Gostou do artigo? Compartilhe!

Irregularidades do ciclo menstrual

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é um ciclo menstrual normal?

Na menstruação1, sangue2 e os tecidos que revestem o útero3 se rompem e começam a ser eliminados através do colo do útero4. Esse sangramento dura cerca de 4 a 8 dias. O sangue2 e o tecido5 acumulados no útero3 haviam sido assim dispostos para abrigar uma possível gravidez6. Se a gravidez6 não ocorre, os níveis de estrogênio e progesterona caem, sinalizando para que ocorra a liberação do revestimento uterino.

Um ciclo menstrual é o período que vai do início de uma menstruação1 ao início da menstruação1 seguinte. Esse período normalmente dura de 28 a 31 dias. Quando as mulheres menstruam normalmente, os níveis hormonais que envolvem estrogênio e progesterona aumentam e diminuem ao longo do mês. E a ovulação7, que se dá no meio do ciclo, é seguida pela menstruação1 aproximadamente 14 dias depois.

O que são irregularidades do ciclo menstrual?

A irregularidade menstrual é definida como qualquer diferença na frequência, momento de início, duração do fluxo ou volume de sangue2 do ciclo menstrual regular. Embora na maioria das vezes as anomalias do período menstrual não sejam um grande problema, em outras ocasiões elas podem indicar alguns problemas de saúde8.

Para a maioria das mulheres, um ciclo menstrual normal varia de 21 a 35 dias (média de 28 dias). No entanto, 14% a 25% das mulheres têm ciclos menstruais irregulares, o que significa que os ciclos são:

  • mais curtos ou mais longos que o normal;
  • mais intensos ou menos intensos que o normal.

Os ciclos irregulares podem ser ainda:

  • ovulatórios, significando que a ovulação7 ocorre;
  • anovulatórios, significando que a ovulação7 não ocorre.

As irregularidades menstruais mais comuns incluem:

  1. Amenorreia9, ou ciclos menstruais ausentes, quando uma mulher não menstrua embora já tenha 16 anos ou quando ela para de menstruar por pelo menos 3 meses sem estar grávida.
  2. Oligomenorreia10, ou ciclos menstruais pouco frequentes, com mais de 35 dias de intervalo.
  3. Menorragia11, ou ciclos menstruais intensos, também chamada de sangramento excessivo.
  4. Sangramento menstrual prolongado, que excede uma duração de 8 dias.
  5. Dismenorreia12, ou ciclos menstruais dolorosos que podem incluir cólicas13 menstruais graves.
  6. Polimenorreia, com ciclos menstruais frequentes ocorrendo com menos de 21 dias de intervalo.
  7. Ciclos menstruais irregulares, com variação de ciclo a ciclo de mais de 20 dias.
  8. Sangramento menstrual encurtado, com menos de 2 dias de duração.
  9. Sangramento intermenstrual, com episódios de sangramento que ocorrem entre os períodos.
Leia sobre "Ovários14 policísticos", "Câncer15 de endométrio16", "Miomas uterinos" e "Pólipos17 uterinos".

Quais são as causas das irregularidades do ciclo menstrual?

Normalmente, os ciclos menstruais são irregulares nos primeiros anos após a menarca18, estabilizando-se apenas cerca de 3 ou mais anos depois. Eles voltam a ser irregulares quanto à sua periodicidade e intensidade quando as mulheres começam a entrar na menopausa19.

Uma irregularidade ocasional do ciclo menstrual pode ocorrer por muitas razões diferentes, incluindo estresse, mudanças bruscas de peso ou condições médicas.

Além dessas, muitas causas diferentes podem produzir irregularidades do ciclo menstrual, incluindo:

Há, ainda, outras causas mais raras de irregularidades do ciclo menstrual, como doenças da tireoide24, por exemplo.

Qual é o substrato fisiopatológico das irregularidades do ciclo menstrual?

