Gostou do artigo? Compartilhe!

Vaginismo: você tem dificuldades durante a penetração vaginal? Isso tem cura? O que fazer?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é vaginismo?

O vaginismo é uma condição física ou psicológica caracterizada pela impossibilidade da mulher de permitir voluntariamente qualquer forma de penetração vaginal, incluindo a relação sexual, a penetração manual, a inserção de tampões e aquela necessária a exames ginecológicos, como o teste de Papanicolau1, por exemplo. Diz-se que o vaginismo é primário quando uma mulher, desde o princípio, é incapaz de permitir a inserção de qualquer corpo no interior da vagina2 ou experimenta muita dor nessas situações, inclusive nas relações sexuais. O vaginismo é dito secundário quando ocorre numa mulher que antes tenha se comportado normalmente com relação à penetração vaginal.

Quais são as causas do vaginismo?

O vaginismo se deve a um intenso espasmo3 muscular vaginal involuntário, mas não se sabe exatamente porque isso acontece. Geralmente está ligado à ansiedade, porém é difícil dizer o que vem primeiro, se o vaginismo ou a ansiedade. O vaginismo primário frequentemente é idiopático4. O secundário pode dever-se a várias causas físicas, emocionais ou comportamentais, tais como: vestibulite vulvar (inflamação5 da entrada da vagina2-vestíbulo), infecções6 vaginais, infecções6 do trato urinário7, ser vítima de agressão sexual, ter presenciado uma agressão sexual, violência doméstica, qualquer trauma fisicamente invasivo da vagina2, ansiedade generalizada, reação emocional negativa em relação à estimulação sexual, educação moral que possa provocar emoções negativas, etc.

Outros fatores mais podem contribuir para o vaginismo: medo de perder o controle, falta de confiança no parceiro sexual, falta de autoconsciência sobre a imagem corporal, equívocos sobre normas sexuais, medo de que a vagina2 não seja suficiente para acomodar o pênis8 do parceiro e falta de experiência sexual. O vaginismo que pode ocorrer na menopausa9, muitas vezes se deve ao ressecamento da vagina2, o que pode levar a pequenas lacerações durante as relações sexuais, primeiramente causando dor e, em seguida, levando ao vaginismo.

Qual é a fisiopatologia10 do vaginismo?

Ainda não é possível identificar com certeza que músculos11 são responsáveis pelo espasmo3, mas os músculos11 pubococcígeos, elevador do ânus12, bulbo13-cavernoso, músculos11 circunvaginais e perivaginais são os mais frequentemente apontados.

Quais são os principais sinais14 e sintomas15 do vaginismo?

As mulheres com vaginismo podem não estar cientes dessa condição até tentarem algum tipo de penetração vaginal. Por isso, comumente o vaginismo é primeiramente detectado em adolescentes e mulheres jovens, na primeira tentativa de usar absorventes internos, serem submetidas a um exame de Papanicolau1 ou terem sua primeira relação sexual com penetração vaginal. Algumas mulheres apresentam o vaginismo em todas as situações, mas outras o têm apenas em certas circunstâncias, como com determinado parceiro ou unicamente com a relação sexual, e não com outras formas de penetração.

Em geral, a mulher com vaginismo não consegue controlar conscientemente o espasmo3. O reflexo de contração é comparável ao fechamento do olho16 quando um objeto estranho penetra nele. A intensidade do vaginismo, bem como a dor durante a penetração da vagina2 varia de mulher para mulher. Dependendo da gravidade da situação a mulher pode apresentar desde um pequeno desconforto durante a relação sexual, ardor17, sensação de aperto, dor à penetração e penetração muito dolorosa até mesmo ser impossível a penetração. Habitualmente a dor só permanece durante a penetração, desaparecendo após a retirada do objeto introduzido, embora nem sempre seja assim.

As mulheres com vaginismo têm uma vasta gama de emoções negativas que vão desde o espanto até o constrangimento e formam impressões desfavoráveis de seus órgãos genitais ou temem que eles sejam defeituosos. É importante saber que o vaginismo não significa que a pessoa não queira ter relação sexual ou não ame seu parceiro. Mulheres com vaginismo podem ser capazes de se envolverem prazerosamente em outras atividades sexuais, desde que a penetração vaginal seja evitada.

Como o médico diagnostica o vaginismo?

O diagnóstico18 do vaginismo é feito basicamente a partir dos relatos da paciente, mas o próprio ginecologista pode também constatá-lo ao tentar introduzir algum instrumento na vagina2, com a finalidade de examinar a paciente.

