Gostou do artigo? Compartilhe!

Diferenças entre inflamação e infecção

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é uma inflamação1?

Uma inflamação1 (do latim: inflammatio = atear fogo) é uma reação do organismo a uma infecção2 ou lesão3 dos tecidos de outra natureza. A inflamação1 pode também partir do sistema imunitário4 inato que pode agredir o próprio organismo. Este tipo de inflamação1 difere-se daquela adquirida em que o organismo precisa entrar em contato com o agressor nocivo.

O que é uma infecção2?

Uma infecção2 é a invasão de tecidos corporais por parte de organismos microscópicos5, como as bactérias, os vírus6 ou os fungos, por exemplo, ou de dimensões maiores e constituição mais complexa, como os ácaros, pulgas, piolhos, etc. Normalmente, inúmeros agentes infecciosos vivem no corpo de um indivíduo sem causar doenças porque estão contidos pelo sistema imunológico7 da pessoa. No entanto, se esse equilíbrio for desfeito, sobrevém uma doença infecciosa. O sistema imunológico7 do hospedeiro reage, mas nem sempre é capaz de vencer os agentes infecciosos sem a ajuda de vacinas e medicações. Há mesmo alguns agentes infecciosos que desempenham papel útil para os seres humanos, como algumas bactérias da flora intestinal, por exemplo.

Qual a fisiopatologia8 da inflamação1?

Os agentes inflamatórios agridem os tecidos e provocam fenômenos de dilatações e alterações da permeabilidade9 capilar10, com extravasamento de líquido intravascular11 para fora dos vasos. Como resultado, forma-se de um halo avermelhado em torno da lesão3, um aumento de volume (edema12) e da temperatura locais. A dor é causada pela estimulação das terminações nervosas pelas substâncias liberadas durante o processo inflamatório e pelas compressões relacionadas ao edema12.

Qual a fisiopatologia8 da infecção2?

Como as infecções13 sempre levam a uma reação inflamatória, parte da fisiopatologia8 delas é a mesma das inflamações14. Numa infecção2, contudo, o organismo é invadido por agentes infecciosos que causam fenômenos próprios. Muitos daqueles agentes atingem somente o homem, mas há os que infectam praticamente todos os mamíferos. Os agentes infecciosos causam danos às células15 atingidas por vários mecanismos: metabolismo16 competitivo, proliferação de toxinas17, duplicação do material genético e maneira como os antígenos18 provocarão a formação de anticorpos19.

Células15 de defesa (linfócitos, neutrófilos20 e macrófagos21, entre outras) passam a ser acumuladas no foco da lesão3 e a fagocitar os elementos que estão na origem da inflamação1. A luta entre os microrganismos invasores e as células15 de defesa dá origem ao aparecimento de pus22, que pode levar à formação de abscessos23 e a um processo de supuração24. Ocorre uma diapedese dos leucócitos25 (passagem dos leucócitos25 do interior dos vasos para os tecidos) e outras células15 de defesa para que elas possam melhor combater os agentes inflamatórios. No processo, os leucócitos25 destroem o tecido26 danificado e enviam sinais27 aos macrófagos21, que ingerem e digerem os antígenos18 e o tecido26 morto. Em algumas doenças esse processo pode apresentar caráter destrutivo, necrótico. As plaquetas28 e o sistema de coagulação29 do sangue30 são ativados e podem, assim, conter possíveis sangramentos. Em geral a infecção2 se restringe a um único local do organismo, mas pode se espalhar, via sistema linfático31 ou vascular32, ocasionando uma septicemia33.

Quais são os sinais27 e sintomas34 típicos de uma inflamação1?

Em um processo inflamatório a região atingida fica avermelhada, aumentada de volume e quente, o que explica seu nome. É comum que haja dor local. Isso tudo acontece em razão do aumento do fluxo de sangue30 e demais líquidos corporais que se dirigem para o local. Um conjunto de cinco sinais27 e sintomas34 são classicamente tomados como típicos de inflamação1:

  • Calor (aquecimento).
  • Rubor ou hiperemia35 (vermelhidão).
  • Edema12 (inchaço36).
  • Hiperestesia (dor ao toque).
  • Perda de função.

Quais são os sinais27 e sintomas34 típicos de uma infecção2?

Como as infecções13 podem ocorrer em qualquer órgão ou seguimento corporal, os sintomas34 que decorrem delas são extremamente variáveis. A febre37 é um sintoma38 presente em praticamente toda infecção2, uma coisa quase chegando a ser sinônima da outra. Contudo, há infecções13 que cursam sem febre37 e isso é um sinal39 desfavorável porque indica uma pequena ou nula capacidade de reação orgânica. Afinal, a febre37 resulta da luta das defesas orgânicas contra os agentes infecciosos e dá uma dimensão dessa luta. Há também enfermidades que desde o princípio cursam com febre37 alta e outras em que a febre37 é moderada ou baixa, na dependência da natureza do agente infeccioso, e isso é um sinal39 de que o médico se vale para estabelecer suas hipóteses diagnósticas. Assim, a tuberculose40, por exemplo, geralmente cursa com febre37 baixa e a amigdalite bacteriana com febre37 alta.

Quais são as complicações possíveis de uma inflamação1?

As inflamações14, por si mesmas, raramente ocasionam complicações, mas elas podem exercer compressões sobre estruturas próximas, levando a consequências.

Quais são as complicações possíveis de uma infecção2?

