Gostou do artigo? Compartilhe!

Deficiência de vitamina K

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a vitamina1 K?

A vitamina1 K é um grupo de vitaminas lipossolúveis estruturalmente similares que o corpo humano2 necessita para a síntese completa de certas proteínas3 que são pré-requisitos para a coagulação4 do sangue5 e que o corpo também precisa para controlar a ligação de cálcio nos ossos e outros tecidos. Sem a vitamina1 K, a coagulação4 do sangue5 fica seriamente prejudicada, podem ocorrer sangramentos descontrolados e os ossos podem enfraquecer, potencialmente levando à osteoporose6 e à calcificação7 de artérias8 e outros tecidos moles.

Saiba mais sobre "Coagulação4 sanguínea", "Hemorragias9" e "Osteoporose6".

A vitamina1 K inclui duas modalidades: vitamina1 K1 e vitamina1 K2. A vitamina1 K1, também conhecida como filoquinona, é produzida pelas plantas e é encontrada em maior quantidade em vegetais de folhas verdes. As bactérias da flora intestinal dos animais podem converter K1 em vitamina1 K2 (menaquinona). Existe ainda uma forma sintética de vitamina1 K, a vitamina1 K3 (menadiona), que não é mais usada em casos de deficiência de vitamina1 K, por ser tóxica.

A primeira menção a uma vitamina1 atuando na coagulação4, que tomaria a denominação de vitamina1 K, foi feita em 1929, pelo cientista dinamarquês Henrik Dam (o K vem de Koagulation, palavra dinamarquesa para "coagulação4"). A função exata da vitamina1 K não foi descoberta até 1974, quando foi isolado o fator de coagulação4 dependente dela.

Quais são as consequências da deficiência de vitamina1 K?

As dietas médias comuns não são deficientes em vitamina1 K e, por isso, a deficiência primária é rara em adultos saudáveis. Recém-nascidos correm maior risco de deficiência. Pessoas com uma deficiência de vitamina1 K incluem aquelas que sofrem de danos no fígado10 (por exemplo, alcoólatras), fibrose cística11, doenças inflamatórias do intestino ou as que recentemente realizaram cirurgias abdominais.

A deficiência secundária de vitamina1 K pode ocorrer em pessoas com anorexia12, naquelas que estejam em dietas rigorosas e naquelas que tomam anticoagulantes13, salicilatos e barbitúricos.

A deficiência de vitamina1 K1 pode resultar em distúrbios de sangramento. Os sintomas14 da deficiência de K1 incluem anemia15, nódoas negras, hemorragias9 nasais e sangramento das gengivas em ambos os sexos e sangramento menstrual intenso em mulheres.

Osteoporose6 e doença coronariana16 estão fortemente associadas a níveis mais baixos de K2. O nível de ingestão de vitamina1 K2 está inversamente relacionado à calcificação7 aórtica grave e à mortalidade17.

Leia sobre "Anemias", "Sangramento nasal", "Sangramento das gengivas", "Menorragia18", "Beribéri", "Escorbuto19", "Anemia perniciosa20" e "Anemia megaloblástica21".

Qual é o mecanismo fisiológico22 da deficiência de vitamina1 K?

A vitamina1 K1, precursora da maioria da vitamina1 K na natureza, é encontrada em plantas verdes, onde atua na fotossíntese. Por essa razão, a vitamina1 K1 é encontrada em grandes quantidades nos tecidos fotossintéticos das plantas (folhas verdes e vegetais folhosos verde-escuros, como couve e espinafre), mas ocorre também em quantidades muito menores em outros tecidos vegetais (raízes, frutas, etc.). A vitamina1 K2 é encontrada em produtos lácteos e é produzida pelas bactérias do intestino.

A vitamina1 K1 passa pelo fígado10, onde participa da síntese de substâncias que ajudam a coagulação4 sanguínea normal. A vitamina1 K2 vai direto às paredes dos vasos sanguíneos23, dos ossos e dos tecidos. Como outras vitaminas lipossolúveis (A, D e E), a vitamina1 K é armazenada no tecido adiposo24 do corpo humano2.

Usos preventivos e terapêuticos da vitamina1 K

A vitamina1 K atua de maneira essencial no processo de coagulação4 sanguínea. Ela é fundamental para síntese hepática25 de proteínas3 envolvidas neste processo, ajudando as proteínas3 a se transformarem em fatores que contribuem para a coagulação4 do sangue5. Esta vitamina1 também contribui para melhorar a cicatrização. Outros benefícios médicos da vitamina1 K são:

  1. Ajuda a prevenir a calcificação7 das artérias8, uma das principais causas de ataques do coração26.
  2. Melhora a saúde27 óssea, ajudando a manter a densidade óssea e reduzindo o risco de fraturas, especialmente em mulheres.
  3. Diminui a dor da cólica menstrual e outras dores menstruais.
  4. Em altas doses, a vitamina1 K reduz o risco de câncer28 de próstata29, cólon30 e estômago31.
  5. Ajuda a coagular32 o sangre e evitar hemorragias9.
  6. Melhora a função cerebral.
  7. Ajuda a diminuir a incidência33 de cáries34 e outros problemas na boca35.