Distúrbios hormonais são o que mais frequentemente subjazem às irregularidades dos ciclos menstruais. Elas também podem estar associadas a ovários14 policísticos ou a outros problemas de ovulação7. Outra razão para um ciclo menstrual irregular pode ser um transtorno alimentar.

Comumente, as menstruações são mais intensas durante a transição para a menopausa19. Isso ocorre devido à perda de progesterona, que normalmente inibe o crescimento do endométrio16, ou seja, o revestimento uterino expelido pela menstruação1. Como resultado, a forração do útero3 pode ficar mais espessa antes de ser eliminada, resultando em fluxos menstruais muito intensos.

Condições médicas, incluindo endometriose25 e miomas uterinos, podem piorar neste momento porque ambos são supridos por estrogênio.

Quais são as características clínicas das irregularidades do ciclo menstrual?

Nos primeiros anos após o início da menstruação1 são comuns ciclos mais longos. E eles tendem a encurtar e se tornar mais regulares à medida que a pessoa envelhece. Durante a transição para a menopausa19, quando os níveis hormonais são erráticos, podem ocorrer sangramentos irregulares e manchas diversas.

Em alguns meses, o fluxo menstrual pode ser mais intenso e durar mais, enquanto em outros meses o fluxo menstrual pode ser de menor duração e muito mais leve. Uma mulher na menopausa19 pode deixar de menstruar completamente em alguns ciclos menstruais.

Como o médico diagnostica as irregularidades do ciclo menstrual?

A paciente deve procurar o médico para que ele diagnostique a causa se:

  • deixou de ter três ou mais ciclos por ano;
  • seus ciclos foram sempre regulares e de repente se tornaram irregulares;
  • teve mais de um sangramento no período de 21 dias;
  • já não menstrua há mais de 35 dias;
  • suas menstruações são extraordinariamente abundantes ou dolorosas;
  • sua menstruação1 já dura mais de 7 dias.

O médico fará um exame físico e descartará ou confirmará possíveis problemas. Para ajudar o médico a estabelecer uma hipótese clínica sobre as suas irregularidades menstruais, a paciente deve manter um registro exato do que ocorre com seus ciclos menstruais, anotando sua data de início todos os meses por muitos meses para determinar a frequência de seus períodos, bem como a intensidade e características deles.

O médico pedirá os exames de laboratório e imagens conforme as hipóteses clínicas que tenha elaborado quanto às possíveis causas subjacentes.

Como o médico trata as irregularidades do ciclo menstrual?

O tratamento das irregularidades menstruais dependerá da causa delas. Em caso de dores, pode ser receitado um analgésico26 e/ou um relaxante muscular.

Como prevenir as irregularidades do ciclo menstrual?

Em algumas mulheres, o uso de pílulas anticoncepcionais ajuda a regular os ciclos menstruais, mas os problemas subjacentes devem ser pesquisados e adequadamente tratados. No entanto, algumas irregularidades menstruais não podem ser evitadas.

Se a paciente tiver quaisquer dúvidas ou preocupações sobre irregularidades do seu ciclo menstrual, deve conversar com o seu médico, que a ajudará a regularizá-lo.

Veja também sobre "Climatério27 e menopausa19", "Menopausa19" e "Mitos e verdade sobre menstruação1".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da Mayo Clinic e da Cleveland Clinic.

