Gostou do artigo? Compartilhe!

Doença de Hartnup

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a doença de Hartnup?

A doença de Hartnup é uma condição genética rara que envolve um erro inato do metabolismo1 de aminoácidos. Como esses aminoácidos aumentados podem ser detectados na urina2, a condição é também referida como aminoacidúria.

Quais são as causas da doença de Hartnup?

A doença de Hartnup é causada por uma mutação genética3 e é herdada de maneira autossômica4 recessiva. Ela se caracteriza pela incapacidade do intestino de absorver da dieta certos aminoácidos indispensáveis à construção de proteínas5, como o triptofano, por exemplo, e dos rins6 de reabsorvê-los. Como resultado, os indivíduos afetados não são capazes de usar esses aminoácidos para produzir outras substâncias essenciais, como vitaminas e proteínas5.

Leia sobre "Erros inatos do metabolismo1" e "Teste do Pezinho ou Triagem Neonatal".

Qual é o substrato fisiológico7 da doença de Hartnup?

O gene SLC6A19 é responsável por produzir uma proteína que transporta aminoácidos específicos dentro do corpo. Os aminoácidos afetados por alterações nesse gene incluem triptofano, alanina, asparagina, glutamina, histidina, isoleucina, leucina, fenilalanina8, serina, treonina, tirosina9 e valina. Esses aminoácidos são componentes das proteínas5 essenciais para o crescimento e desenvolvimento adequados.

Devido a um defeito (mutação10) neste gene, o intestino não pode absorver adequadamente os aminoácidos e o rim11 também não pode reabsorvê-los adequadamente, levando à perda de quantidades excessivas deles pela urina2. Isso deixa o organismo com quantidades reduzidas de aminoácidos para servir à construção de proteínas5 essenciais. Acredita-se que a deficiência do aminoácido triptofano seja a principal responsável pelos sintomas12 da doença de Hartnup. O triptofano é essencial para a síntese de nicotinamida, também conhecida como vitamina13 B3.

Quais são as principais características clínicas da doença de Hartnup?

Os sintomas12 da doença de Hartnup variam muito de uma pessoa para outra. A maioria dos indivíduos afetados não apresenta sintomas12 aparentes. Quando os sintomas12 se desenvolvem, eles ocorrem entre as idades de 3 a 9 anos e podem continuar depois. Em casos raros, os sintomas12 aparecem pela primeira vez na idade adulta.

A doença de Hartnup é caracterizada por erupções cutâneas14 escamosas e vermelhas, sensíveis à luz, em áreas expostas da pele15. Em alguns casos elas são acompanhadas por episódios de envolvimento neurológico que podem incluir uma incapacidade de coordenar movimentos voluntários (ataxia16), problemas de visão17, marcha instável, articulação18 prejudicada da fala (disartria19), tremores ocasionais das mãos20 e da língua21 e espasticidade22, aumento do tônus muscular23 e da rigidez dos músculos24, principalmente os das pernas e atrasos cognitivos25.

Em casos raros, registrou-se leve deficiência intelectual. Da mesma forma, foram também observados convulsões, desmaios, tremores, dores de cabeça26, tontura27 e/ou vertigem28 e atrasos no desenvolvimento motor. Alguns indivíduos afetados podem experimentar anormalidades psiquiátricas, incluindo instabilidade emocional, como mudanças rápidas de humor, depressão, confusão, ansiedade, delírios e/ou alucinações29.

Os sintomas12 associados a esse distúrbio podem ser desencadeados por febre30, drogas ou estresse emocional e/ou físico, como durante uma doença. A frequência de tais episódios costuma diminuir com a idade.

Como o médico diagnostica a doença de Hartnup?

Devido à variabilidade dos sintomas12, o diagnóstico31 inequívoco só pode ser feito através da análise da urina2, baseado na detecção por cromatografia de aminoácidos e outros derivados, como serotonina, elevados na urina2. Em alguns casos, o teste genético molecular pode confirmar o diagnóstico31 da doença. Pessoas com doença de Hartnup têm altos níveis de vários aminoácidos na urina2 e, para a maioria dos indivíduos afetados, este é o único sinal32 da condição.

