Atalho: 6BV1NIL
Gostou do artigo? Compartilhe!

Zumbido no ouvido ou tinnitus. Você tem?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é zumbido no ouvido1 ou tinnitus2?

O zumbido no ouvido1 ou tinnitus2 afeta 28 milhões de brasileiros e 15% da população mundial. Ele é um som incomodativo, que nasce dentro da via auditiva, sem a presença de um estímulo externo e cuja intensidade não pode ser medida. É um sintoma3 muito comum, que traz prejuízos à qualidade de vida e que deve ser pesquisado e tratado adequadamente pelos profissionais de saúde4.

O zumbido significa que a via auditiva está funcionando em ritmo mais acelerado que o normal em resposta a alguma agressão que o ouvido possa ter sofrido, mesmo que pequena.

O ruído percebido pode ser contínuo ou intermitente5 e compara-se a qualquer tipo de som, sendo os mais comuns: chiado, apito, cachoeira, panela de pressão, canto de cigarra ou grilo, zunido de abelha, etc. Algumas pessoas só o escutam quando tudo está em silêncio, outras o ouvem o dia inteiro.

Quais são as causas do zumbido no ouvido1?

O zumbido no ouvido1 é um sintoma3 e não uma doença específica, ele pode ocorrer em diversas patologias. Existem mais de 200 causas associadas ao tinnitus2.

Não se consegue determinar todas as causas do zumbido, mas várias delas podem ser identificadas:

  • Perda auditiva.
  • Problemas metabólicos.
  • Estresse ou problemas emocionais.
  • Disfunções na articulação temporomandibular6.
  • Cera em excesso.
  • Reação a medicamentos.
  • Abuso de cafeína, de doces ou de alimentos gordurosos.
  • Exposição a sons muito altos ao longo da vida ou de forma aguda.
  • Otites7 e labirintites8.
  • Envelhecimento.
  • Diabetes mellitus9.
  • Hipertensão arterial10 (pressão alta).
  • Doenças da tireoide11.

Uma mesma pessoa pode ter mais de uma causa de zumbido.

Quais os sintomas12 experimentados por uma pessoa que sofre de zumbido no ouvido1?

Além do ruído incômodo, que interfere no sono e na concentração da atenção, a pessoa geralmente fica ansiosa ou deprimida.

Como o médico faz o diagnóstico13 do zumbido no ouvido1?

O médico faz uma detalhada história clínica, exames complementares audiológicos, laboratoriais, eletrofisiológicos e de imagem e avalia a vida psíquica do paciente.

Muitas vezes é necessário uma equipe multidisciplinar para dar apoio a uma pessoa com tinnitus2.

Como é o tratamento do zumbido?

Não existe um tratamento único aplicável a todos os casos. O tratamento deve ser individualizado, segundo as causas que determinaram o aparecimento do tinnitus2. Pacientes com problemas parecidos podem reagir de forma completamente diferente ao mesmo medicamento ou procedimento adotado para o tratamento.

Muitas vezes é difícil ou impossível determinar as causas e tratar o zumbido, mas é possível fazer um treinamento para conviver melhor com ele, como é o caso da terapia de retreinamento de zumbido ou do mascaramento sonoro. Existem também grupos de apoio a pacientes com zumbido.

Procure um otorrinolaringologista para orientá-lo. Uma consulta com um fonoaudiólogo, um fisioterapeuta e com um psicólogo também pode ajudar.

Quais as medidas que podem auxiliar na prevenção do zumbido?

  • Evitar ouvir sons muito altos, principalmente com fones de ouvido.
  • Usar protetores de ouvido quando for obrigado a submeter-se a sons altos.
  • Evitar o estresse.
  • Alimentar-se de forma saudável, evitando longos períodos de jejum.
  • Não abusar de cafeína, doces, álcool e nicotina.
  • Certos medicamentos também podem produzir zumbidos como efeito colateral14. Se você estiver tomando algum medicamento, consulte seu médico a respeito.
ABCMED, 2012. Zumbido no ouvido ou tinnitus. Você tem?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/260990/zumbido+no+ouvido+ou+tinnitus+voce+tem.htm>. Acesso em: 14 nov. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Zumbido no ouvido: Pode ser descrito como um som parecido com campainhas no ouvido ou outros barulhos dentro da cabeça que são percebidos na ausência de qualquer fonte de barulho externa.
2 Tinnitus: Pode ser descrito como um som parecido com campainhas no ouvido ou outros barulhos dentro da cabeça que são percebidos na ausência de qualquer fonte de barulho externa.
3 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
6 Articulação Temporomandibular: Articulação entre o côndilo da mandíbula e o tubérculo articular do osso temporal. Relação Central;
7 Otites: Toda infecção do ouvido é chamada de otite.
8 Labirintites: Doença que pode acometer tanto o equilíbrio, quanto a parte auditiva. Os órgãos responsáveis pelo equilíbrio e pela audição estão situados no ouvido interno e se comunicam com o sistema nervoso central através dos nervos da audição e do nervo vestibular. Doenças infecciosas, inflamatórias, tumorais e alterações genéticas podem ocasionar alterações nessas estruturas anatômicas. Além da vertigem, a labirintite pode apresentar manifestações neurovegetativas - náuseas, vômitos, sudorese e alterações gastrintestinais como também estar associada a manifestações auditivas - perda de audição, sensação de ouvido cheio ou tapado e zumbido.
9 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
10 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
11 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
12 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
13 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
14 Efeito colateral: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Otorrinolaringologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.