Gostou do artigo? Compartilhe!

Dislipidemia - informações necessárias!

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é dislipidemia?

As dislipidemias são caracterizadas pela presença de níveis elevados de lipídios no sangue1, ou seja, gorduras no sangue1. Quando esses níveis ficam elevados, é possível que placas2 de gordura3 se formem e se acumulem no interior das artérias4, o que pode levar à obstrução parcial ou total do fluxo sanguíneo que chega ao coração5 e ao cérebro6.

As dislipidemias podem ser de dois tipos diferentes.

(1) Dislipidemia primária, cujos principais subtipos incluem:

  • (1a) hiperlipidemia7 combinada familiar, em que o colesterol8 HDL9 já mostra níveis elevados desde a juventude
  • (1b) hipercolesterolemia10 familiar e hipercolesterolemia10 poligênica, ambas caracterizadas por níveis elevados de colesterol8 total
  • (1c) hiperapobetalipoproteinemia familiar, caracterizada por níveis elevados de apolipoproteína B, uma proteína que faz parte do colesterol8 LDL11

(2) Dislipidemia adquirida, secundária a outras doenças ou condições, como diabetes12, hipotireoidismo13, obesidade14, alimentação com excesso de gorduras, etc.

Quais são as causas da dislipidemia?

A dislipidemia primária surge devido a fatores genéticos. Normalmente, o pai ou a mãe da pessoa também têm dislipidemia. A dislipidemia secundária é causada por outras doenças ou condições como, por exemplo, diabetes12, ou uso de medicações, como diuréticos15 e corticoides. Ou ainda pelo estilo de vida sedentário e o consumo excessivo de alimentos gordurosos.

Qual é o substrato fisiológico16 da dislipidemia?

As lipoproteínas de densidade muito baixa (VLDL - Very Low Density Lipoprotein) são sintetizadas no fígado17 por células18 parenquimatosas hepáticas19 e são responsáveis pelo transporte do triglicerídeo endógeno para os tecidos periféricos.

As lipoproteínas de baixa densidade (LDL11 – Low Density Lipoprotein) são geradas no estágio final da metabolização das VLDL e representam o principal carreador de colesterol8 do organismo. São capazes de permanecer por períodos mais longos na corrente sanguínea, sendo, por fim, captadas pelo fígado17 ou pelas células18 periféricas. Devido à sua densidade baixa, há o favorecimento de sua entrada e alojamento na camada íntima dos vasos, local no qual sofrem oxidação e podem desencadear o processo de aterogênese (formação da aterosclerose20), um evento degenerativo21 do endotélio vascular22.

As lipoproteínas de alta densidade (HDL9- High Density Lipoprotein) são sintetizadas no fígado17 e intestino e são responsáveis, ao inverso, pelo transporte do colesterol8 dos tecidos periféricos para o fígado17.

As apolipoproteínas representam a fração proteica das lipoproteínas. Elas se encontram em constante processo de síntese e degradação e são peças fundamentais na regu­lação do metabolismo23 lipídico.

Quais são as características clínicas da dislipidemia?

As dislipidemias em si mesmas geralmente não causam sintomas24, mas aumentam as chances de entupimento das artérias4 (aterosclerose20) e de ataques cardíacos, acidente vascular cerebral25 ou outros problemas circulatórios, especialmente em fumantes. Em adultos, costuma estar relacionada à obesidade14, alimentação inadequada e falta de exercícios.

Leia sobre "Como está o seu peso", "Entendendo o colesterol8 do organismo", "Calcificação26 das artérias4" e "Acidente vascular cerebral25 em jovens".

Como o médico diagnostica a dislipidemia?

A menos que seja grave, a maioria das dislipidemias não dão sinais27 nem sintomas24. A dislipidemia é muitas vezes diagnosticada durante um exame de sangue1 de rotina ou um exame para outra condição. As dislipidemias podem ser reconhecidas pelos seguintes fatores:

  1. níveis elevados de colesterol8 total;
  2. níveis elevados de colesterol8 LDL11 (conhecido como colesterol8 ruim);
  3. níveis baixos de colesterol8 HDL9 (conhecido como colesterol8 bom);
  4. níveis elevados de triglicérides28.

O conjunto dessas medidas constitui o que se costuma chamar de perfil lipídico29.

Como o médico trata a dislipidemia?

O objetivo principal do tratamento médico é reduzir os níveis de triglicerídeos e LDL11. No entanto, dependendo da causa subjacente da dislipidemia e de sua gravidade, o tratamento pode variar. Para pacientes30 com níveis de colesterol8 total muito altos, de pelo menos 200 miligramas por decilitro de sangue1, o médico pode prescrever um ou mais medicamentos modificadores de lipídios para pessoas, na maioria dos casos uma estatina, que reduz a produção de colesterol8 no fígado17, embora existam também outras drogas que podem ser utilizadas naqueles casos em que as drogas principais (as estatinas) não funcionam.