Como o médico trata o vaginismo?

O tratamento para o vaginismo primário é o mesmo que para o vaginismo secundário, embora nestes últimos a experiência anterior possa tornar mais fácil a resolução da doença. Se houver uma doença subjacente, ela deve ser tratada por meios próprios. Para ambos os tipos o ginecologista poderá recomendar exercícios de Kegel para a mulher aprender a controlar e relaxar os músculos11 ao redor da vagina2. A mulher deve fazer esses exercícios várias vezes por dia, vinte contrações e relaxamentos de cada vez.

A toxina19 botulínica tem sido tentada, com a ideia de reduzir temporariamente a hipertonia20 dos músculos11 do assoalho pélvico21. Também a lidocaína (anestésico) tem sido tentada, como opção experimental. Como meios físicos de facilitar a penetração vaginal podem ser recomendados o uso de alguns lubrificantes químicos adicionais, já que uma pessoa com vaginismo mantém, contudo, a capacidade de lubrificação natural. Os ansiolíticos e antidepressivos são outras opções farmacológicas oferecidas às pacientes. Do ponto de vista psicológico, a paciente deve submeter-se a uma psicoterapia analítica ou comportamental.

Como evolui o vaginismo?

O vaginismo é uma situação fácil de ser resolvida, quando o que se pretende é restituir à mulher a capacidade de manter relações sexuais, mas por vezes os resultados de todas as terapias são inconsistentes. Quando ele é causado por moléstias subjacentes, desaparece quando elas são curadas.

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas em parte dos sites da Cleveland Clinic, da Mayo Clinic e do International Federation of Gynecologiy and Obstetrics.

ABCMED, 2015. Vaginismo: você tem dificuldades durante a penetração vaginal? Isso tem cura? O que fazer?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-da-mulher/805094/vaginismo-voce-tem-dificuldades-durante-a-penetracao-vaginal-isso-tem-cura-o-que-fazer.htm>. Acesso em: 18 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Papanicolau: Método de coloração para amostras de tecido, particularmente difundido por sua utilização na detecção precoce do câncer de colo uterino.
2 Vagina: Canal genital, na mulher, que se estende do ÚTERO à VULVA. (Tradução livre do original
3 Espasmo: 1. Contração involuntária, não ritmada, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosa ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
4 Idiopático: 1. Relativo a idiopatia; que se forma ou se manifesta espontaneamente ou a partir de causas obscuras ou desconhecidas; não associado a outra doença. 2. Peculiar a um indivíduo.
5 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
6 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
7 Trato Urinário:
8 Pênis: Órgão reprodutor externo masculino. É composto por uma massa de tecido erétil encerrada em três compartimentos cilíndricos fibrosos. Dois destes compartimentos, os corpos cavernosos, ficam lado a lado ao longo da parte superior do órgão. O terceiro compartimento (na parte inferior), o corpo esponjoso, abriga a uretra.
9 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
10 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
11 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
12 Ânus: Segmento terminal do INTESTINO GROSSO, começando na ampola do RETO e terminando no ânus.
13 Bulbo: Porção inferior do TRONCO ENCEFÁLICO. É inferior à PONTE e anterior ao CEREBELO. A medula oblonga serve como estação de retransmissão entre o encéfalo e o cordão espinhal, e contém centros que regulam as atividades respiratória, vasomotora, cardíaca e reflexa.
14 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
15 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
16 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
17 Ardor: 1. Calor forte, intenso. 2. Mesmo que ardência. 3. Qualidade daquilo que fulge, que brilha. 4. Amor intenso, desejo concupiscente, paixão.
18 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
19 Toxina: Substância tóxica, especialmente uma proteína, produzida durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capaz de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
20 Hipertonia: 1. Em biologia, é a característica de uma solução que apresenta maior concentração de solutos do que outra. 2. Em medicina, é a tensão excessiva em músculos, artérias ou outros tecidos orgânicos.
21 Assoalho Pélvico: Tecido mole, formado principalmente pelo diafragma pélvico (composto pelos dois músculos levantadores do ânus e pelos dois coccígeos). Por sua vez, o diafragma pélvico fica logo abaixo da abertura (outlet) pélvica e separa a cavidade pélvica do PERÍNEO. Estende-se do OSSO PÚBICO (anteriormente) até o COCCIX (posteriormente).
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ginecologia e Obstetrícia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.