Uma das possíveis complicações das infecções13 é a resistência bacteriana aos antibióticos, que se deve ao fato de que as bactérias se "acostumam" aos antibióticos que deixam então de fazer efeitos, deixando que as bactérias patógenas fiquem livres para se multiplicarem. Quando as bactérias resistentes causam uma infecção2, os antibióticos normalmente usados não surtem efeito e será necessário utilizar antibióticos cada vez mais tóxicos. Outra possível complicação das infecções13 é a possibilidade de formação de abscessos23. Quando os abscessos23 são externos, a drenagem41 deles representa uma evolução favorável do caso e muitas vezes eles são drenados artificialmente. No entanto, se são internos e drenarem para o interior dos tecidos ou de cavidades, podem causar problemas graves.

Quais são as diferenças entre inflamação1 e infecção2?

Das definições conclui-se que em todas as infecções13 existe uma inflamação1, mas que não são em todas as inflamações14 que há uma infecção2. Uma queimadura de sol produz uma inflamação1, mas não há, pelo menos em princípio, a presença de agentes infecciosos. Uma amigdalite aguda, por seu turno, apresenta as características de inflamação1 e a presença de bactérias ou vírus6. A infecção2 pode levar a formação de pus22 e de abscessos23, coisa que nunca ocorre na inflamação1.

ABCMED, 2014. Diferenças entre inflamação e infecção. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/579197/diferencas-entre-inflamacao-e-infeccao.htm>. Acesso em: 23 mai. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
2 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
4 Sistema Imunitário: Mecanismo de defesa do corpo contra organismos ou substâncias estranhas e células nativas anormais. Inclui a resposta imune humoral e a resposta mediada por célula e consiste de um complexo de componentes celulares, moleculares e genéticos interrelacionados.
5 Microscópicos: 1. Relativo à microscopia ou a microscópio. 2. Que se realiza com o auxílio do microscópio. 3. Visível somente por meio do microscópio. 4. Muito pequeno, minúsculo.
6 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
7 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
8 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
9 Permeabilidade: Qualidade dos corpos que deixam passar através de seus poros outros corpos (fluidos, líquidos, gases, etc.).
10 Capilar: 1. Na medicina, diz-se de ou tubo endotelial muito fino que liga a circulação arterial à venosa. Qualquer vaso. 2. Na física, diz-se de ou tubo, em geral de vidro, cujo diâmetro interno é diminuto. 3. Relativo a cabelo, fino como fio de cabelo.
11 Intravascular: Relativo ao interior dos vasos sanguíneos e linfáticos, ou que ali se situa ou ocorre.
12 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
13 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
14 Inflamações: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc. Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
15 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
16 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
17 Toxinas: Substâncias tóxicas, especialmente uma proteína, produzidas durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capazes de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
18 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
19 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
20 Neutrófilos: Leucócitos granulares que apresentam um núcleo composto de três a cinco lóbulos conectados por filamenos delgados de cromatina. O citoplasma contém grânulos finos e inconspícuos que coram-se com corantes neutros.
21 Macrófagos: É uma célula grande, derivada do monócito do sangue. Ela tem a função de englobar e destruir, por fagocitose, corpos estranhos e volumosos.
22 Pus: Secreção amarelada, freqüentemente mal cheirosa, produzida como conseqüência de uma infecção bacteriana e formada por leucócitos em processo de degeneração, plasma, bactérias, proteínas, etc.
23 Abscessos: Acumulação de pus em uma cavidade formada acidentalmente nos tecidos orgânicos, ou mesmo em órgão cavitário, em consequência de inflamação seguida de infecção.
24 Supuração: Secreção de pus. Pode significar infecção no tecido afetado.
25 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
26 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
27 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
28 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
29 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
30 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
31 Sistema Linfático: Um sistema de órgãos e tecidos que processa e transporta células imunes e LINFA.
32 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
33 Septicemia: Septicemia ou sepse é uma infecção generalizada grave que ocorre devido à presença de micro-organismos patogênicos e suas toxinas na corrente sanguínea. Geralmente ela ocorre a partir de outra infecção já existente.
34 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
35 Hiperemia: Congestão sanguínea em qualquer órgão ou parte do corpo.
36 Inchaço: Inchação, edema.
37 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
38 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
39 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
40 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
41 Drenagem: Saída ou retirada de material líquido (sangue, pus, soro), de forma espontânea ou através de um tubo colocado no interior da cavidade afetada (dreno).
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

31/01/2016 - Comentário feito por Niuslâine
Adorei a matéria. Pesquisei varias fontes, mas ...
Adorei a matéria. Pesquisei varias fontes, mas a unica que me fez realmente entender foi essa. Vocês colocam o significado de tudo e isso é ótimo. Meus parabéns pelo trabalho e grata por compartilhar o conhecimento.

29/10/2014 - Comentário feito por Joana
Ótima matéria ! Recebi email com ...
Ótima matéria ! Recebi email com esta matéria na hora certa pq fui ao médico e ele me disse que estou com forte infecção urinária ( resultado de exames de sangue e urina ) , inflamação e infecção em tres pontos da cirurgia de apendice que sofri a uns 45 dias e infecção no osso do ouvido ( resultado de uma ressonância ) . Fiquei me perguntando : infecção e inflamação ,não é a mesma coisa ? Aí veio esta excelente matéria me esclarecer .Obrigada !

  • Entrar
  • Assinar