Gostou do artigo? Compartilhe!

Doenças da vagina: quais são as mais comuns?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são doenças da vagina1?

Uma doença vaginal é uma condição patológica que afeta parte ou a totalidade da vagina1. Ela pode ser devida a:

  1. Infecções2 sexualmente transmissíveis
  2. Outras doenças infecciosas da vagina1 (vulvovaginites)
  3. Vaginismo
  4. Obstrução vaginal
  5. Hipoplasia3 vaginal
  6. Nódulos incomuns na parede ou na base da vagina1
  7. Vulvodinias
  8. Prolapso4 vaginal
  9. Câncer5 vaginal (muito raro) e do colo6 de útero7
  10. Transtorno persistente da excitação genital

1 - Infecções2 sexualmente transmissíveis (ISTs)

As doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) que afetam a vagina1 incluem:

(a) Herpes genital. O vírus8 herpes simplex pode infectar a vulva9, a vagina1 e o colo do útero10, e isso pode resultar em pequenas bolhas e úlceras11 recorrentes e dolorosas. Também pode ocorrer que a infecção12 não cause sintomas13 visíveis.

(b) Gonorreia14 (infecção12 pela Neisseria gonorrhoeae).

(c) Infecção12 causada pela bactéria15 Chlamydia trachomatis.

(d) Tricomoníase. Infecção12 do trato vaginal inferior feminino causada pelo protozoário16 Trichomonas vaginalis. Pode ficar assintomática ou causar uretrite17 e vaginite18.

(e) Papilomavírus humano (HPV), que pode causar verrugas genitais.

O HIV19 pode ser contraído através do coito vaginal, mas não está associado a nenhuma doença local da vagina1 ou vulva9.

Saiba mais sobre "Doenças sexualmente transmissíveis", "Herpes genital", "Gonorreia14", "Uretrites", "HPV" e "HIV19".

2 - Outras doenças infecciosas da vagina1 (vulvovaginites)

São a vulvovaginite20 por Candida albicans e a vaginose bacteriana, associada à Gardnerella, antes denominada "vaginite18 não específica".

3 - Vaginismo

O vaginismo é um aperto involuntário da vagina1 devido a um reflexo condicionado dos músculos21 da área durante a penetração vaginal. Pode afetar qualquer forma de penetração vaginal, incluindo a relação sexual (o que a torna impossível ou muito dolorosa), a inserção de tampões e coletores menstruais e a utilização de espéculos vaginais durante exames ginecológicos. Vários tratamentos psicológicos e físicos são possíveis para ajudar a aliviá-lo.

Leia sobre "Vulvovaginite20", "Candidíase22", "Vaginismo" e "Exame Papanicolau23".

4 - Obstrução vaginal

Uma obstrução vaginal é frequentemente causada por um hímen24 imperfurado ou, menos comumente, por um septo vaginal transverso. Um sinal25 de obstrução vaginal é o hidrocolpo, isto é, o acúmulo de líquido aquoso dentro da vagina1. Pode se estender para tornar-se hidrometrocolpos, isto é, acúmulo de líquido aquoso dentro da vagina1, bem como dentro do útero7.

5 - Hipoplasia3 vaginal

A hipoplasia3 vaginal é o subdesenvolvimento ou o desenvolvimento incompleto da vagina1. Pode variar em gravidade, desde ser menor do que o normal até ser completamente ausente. A ausência de vagina1 é dita agenesia26 vaginal. É frequentemente associada à síndrome27 de Mayer-Rokitansky-Küstner-Hauser, na qual o resultado mais comum é um útero7 ausente em conjunção com uma vagina1 deformada ou ausente, apesar da presença de ovários28 e genitália29 externa normais. Também está associada à agenesia26 cervical, na qual o útero7 está presente, mas o colo uterino30 está ausente.

