Gostou do artigo? Compartilhe!

Clareamento da pele

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é clareamento da pele1?

O termo clareamento da pele1 significa, na verdade, clareamento de manchas escuras na pele1. É um tratamento estético que faz uso de várias técnicas como, por exemplo, a aplicação de ácidos ou peelings evasivos para manchas, bem como a aplicação de cremes com posologias ácidas para diminuir as manchas, como é o caso do ácido glicólico, comumente encontrado em farmácias. Esses métodos buscam despigmentar manchas hiperpigmentadas até que essas se igualem à pele1 circundante.

A palavra peeling é originada do inglês “to peel”, que significa descamar ou descascar – o que reflete o objetivo do procedimento, que renova as células2 da pele1 por meio da descamação3. O clareamento de grandes áreas da pele1 também é realizado por certas culturas por razões de aparência, política ou economia.

Os agentes de clareamento da pele1 funcionam reduzindo a presença do pigmento melanina4 na pele1. Vários mecanismos de ação podem ser usados para isso:

  • inibição da atividade da tirosinase, precursora da melanina4;
  • inibição da expressão ou ativação da tirosinase;
  • eliminação dos produtos intermediários da síntese de melanina4;
  • impedimento da transferência de melanossomas para queratinócitos5;
  • destruição da melanina4 existente;
  • destruição dos melanócitos6.
Veja também: "Dermoabrasão", "O laser tratando lesões7 de pele1" e "As cores da pele1 humana".

Quais são os tratamentos mais usados para clarear a pele1?

Os principais tratamentos para clarear a pele1 são os descritos a seguir.

Peeling químico

O peeling químico é um tipo de tratamento estético que consiste na utilização de ácidos para queimar a parte mais externa da pele1 que esteja danificada, tornando-a mais limpa, regenerada, clara e sem manchas. Normalmente são necessárias 10 sessões para que se tenha o resultado esperado, porém podem ser necessárias mais ou menos sessões dependendo do objetivo e da área do corpo a ser tratada.

O peeling químico pode ser feito na pele1 do rosto, mãos8 e pescoço9 para remover manchas, marcas de acne10 e cicatrizes11. Assim, de acordo de com a região, a técnica de peeling químico pode variar, sendo os principais tipos:

  • Peeling químico superficial, que remove a camada mais externa da pele1.
  • Peeling químico médio, em que são utilizados ácidos que removem a camada externa e média da pele1.
  • Peeling químico profundo, que remove as camadas de pele1 até ao nível interno.

Ao mesmo tempo que realiza o peeling químico, a pessoa deve estar fazendo uso de um bom creme hidratante, com filtro solar, pois a pele1 fica muito sensível, avermelhada e com tendência a descamar.

Peeling de cristal

O peeling de cristal consiste na utilização de hidróxido de alumínio para remover a camada mais externa da pele1, estimulando a produção de colágeno12, promovendo o rejuvenescimento e removendo as manchas provocadas pelo sol, acnes ou estrias. Nesse procedimento, o médico deve verificar qual a intensidade necessária para tratar adequadamente o problema.

Normalmente são recomendadas três sessões de peeling de cristal, uma vez por semana. No entanto, o número de sessões pode variar de acordo com a sensibilidade da pele1 da pessoa e da área a ser tratada.

Laser

laser ou luz pulsada tem como objetivo remover manchas causadas pelo sol ou acne10, além de promover a remoção de olheiras, o rejuvenescimento da pele1 e o prolongamento da depilação, por exemplo. Esse tipo de tratamento consiste na aplicação de feixes de luz que atuam nos pigmentos escuros presentes na pele1 e são absorvidos, dando o aspecto mais claro da pele1 na região tratada.

Normalmente, as sessões duram cerca de 30 minutos e acontecem com um intervalo de 4 semanas. Entretanto, isso pode variar de acordo com a região a ser clareada e a sensibilidade da pele1 da pessoa.

Cremes

O uso de cremes é importante para manter a pele1 hidratada, mas também pode diminuir as manchas ou evitar que apareçam.

Quais medicamentos costumam ser usados no clareamento da pele1?

