Gostou do artigo? Compartilhe!

O que são bactérias? Onde elas vivem? O que elas podem causar aos seres humanos? Elas podem ser úteis? O que é um antibiograma?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Generalidades sobre as bactérias

As bactérias são os seres vivos mais antigos na natureza (evidências encontradas em rochas de 3,8 bilhões de anos). São também os mais simples do ponto de vista estrutural e os mais bem sucedidos em relação ao número de indivíduos. A quantidade de bactérias no intestino de uma pessoa, por exemplo, é superior ao número total de células1 humanas no corpo humano2. Elas são microscópicas, unicelulares, sem núcleos e sem clorofila e se reproduzem por divisão binária. Podem ter várias formas e serem de tamanhos variados, indo de 0,2 a 6,0 micrômetros (milésima parte do milímetro). Quase todas são envolvidas por uma camada externa resistente e logo abaixo dela por uma membrana citoplasmática, contendo em seu interior DNA, RNA, proteínas3 e pequenas moléculas. Elas encontram seus alimentos em praticamente qualquer molécula orgânica e havendo alimentos suficientes elas se dividem muito rapidamente (a cada 20 minutos) e uma única bactéria4 pode gerar cinco milhões de outras num período de apenas onze horas. Podem ser encontradas na forma isolada ou em colônias e podem viver na presença ou na ausência de oxigênio (chamadas, respectivamente, aeróbias ou anaeróbias) ou, ainda, serem anaeróbias facultativas. As aeróbias normalmente vivem na pele5 ou no sistema respiratório6 e as anaeróbias nas camadas profundas dos tecidos ou nas feridas.

As bactérias exercem um importante papel ecológico porque elas fixam e devolvem o nitrogênio à atmosfera e também são úteis para o homem na indústria de laticínios e farmacêutica, que utilizam bactérias para fabricar derivados do leite e antibióticos, respectivamente.

Na natureza há dois tipos de bactérias: as eubactérias, tipos comuns encontradas na água, no solo e em organismos vivos maiores, e as arquibactérias, geralmente encontradas em ambientes inóspitos, como os pântanos, fontes termais, fundo do oceano, salinas, vulcões, fontes ácidas, etc.

Quanto à forma que assumem, as bactérias podem ser classificadas em cocos, bacilos, vibrião e espirilos.

  • Cocos têm a forma esférica e quando agrupados em pares recebem o nome de diplococos; se em cadeia, de estreptococos e se em cachos, como uvas, de estafilococos.
  • Bacilos são cilíndricos, têm a forma de bastonetes e em geral se apresentam isolados.
  • Vibriões têm a forma de vírgula.
  • Espirilos são células1 espiraladas e quase sempre se apresentam isoladamente.

Uma técnica muito usada para classificar as bactérias baseia-se na coloração desenvolvida pelo microbiologista dinamarquês Hans Christian Gram, que divide as bactérias em dois grupos: as que assumem coloração púrpura7 ou azul (gram-positivas) e as que se descolorem, mas ao final do processo se tingem na tonalidade rosa-avermelhada (gram-negativas).

Algumas bactérias são prejudiciais à saúde8 do homem e podem causar inúmeras doenças (bactérias patogênicas), mas outras não e a presença de algumas delas inclusive é necessária para o bom funcionamento orgânico (bactérias da flora intestinal, por exemplo, que ajudam na digestão9 e evitam a proliferação de micróbios patogênicos).