6 - Nódulos incomuns

Nódulos incomuns na parede ou na base da vagina1 são sempre expressão de algo anormal. O mais comum deles é o cisto de Bartholin (semelhante a uma ervilha), formado por um bloqueio nas glândulas31 que normalmente lubrificam a abertura da vagina1. Outras causas menos comuns de pequenas protuberâncias ou vesículas32 são o herpes simplex. Elas são múltiplas e muito dolorosas, com um líquido claro deixando uma crosta. Podem estar associadas a inchaço33 generalizado e são muito sensíveis. Os nódulos associados ao câncer5 da parede vaginal são muito raros e a idade média de início é de setenta anos.

7 - Vulvodinias

As vulvodinias são dores vaginais de diversas etiologias.

Veja mais sobre "Bartolinite34", "Colposcopia35", "Tensão pré-menstrual", "Menopausa36" e "Menstruação37 forte ou menorragia38".

8 - Prolapso4 vaginal

O prolapso4 vaginal pode resultar do caso de músculos21 pélvicos39 enfraquecidos, que é um resultado comum do pós-parto; no caso desse prolapso4, o reto40, o útero7 ou a bexiga41 empurram a vagina1, e casos graves resultam na vagina1 projetando-se para fora do corpo. Exercícios adequados têm sido usados para fortalecer o assoalho pélvico42 e podem ajudar a prevenir ou remediar o prolapso4 vaginal.

9 - Câncer5 vaginal e do colo do útero10

O câncer5 do colo do útero10 pode ser prevenido por exames de Papanicolau23 e vacinas contra o HPV. Por outro lado, o câncer5 vaginal é muito raro, mas seus sintomas13 incluem sangramento vaginal anormal ou corrimento vaginal.

10 - Transtorno persistente da excitação genital

O transtorno da excitação genital persistente resulta em uma excitação genital espontânea, persistente e incontrolável, com ou sem orgasmo, não relacionada a nenhum sentimento de desejo sexual. O transtorno da excitação genital persistente deve ser diferenciado do priapismo43 clitoriano, uma condição geralmente dolorosa em que, por um período de tempo excepcionalmente longo, o clitóris ereto44 não retorna ao seu estado relaxado. Esse transtorno só foi reconhecido em 2001 e, portanto, há pouca pesquisa sobre o que pode curar ou remediar esta condição.

Leia também sobre "Corrimento vaginal", "Orgasmo" e "Exames preventivos da mulher".

 