Agentes eficazes para áreas específicas incluem corticosteroides, tretinoína e hidroquinona, entre outros. Esses produtos não são permitidos em cosméticos em quase todos os países da Europa devido a preocupações com os efeitos colaterais13 que podem gerar. De fato, os clareadores de pele1 podem ajudar a obter tons de pele1 mais claros, mas muitos deles contêm ingredientes nocivos. Conheça algumas das opções:

  1. O esteroide propionato de clobetasol, que, embora de uso tópico14, pode causar efeitos esteroides sistêmicos15, especialmente se aplicado em regiões amplas da pele1.
  2. O mercúrio inorgânico que, dependendo da suscetibilidade individual, pode levar à intoxicação por mercúrio. Seu uso, portanto, pode prejudicar a saúde16 de uma pessoa e é ilegal em muitos países.
  3. A glutationa, o agente mais comum tomado por via oral e que também pode ser usado como creme. Se realmente funciona ou não, não está claro, mas seu uso pode resultar em alguns efeitos colaterais13.
  4. A hidroquinona, que funciona diminuindo a produção de melanina4. Foi banida pela União Europeia desde o ano 2000 em virtude de seus efeitos colaterais13.
  5. A tretinoína, conhecida como ácido retinoico, usada para clarear áreas específicas e também usada em combinação com esteroides e hidroquinona.
  6. O alfa-hidroxiácido, também usado como clareador da pele1, mas seu mecanismo bioquímico não é claro. Os efeitos colaterais13 podem incluir sensibilidade ao sol, vermelhidão da pele1, espessamento ou coceira. Baixas concentrações podem ser usadas em cosméticos.
  7. O ácido kójico, um clareador eficaz segundo estudos. É usado em alguns cosméticos e tem como efeitos colaterais13 vermelhidão e eczema17.
  8. O uso do ácido tranexâmico no melasma18 conta com a aprovação de uns e o ceticismo de outros.
  9. O ácido azelaico pode ser uma opção de segunda linha para tratar o melasma18.

Opções caseiras

Existem algumas soluções caseiras para clarear a pele1 naturalmente:

  • O iogurte natural, que contém ácido lático que ajuda a clarear a pele1, além de mantê-la hidratada. Basta aplicar um pouco de iogurte na região mais escura e deixar atuar por 20 minutos, lavando e hidratando a pele1 a seguir. Este é um excelente remédio caseiro para clarear a pele1 morena ou negra, por exemplo.
  • O Bepantol ou o Hipoglós, que contêm vitamina19 A e regenera, clareia e hidrata a pele1. Para clarear a pele1 basta aplicar um pouco de Bepantol ou Hipoglós antes de dormir, todos os dias, e deixá-lo atuando durante a noite. Apesar de poder ser utilizada em qualquer tipo de pele1, esta solução caseira é ótima para clarear a pele1 queimada do sol.
  • O óleo de rosa mosqueta, que promove a regeneração da pele1, clareando-a e hidratando-a. Basta aplicar o óleo na pele1 todos os dias. O óleo de rosa mosqueta é ótimo para clarear a pele1 manchada de acnes, espinhas ou estrias.
Assuntos de interesse: "Protetor solar ou filtro solar", "Acne10 na mulher adulta" e "Você tem sardas ou efélides?"

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente do site do NHS – National Health Service.

ABCMED, 2022. Clareamento da pele. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/1411050/clareamento+da+pele.htm>. Acesso em: 26 jun. 2022.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
2 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
3 Descamação: 1. Ato ou efeito de descamar(-se); escamação. 2. Na dermatologia, fala-se da eliminação normal ou patológica da camada córnea da pele ou das mucosas. 3. Formação de cascas ou escamas, devido ao intemperismo, sobre uma rocha; esfoliação térmica.
4 Melanina: Cada uma das diversas proteínas de cor marrom ou preta, encontrada como pigmento em vegetais e animais.
5 Queratinócitos: Queratinócitos ou ceratinócitos são células diferenciadas do tecido epitelial (pele) e invaginações da epiderme para a derme (como os cabelos e unhas) de animais terrestres responsáveis pela síntese da queratina.
6 Melanócitos: Células da pele que produzem o pigmento melanina.
7 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
8 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
9 Pescoço:
10 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
11 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
12 Colágeno: Principal proteína fibrilar, de função estrutural, presente no tecido conjuntivo de animais.
13 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
14 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
15 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
16 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
17 Eczema: Afecção alérgica da pele, ela pode ser aguda ou crônica, caracterizada por uma reação inflamatória com formação de vesículas, desenvolvimento de escamas e prurido.
18 Melasma: Manchas escuras na face. O seu surgimento está relacionado à gravidez ou ao uso de anticoncepcionais hormonais (pílula) e tem como fator desencadeante a exposição da pele ao sol. Quando estas manchas ocorrem durante a gravidez, recebem a denominação de cloasma gravídico. Além dos fatores hormonais e da exposição solar, a tendência genética e características raciais também influenciam o surgimento do melasma.
19 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.