Gostou do artigo? Compartilhe!

Hermafroditismo

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é hermafroditismo1?

O hermafroditismo1, também conhecido como intersexualidade, é uma condição muito rara (pouco mais de 500 casos no mundo inteiro) em que a pessoa possui ao mesmo tempo dois órgãos genitais, um masculino e outro feminino, ou uma combinação deles, cuja identificação é possível logo ao nascer.

Uma outra forma de hermafroditismo1 é aquela em que a criança nasce com a região genital externa bem definida, mas possui outras alterações gonadais importantes, como é o caso, por exemplo, de um menino que quando chega à adolescência experimenta um desenvolvimento das mamas2 semelhante às meninas e menstrua.

Em níveis mais primitivos da evolução, o hermafroditismo1 é uma condição natural. Alguns animais invertebrados não têm sexos separados. Neles, o hermafroditismo1 é uma condição normal, possibilitando uma forma de reprodução3 sexual na qual qualquer um dos parceiros pode atuar como masculino ou feminino. Por exemplo, a grande maioria dos tunicados, caracóis opisthobrânquios, caracóis pulmonares, minhocas e lesmas são hermafroditas. O hermafroditismo1 também é encontrado em algumas espécies de peixes e, em menor grau, em outros vertebrados. A maioria das plantas também são hermafroditas.

Leia sobre "Genética - Alguns conceitos básicos", "Etapas do desenvolvimento sexual", "Menstruação4" e "Polução noturna".

Quais são as causas do hermafroditismo1?

O hermafroditismo1 geralmente é causado pela exposição excessiva do feto5 feminino aos hormônios masculinos no útero6. Existem várias possibilidades para que isso aconteça: hiperplasia7 adrenal congênita8 (a causa mais comum), hormônios masculinos ingeridos ou elaborados pela mãe durante a gravidez9 e tumores produtores de hormônio10 masculino na mãe (na maioria das vezes, tumores ovarianos). Algumas vezes a causa permanece desconhecida.

Qual é o substrato fisiopatológico do hermafroditismo1?

Em humanos, as condições que envolvem discrepâncias entre a genitália11 externa e os órgãos reprodutivos internos são extremamente raras. No hermafroditismo1 verdadeiro, também chamado distúrbio ovotesticular, o indivíduo apresenta ao mesmo tempo tecido12 ovariano e testicular, que podem ser separados ou combinados no que é chamado de ovotestis.

Os indivíduos afetados têm cromossomos13 sexuais mostrando mosaicismo (combinação de dois materiais genéticos distintos provenientes do mesmo zigoto14), em que um indivíduo possui os pares de cromossomos13 masculinos XY e feminino XX). Na maioria das vezes, mas nem sempre, o complemento cromossômico é 46, XX, e em cada um desses indivíduos também existe evidência de material cromossômico Y em um dos autossomos, isto é, em qualquer um dos 22 pares de cromossomos13 que não sejam os cromossomos13 sexuais.

Indivíduos com um complemento cromossômico 46, XX (feminino) costumam ter genitália11 externa ambígua com um falo considerável e, portanto, são frequentemente criados como machos. No entanto, eles desenvolvem seios15 durante a puberdade e menstruação4 e, apenas em casos raros, realmente produzem esperma16.

Em 46, XX os indivíduos têm genitália11 externa masculina, mas a constituição cromossômica e órgãos reprodutivos de uma mulher. Em 46, XY os indivíduos têm genitais externos ambíguos ou femininos, mas a constituição cromossômica e os órgãos reprodutivos de um homem, embora os testículos17 possam estar malformados ou ausentes.

Quais são as características clínicas do hermafroditismo1?

Há três tipos clínicos de hermafroditismo1:

  1. O hermafroditismo1 verdadeiro, representados pelas crianças que nascem com os dois órgãos sexuais internos e externos bem formados (ovário18, útero6, vagina19, testículos17 e pênis20, etc.). Nele, a maioria das pessoas são geneticamente do sexo feminino (XX).
  2. O pseudo-hermafroditismo21 masculino, em que a criança nasce geneticamente como do sexo masculino (XY) embora os órgãos sexuais externos só se desenvolvam incompletamente.
  3. O pseudo-hermafroditismo21 feminino, em que a criança nasce geneticamente do sexo feminino (XX) embora o clitóris desenvolva-se excessivamente adquirindo um formato semelhante a um pênis20.

Como o médico diagnostica o hermafroditismo1?

Vários exames de laboratório e de imagens com fins diagnósticos podem ser levados a cabo e desempenhar um papel na identificação da condição. Isso pode incluir análise de cromossomos13, exames de sangue22 para investigar os níveis de hormônios e eletrólitos23, testes de estimulação hormonal, teste molecular, exame endoscópico, imagem de ultrassonografia24 e imagem de ressonância magnética25.

Como o médico trata o hermafroditismo1?

O tratamento da intersexualidade em humanos depende da idade em que o diagnóstico26 é feito. Se o diagnóstico26 se der no nascimento, a escolha do sexo será feita com base na condição da genitália11 externa, após o que a chamada cirurgia intersexo será realizada para remover as gônadas27 do sexo oposto. A genitália11 restante será então reconstruída para se parecer com a do sexo escolhido.

A reconstrução da genitália feminina28 sempre foi realizada mais fácil e prontamente do que a reconstrução da genitália masculina29, de modo que indivíduos ambíguos frequentemente eram tornados mulheres. No entanto, a cirurgia intersexual tem consequências de longo prazo para os indivíduos afetados. Mais tarde na vida, por exemplo, a pessoa pode não ficar satisfeita com os resultados da cirurgia e pode não se identificar com o sexo que lhe foi atribuído.