ABCMED, 2019. Doenças da vagina: quais são as mais comuns?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-da-mulher/1335388/doencas-da-vagina-quais-sao-as-mais-comuns.htm>. Acesso em: 26 mai. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Vagina: Canal genital, na mulher, que se estende do ÚTERO à VULVA. (Tradução livre do original
2 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Hipoplasia: Desenvolvimento defeituoso ou incompleto de tecido ou órgão, geralmente por diminuição do número de células, sendo menos grave que a aplasia.
4 Prolapso: Deslocamento de um órgão ou parte dele de sua localização ou aspecto normal. P.ex. prolapso da válvula mitral, prolapso uterino, etc.
5 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
6 Colo: O segmento do INTESTINO GROSSO entre o CECO e o RETO. Inclui o COLO ASCENDENTE; o COLO TRANSVERSO; o COLO DESCENDENTE e o COLO SIGMÓIDE.
7 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
8 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
9 Vulva: Genitália externa da mulher, compreendendo o CLITÓRIS, os lábios, o vestíbulo e suas glândulas.
10 Colo do útero: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o ístmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.
11 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
12 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
13 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
14 Gonorreia: Infecção bacteriana que compromete o trato genital, produzida por uma bactéria chamada Neisseria gonorrhoeae. Produz uma secreção branca amarelada que sai pela uretra juntamente com ardor ao urinar. É uma causa de infertilidade masculina.Em mulheres, a infecção pode não ser aparente. Se passar despercebida, pode se tornar crônica e ascender, atingindo os anexos uterinos (trompas, útero, ovários) e causar Doença Inflamatória Pélvica e mesmo infertilidade feminina.
15 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
16 Protozoário: Filo do reino animal, de classificação suplantada, que reunia uma grande parcela dos seres unicelulares que possuem organelas celulares envolvidas por membrana. Atualmente, este grupo consiste em muitos e diferentes filos unicelulares incorporados pelo reino protista.
17 Uretrite: Inflamação da uretra de causa geralmente infecciosa. Manifesta-se por ardor ao urinar e secreção amarelada drenada pela mesma. Em mulheres esta secreção pode não ser evidente.
18 Vaginite: Inflamação da mucosa que recobre a vagina. Em geral é devido a uma infecção bacteriana ou micótica. Manifesta-se por ardor, dor espontânea ou durante o coito (dispareunia) e secreção mucosa ou purulenta pela mesma.
19 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
20 Vulvovaginite: Inflamações na região da vulva e da vagina.
21 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
22 Candidíase: É o nome da infecção produzida pela Candida albicans, um fungo que produz doença em mucosas, na pele ou em órgãos profundos (candidíase sistêmica).As infecções profundas podem ser mais freqüentes em pessoas com deficiência no sistema imunológico (pacientes com câncer, SIDA, etc.).
23 Papanicolau: Método de coloração para amostras de tecido, particularmente difundido por sua utilização na detecção precoce do câncer de colo uterino.
24 Hímen:
25 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
26 Agenesia: Atrofia de um órgão ou tecido por parada do desenvolvimento na fase embrionária.
27 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
28 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
29 Genitália: Órgãos externos e internos relacionados com a reprodução. Sinônimos: Órgãos Sexuais Acessórios; Órgãos Genitais; Órgãos Acessórios Sexuais
30 Colo Uterino: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o ístmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.
31 Glândulas: Grupo de células que secreta substâncias. As glândulas endócrinas secretam hormônios e as glândulas exócrinas secretam saliva, enzimas e água.
32 Vesículas: Lesões papulares preenchidas com líquido claro.
33 Inchaço: Inchação, edema.
34 Bartolinite: Inflamação das glândulas de Bartolin, que são glândulas acessórias dos genitais externos femininos. Causa dor e abaulamento da região e pode requerer drenagem cirúrgica.
35 Colposcopia: Exame ginecológico auxiliar na visualização de lesões do colo uterino e da região genital feminina.
36 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
37 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
38 Menorragia: Também chamada de hipermenorréia, é a menstruação anormalmente longa e intensa em intervalos regulares. As causas podem ser: coagulação sangüínea anormal, desregulação hormonal do ciclo menstrual ou desordens do revestimento endometrial do útero. Dependendo da causa, a menorragia pode estar associada à menstruação dolorosa (dismenorréia).
39 Pélvicos: Relativo a ou próprio de pelve. A pelve é a cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ilíacos), sacro e cóccix; bacia. Ou também é qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
40 Reto: Segmento distal do INTESTINO GROSSO, entre o COLO SIGMÓIDE e o CANAL ANAL.
41 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
42 Assoalho Pélvico: Tecido mole, formado principalmente pelo diafragma pélvico (composto pelos dois músculos levantadores do ânus e pelos dois coccígeos). Por sua vez, o diafragma pélvico fica logo abaixo da abertura (outlet) pélvica e separa a cavidade pélvica do PERÍNEO. Estende-se do OSSO PÚBICO (anteriormente) até o COCCIX (posteriormente).
43 Priapismo: Condição, associada ou não a um estímulo sexual, na qual o pênis ereto não retorna ao seu estado flácido habitual. Essa ereção é involuntária, duradora (cerca de 4 horas), geralmente dolorosa e potencialmente danosa, podendo levar à impotência sexual irreversível, constituindo-se numa emergência médica.
44 Ereto: 1. Que se mantém erguido, levantado; erecto. 2. Que se encontra em equilíbrio ou aprumado. 3. Que endureceu, que se tornou túrgido.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ginecologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.