Gostou do artigo? Compartilhe!

Eczema - conceito, sintomas, formas, diagnóstico, tratamento e prevenção

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é eczema1?

O eczema1, também chamado dermatite2, é um termo que engloba um grupo de condições médicas que fazem com que a pele3 fique inflamada ou irritada. Quando se fala em eczema1, não se está referindo a uma única doença, mas sim a um conjunto de problemas de natureza inflamatória.

Ele pode ser agudo4, subagudo5 ou crônico6. O tipo mais comum de eczema1 é chamado de dermatite2 atópica e é uma condição crônica que faz com que a pele3 fique com coceira, vermelha e inflamada.

Quais são as causas do eczema1?

A causa exata do eczema1 permanece desconhecida. No entanto, sabe-se que ele pode ser desencadeado por vários fatores. Parece seguro atribuir uma participação hereditária, já que 50% a 70% dos doentes relatam terem familiares com eczema1. Frequentemente o eczema1 acontece como resultado de alergia7 a uma substância que tenha entrado em contato com a pele3 ou a um medicamento que tenham sido ingerido.

Além disso, pode também acontecer devido à temperatura ambiente muito quente ou muito fria, o que pode tornar a pele3 mais seca, ou também ser desencadeado pelo estresse ou drogas imunossupressoras. A transpiração8 excessiva e o ar-condicionado parecem favorecer a eclosão das lesões9.

Leia sobre "Dermatite seborreica10", "Dermatite2 atópica" e "Prurido11 ou coceira".

Qual é o substrato fisiopatológico do eczema1?

O eczema1 surge em virtude de uma disfunção da barreira cutânea12. Essa disfunção depende de uma combinação de fatores endógenos e exógenos. Adicionalmente, esses fatores parecem ser influenciados pelos microrganismos que colonizam a pele3. Assim, a resposta inflamatória no eczema1 deve-se a uma resposta imunitária aberrante a antígenos13 que fazem contato com a pele3.

Quais são as características clínicas do eczema1?

O eczema1 pode afetar pessoas de todas as idades, mas é mais comum em crianças. Os sintomas14 incluem pele3 seca, coceira, vermelhidão, inchaço15 e formação de crostas na pele3.

A forma aguda do eczema1 tem lesões9 que começam com marcas avermelhadas e bolhinhas de água na superfície que, ao se romperem, eliminam um líquido claro, o que caracteriza a fase subaguda16 do eczema1. Já na fase crônica, a secreção começa a secar, levando à formação das crostas. Nessa etapa, observa-se também o aumento da espessura da pele3. Nos casos graves, bolhas de maior volume podem se formar.

Existem seis formas diferentes de eczema1:

  1. Eczema1 atópico ou dermatite2 atópica: é um eczema1 que aparece em áreas específicas do corpo como face17, dobras de braços e pernas. O eczema1 atópico, em geral, começa a partir do segundo mês de vida e pode se manifestar em surtos intermitentes18 por toda vida do paciente. Nesse tipo de eczema1, a coceira é o sintoma19 mais importante, sendo um dos dados que contribuem para o diagnóstico20 diferencial. Fatores genéticos e imunológicos favorecem essa dermatose21.
  2. Eczema1 de contato ou dermatite2 de contato: surge após o contato de certos materiais ou produtos com a pele3 da pessoa. Algumas substâncias presentes nesses materiais ou produtos causam o eczema1 por terem a capacidade de provocar danos nas células22 da pele3 ou por gerarem uma reação alérgica23 do organismo contra elas. Nos dois casos, as reações se manifestam como eczema1. As localizações mais frequentes da doença são mãos24, face17, pescoço25 e pés.
  3. Eczema1 por droga ingerida: o eczema1 por drogas ocorre quando o paciente ingere uma droga ou medicamento que provoca uma reação eczematosa na pele3. Antibióticos, anti-inflamatórios, analgésicos26 e outras classes de drogas podem desencadear esse tipo de reação.
  4. Eczema1 numular: caracteriza-se por placas27 simétricas distribuídas por várias partes do corpo. A causa ainda é desconhecida. Muitos autores consideram o eczema1 numular como uma parte integrante do quadro de dermatite2 atópica.
  5. Eczema1 de estase28: localizado nas pernas, de modo simétrico e associado a varizes29 de membros inferiores. A má nutrição30 do tecido31, decorrente do comprometimento da circulação32 local, favorece o aparecimento desse tipo de eczema1.
  6. Eczema1 desidrótico: caracterizado por pequenas bolhas que surgem nas mãos24 e nos pés. Pode ter várias causas, como o eczema1 atópico, a dermatite2 de contato, farmacodermia eczematosa, etc. Além disso, pode haver a presença de micose33 nos pés e bolhas nas mãos24, como uma reação alérgica23 ao fungo34 presente na região plantar. Existe um tipo de disidrose chamada idiopática35, ou seja, sem causa determinada, que está relacionada ao estresse emocional.

Como o médico diagnostica o eczema1?

Não há nenhum exame específico para diagnosticar o eczema1. O diagnóstico20 é eminentemente36 clínico e obtido pela história que o paciente conta ao médico e pela observação das lesões9. A diferenciação entre as diversas formas clínicas do eczema1 nem sempre é fácil. O paciente pode ter apenas uma forma aguda, subaguda16 ou crônica, não sendo necessário observar-se todas as fases para se fazer um diagnóstico20 de eczema1.

Alguns exames clínicos podem ser usados para excluir patologias concorrentes e para determinar fatores subjacentes à doença.

Como o médico trata o eczema1?