Algumas mudanças no estilo de vida e na alimentação também podem ajudar a estimular níveis saudáveis de lipídios no sangue1. Outras coisas que ajudam são tratamentos naturais que incluem exercitar-se regularmente, manter um peso corporal saudável, reduzir ou abolir o consumo de álcool, parar de fumar, dormir pelo menos 6 a 8 horas por noite e manter-se bem hidratado, bebendo muita água.

Como evolui a dislipidemia?

Pessoas com quadros leves de dislipidemia não apresentam sintomas24 e muitas vezes podem controlar ou resolver a condição simplesmente fazendo ajustes no seu estilo de vida. Contudo, devem recorrer ao médico se apresentarem dores ou aperto no peito31, tontura32, palpitações33 cardíacas, fadiga34 fácil, inchaço35 dos tornozelos e pés, dificuldades respiratórias, suores frios, náuseas36 e azia37.

Como prevenir a dislipidemia?

As dislipidemias são silenciosas, mas perigosas. Portanto, a pessoa não deve hesitar quanto aos modos de preveni-las. Os fatores genéticos não podem ser controlados, mas adotar hábitos saudáveis é essencial para conseguir evitar as consequências delas.

Uma dieta bem equilibrada, exercícios físicos regulares e medicamentos hipolipemiantes podem ajudar a prevenir complicações. Além disso, devem ser evitados o consumo de bebidas alcoólicas e de fumo.

Quais são as complicações possíveis com a dislipidemia?

Por causar a obstrução das artérias4, essa condição pode causar acidente vascular cerebral25 e infarto do miocárdio38, doenças responsáveis pela maior taxa de mortalidade39 no mundo.

Veja também sobre "Como 'perder a barriga'", "Caminhada", "Alimentação saudável" e "Benefícios do ômega 3 para a saúde40".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da Cleveland Clinic e da Mayo Clinic.

ABCMED, 2021. Dislipidemia - informações necessárias!. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/colesterol/1404805/dislipidemia+informacoes+necessarias.htm>. Acesso em: 9 dez. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
2 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
3 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
4 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
5 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
6 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
7 Hiperlipidemia: Condição em que os níveis de gorduras e colesterol estão mais altos que o normal.
8 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
9 HDL: Abreviatura utilizada para denominar um tipo de proteína encarregada de transportar o colesterol sanguíneo, que se relaciona com menor risco cardiovascular. Também é conhecido como “Bom Colesterol”. Seus valores normais são de 35-50mg/dl.
10 Hipercolesterolemia: Aumento dos níveis de colesterol do sangue. Está associada a uma maior predisposição ao desenvolvimento de aterosclerose.
11 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
12 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
13 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
14 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
15 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
16 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
17 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
18 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
19 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
20 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
21 Degenerativo: Relativo a ou que provoca degeneração.
22 Endotélio Vascular: Camada única de células que alinha-se na superfície luminal em todo o sistema vascular. Regulam o transporte de macromoléculas e componentes do sangue do interstício ao lúmem. Sua função tem sido mas amplamente estudada nos capilares sangüíneos.
23 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
24 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
25 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
26 Calcificação: 1. Ato, processo ou efeito de calcificar(-se). 2. Aplicação de materiais calcíferos básicos para diminuir o grau de acidez dos solos e favorecer seu aproveitamento na agricultura. 3. Depósito de cálcio nos tecidos, que pode ser normal ou patológico. 4. Acúmulo ou depósito de carbonato de cálcio ou de carbonato de magnésio em uma camada de profundidade próxima a do limite de percolação da água no solo, que resulta em certa mobilidade deste e alteração de suas propriedades químicas.
27 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
28 Triglicérides: A principal maneira de armazenar os lipídeos no tecido adiposo é sob a forma de triglicérides. São também os tipos de lipídeos mais abundantes na alimentação. Podem ser definidos como compostos formados pela união de três ácidos graxos com glicerol. Os triglicérides sólidos em temperatura ambiente são conhecidos como gorduras, enquanto os líquidos são os óleos. As gorduras geralmente possuem uma alta proporção de ácidos graxos saturados de cadeia longa, já os óleos normalmente contêm mais ácidos graxos insaturados de cadeia curta.
29 Perfil lipídico: Exame laboratorial que mede colesterol total, triglicérides, HDL. O LDL é calculado por estes resultados. O perfil lipídico é uma das medidas de risco para as doenças cardiovasculares.
30 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
31 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
32 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
33 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
34 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
35 Inchaço: Inchação, edema.
36 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
37 Azia: Pirose. Sensação de dor epigástrica semelhante a uma queimadura, geralmente acompanhada de regurgitação de suco gástrico para dentro do esôfago.
38 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
39 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
40 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cardiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.