 1. Estado, caráter daquilo que se acha latente, oculto. 2. Por extensão de sentido, é o período durante o qual algo se elabora, antes de assumir existência efetiva. 3. Em medicina, é o intervalo entre o começo de um estímulo e o início de uma reação associada a este estímulo; tempo de reação. 4. Em psicanálise, é o período (dos quatro ou cinco anos até o início da adolescência) durante o qual o interesse sexual é sublimado; período de latência.
4 Gânglios: 1. Na anatomia geral, são corpos arredondados de tamanho e estrutura variáveis; nodos, nódulos. 2. Em patologia, são pequenos tumores císticos localizados em uma bainha tendinosa ou em uma cápsula articular, especialmente nas mãos, punhos e pés.
5 Afecções: Quaisquer alterações patológicas do corpo. Em psicologia, estado de morbidez, de anormalidade psíquica.
6 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
7 Reincidência: 1. Ato ou efeito de reincidir ou repetir. 2. Obstinação, insistência, teimosia.
8 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
9 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
10 Varicela: Doença viral freqüente na infância e caracterizada pela presença de febre e comprometimento do estado geral juntamente com a aparição característica de lesões que têm vários estágios. Primeiro são pequenas manchas avermelhadas, a seguir formam-se pequenas bolhas que finalmente rompem-se deixando uma crosta. É contagiosa, mas normalmente não traz maiores conseqüências à criança. As bolhas e suas crostas, se não sofrerem infecção secundária, não deixam cicatriz.
11 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
12 Contágio: 1. Em infectologia, é a transmissão de doença de uma pessoa a outra, por contato direto ou indireto. 2. Na história da medicina, aplica-se a qualquer doença contagiosa. 3. No sentido figurado, é a transmissão de características negativas, de vícios, etc. ou então a reprodução involuntária de reação alheia.
13 Vesículas: Lesões papulares preenchidas com líquido claro.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
16 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
17 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
18 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
19 Dente: Uma das estruturas cônicas duras situadas nos alvéolos da maxila e mandíbula, utilizadas na mastigação e que auxiliam a articulação. O dente é uma estrutura dérmica composta de dentina e revestida por cemento na raiz anatômica e por esmalte na coroa anatômica. Consiste numa raiz mergulhada no alvéolo, um colo recoberto pela gengiva e uma coroa, a parte exposta. No centro encontra-se a cavidade bulbar preenchida com retículo de tecido conjuntivo contendo uma substância gelatinosa (polpa do dente) e vasos sangüíneos e nervos que penetram através de uma abertura ou aberturas no ápice da raiz. Os 20 dentes decíduos ou dentes primários surgem entre o sexto e o nono e o vigésimo quarto mês de vida; sofrem esfoliação e são substituídos pelos 32 dentes permanentes, que aparecem entre o quinto e sétimo e entre o décimo sétimo e vigésimo terceiro anos. Existem quatro tipos de dentes
20 Otite: Toda infecção do ouvido é chamada de otite.
21 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
22 Apendicite: Inflamação do apêndice cecal. Manifesta-se por abdome agudo, e requer tratamento cirúrgico. Sua complicação mais freqüente é a peritonite aguda.
23 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
24 Eritematosa: Relativo a ou próprio de eritema. Que apresenta eritema. Eritema é uma vermelhidão da pele, devido à vasodilatação dos capilares cutâneos.
25 Pústulas: Elevações da pele contendo pus, de até um centímetro de diâmetro.
26 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
27 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
28 Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
29 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
30 Vestibulares: O sistema vestibular é um dos sistemas que participam do equilíbrio do corpo. Ele contribui para três funções principais: controle do equilíbrio, orientação espacial e estabilização da imagem. Sintomas vestibulares são aqueles que mostram alterações neste sistema.
31 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
32 Oftalmologista: Médico especializado em diagnosticar e tratar as doenças que acometem os olhos. Podem prescrever óculos de grau e lentes de contato.
33 Olhos:
34 Nervo Trigêmeo: O quinto e maior nervo craniano. O nervo trigêmeo é um nervo misto, composto de uma parte motora e sensitiva. A parte sensitiva, maior, forma os nervos oftálmico, mandibular e maxilar que transportam fibras aferentes sensitivas de estímulos internos e externos provenientes da pele, músculos e junturas da face e boca, e dentes. A maioria destas fibras se originam de células do gânglio trigeminal e projetam para o núcleo do trigêmeo no tronco encefálico. A parte motora, menor, nasce do núcleo motor do trigêmeo no tronco encefálico e inerva os músculos da mastigação. Sinônimos: V Nervo Craniano; V Par Craniano; Nervo Craniano V; Quinto Nervo Craniano
35 Maxila:
36 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
37 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
38 Neuralgia: Dor aguda produzida pela irritação de um nervo. Caracteriza-se por ser muito intensa, em queimação, pulsátil ou semelhante a uma descarga elétrica. Suas causas mais freqüentes são infecção, lesão metabólica ou tóxica do nervo comprometido.
39 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
40 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