ABCMED, 2022. Irregularidades do ciclo menstrual. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-da-mulher/1428145/irregularidades+do+ciclo+menstrual.htm>. Acesso em: 6 dez. 2022.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
2 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
3 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
4 Colo do útero: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o ístmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.
5 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
6 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
7 Ovulação: Ovocitação, oocitação ou ovulação nos seres humanos, bem como na maioria dos mamíferos, é o processo que libera o ovócito II em metáfase II do ovário. (Em outras espécies em vez desta célula é liberado o óvulo.) Nos dias anteriores à ovocitação, o folículo secundário cresce rapidamente, sob a influência do FSH e do LH. Ao mesmo tempo que há o desenvolvimento final do folículo, há um aumento abrupto de LH, fazendo com que o ovócito I no seu interior complete a meiose I, e o folículo passe ao estágio de pré-ovocitação. A meiose II também é iniciada, mas é interrompida em metáfase II aproximadamente 3 horas antes da ovocitação, caracterizando a formação do ovócito II. A elevada concentração de LH provoca a digestão das fibras colágenas em torno do folículo, e os níveis mais altos de prostaglandinas causam contrações na parede ovariana, que provocam a extrusão do ovócito II.
8 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
9 Amenorréia: É a ausência de menstruação pelo período equivalente a 3 ciclos menstruais ou 6 meses (o que ocorrer primeiro). Para períodos inferiores, utiliza-se o termo atraso menstrual.
10 Oligomenorréia: Menstruação produzida a intervalos prolongados. Pode ser a expressão de anormalidades na função ovariana.
11 Menorragia: Também chamada de hipermenorréia, é a menstruação anormalmente longa e intensa em intervalos regulares. As causas podem ser: coagulação sangüínea anormal, desregulação hormonal do ciclo menstrual ou desordens do revestimento endometrial do útero. Dependendo da causa, a menorragia pode estar associada à menstruação dolorosa (dismenorréia).
12 Dismenorréia: Dor associada à menstruação. Em uma porcentagem importante de mulheres é um sintoma normal. Em alguns casos está associada a doenças ginecológicas (endometriose, etc.).
13 Cólicas: Dor aguda, produzida pela dilatação ou contração de uma víscera oca (intestino, vesícula biliar, ureter, etc.). Pode ser de início súbito, com exacerbações e períodos de melhora parcial ou total, nos quais o paciente pode estar sentindo-se bem ou apresentar dor leve.
14 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
15 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
16 Endométrio: Membrana mucosa que reveste a cavidade uterina (responsável hormonalmente) durante o CICLO MENSTRUAL e GRAVIDEZ. O endométrio sofre transformações cíclicas que caracterizam a MENSTRUAÇÃO. Após FERTILIZAÇÃO bem sucedida, serve para sustentar o desenvolvimento do embrião.
17 Pólipos: 1. Em patologia, é o crescimento de tecido pediculado que se desenvolve em uma membrana mucosa (por exemplo, no nariz, bexiga, reto, etc.) em resultado da hipertrofia desta membrana ou como um tumor verdadeiro. 2. Em celenterologia, forma individual, séssil, típica dos cnidários, que se caracteriza pelo corpo formado por um tubo ou cilindro, cuja extremidade oral, dotada de boca e tentáculos, é dirigida para cima, e a extremidade oposta, ou aboral, é fixa.
18 Menarca: Refere-se à ocorrência da primeira menstruação.
19 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
20 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
21 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
22 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
23 Doença inflamatória pélvica: Infecção aguda que compromete o trato genital feminino (ovários, trompas de Falópio, útero). Manifesta-se por dor, febre e descarga purulenta pela vagina.
24 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
25 Endometriose: Doença que acomete as mulheres em idade reprodutiva e consiste na presença de endométrio em locais fora do útero. Endométrio é a camada interna do útero que é renovada mensalmente pela menstruação. Os locais mais comuns da endometriose são: Fundo de Saco de Douglas (atrás do útero), septo reto-vaginal (tecido entre a vagina e o reto ), trompas, ovários, superfície do reto, ligamentos do útero, bexiga e parede da pélvis.
26 Analgésico: Medicamento usado para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
27 Climatério: Conjunto de mudanças adaptativas que são produzidas na mulher como conseqüência do declínio da função ovariana na menopausa. Consiste em aumento de peso, “calores” freqüentes, alterações da distribuição dos pêlos corporais, dispareunia.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ginecologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.