Gostou do artigo? Compartilhe!

Câncer de mama triplo negativo

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é câncer1 de mama2 triplo negativo?

Um câncer1 de mama2 triplo negativo significa que os três tipos mais comuns de receptores celulares conhecidos por estimular o crescimento do tumor3 mamário, o estrogênio, a progesterona e HER-2 ("Human epidermal growth factor receptor-type 2", ou seja, Receptor tipo 2 do fator de crescimento epidérmico humano) não estão presentes. Uma vez que as células4 tumorais não possuem os receptores necessários, os tratamentos habituais como terapia hormonal e drogas direcionadas ao estrogênio, progesterona e HER-2 são ineficazes.

O uso de quimioterapia5 para tratar o câncer1 de mama2 triplo negativo ainda é uma opção eficaz. Na verdade, o câncer1 de mama2 triplo negativo pode responder ainda melhor à quimioterapia5 nos estágios iniciais do que muitas outras formas de câncer1.

Leia sobre "Câncer1 de mama2" e "Recomendações para tratamento do câncer1".

Quais são as causas do câncer1 de mama2 triplo negativo?

Em geral, as causas efetivas do câncer1 permanecem desconhecidas, crê-se que alterações ou mutações no DNA podem causar o câncer1 de mama2. Certas mudanças no DNA são herdadas dos pais e aumentam muito o risco de tumor3 de mama2. Pode ocorrer o crescimento anormal das células4 mamárias, tanto do ducto mamário quanto dos glóbulos mamários.

Outros fatores de risco são relacionados ao estilo de vida como, entre outras coisas, o que a pessoa come e o quanto se exercita, se a pessoa é obesa, se fuma ou não, se bebe ou não, mas ainda não se sabe exatamente como esses fatores fazem com que as células4 normais se tornem cancerosas.

Os hormônios parecem desempenhar um papel em muitos casos de câncer1 de mama2, mas a maneira como isso acontece não é totalmente compreendida. Ainda não são conhecidos os fatores que fazem o câncer1 de mama2 tornar-se triplo negativo.

Qual é o mecanismo fisiológico6 do câncer1 de mama2 triplo negativo?

Os receptores celulares são proteínas7 especiais encontradas dentro e na superfície das células4. Essas proteínas7 recebem “mensagens” de substâncias na corrente sanguínea e informam as células4 sobre o que fazer. Nas células4 saudáveis da mama2 esses receptores recebem mensagens dos hormônios estrogênio e progesterona, os quais fornecem instruções que ajudam as células4 a continuarem a crescer e a funcionar bem.

A maioria das células4 de câncer1 de mama2, mas não todas, também tem esses receptores de hormônios. Cerca de dois dos três tipos de câncer1 de mama2 são positivos para um ou ambos os receptores de hormônios. Uma porcentagem menor de câncer1 de mama2, cerca de 20%, produz muito da proteína HER2. Em células4 mamárias normais e saudáveis, o HER2 estimula o crescimento celular. Quando as células4 do câncer1 de mama2 têm uma quantidade muito alta da proteína HER2, as células4 crescem e se dividem muito rapidamente. Terapias hormonais e terapias direcionadas ao HER2 procuram interromper os efeitos do estrogênio, progesterona e da proteína HER2 no câncer1 de mama2, o que pode ajudar a retardar ou até mesmo impedir o crescimento de células4 tumorais na mama2.

No entanto, cerca de 15 a 20% dos cânceres de mama2 são negativos para os receptores de hormônios e para o excesso de HER2 no laboratório, pelo que se diz que eles são triplo-negativos. Como os hormônios e o HER2 não estão alimentando o crescimento do câncer1, é improvável que o câncer1 responda a medicamentos de terapia hormonal, incluindo inibidores como o tamoxifeno ou a aromatase.

Veja também sobre "Inibidores da aromatase", "Prevenção do câncer1" e "Câncer1 de mama2 - preparação para a consulta médica".

Quais são as principais características clínicas do câncer1 de mama2 triplo negativo?

Os tumores triplo negativos tendem a ocorrer mais frequentemente em mulheres jovens e negras afro-americanas. Eles também podem ser mais comuns entre mulheres hispânicas em comparação com mulheres brancas não hispânicas. O subtipo triplo negativo representa cerca de 15% a 20% de todos os casos de câncer1 de mama2 e se destaca por ser mais agressivo, com o crescimento acelerado das células4 cancerígenas.

Em geral estes são cânceres que se formam nas células4 dos ductos por onde passa o leite materno. Esse tipo de câncer1 de mama2 também costuma ser mais agressivo porque existe maior chance de retorno da doença depois de um prévio controle, levando à metástase8 e a uma sobrevida9 menor do que os outros tipos de câncer1.

Como o médico diagnostica o câncer1 de mama2 triplo negativo?

Em muitas mulheres, o câncer1 de mama2 é encontrado durante o rastreamento das mamas10 por exames de imagens. Os meios diagnósticos para câncer1 de mama2 triplo negativo são os mesmos para todos os cânceres de mama2: história médica, exame físico, ultrassonografia11 das mamas10 e mamografia12. A especificação de câncer1 triplo negativo é feita através de exame de histoquímica de tecidos retirados da peça operatória. Um exame histopatológico pode ajudar a corroborar o diagnóstico13.

Como o médico trata o câncer1 de mama2 triplo negativo?

O tratamento básico para todo tipo de câncer1 continua a ser empregado com o câncer1 de mama2 triplo negativo: cirurgia, quimioterapia5 e/ou radioterapia14. Embora mais agressivo que outros tipos, o câncer1 de mama2 triplo negativo, se for descoberto precocemente, pode ser igualmente curado, na maioria dos casos.

Ele não responde aos medicamentos de terapia hormonal ou medicamentos que têm como alvo os receptores de proteína HER, mas outros medicamentos podem ser usados para tratá-lo com sucesso. Estudos científicos demonstraram benefícios estatisticamente significativos em sobrevida9 livre de progressão nas pacientes com câncer1 de mama2 triplo-negativo que receberam tratamento inicial com quimioterapia5 associada ao anticorpo15 monoclonal anti-PDL-1 (atezolizumabe). Estudos mais recentes sobre tratamentos específicos para o câncer1 de mama2 triplo-negativo estão sendo feitos na área da imunoterapia.

Como evolui o câncer1 de mama2 triplo negativo?

Após o tratamento inicial, a pessoa deve fazer check-up mamário regular pelo menos durante cinco anos, pois a reincidência16 desse tipo de câncer1 é alta.

Saiba mais sobre "Mamografia12", "Radioterapia14", "Quimioterapia5" e "Imunoterapia".

 

ABCMED, 2019. Câncer de mama triplo negativo. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1338963/cancer-de-mama-triplo-negativo.htm>. Acesso em: 22 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
3 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
4 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
5 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
6 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
7 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
8 Metástase: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
9 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
10 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
11 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
12 Mamografia: Estudo radiológico que utiliza uma técnica especial para avaliar o tecido mamário. Permite diagnosticar tumores benignos e malignos em fase inicial na mama. É um exame que deve ser realizado por mulheres, como prevenção ao câncer.
13 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
14 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
15 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
16 Reincidência: 1. Ato ou efeito de reincidir ou repetir. 2. Obstinação, insistência, teimosia.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Mastologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.