O tratamento é realizado de acordo com o tipo de eczema1, em geral oferecendo bom controle para os sintomas14. Embora o eczema1 não tenha cura, é possível manter uma boa qualidade de vida se forem seguidas as orientações específicas para cada caso.

Os medicamentos utilizados podem incluir pomadas hidratantes à base de ureia37, antissépticos38 para as feridas, corticoides tópicos, anti-histamínicos orais, entre outros. Além do tratamento específico, são importantes as orientações que são dadas ao paciente no sentido de evitar ou minimizar as crises, de acordo com o tipo de eczema1.

Algumas boas práticas devem ser aplicadas no dia a dia para conviver melhor com a condição:

  • usar hidratante com a pele3 ainda úmida do banho;
  • evitar banhos muito quentes;
  • caso o paciente precise tomar um segundo banho no mesmo dia, deve fazê-lo sem sabonete;
  • evitar lavar constantemente as regiões afetadas;
  • usar sabonete neutro de glicerina;
  • evitar a exposição a alimentos, objetos e ambientes que podem causar alergia7;
  • evitar coçar as feridas;
  • e tomar cuidado com o atrito da toalha ao se enxugar após o banho (o melhor é ir enxugando com toques suaves em vez de esfregar a toalha contra a pele3).

É muito importante beber bastante água e outros líquidos, mantendo o organismo bem hidratado.

Como prevenir o eczema1?

A prevenção do eczema1 inclui medidas para evitar a exposição aos alergenos39, materiais e produtos que reconhecidamente provocam os sintomas14.

Veja também sobre "Atopia", "Ictiose", "Corticoides", "Bactérias" e "Fungos".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da SBD – Sociedade Brasileira de Dermatologia.

ABCMED, 2023. Eczema - conceito, sintomas, formas, diagnóstico, tratamento e prevenção. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/1432460/eczema-conceito-sintomas-formas-diagnostico-tratamento-e-prevencao.htm>. Acesso em: 15 abr. 2024.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Eczema: Afecção alérgica da pele, ela pode ser aguda ou crônica, caracterizada por uma reação inflamatória com formação de vesículas, desenvolvimento de escamas e prurido.
2 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
3 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
4 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
5 Subagudo: Levemente agudo ou que apresenta sintomas pouco intensos, mas que só se atenuam muito lentamente (diz-se de afecção ou doença).
6 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
7 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
8 Transpiração: 1. Ato ou efeito de transpirar. 2. Em fisiologia, é a eliminação do suor pelas glândulas sudoríparas da pele; sudação. Ou o fluido segregado pelas glândulas sudoríparas; suor. 3. Em botânica, é a perda de água por evaporação que ocorre na superfície de uma planta, principalmente através dos estômatos, mas também pelas lenticelas e, diretamente, pelas células epidérmicas.
9 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
10 Dermatite seborreica: Caracterizada por descamação da pele e do couro cabeludo. A forma que acomete couro cabeludo é a mais comum e conhecida popularmente por caspa. É uma doença inflamatória, não contagiosa, possui caráter crônico e recorrente. O fungo Pityrosporum ovale pode ser considerado um possível causador da dermatite seborreica. As manifestações clínicas mais comuns são descamação, vermelhidão e aspereza local. As escamas podem ser secas ou gordurosas, finas ou espessas, geralmente acinzentadas ou amareladas, quase sempre aderentes, podendo ser acompanhadas ou não de coceira.
11 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
12 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
13 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Inchaço: Inchação, edema.
16 Subaguda: Levemente aguda ou que apresenta sintomas pouco intensos, mas que só se atenuam muito lentamente (diz-se de afecção ou doença).
17 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
18 Intermitentes: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
19 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
20 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
21 Dermatose: Qualquer moléstia da pele e de seus anexos, especialmente quando caracterizada pela ausência de inflamação.
22 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
23 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
24 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
25 Pescoço:
26 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
27 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
28 Estase: 1. Estagnação do sangue ou da linfa. 2. Incapacidade de agir; estado de impotência.
29 Varizes: Dilatação anormal de uma veia. Podem ser dolorosas ou causar problemas estéticos quando são superficiais como nas pernas. Podem também ser sede de trombose, devido à estase sangüínea.
30 Má nutrição: Qualquer transtorno da alimentação tanto por excesso quanto por falta da mesma.A qualidade dos alimentos deve ser balanceada de acordo com as necessidades fisiológicas de cada um.
31 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
32 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
33 Micose: Infecção produzida por fungos. Pode ser superficial, quando afeta apenas pele, mucosas e seus anexos, ou profunda, quando acomete órgãos profundos como pulmões, intestinos, etc.
34 Fungo: Microorganismo muito simples de distribuição universal que pode colonizar uma superfície corporal e, em certas ocasiões, produzir doenças no ser humano. Como exemplos de fungos temos a Candida albicans, que pode produzir infecções superficiais e profundas, os fungos do grupo dos dermatófitos que causam lesões de pele e unhas, o Aspergillus flavus, que coloniza em alimentos como o amendoim e secreta uma toxina cancerígena, entre outros.
35 Idiopática: 1. Relativo a idiopatia; que se forma ou se manifesta espontaneamente ou a partir de causas obscuras ou desconhecidas; não associado a outra doença. 2. Peculiar a um indivíduo.
36 Eminentemente: De modo eminente; em alto grau; acima de tudo.
37 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
38 Antissépticos: Que ou os que impedem a contaminação e combatem a infecção.
39 Alérgenos: Substância capaz de provocar reação alérgica em certos indivíduos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.