Os fatores de coagulação4 do sangue5 dos recém-nascidos são de aproximadamente 30 a 60% dos valores dos adultos; isto pode ser devido à síntese reduzida de proteínas3 precursoras e à esterilidade36 de suas entranhas. O leite humano contém 1 a 4 μg/L de vitamina1 K1, enquanto outros leites podem conter até 100 μg/L. As concentrações de vitamina1 K2 no leite humano parecem ser ainda inferiores às da vitamina1 K1.

O sangramento em bebês37 devido à deficiência de vitamina1 K pode ser grave, levando à hospitalização, transfusões de sangue5, danos cerebrais e morte. A suplementação38 pode prevenir a maioria dos casos de sangramento por deficiência de vitamina1 K no recém-nascido. A administração intramuscular de vitamina1 K é mais eficaz na prevenção de sangramento tardio por deficiência de vitamina1 K do que a administração oral.

A vitamina1 K1 (filoquinona) não é tóxica quando consumida por via oral, mesmo em grandes quantidades. No entanto, a menadiona (precursor sintético de vitamina1 K) pode causar toxicidade39, não devendo ser utilizada para tratar a deficiência de vitamina1 K.

Veja também sobre "As frutas que você mais come", "Deficiência de vitamina1 D", "Biotina para cabelos e unhas40" e "Cicatrização e cicatrizes41".

 

ABCMED, 2018. Deficiência de vitamina K. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1323263/deficiencia+de+vitamina+k.htm>. Acesso em: 25 ago. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
2 Corpo humano: O corpo humano é a substância física ou estrutura total e material de cada homem. Ele divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A anatomia humana estuda as grandes estruturas e sistemas do corpo humano.
3 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
4 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
5 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
6 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
7 Calcificação: 1. Ato, processo ou efeito de calcificar(-se). 2. Aplicação de materiais calcíferos básicos para diminuir o grau de acidez dos solos e favorecer seu aproveitamento na agricultura. 3. Depósito de cálcio nos tecidos, que pode ser normal ou patológico. 4. Acúmulo ou depósito de carbonato de cálcio ou de carbonato de magnésio em uma camada de profundidade próxima a do limite de percolação da água no solo, que resulta em certa mobilidade deste e alteração de suas propriedades químicas.
8 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
9 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
10 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
11 Fibrose cística: Doença genética autossômica recessiva que promove alteração de glândulas exócrinas do organismo. Caracterizada por infecções crônicas das vias aéreas, que leva ao desenvolvimento de bronquiectasias, insuficiência pancreática exócrina, disfunções intestinais, anormalidades das glândulas sudoríparas e disfunção genitourinária.
12 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
13 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
16 Doença coronariana: Doença do coração causada por estreitamento das artérias que fornecem sangue ao coração. Se o fluxo é cortado, o resultado é um ataque cardíaco.
17 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
18 Menorragia: Também chamada de hipermenorréia, é a menstruação anormalmente longa e intensa em intervalos regulares. As causas podem ser: coagulação sangüínea anormal, desregulação hormonal do ciclo menstrual ou desordens do revestimento endometrial do útero. Dependendo da causa, a menorragia pode estar associada à menstruação dolorosa (dismenorréia).
19 Escorbuto: Doença aguda ou crônica causada pela carência de vitamina C, caracterizada por hemorragias, alteração das gengivas e queda da resistência às infecções.
20 Anemia Perniciosa: Doença causada pela incapacidade do organismo absorver a vitamina B12. Mais corretamente, ela se refere a uma doença autoimune que resulta na perda da função das células gástricas parietais, que secretam ácido clorídrico para acidificar o estômago e o fator intrínseco gástrico que facilita a absorção da vitamina B12.
21 Anemia megaloblástica: É uma doença na qual a medula óssea produz hemácias gigantes e imaturas. Esse distúrbio é provocado pela carência de vitamina B12 ou de ácido fólico no organismo. Uma vez que esses fatores são importantes para a síntese de DNA e responsáveis pela eritropoiese, a sua falta causa um defeito na síntese de DNA, levando ao desequilíbrio no crescimento e divisão celular.
22 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
23 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
24 Tecido Adiposo: Tecido conjuntivo especializado composto por células gordurosas (ADIPÓCITOS). É o local de armazenamento de GORDURAS, geralmente na forma de TRIGLICERÍDEOS. Em mamíferos, existem dois tipos de tecido adiposo, a GORDURA BRANCA e a GORDURA MARROM. Suas distribuições relativas variam em diferentes espécies sendo que a maioria do tecido adiposo compreende o do tipo branco.
25 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
26 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
27 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
28 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
29 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
30 Cólon:
31 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
32 Coagular: Promover a coagulação ou solidificação; perder a fluidez, transformar-se em massa ou sólido.
33 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
34 Cáries: Destruição do esmalte dental produzida pela proliferação de bactérias na cavidade oral.
35 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
36 Esterilidade: Incapacidade para conceber (ficar grávida) por meios naturais. Suas causas podem ser masculinas, femininas ou do casal.
37 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
38 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
39 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
40 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
41 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Hematologia e Hemoterapia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.