31/07/2017 - Comentário feito por Gaby
Eu hoje com 22 anos , aconteceu comigo a dois...
Eu hoje com 22 anos , aconteceu comigo a dois dias n sabia q era isso até o medico me contar.
Fico preocupada pois muitos nao sabem desse problema .
#Costas.

25/12/2015 - Comentário feito por Pedro
Olá, muito valido, ter lido este artigo,...
Olá, muito valido, ter lido este artigo, estou enfrentado uma dor insuportável, parece que vem do coração, procurei os médicos, fiz exames, de todos os tipos e apenas constava pressão arterial altíssima, mais com 4 dias começou surgir umas bolhas, no corpo do lado do , coração, segundo os médicos eu tinha sofrido 3 infartos, mais nos principais exames, só pressão arterial, alta, lendo este artigo, e vendo os sintomas, verifiquei que tem tudo a haver com Herpes Zoster quando cita que seus sintomas, foi então que fiz uma relação, vou procurar um médico, para resolver, que me lembro nunca tive catapora, hoje com 59 anos agora apareceu estas dores e a pele com bolhas. FOI MUITO, EXCELENTE ESSA LEITURA, algumas dúvidas. OBRIGADO. Parabéns por manter essas informações.

07/06/2015 - Comentário feito por NABEL
foi muito útil, pois tive ou seja ainda...
foi muito útil, pois tive ou seja ainda tenho as sequelas do Herpes Zóster há mais de 2 anos, e atualmente
tenho a impressão de que está havendo uma recaída, embora esteja fazendo tratamento constante e isto está me deixando nervosa,pois a área afetada bem perto da vista esquerda, tenho medo de ficar cega.

06/06/2015 - Comentário feito por Rosane
Bom se não fosse pelo aviso da propagand...
Bom se não fosse pelo aviso da propaganda sobre o Zóster na televisão eu nunca imaginaria que existisse este vírus! Bom a maioria de todos que eu conheço, eu e todos os meus filhos e parentes tiveram catapora(Varicela) pois a maioria dos pais pensam até hoje que é melhor as crianças serem contaminadas com a catapora em quanto pequenas do que quando adultas ,mas depois de ler esta matéria sobre este vírus tudo vira do avesso e estou super preocupada. Deveria ter mais em vários programas de televisão sobre este tema para alertar mais ainda toda a população!

21/10/2014 - Comentário feito por joseenne
Tive HZ em 2012 e fiquei com nph até hoj...
Tive HZ em 2012 e fiquei com nph até hoje vivo a base de medicamento sinto coçeira e dor se ficar sem
remédio não sei mais o que posso fazer. Tudo que fale sobre isso é de grande enteresse pra mim .

