Gostou do artigo? Compartilhe!

Prisão de ventre no adulto

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é prisão de ventre no adulto?

Prisão de ventre ou constipação1 intestinal é um distúrbio caracterizado pela dificuldade persistente para evacuar. Ela acontece quando os movimentos do intestino se tornam difíceis ou menos frequentes e a pessoa tem fezes muito ressecadas, que exigem um esforço muito grande na hora de evacuar, comumente associado a uma sensação de cólica e desconforto.

A pessoa que sofre de prisão de ventre pode passar vários dias sem evacuar. 

Fisiologia2 da evacuação normal

No intestino grosso3 ocorre uma importante absorção de água e eletrólitos4 no quimo (produto da digestão5) e seu conteúdo vai, então, adquirindo uma consistência cada vez mais pastosa e se transformando num bolo fecal. Fortes ondas peristálticas (movimentos de contração intestinal) ocorrem eventualmente e são capazes de propelir (impulsionar à frente) o bolo fecal, em direção às porções finais do tubo digestório: os cólons sigmoide6 e reto7, onde as fezes, que se solidificam cada vez mais, aguardam para serem evacuadas, retidas pelos esfíncteres8 anais interno e externo.

A defecação se inicia por reflexos intrínsecos e parassimpáticos. O enchimento das porções finais do intestino grosso3 estimula terminações nervosas presentes em sua parede. Esses impulsos são de intensidade e frequência cada vez maiores e acabam por desencadear importante resposta motora que vai provocar um aumento significativo e intenso nas ondas peristálticas por todo o intestino grosso3, ao mesmo tempo em que ocorre um relaxamento no esfíncter9 interno do ânus10. Se o esfíncter9 externo do ânus10 também estiver relaxado, a defecação se dará. Caso contrário, as fezes permanecem retidas no interior do reto7.

A defecação normalmente ocorre no indivíduo sadio uma ou duas vezes em 24 horas. Ela se inicia quando as fezes ainda estão a cerca de 20 cm de distância do ânus10. Entrando na ampola retal11, as fezes causam distensão de sua parede, estimulando assim a defecação. Então, uma onda de contração se inicia no cólon transverso12 e propaga-se para baixo em direção à junção retossigmoidea13; ocorre um encurtamento da ampola retal11, pela contração dos músculos14 elevadores do ânus10 e dos retococcígeos; os músculos14 da parede abdominal15 também se contraem, a glote16 se fecha; o diafragma17 é abaixado, por inspiração18 profunda, e os músculos14 torácicos se contraem. Assim, ocorre aumento da pressão intra-abdominal e a massa fecal é expelida com encurtamento da ampola retal11.

Veja sobre "Disquesia - bebê com dificuldade para evacuar", "Laxantes19" e "Bactérias do bem".

Quais são as causas da prisão de ventre no adulto?

São várias as causas da prisão de ventre no adulto:

  1. Dieta pobre em fibras
  2. Pequena ingestão de líquidos
  3. Sedentarismo20
  4. Consumo excessivo de proteína animal e de alimentos industrializados21
  5. A não criação de um hábito regular de evacuação também pode comprometer o funcionamento regular dos intestinos22

Afora isso, a prisão de ventre pode, ainda, estar associada a doenças como diverticulose23 intestinal, hemorroidas24, fissuras25 anais e câncer26 colorretal.

Estresse, depressão e ansiedade são outras ocorrências capazes de interferir nos hábitos intestinais. Pode, igualmente, ser provocada pelo uso de certos medicamentos e por alterações neurológicas e do metabolismo27.

Quais são os sintomas28 da prisão de ventre no adulto?

Os sintomas28 da prisão de ventre em adultos são muito variáveis, mas os mais característicos e constantes são:

  • Número reduzido de evacuações (duas ou menos a cada semana)
  • Dificuldade para eliminar as fezes
  • Sensação de esvaziamento incompleto dos intestinos22
No entanto, outros sintomas28 podem estar presentes:

Como o médico trata a prisão de ventre no adulto?

