Gostou do artigo? Compartilhe!

Cisto branquial

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são cistos branquiais?

Os cistos branquiais, ou cistos de fenda branquial, são pequenas formações saculares cheias de líquido que podem parecer nódulos. São anomalias congênitas1 (que já se apresentam por ocasião do nascimento) benignas que se localizam em um dos lados da região lateral do pescoço2, à frente do músculo esternocleidomastoideo3.

Quais são as causas dos cistos branquiais?

Mais ou menos na 4ª semana de desenvolvimento, o embrião forma os chamados arcos e fendas branquiais, em número de quatro, destinados a involuir e dar origem às várias estruturas da cabeça4 e pescoço2. Os cistos branquiais surgem devido à involução incompleta dessas fendas branquiais (estruturas primitivas da evolução do embrião).

Assim, um cisto branquial é um remanescente congênito5 do desenvolvimento embriológico. O tipo mais comum surge a partir da segunda fenda, sendo as anomalias derivadas da primeira, terceira e quarta fendas bem mais raras. Como estruturas inatas, os cistos branquiais estão presentes desde o nascimento, mas podem só se manifestar mais tarde, em qualquer idade, sendo frequentemente encontrados em crianças.

Leia sobre "Gestação semana a semana", "Malformações6 fetais", "Pré-natal: quais os exames a serem feitos".

Qual é o substrato fisiopatológico dos cistos branquiais?

Por volta da quarta semana de gestação, as células7 da crista neural migram para a futura região da cabeça4 e pescoço2 e os arcos branquiais começam a se desenvolver. Em geral, existem 5 arcos branquiais, separados por depressões conhecidas como fendas branquiais, em número de 4. Essas fendas normalmente involuem completamente por volta de 7 semanas de gestação. Se não involuírem ou se involuírem incompletamente, os remanescentes patológicos formarão cistos ou outras anomalias (fístulas8 e seios9).

Quais são as características clínicas dos cistos branquiais?

Embora presente desde o nascimento, esta anomalia pode não ser óbvia ou sintomática10 até mais tarde. A maioria das lesões11 apresenta-se na infância como um abaulamento12 visível na pele13, embora possam se apresentar como cistos ou massas cervicais, às vezes confundidas com abscessos14 cervicais.

As anomalias da fenda branquial apresentam-se em uma de três formas clínicas: cistos, seios9 ou fístulas8. Os cistos possuem revestimento epitelial e não têm aberturas externas. Podem ser assintomáticos e percebidos apenas incidentalmente. Esses cistos podem surgir apenas na idade adulta, mas quase sempre surgem na infância e aumentam de tamanho na adolescência, assumindo sua forma oval e tornando-se notados.

Normalmente, esses cistos se caracterizam pela formação de um abaulamento12 ou massa amolecida na parte lateral do pescoço2 e o único incômodo às vezes sentido por algumas pessoas é uma ligeira pressão na área afetada.

Como o médico diagnostica os cistos branquiais?

Não há um teste ou exame laboratorial específico para diagnosticar o cisto branquial. Ele deve ser reconhecido a partir da história clínica e do exame físico. A obtenção de uma radiografia depois da injeção15 intracística de um corante radiopaco pode delinear e determinar o tamanho do cisto. A ultrassonografia16 pode ser obtida para determinar as características clínicas do cisto.

Uma tomografia computadorizada17 com contraste mostrará uma massa cística e realçada no pescoço2 e uma ressonância magnética18 pode ser usada para uma resolução mais fina. A análise histológica19 do material colhido pela aspiração por uma agulha fina é útil para distinguir o cisto de uma neoplasia20 maligna.

Como o médico trata os cistos branquiais?

O tratamento de um cisto branquial é a excisão (remoção) eletiva21, devido ao risco de infecção22, crescimento adicional ou risco (extremamente baixo) de malignidade. No entanto, no caso de comprometimento das vias aéreas ou de abscesso23, pode ser necessária uma cirurgia de emergência24. Antibióticos sistêmicos25 e aspiração são preferíveis à incisão26 e drenagem27.