As bactérias podem penetrar no corpo humano2 através do trato digestivo, dos pulmões10, do sangue11 ou de alguma solução de continuidade da pele5 ou das mucosas12, transportadas até eles por mãos13 ou objetos contaminados, pelo ar ou por moscas. No entanto, a maioria delas, aliás, é completamente inócua14 e até útil para o homem e para a Natureza em geral. Foram elas que ajudaram a tornar a Terra habitável para os homens e as plantas, colocando oxigênio na atmosfera em quantidade suficiente para a continuidade e novas formulações da vida. A mesma coisa acontece com as bactérias presentes nas plantas. Muitas bactérias se localizam nas raízes ou nódulos de certas plantas e fixam o nitrogênio atmosférico, tornando-o disponível como nutriente para as plantas. Na indústria alimentícia, inclusive, algumas bactérias são usadas na preparação de comidas ou bebidas fermentadas. No caso dos seres humanos elas podem ser transferidas de pessoa para pessoa e podem ser combatidas pelos antibióticos. Caso contrário, elas aumentam rapidamente, ampliando o número de colônias e podendo leva-lo à morte. Entre milhares de outras, as principais doenças causadas por bactérias são: a tuberculose15, a hanseníase (lepra16), a difteria17, a coqueluche18, a pneumonia19 bacteriana, a sinusite20 bacteriana, a escarlatina, o tétano21, a leptospirose, o tracoma, a gonorreia22 ou blenorragia23, a sífilis24, a meningite25 meningocócica, a cólera26, a febre tifoide27 etc. Algumas bactérias causam doenças muito graves, e às vezes mortais, como o botulismo28, o antraz, a peste bubônica e o tifo.

Medidas antissépticas são aquelas destinadas a evitar infecções29 pelas bactérias, por exemplo, ferver a água antes de tomar, lavar os alimentos frescos antes de ingeri-los ou passar álcool em uma ferida. A esterilização de instrumentos dentários, cirúrgicos ou outros, visa livrá-los de qualquer agente patogênico30, das bactérias inclusive.

O que é um antibiograma?

Nem toda bactéria4 é sensível a todo antibiótico. O antibiograma é um teste de laboratório para determinar a sensibilidade de uma linhagem de bactéria4 a diferentes antibióticos. Frequentemente os antibióticos são prescritos com base em conhecimentos gerais a respeito da sensibilidade dos diversos tipos de bactérias, no que é conhecido como antibioticoterapia empírica, mas muitas vezes esse conhecimento falha ou não é suficiente. Por vários motivos muitas bactérias podem se tornar resistentes a diversas classes de antibióticos, como acontece, por exemplo, nas infecções29 hospitalares ou no uso frequente de antibióticos, tornando necessário um antibiograma. Este exame consiste em coletar material infeccionado antes de dar início ao tratamento e cultivar as bactérias presentes nele para depois testar a ação sobre elas de diversos antibióticos, determinando a qual deles as bactérias em causa são mais sensíveis. Essa informação pode ser útil para o clínico, que assim pode escolher um tratamento mais específico, direcionado apenas para a bactéria4 envolvida na infecção31.

