Gostou do artigo? Compartilhe!

Calafrios - por que eles acontecem?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são calafrios1?

Os calafrios1 são como arrepios que causam contrações e relaxamento involuntários dos músculos2 de todo o corpo, sendo um dos mecanismos do organismo para tentar manter a temperatura corporal quando a pessoa sente frio.

Quais são as causas dos calafrios1?

A causa mais comum dos calafrios1 é a febre3, mas eles também podem estar relacionados a uma resposta emocional. Os calafrios1 também podem surgir quando a pessoa sente qualquer tipo de surpresa ou emoção intensa.

Também podem acontecer quando a pessoa tem hipoglicemia4 (níveis de açúcar5 do sangue6 abaixo do normal), anemia7 ou hipotireoidismo8, entre outras condições. A malária também é uma das razões para calafrios1. Eles também podem acontecer quando a pessoa está em um ambiente muito frio.

Saiba mais sobre "Curiosidades sobre a temperatura do nosso corpo", "Resfriados", "Gripes", "Coriza9",  e "Tosse seca persistente".

Qual é o substrato fisiológico10 dos calafrios1?

Por meio da contração dos músculos2, o organismo busca conseguir um aumento da temperatura corporal. Mesmo se a pessoa não estiver sentindo frio, uma queda na temperatura corporal pode causar calafrios1. As pessoas costumam apresentar os calafrios1 quando estão com febre3 ou como um sintoma11 inicial de uma infecção12 que está por ocorrer, como a inflamação13 na garganta14 ou a infecção12 na urina15, por exemplo.

Pessoas com síndrome16 do pânico ou ansiedade também podem sentir calafrios1. Nesse caso, não se trata propriamente de uma doença física ou algum processo infeccioso, mas sim de um transtorno de origem psicológica. Os calafrios1 causados por quadros de ansiedade estão relacionados com o aumento súbito da quantidade de adrenalina17 no organismo, que ocorre nessas situações.

Quais são as características clínicas dos calafrios1?

Calafrios1 e febre3 estão juntos em muitas situações. Mas, nem todo mundo com febre3 sente calafrios1 e algumas pessoas podem ter calafrios1 sem febre3. Geralmente os calafrios1 passam de forma rápida e servem como um indicador precoce de infecções18 e inflamações19.

Pode-se ter calafrios1 em várias circunstâncias. As principais são:

  1. Febre3, que normalmente indica que o corpo está lutando contra uma infecção12;
  2. Gripe20, que normalmente se faz acompanhar de tosse, espirros, catarro, secreção nasal, dor no peito21 e dificuldade para respirar;
  3. Infecção12 de garganta14 que, além dos calafrios1, pode gerar febre3 e sensação de mal-estar;
  4. Infecção12 urinária, que se faz acompanhar de dor ou ardência ao urinar, além de urina15 turva ou com grumos, mal-estar, dor de cabeça22 e febre3 alta, além dos calafrios1;
  5. Hipoglicemia4, em que outros sintomas23 além dos calafrios1 podem estar presentes, como suor frio, tontura24 e mal-estar;
  6. Prostatite25, em que os homens com próstata26 inflamada podem apresentar também sintomas23 como dor ao urinar, diminuição do jato de urina15, dor baixa nas costas27 e dor nos testículos28;
  7. Hipotireoidismo8, que pode também causar sintomas23 como falta de disposição, cansaço, arrepios, dificuldade de concentração, falhas de memória e aumento do peso.

Os calafrios1 são um sinal29 de que o organismo da pessoa está tentando regular sua temperatura de base. Quando tem calafrios1, a pessoa treme, seus dentes batem uns contra os outros, incontrolavelmente, e sente arrepios na pele30, conhecidos como “pele arrepiada”. Todas essas são respostas involuntárias do corpo que a pessoa não consegue controlar conscientemente.

Como o médico diagnostica os calafrios1?

A ocorrência dos calafrios1 é autoevidente, seja por observação direta, seja pelos relatos dos pacientes. O médico deve dedicar-se a determinar a causa deles, para o que contará com o relato do paciente dos demais sinais31 e sintomas23 acompanhantes e com exames de laboratório, escolhidos segundo a suspeita que tenha.

Como tratar calafrios1?

Muitos calafrios1 passam sozinhos em poucos minutos. Roupas espessas ou estar em um lugar aquecido pode fazer com que os calafrios1 desapareçam mais rapidamente. A pessoa também pode beber alguma bebida quente (chocolate quente, café, chá, etc.) para aumentar a temperatura interna do corpo.

Se a pessoa tiver febre3 alta, não deve se refrescar excessivamente, pois isso pode fazer com que o corpo aumente a febre3, compensatoriamente. O tratamento deve também ser dirigido à causa dos calafrios1 (gripes, infecções18, hipoglicemias, etc.).

Leia também sobre "Agentes infecciosos", "Vírus32", "Fungos" e "Bactérias".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da Cleveland Clinic e do NIH – National Institutes of Health (USA).

ABCMED, 2021. Calafrios - por que eles acontecem?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1396360/calafrios-por-que-eles-acontecem.htm>. Acesso em: 20 set. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
2 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
3 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
4 Hipoglicemia: Condição que ocorre quando há uma queda excessiva nos níveis de glicose, freqüentemente abaixo de 70 mg/dL, com aparecimento rápido de sintomas. Os sinais de hipoglicemia são: fome, fadiga, tremores, tontura, taquicardia, sudorese, palidez, pele fria e úmida, visão turva e confusão mental. Se não for tratada, pode levar ao coma. É tratada com o consumo de alimentos ricos em carboidratos como pastilhas ou sucos com glicose. Pode também ser tratada com uma injeção de glucagon caso a pessoa esteja inconsciente ou incapaz de engolir. Também chamada de reação à insulina.
5 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
6 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
7 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
8 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
9 Coriza: Inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo.
10 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
11 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
13 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
14 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
15 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
16 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
17 Adrenalina: 1. Hormônio secretado pela medula das glândulas suprarrenais. Atua no mecanismo da elevação da pressão sanguínea, é importante na produção de respostas fisiológicas rápidas do organismo aos estímulos externos. Usualmente utilizado como estimulante cardíaco, como vasoconstritor nas hemorragias da pele, para prolongar os efeitos de anestésicos locais e como relaxante muscular na asma brônquica. 2. No sentido informal significa disposição física, emocional e mental na realização de tarefas, projetos, etc. Energia, força, vigor.
18 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
19 Inflamações: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc. Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
20 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
21 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
22 Cabeça:
23 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
24 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
25 Prostatite: Quadro de inflamação da próstata.
26 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
27 Costas:
28 Testículos: Os testículos são as gônadas sexuais masculinas que produzem as células de fecundação ou espermatozóides. Nos mamíferos ocorrem aos pares e são protegidos fora do corpo por uma bolsa chamada escroto. Têm função de glândula produzindo hormônios masculinos.
29 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
30 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
31 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
32 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.