14/02/2014 - Comentário feito por ELISABETE
Re: Herpes zóster. Como é esta doença?
OLÁ, MUITO INTERESSANTE O ARTIGO SOBRE HERPES ZOSTER.
NO MES DE DEZ/13 TIVE INFECÇÃO URINÁRIO E APOS TRATAMENTO APRESENTOU NA MINHA COSTA EM FORMA DE S MUITAS DORES E AVERMELHADO, PROCUREI UM VASCULAR MAS ELE ME ENCAMINHOU PARA O MESMO MÉDICO QUE ESTAVA ME ATENDENDO DIAGNOSTICOU HERPES ZOSTER.
MUITO OBRIGADA PELAS INFORMAÇÕES.

27/01/2014 - Comentário feito por Tom
Re: Herpes zóster. Como é esta doença?
A minha conteceu igual à da Regina. Também vou começar o tratamento com Aciclovir cp e Aciclovir pomada. Não sei se um lugar contamina outro. Creio que não. O medico me informou que vai acompanhando o nervo envolvido.

23/01/2014 - Comentário feito por Regina
Re: Herpes zóster. Como é esta doença?
Fui acometida dessa doença que eu nem sabia que existia. Fui ao médico hoje, e na mesma hora que viu ele disse logo que era herpes zóster. É muito dolorosa, coça e deixa a parte afetada adormecida, e está se alastrando pela parte lombar do lado direito. Antes de saber o que era, pensando ser algum tipo de alergia, passei várias pomadas e tomei antialérgicos de nada adiantou, estou várias noites sem dormir direito, pois a noite é pior. Amanhã começarei a administrar os medicamentos que me foi dado que foi o aciclovir cp e dipirona de 500 ml. Espero que melhore o mais rápido possível.

13/12/2013 - Comentário feito por Sueli
Re: Herpes zóster. Como é esta doença?
Só para deixar registrado que gostei muito da explicação sobre a Herpes Zóster!! Foram claras e objetivas!! Como tive conhecidos que foram acometidos pela doença, resolvi fazer essa pesquisa para me inteirar sobre o assunto!! Parabéns!!

19/09/2013 - Comentário feito por maria
Re: Herpes zóster. Como é esta doença?
Como tenho muitas alergias eu comecei com uma coceira no braço, mais achei que era só mais uma das alergias causada por produtos de limpeza. daí a lesão começou a doer e queimar, e tomei um anti alérgico e pensei que ia passar mais só piorou; fui no médico do meu convênio e nem conseguir passar de tão cheio, já ia desistindo, mais preferi correr num pronto socorro poi as bolhas começou a passar p/ o rosto.
quando cheguei ao médico ele só olhou para mim e me disse que era um caso de herpes- zóster e eu questionei pois duvidava, ele me passou para tomar: durante cinco dias uma injeção em dias alternados de "acetato de dexametasona+cianocobalamina+cloridrato de tiamina+cloridrato de piridoxina-4mg/ml+5000ug/2ml+100mg/2ml+100mg/2ml.e uma pomada de dexametasona,claro que sobre prescrição médica, não estou fazendo propaganda é só uma observação .comecei com a alergia e só fui passar no médico uma semana e meia depois quando ele me receitou fiquei com medo de tomar a injeção sem ouvir uma segunda opinião e quando acordei no outro dia meu rosto estava tomado de feridas, elas se espalham muito rápido e fui imediatamente tomar a injeção na farmácia.
Na primeira dose já surge o efeito e a pomada seca e melhora as dores dos ferimentos, tomei três doses um dia sim e não e já passou os ferimentos do rosto e no braço só ficou as manchas e um pouco de ressecamento isso já no quarto dia após tomar a injeção.
Nunca espere piorar para procurar um médico, procure sempre nos primeiros sintomas.
CUIDADOS QUE TIVE: não usei a mesma toalha que secava os ferimentos em outra parte do corpo, no início não sabia e acho que por isso passou para o rosto; lavei os ferimentos com sabão de glicerina e sequei muito bem antes de passar a pomada isso três vezes ao dia; e não me expus ao sol, pois aumenta a dor; maquiagem e cremes nem pensar pelos produtos químicos que possui. Procurei também não como nada que inflame mais como ovo, carne de porco...; Espero que tenha ajudado!

  • Entrar
  • Assinar