Algumas outras condições médicas podem apresentar sintomas12 assemelhados e devem ser consideradas para estabelecer um diagnóstico31 diferencial. Incluem-se neste caso:

  1. A pelagra, doença que resulta de uma deficiência de ácido nicotínico e, ocasionalmente, de triptofano
  2. A erupção33 malar observada no lúpus34
  3. A dermatite35 atópica infantil
  4. A dermatite seborreica36
  5. Síndrome37 carcinoide
  6. Xeroderma pigmentoso
  7. Fenilcetonúria38
  8. Síndrome37 da fralda azul
  9. E uma variedade de outros distúrbios metabólicos...

Os sintomas12 neurológicos da doença de Hartnup podem se assemelhar aos observados em outros distúrbios metabólicos, na ataxia16-telangiectásica e em outras formas de ataxia16.

Como o médico trata a doença de Hartnup?

A maioria das pessoas com doença de Hartnup é capaz de obter as substâncias necessárias com uma dieta bem equilibrada. Indivíduos com doença de Hartnup que não desenvolvem sintomas12 não necessitam de tratamento. Os episódios sintomáticos que afetam algumas pessoas com a doença podem ser reduzidos ou evitados mantendo uma boa nutrição39, incluindo uma dieta rica em proteínas5, evitando o excesso de exposição ao sol e evitando certos medicamentos. Em alguns casos, durante um episódio sintomático40, o tratamento com nicotinamida pode ser recomendado. O aconselhamento genético pode ser útil para as famílias afetadas.

Como evolui a doença de Hartnup?

O prognóstico41 da doença de Hartnup é bom e as crises se tornam cada vez menos frequentes com a idade, na maioria dos casos.

Como prevenir a doença de Hartnup?

As pessoas com a doença de Hartnup podem diminuir a frequência e a gravidade das crises mantendo uma boa nutrição39, ingerindo proteína suficiente e suplementando sua dieta com niacinamida ou niacina.

Saiba mais sobre "Importância do exame de urina42", "Lúpus34 eritematoso43", "Fenilcetonúria38" e "Ataxia16".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos sites da NORD - National Organization of Rare Diseases e da US National Library of Medicine.

