Gostou do artigo? Compartilhe!

O que são fissuras anais e o que precisamos saber sobre elas?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é uma fissura1 anal?

Uma fissura1 anal é uma fenda ou laceração na mucosa2 que recobre o ânus3.

Quais são as causas da fissura1 anal?

A fissura1 anal pode ocorrer em virtude de qualquer trauma que afete o ânus3 e provoque um esgarçamento dele. O trauma mais comum são fezes volumosas e endurecidas que provocam um estiramento, além do limite da mucosa2 anal, durante a evacuação, mas pode ser também devida a qualquer causa que implique a passagem de objetos de grande diâmetro pelo ânus3. Pacientes com antecedentes de hemorroidas4 apresentam maior risco de fissuras5 anais. Elas podem acontecer em qualquer idade: em bebês6 são extremamente comuns, em pessoas adultas podem ser causadas pela passagem pelo ânus3 de fezes duras e volumosas ou por diarreias prolongadas, em idosos, podem ser consequência da diminuição do fluxo sanguíneo na região anal. São também comuns em mulheres após o parto e em portadores da doença de Crohn7.

Quais são os principais sinais8 e sintomas9 da fissura1 anal?

A fissura1 anal pode ser uma complicação de algumas doenças, como tuberculose10 anorretal, doença de Crohn7 ou leucemia11, por exemplo. A fissura1 faz com que o esfíncter12 do ânus3 sofra um espasmo13 involuntário, impedindo que o mesmo relaxe. Essa contração do ânus3 fere ainda mais e dificulta a cicatrização da fissura1 e, por vezes, torna-a crônica, com duração de mais de seis semanas, só cicatrizando com tratamento médico. O principal sintoma14 da fissura1 anal é dor forte ao evacuar. Pode também haver constipação15 intestinal, prurido16, irritação na região anal e em muitos casos ocorrem sangramentos de pequeno volume. Ao exame físico quase sempre se constata uma rachadura na pele17.

Fissura anal

Como o médico diagnostica a fissura1 anal?

Para diagnosticar uma fissura1 anal o médico deve realizar um exame direto do reto18 e do ânus3 e analisar uma amostra do tecido19 anal.

Como o médico trata a fissura1 anal?

Em bebês6, a maioria das fissuras5 exige apenas uma boa higiene para ser curada. No entanto, algumas fissuras5 podem exigir tratamento, quase sempre caseiro: limpar o bebê de maneira mais suave, secar bem e delicadamente a região anal após a higiene, mudanças na dieta, relaxantes musculares, creme anestésico (se for o caso), aplicação de vaselina na área, banhos de assento, emolientes de fezes. Em adultos, se a fissura1 anal necessitar de cuidados médicos eles geralmente envolverão injeções de botox ou cirurgia no esfíncter anal20, o que ajuda a relaxá-lo. A cirurgia só é indicada para pacientes21 que não tiveram sucesso com o tratamento clínico.

Como evolui a fissura1 anal?

A maioria das fissuras5 anais cura-se espontaneamente com cuidados caseiros simples, mas algumas demandam tratamento médico.

Quais são as complicações possíveis da fissura1 anal?

A principal complicação com a cirurgia para tratar a fissura1 anal é a possibilidade do desenvolvimento de incontinência22 anal e a incapacidade de controlar a saída de gases intestinais. No entanto, essa incontinência22 pós-cirúrgica raramente é permanente.

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas em parte dos sites da Cleveland Clinic e da American Society of Colon and Rectal Surgeons.

ABCMED, 2014. O que são fissuras anais e o que precisamos saber sobre elas?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/549242/o-que-sao-fissuras-anais-e-o-que-precisamos-saber-sobre-elas.htm>. Acesso em: 17 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Fissura: 1. Pequena abertura longitudinal em; fenda, rachadura, sulco. 2. Em geologia, é qualquer fratura ou fenda pouco alargada em terreno, rocha ou mesmo mineral. 3. Na medicina, é qualquer ulceração alongada e superficial. Também pode significar uma fenda profunda, sulco ou abertura nos ossos; cesura, cissura. 4. Rachadura na pele calosa das mãos ou dos pés, geralmente de pessoas que executam trabalhos rudes. 5. Na odontologia, é uma falha no esmalte de um dente. 6. No uso informal, significa apego extremo; forte inclinação; loucura, paixão, fissuração.
2 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
3 Ânus: Segmento terminal do INTESTINO GROSSO, começando na ampola do RETO e terminando no ânus.
4 Hemorróidas: Dilatações anormais das veias superficiais que se encontram na última porção do intestino grosso, reto e região perianal. Pode produzir sangramento junto com a defecação e dor.
5 Fissuras: 1. Pequena abertura longitudinal em; fenda, rachadura, sulco. 2. Em geologia, é qualquer fratura ou fenda pouco alargada em terreno, rocha ou mesmo mineral. 3. Na medicina, é qualquer ulceração alongada e superficial. Também pode significar uma fenda profunda, sulco ou abertura nos ossos; cesura, cissura. 4. Rachadura na pele calosa das mãos ou dos pés, geralmente de pessoas que executam trabalhos rudes. 5. Na odontologia, é uma falha no esmalte de um dente. 6. No uso informal, significa apego extremo; forte inclinação; loucura, paixão, fissuração.
6 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
7 Doença de Crohn: Doença inflamatória crônica do intestino que acomete geralmente o íleo e o cólon, embora possa afetar qualquer outra parte do intestino. A doença cursa com períodos de remissão sintomática e outros de agravamento. Na maioria dos casos, a doença de Crohn é de intensidade moderada e se torna bem controlada pela medicação, tornando possível uma vida razoavelmente normal para seu portador. A causa da doença de Crohn ainda não é totalmente conhecida. Os sintomas mais comuns são: dor abdominal, diarreia, perda de peso, febre moderada, sensação de distensão abdominal, perda de apetite e de peso.
8 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
9 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
11 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
12 Esfíncter: Estrutura muscular que contorna um orifício ou canal natural, permitindo sua abertura ou fechamento, podendo ser constituído de fibras musculares lisas e/ou estriadas.
13 Espasmo: 1. Contração involuntária, não ritmada, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosa ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
14 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
16 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
17 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
18 Reto: Segmento distal do INTESTINO GROSSO, entre o COLO SIGMÓIDE e o CANAL ANAL.
19 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
20 Esfíncter anal: Esfíncter é uma estrutura, geralmente um músculo de fibras circulares concêntricas dispostas em forma de anel, que controla o grau de amplitude de um determinado orifício. Esfíncter anal é o esfíncter do ânus. O canal anal tem um esfíncter interno e outro externo.
21 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
22 Incontinência: Perda do controle da bexiga ou do intestino, perda acidental de urina ou fezes.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Coloproctologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.