Assim, o consentimento do paciente tornou-se uma parte cada vez mais importante das decisões sobre a cirurgia, de modo que a cirurgia deve ser adiada até a adolescência ou idade adulta, para que o paciente tenha tempo suficiente para considerar seu sexo e ser capaz de tomar decisões informadas sobre o tratamento. Em indivíduos mais velhos, o gênero aceito pode ser reforçado pelos procedimentos cirúrgicos apropriados e pela terapia hormonal.

Veja também sobre "Mutações cromossômicas", "Triploidia", "Síndrome30 do X frágil", "Hipogonadismo" e "Síndrome30 de Turner".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da Encyclopedia Britannica e do NIH – National Institutes of Health.

ABCMED, 2021. Hermafroditismo. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1399600/hermafroditismo.htm>. Acesso em: 17 out. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Hermafroditismo: 1. Em biologia, é a presença dos dois sexos e/ou de caracteres secundários dos dois sexos em um mesmo indivíduo; androginia, androginismo, girandria, girandrismo. 2. Na medicina, é uma afecção congênita rara, caracterizada pela presença, em um mesmo indivíduo, de tecido ovariano e tecido testicular; também chamado de hermafroditismo verdadeiro. 3. Na morfologia botânica, é a concomitância de androceu e gineceu em uma flor.
2 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
3 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
4 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
5 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
6 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
7 Hiperplasia: Aumento do número de células de um tecido. Pode ser conseqüência de um estímulo hormonal fisiológico ou não, anomalias genéticas no tecido de origem, etc.
8 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
9 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
10 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
11 Genitália: Órgãos externos e internos relacionados com a reprodução. Sinônimos: Órgãos Sexuais Acessórios; Órgãos Genitais; Órgãos Acessórios Sexuais
12 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
13 Cromossomos: Cromossomos (Kroma=cor, soma=corpo) são filamentos espiralados de cromatina, existente no suco nuclear de todas as células, composto por DNA e proteínas, sendo observável à microscopia de luz durante a divisão celular.
14 Zigoto: ÓVULO fecundado, resultante da fusão entre um gameta feminino e um masculino.
15 Seios: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
16 Esperma: Esperma ou sêmen. Líquido denso, gelatinoso, branco acinzentado e opaco, que contém espermatozoides e que serve para conduzi-los até o óvulo. O esperma é o líquido da ejaculação. Ele é composto de plasma seminal e espermatozoides. Este plasma contém nutrientes que alimentam e protegem os espermatozoides.
17 Testículos: Os testículos são as gônadas sexuais masculinas que produzem as células de fecundação ou espermatozóides. Nos mamíferos ocorrem aos pares e são protegidos fora do corpo por uma bolsa chamada escroto. Têm função de glândula produzindo hormônios masculinos.
18 Ovário: Órgão reprodutor (GÔNADAS) feminino. Nos vertebrados, o ovário contém duas partes funcionais Sinônimos: Ovários
19 Vagina: Canal genital, na mulher, que se estende do ÚTERO à VULVA. (Tradução livre do original
20 Pênis: Órgão reprodutor externo masculino. É composto por uma massa de tecido erétil encerrada em três compartimentos cilíndricos fibrosos. Dois destes compartimentos, os corpos cavernosos, ficam lado a lado ao longo da parte superior do órgão. O terceiro compartimento (na parte inferior), o corpo esponjoso, abriga a uretra.
21 Pseudo-hermafroditismo: Também conhecido como genitália ambígua, trata-se de uma condição na qual o indivíduo apresenta um único sexo cromossômico e gonadal, mas combina as características de ambos os sexos na genitália externa, gerando dúvidas quanto ao verdadeiro sexo. Na maior parte dos casos (75%), ambos os tipos de tecido gonadal (ovário e testículo) estão presentes em duas gônadas mistas, denominadas ovotéstis; em outros casos, de um lado do corpo encontra-se um testículo e do outro um ovário, podendo também ser um ovotéstis de um lado e um testículo ou ovário do outro.
22 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
23 Eletrólitos: Em eletricidade, é um condutor elétrico de natureza líquida ou sólida, no qual cargas são transportadas por meio de íons. Em química, é uma substância que dissolvida em água se torna condutora de corrente elétrica.
24 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
25 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
26 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
27 Gônadas: 1. Designação genérica das glândulas sexuais (ovário e testículo) que produzem os gametas (óvulos e espermatozoides). 2. Em embriologia, é a glândula embrionária antes de sua possível identificação morfológica como ovário ou testículo.
28 Genitália Feminina: Órgãos reprodutores femininos. Os órgãos externos icluem a VULVA, as GLÂNDULAS VESTIBULARES MAIORES e o CLITÓRIS. Os internos incluem a VAGINA, o ÚTERO, os OVÁRIOS e as TUBAS UTERINAS. Sinônimos: Genitais Femininos; Órgãos Genitais Femininos; Órgãos Sexuais Femininos Acessórios; Órgãos Sexuais Acessórios Femininos; Sistema Genital Feminino
29 Genitália Masculina: Órgãos reprodutores masculinos. São divididos em órgãos externos (PÊNIS, ESCROTO e URETRA) e órgãos internos (TESTÍCULO, EPIDÍDIMO, VASO DEFERENTE, VESÍCULAS SEMINAIS, DUCTOS EJACULATÓRIOS, PRÓSTATA e GLÂNDULAS BULBOURETRAIS). Sinônimos: Genitais Masculinos; Órgãos Sexuais Acessórios Masculinos; Órgãos Genitais Masculinos; Sistema Genital Masculino
30 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Pediatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.