Atalho: 59P93CH
Gostou do artigo? Compartilhe!

Bulimia nervosa. O que é?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é bulimia1 nervosa?


A bulimia1 nervosa é caracterizada por episódios recorrentes de compulsão alimentar (ingestão de grande quantidade de alimentos em curto período de tempo), seguidos de um sentimento de falta de controle sobre este comportamento alimentar. A estes episódios seguem-se vômitos2 induzidos pelo próprio indivíduo, uso de laxantes3, diuréticos4 ou enemas5, jejum ou exercícios vigorosos para evitar o ganho de peso.

A avaliação que pessoas com bulimia1 têm de si mesmas está muito relacionada ao seu peso e forma corporais.

Quem tem bulimia1 come para engordar?

Não. A pessoa não quer comer para engordar, ela apenas não consegue controlar o seu impulso para comer. Ela apresenta 2 a 3 episódios por semana de compulsão alimentar e isto se repete pelo menos ao longo de três meses.

Os bulímicos geralmente não são obesos, pois usam artifícios para eliminar o excesso ingerido e não ganhar peso como indução de vômitos2, uso de laxantes3 para causar diarreias, uso de diuréticos4 para eliminar maior quantidade de urina6, prática de exercícios de maneira exagerada. Hábitos que podem trazer sérias complicações à saúde7.

Quais as causas?

Não há uma causa específica, mas fatores biológicos, psicológicos e socioculturais podem influenciar no aparecimento da bulimia1:

Fatores biológicos:

  • Herança genética: ter uma irmã ou mãe com transtorno alimentar aumenta o risco de bulimia1.
  • Serotonina: há evidências de que os níveis de serotonina no organismo influenciam o comportamento alimentar.

Fatores psicológicos: pessoas com bulimia1 apresentam características emocionais ou psicológicas que contribuem para a doença.

  • Baixa auto-estima.
  • Perfeccionismo.
  • Comportamentos impulsivos.
  • Problemas para controlar o humor ou expressar raiva8.
  • Pode haver história pregressa de abuso sexual.

Fatores socioculturais:

  • Valorização da magreza.
  • Pressão familiar ou de amigos pela busca da magreza pode acentuar o desejo de ser magro.

A bulimia1 envolve outros aspectos além da compulsão alimentar?

Existe um sentimento de inferioridade e incapacidade, pois a pessoa reconhece as alterações no seu comportamento, mas não consegue contê-las. Ela passa a esconder os seus problemas mesmo das pessoas mais íntimas.

Esta falta de controle em relação à alimentação é parcial, uma vez que os bulímicos conseguem planejar os episódios compulsivos, esperar para ficar sozinhos ou mesmo guardar alimentos para ingerirem em determinado momento. Isto é intrigante para os que vivem próximos, mas eles devem evitar culpar os bulímicos por suas atitudes, pois podem piorar o problema existente.

As pessoas com bulimia1 tendem a não procurar ajuda médica ou psicológica e, quando a obtém, não a aceitam prontamente. Há uma tendência à ansiedade, tensão e alterações do humor.

Outros sintomas9 físicos como constipação10, plenitude gástrica, dor abdominal, cansaço, alterações menstruais em mulheres, dentre outros, podem aparecer.

Como é o tratamento?

O tratamento é de longo prazo e pode ser difícil. Deve ser guiado por uma equipe multidisplinar incluindo clínico geral, psiquiatra, psicólogo e nutricionista11.

As intervenções incluem psicoterapia individual de enfoque cognitivo12-comportamental, terapia de grupo, terapia familiar, psicanálise ou uso de medicamentos como antidepressivos, além de uma avaliação física criteriosa das complicações possíveis.

A terapia cognitivo12-comportamental parece ser o tratamento psicoterapêutico mais eficaz para a bulimia1 nervosa.

Os antidepressivos inibidores da recaptação da serotonina parecem ter um efeito melhor, mas todo medicamento usado deve ser prescrito por um médico.

Um tratamento efetivo pode ajudar pessoas com esta condição a se sentiram melhor, adotar um padrão alimentar saudável e reverter complicações à saúde7.

Quais são as complicações da bulimia1 não tratada?

Ela pode causar sérios problemas de saúde7 como:

  • Anemia13 intensa.
  • Problemas cardíacos, como alterações do ritmo cardíaco e insuficiência cardíaca14.
  • Queda de dentes.
  • Ausência de menstruação15.
  • Problemas gastrointestinais como constipação10, plenitude gástrica e náuseas16.
  • Queda de eletrólitos17: potássio, sódio e cloreto.
  • Depressão.
  • Suicídio.
  • Ansiedade e estresse excessivos.
  • Uso abusivo de álcool.
  • Comportamentos auto-punitivos.
ABCMED, 2010. Bulimia nervosa. O que é?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/psicologia-e-psiquiatria/54740/bulimia+nervosa+o+que+e.htm>. Acesso em: 26 mai. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Bulimia: Ingestão compulsiva de alimentos, em geral seguida de indução do vômito ou uso abusivo de laxantes. Trata-se de uma doença psiquiátrica, que faz parte dos chamados Transtornos Alimentares, juntamente com a Anorexia Nervosa, à qual pode estar associada.
2 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
3 Laxantes: Medicamentos que tratam da constipação intestinal; purgantes, purgativos, solutivos.
4 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
5 Enemas: Introdução de substâncias líquidas ou semilíquidas através do esfíncter anal, com o objetivo de induzir a defecação ou administrar medicamentos.
6 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
7 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
8 Raiva: 1. Doença infecciosa freqüentemente mortal, transmitida ao homem através da mordida de animais domésticos e selvagens infectados e que produz uma paralisia progressiva juntamente com um aumento de sensibilidade perante estímulos visuais ou sonoros mínimos. 2. Fúria, ódio.
9 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
11 Nutricionista: Especialista em nutricionismo, ou seja, especialista no estudo das necessidades alimentares dos seres humanos e animais, e dos problemas relativos à nutrição.
12 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
13 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
14 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
15 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
16 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
17 Eletrólitos: Em eletricidade, é um condutor elétrico de natureza líquida ou sólida, no qual cargas são transportadas por meio de íons. Em química, é uma substância que dissolvida em água se torna condutora de corrente elétrica.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Psiquiatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

23/07/2014 - Comentário feito por ana
eu tenho e me enquadro em quase tudo q foi dito...
eu tenho e me enquadro em quase tudo q foi dito,só não sou obesa o restante sim e tbm penso em suicídio

14/05/2012 - Comentário feito por elkislayne
Re: Bulimia nervosa. O que é?
nossa a bulimia nervosa e muito forte

  • Entrar
  • Assinar