Ao realizar a cirurgia, o cirurgião deve ter o cuidado de não atingir o tronco principal e ramos do nervo facial28. No caso de, por qualquer motivo, um paciente não poder ser submetido à cirurgia, a ablação29 (destruição) com etanol tem sido usada como alternativa, embora não seja recomendada como primeiro tratamento.

Como evoluem os cistos branquiais?

Os cistos branquiais são tipicamente benignos e, com o tratamento, os pacientes se recuperam sem complicações ou recorrência30 na maioria dos casos.

Quais são as complicações possíveis com os cistos branquiais?

Embora raramente, os cistos branquiais podem se tornar infectados. Uma vez que os cistos da fenda branquial são excisados, a recorrência30 é muito incomum. O risco estimado é de 3%. No entanto, se tiver ocorrido cirurgia prévia ou infecção22 recorrente, a recorrência30 pode chegar a 20%.

Veja também sobre "Cisto pilonidal", "Cisto sinovial", "Cistos epidérmicos" e "Cisto de Naboth".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites do Johns Hopkins Medicine, do National Institutes of Health e da Cleveland Clinic.

ABCMED, 2022. Cisto branquial. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1420625/cisto+branquial.htm>. Acesso em: 1 out. 2022.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
2 Pescoço:
3 Esternocleidomastoideo: Músculo da face lateral do pescoço, situado na região anterolateral. É o principal flexor do pescoço e inervado pelo nervo espinal. Este músculo permite a rotação da cabeça para o lado contrário, a inclinação lateral e uma leve extensão da cabeça.
4 Cabeça:
5 Congênito: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
6 Malformações: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
7 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
8 Fístulas: Comunicação anormal entre dois órgãos ou duas seções de um mesmo órgão entre si ou com a superfície. Possui um conduto de paredes próprias.
9 Seios: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
10 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
11 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
12 Abaulamento: 1. Ato, processo ou efeito de abaular. 2. Convexidade que se dá a diversas superfícies (ruas, estradas, coberturas etc.) para facilitar o escoamento de águas pluviais. 3. Em forma de curva, arqueada ou convexa.
13 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
14 Abscessos: Acumulação de pus em uma cavidade formada acidentalmente nos tecidos orgânicos, ou mesmo em órgão cavitário, em consequência de inflamação seguida de infecção.
15 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
16 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
17 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
18 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
19 Histológica: Relativo à histologia, ou seja, relativo à disciplina biomédica que estuda a estrutura microscópica, composição e função dos tecidos vivos.
20 Neoplasia: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
21 Eletiva: 1. Relativo à eleição, escolha, preferência. 2. Em medicina, sujeito à opção por parte do médico ou do paciente. Por exemplo, uma cirurgia eletiva é indicada ao paciente, mas não é urgente. 3. Cujo preenchimento depende de eleição (diz-se de cargo). 4. Em bioquímica ou farmácia, aquilo que tende a se combinar com ou agir sobre determinada substância mais do que com ou sobre outra.
22 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
23 Abscesso: Acumulação de pus em uma cavidade formada acidentalmente nos tecidos orgânicos, ou mesmo em órgão cavitário, em consequência de inflamação seguida de infecção.
24 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
25 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
26 Incisão: 1. Corte ou golpe com instrumento cortante; talho. 2. Em cirurgia, intervenção cirúrgica em um tecido efetuada com instrumento cortante (bisturi ou bisturi elétrico); incisura.
27 Drenagem: Saída ou retirada de material líquido (sangue, pus, soro), de forma espontânea ou através de um tubo colocado no interior da cavidade afetada (dreno).
28 Nervo facial:
29 Ablação: Extirpação de qualquer órgão do corpo.
30 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Pediatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.