ABCMED, 2014. O que são bactérias? Onde elas vivem? O que elas podem causar aos seres humanos? Elas podem ser úteis? O que é um antibiograma?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/519847/o-que-sao-bacterias-onde-elas-vivem-o-que-elas-podem-causar-aos-seres-humanos-elas-podem-ser-uteis-o-que-e-um-antibiograma.htm>. Acesso em: 19 ago. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
2 Corpo humano: O corpo humano é a substância física ou estrutura total e material de cada homem. Ele divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A anatomia humana estuda as grandes estruturas e sistemas do corpo humano.
3 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
4 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
5 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
6 Sistema Respiratório: Órgãos e estruturas tubulares e cavernosas, por meio das quais a ventilação pulmonar e as trocas gasosas entre o ar externo e o sangue são realizadas.
7 Púrpura: Lesão hemorrágica de cor vinhosa, que não desaparece à pressão, com diâmetro superior a um centímetro.
8 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
9 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
10 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
11 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
12 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
13 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
14 Inócua: 1. Que não causa dano material, físico, orgânico; que não é nocivo ou prejudicial. 2. Que não causa dano moral, psicológico ou afim; improvável de causar ofensa moral. 3. Incapaz de produzir o efeito pretendido.
15 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
16 Lepra: Doença infecto-contagiosa crônica, produzida por uma bactéria chamada Bacilo de Hansen ou Micobacterium leprae, e caracterizada principalmente por alterações da pele e dos nervos periféricos. Dependendo da reação imunológica desenvolvida na pessoa infectada, podem estabelecer-se duas formas da doença, lepra lepromatosa e lepra tuberculóide. No passado, era muito temida, sendo o contato com pessoas portadoras desta doença absolutamente proscrito. Hoje, com o tratamento antibiótico adequado, os portadores desta doença podem fazer parte do convívio social normal, sem representar risco à população, desde que acompanhados por médico e em uso dos medicamentos, que são de uso prolongado.
17 Difteria: Doença infecto-contagiosa que afeta as vias respiratórias superiores, caracterizada pela produção de uma falsa membrana na garganta como resultado da ação de uma toxina bacteriana. Este microorganismo é denominado Corinebacterium difteriae, e é capaz de produzir doença neurológica e cardíaca também.Atualmente, está disponível uma vacina eficiente (a tríplice ou DPT) para esta doença, que tem tornado-se rara.
18 Coqueluche: Infecção bacteriana das vias aéreas caracterizada por tosse repetitiva de som metálico. Pode também ser denominada tosse ferina, tosse convulsa ou tosse comprida, e é produzida por um microorganismo chamado Bordetella pertussis.
19 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
20 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
21 Tétano: Toxinfecção produzida por uma bactéria chamada Clostridium tetani. Esta, ao infectar uma ferida cutânea, produz uma toxina (tetanospasmina) altamente nociva para o sistema nervoso que produz espasmos e paralisia dos nervos afetados. Pode ser fatal. Existe vacina contra o tétano (antitetânica) que deve ser tomada sempre que acontecer um traumatismo em que se suspeita da contaminação por esta bactéria. Se a contaminação for confirmada, ou se a pessoa nunca recebeu uma dose da vacina anteriormente, pode ser necessário administrar anticorpos exógenos (de soro de cavalo) contra esta toxina.
22 Gonorreia: Infecção bacteriana que compromete o trato genital, produzida por uma bactéria chamada Neisseria gonorrhoeae. Produz uma secreção branca amarelada que sai pela uretra juntamente com ardor ao urinar. É uma causa de infertilidade masculina.Em mulheres, a infecção pode não ser aparente. Se passar despercebida, pode se tornar crônica e ascender, atingindo os anexos uterinos (trompas, útero, ovários) e causar Doença Inflamatória Pélvica e mesmo infertilidade feminina.
23 Blenorragia: Infecção transmitida sexualmente, produzida por uma bactéria chamada Neisseria gonorreae, que se manifesta por secreção purulenta drenada através da uretra. Se não tratada adequadamente pode produzir problemas mais sérios, como infecção crônica e esterilidade.
24 Sífilis: Doença transmitida pelo contato sexual, causada por uma bactéria de forma espiralada chamada Treponema pallidum. Produz diferentes sintomas de acordo com a etapa da doença. Primeiro surge uma úlcera na zona de contato com inflamação dos gânglios linfáticos regionais. Após um período a lesão inicial cura-se espontaneamente e aparecem lesões secundárias (rash cutâneo, goma sifilítica, etc.). Em suas fases tardias pode causar transtorno neurológico sério e irreversível, que felizmente após o advento do tratamento com antibióticos tem se tornado de ocorrência rara. Pode ser causa de infertilidade e abortos espontâneos repetidos.
25 Meningite: Inflamação das meninges, aguda ou crônica, quase sempre de origem infecciosa, com ou sem reação purulenta do líquido cefalorraquidiano. As meninges são três membranas superpostas (dura-máter, aracnoide e pia-máter) que envolvem o encéfalo e a medula espinhal.
26 Cólera: Doença aguda ocasionada por infecção bacteriana pelo vibrião colérico, caracterizada por diarréia aquosa muito freqüente e abundante, que pode levar o paciente ao choque por desidratação. É transmitida por ingestão da bactéria através de água e alimentos contaminados.
27 Febre tifóide: Infecção produzida por uma bactéria chamada Salmonella tiphy, adquirida através de alimentos contaminados e caracterizada por febre persistente, aumento do tamanho dos tecidos linfáticos (baço, gânglios linfáticos, etc.) e erupções cutâneas. Sem tratamento adequado pode ser muito grave.
28 Botulismo: Intoxicação alimentar causada pela ingestão da toxina de uma bactéria chamada Clostridium botulinum, que produz um quadro grave de paralisia de alguns nervos motores.
29 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
30 Patogênico: 1. Relativo a patogenia, patogênese ou patogenesia. 2. Que provoca ou pode provocar, direta ou indiretamente, uma doença.
31 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.