A prisão de ventre não é uma doença propriamente dita e, por isso, não tem tratamento específico, mas muito se beneficia de mudanças no estilo de vida. Assim, a pessoa deve passar a usar alimentos que são laxantes19 naturais como frutas ricas em fibras e aumentar o consumo de líquidos, especialmente água.

Supositórios e enemas30 só devem ser usados para os casos mais graves. Esses remédios devem ser utilizados apenas sob orientação médica, visto que podem irritar o intestino e até piorar o quadro de constipação1. A intervenção cirúrgica apenas deve ser usada em casos mais restritos e é bem pouco frequente.

Para pessoas que, mesmo adotando hábitos de vida saudáveis, continuam com intestino preso, alguns remédios caseiros naturais podem ajudar a melhorar o trânsito intestinal, como água de semente de linhaça e suco de ameixa com laranja.

Quais são as complicações da prisão de ventre no adulto?

A complicação mais comum da constipação1 é o fecaloma. O fecaloma é uma massa compacta e ressecada de fezes endurecidas, que se deposita nas partes terminais o intestino grosso3 (cólon31 sigmoide6 e reto7), interrompendo o trânsito intestinal, e que tem tendência de aparecer mais nas pessoas com dificuldade de locomoção, em idosos, acamados e cadeirantes.

Leia sobre "Alimentos ricos em fibras", "Constipação1 infantil" e "Flatulência ou excesso de gases.".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos site da Mayo Clinic e da Cleveland Clinic.