ABCMED, 2019. Doença de Hartnup. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1353708/doenca+de+hartnup.htm>. Acesso em: 23 jan. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
2 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
3 Mutação genética: É uma alteração súbita no genótipo de um indivíduo, sem relação com os ascendentes, mas passível de ser herdada pelos descendentes.
4 Autossômica: 1. Referente a autossomo, ou seja, ao cromossomo que não participa da determinação do sexo; eucromossomo. 2. Cujo gene está localizado em um dos autossomos (diz-se da herança de características). As doenças gênicas podem ser classificadas segundo o seu padrão de herança genética em: autossômica dominante (só basta um alelo afetado para que se manifeste a afecção), autossômica recessiva (são necessários dois alelos com mutação para que se manifeste a afecção), ligada ao cromossomo sexual X e as de herança mitocondrial (necessariamente herdadas da mãe).
5 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
6 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
7 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
8 Fenilalanina: É um aminoácido natural, encontrado nas proteínas vegetais e animais, essencial para a vida humana.
9 Tirosina: É um dos aminoácidos polares, sem carga elétrica, que compõem as proteínas, caracterizado pela cadeia lateral curta na qual está presente um anel aromático e um grupamento hidroxila.
10 Mutação: 1. Ato ou efeito de mudar ou mudar-se. Alteração, modificação, inconstância. Tendência, facilidade para mudar de ideia, atitude etc. 2. Em genética, é uma alteração súbita no genótipo de um indivíduo, sem relação com os ascendentes, mas passível de ser herdada pelos descendentes.
11 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
12 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
13 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
14 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
15 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
16 Ataxia: Reflete uma condição de falta de coordenação dos movimentos musculares voluntários podendo afetar a força muscular e o equilíbrio de uma pessoa. É normalmente associada a uma degeneração ou bloqueio de áreas específicas do cérebro e cerebelo. É um sintoma, não uma doença específica ou um diagnóstico.
17 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
18 Articulação: 1. Ponto de contato, de junção de duas partes do corpo ou de dois ou mais ossos. 2. Ponto de conexão entre dois órgãos ou segmentos de um mesmo órgão ou estrutura, que geralmente dá flexibilidade e facilita a separação das partes. 3. Ato ou efeito de articular-se. 4. Conjunto dos movimentos dos órgãos fonadores (articuladores) para a produção dos sons da linguagem.
19 Disartria: Distúrbio neurológico caracterizado pela incapacidade de articular as palavras de maneira correta (dificuldade na produção de fonemas). Entre as suas principais causas estão as lesões nos nervos centrais e as doenças neuromusculares.
20 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
21 Língua:
22 Espasticidade: Hipertonia exagerada dos músculos esqueléticos com rigidez e hiperreflexia osteotendinosa.
23 Tônus muscular: Estado de tensão elástica (contração ligeira) que o músculo apresenta em repouso e que lhe permite iniciar a contração imediatamente depois de receber o impulso dos centros nervosos. Num estado de relaxamento completo (sem tônus), o músculo levaria mais tempo para iniciar a contração.
24 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
25 Cognitivos: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
26 Cabeça:
27 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
28 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
29 Alucinações: Perturbações mentais que se caracterizam pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensações sem objeto. Impressões ou noções falsas, sem fundamento na realidade; devaneios, delírios, enganos, ilusões.
30 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
31 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
32 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
33 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
34 Lúpus: 1. É uma inflamação crônica da pele, caracterizada por ulcerações ou manchas, conforme o tipo específico. 2. Doença autoimune rara, mais frequente nas mulheres, provocada por um desequilíbrio do sistema imunológico. Nesta patologia, a defesa imunológica do indivíduo se vira contra os tecidos do próprio organismo como pele, articulações, fígado, coração, pulmão, rins e cérebro. Essas múltiplas formas de manifestação clínica, às vezes, podem confundir e retardar o diagnóstico. Lúpus exige tratamento cuidadoso por médicos especializados no assunto.
35 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
36 Dermatite seborreica: Caracterizada por descamação da pele e do couro cabeludo. A forma que acomete couro cabeludo é a mais comum e conhecida popularmente por caspa. É uma doença inflamatória, não contagiosa, possui caráter crônico e recorrente. O fungo Pityrosporum ovale pode ser considerado um possível causador da dermatite seborreica. As manifestações clínicas mais comuns são descamação, vermelhidão e aspereza local. As escamas podem ser secas ou gordurosas, finas ou espessas, geralmente acinzentadas ou amareladas, quase sempre aderentes, podendo ser acompanhadas ou não de coceira.
37 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
38 Fenilcetonúria: A Fenilcetonúria é uma doença genética caracterizada pelo defeito ou ausência da enzima fenilalanina hidroxilase (PAH). Esta proteína catalisa o processo de conversão da fenilalanina em tirosina. A tirosina está envolvida na síntese da melanina. Esta doença pode ser detectada logo após o nascimento através de triagem neonatal (conhecida como Teste do Pezinho). Nesta doença, alguns alimentos podem intoxicar o cérebro e causar um quadro de retardo mental irreversível. As crianças que nascem com ela têm um problema digestivo no fígado. Há um odor corporal forte e vômitos após as refeições. Seu tratamento consiste em retirar a fenilalanina da alimentação por toda a vida.
39 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
40 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
41 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
42 Exame de urina: Também chamado de urinálise, o teste de urina é feito através de uma amostra de urina e pode diagnosticar doenças do sistema urinário e outros sistemas do organismo. Alguns testes são feitos em uma amostra simples e outros pela coleta da urina durante 24 horas. Pode ser feita uma cultura da urina para verificar o crescimento de bactérias na urina.
43 Eritematoso: Relativo a ou próprio de eritema. Que apresenta eritema. Eritema é uma vermelhidão da pele, devido à vasodilatação dos capilares cutâneos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Genética Clínica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.