ABCMED, 2020. Prisão de ventre no adulto. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1367888/prisao+de+ventre+no+adulto.htm>. Acesso em: 29 mai. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
2 Fisiologia: Estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
3 Intestino grosso: O intestino grosso é dividido em 4 partes principais: ceco (cecum), cólon (ascendente, transverso, descendente e sigmoide), reto e ânus. Ele tem um papel importante na absorção da água (o que determina a consistência do bolo fecal), de alguns nutrientes e certas vitaminas. Mede cerca de 1,5 m de comprimento.
4 Eletrólitos: Em eletricidade, é um condutor elétrico de natureza líquida ou sólida, no qual cargas são transportadas por meio de íons. Em química, é uma substância que dissolvida em água se torna condutora de corrente elétrica.
5 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
6 Sigmóide: Segmento do COLO entre o RETO e o colo descendente.
7 Reto: Segmento distal do INTESTINO GROSSO, entre o COLO SIGMÓIDE e o CANAL ANAL.
8 Esfíncteres: Estruturas musculares que contornam um orifício ou canal natural, permitindo sua abertura ou fechamento, podendo ser constituídos de fibras musculares lisas e/ou estriadas.
9 Esfíncter: Estrutura muscular que contorna um orifício ou canal natural, permitindo sua abertura ou fechamento, podendo ser constituído de fibras musculares lisas e/ou estriadas.
10 Ânus: Segmento terminal do INTESTINO GROSSO, começando na ampola do RETO e terminando no ânus.
11 Ampola retal: É a parte superior do reto. Ela é a porção mais dilatada do órgão e onde fica armazenado o material fecal até ao momento da sua expulsão.
12 Cólon Transverso: Segmento do INTESTINO GROSSO (entre o COLO ASCENDENTE e o COLO DESCENDENTE). Passa da flexão cólica direita (através do ABDOME), e então se volta acentuadamente (na flexura colônica esquerda) para dentro do colo descendente.
13 Junção Retossigmoidea: Também chamada de Flexura retossigmoidea. É onde termina o cólon sigmoide e se inicia o reto. O reto acaba no canal anal que apresenta apenas dois a três centímetros de extensão.
14 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
15 Parede Abdominal: Margem externa do ABDOME que se estende da cavidade torácica osteocartilaginosa até a PELVE. Embora sua maior parte seja muscular, a parede abdominal consiste em pelo menos sete camadas Músculos Abdominais;
16 Glote: Aparato vocal da laringe. Consiste das cordas vocais verdadeiras (pregas vocais) e da abertura entre elas (rima da glote).
17 Diafragma: 1. Na anatomia geral, é um feixe muscular e tendinoso que separa a cavidade torácica da cavidade abdominal. 2. Qualquer membrana ou placa que divide duas cavidades ou duas partes da mesma cavidade. 3. Em engenharia mecânica, em um veículo automotor, é uma membrana da bomba injetora de combustível. 4. Na física, é qualquer anteparo com um orifício ou fenda, ajustável ou não, que regule o fluxo de uma substância ou de um feixe de radiação. 5. Em ginecologia, é um método contraceptivo formado por uma membrana de material elástico que envolve um anel flexível, usado no fundo da vagina de modo a obstruir o colo do útero. 6. Em um sistema óptico, é uma abertura que controla a seção reta de um feixe luminoso que passa através desta, com a finalidade de regular a intensidade luminosa, reduzir a aberração ou aumentar a profundidade focal.
18 Inspiração: 1. Ato ou efeito de inspirar(-se). 2. Entrada de ar nos pulmões através das vias respiratórias. 3. Conselho, sugestão, influência. 4. No sentido figurado, significa criatividade, entusiasmo. Pessoa ou coisa que inspira, estimula a capacidade criativa. 5. Ideia súbita e espontânea, geralmente brilhante e/ou oportuna.
19 Laxantes: Medicamentos que tratam da constipação intestinal; purgantes, purgativos, solutivos.
20 Sedentarismo: Qualidade de quem ou do que é sedentário, ou de quem tem vida e/ou hábitos sedentários. Sedentário é aquele que se exercita pouco, que não se movimenta muito.
21 Alimentos industrializados: São aqueles que passam por processamento industrial (larga escala) ou doméstico, contendo elementos químicos. Este processo de transformação, mesmo que caseiro, é percebido como menos saudável que o natural. Geralmente estes produtos sofrem junção com outro tipo de produto, como conservantes, ou alterações em sua temperatura. Exemplo: qualquer produto enlatado, engarrafado ou embutidos.
22 Intestinos: Seção do canal alimentar que vai do ESTÔMAGO até o CANAL ANAL. Inclui o INTESTINO GROSSO e o INTESTINO DELGADO.
23 Diverticulose: Presença de pequenas bolsas que se projetam para fora da parede intestinal, chamadas divertículos. São mais comuns em pessoas idosas, geralmente são assintomáticos e a maioria localiza-se no cólon sigmóide (parte final do intestino grosso). Os divertículos podem sangrar ou infeccionar.
24 Hemorróidas: Dilatações anormais das veias superficiais que se encontram na última porção do intestino grosso, reto e região perianal. Pode produzir sangramento junto com a defecação e dor.
25 Fissuras: 1. Pequena abertura longitudinal em; fenda, rachadura, sulco. 2. Em geologia, é qualquer fratura ou fenda pouco alargada em terreno, rocha ou mesmo mineral. 3. Na medicina, é qualquer ulceração alongada e superficial. Também pode significar uma fenda profunda, sulco ou abertura nos ossos; cesura, cissura. 4. Rachadura na pele calosa das mãos ou dos pés, geralmente de pessoas que executam trabalhos rudes. 5. Na odontologia, é uma falha no esmalte de um dente. 6. No uso informal, significa apego extremo; forte inclinação; loucura, paixão, fissuração.
26 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
27 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
28 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
29 Inchaço: Inchação, edema.
30 Enemas: Introdução de substâncias líquidas ou semilíquidas através do esfíncter anal, com o objetivo de induzir a defecação ou administrar medicamentos.
31 Cólon:
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Gastroenterologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.