Gostou do artigo? Compartilhe!

Nódulos mamários

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são nódulos mamários?

Nódulos mamários são pequenos caroços ou protuberâncias que se desenvolvem no tecido1 mamário, de textura muito diferente de todo o tecido1 ao redor, podendo ter conteúdo líquido (cístico) ou sólido. Eles podem ser benignos (na maioria dos casos) ou malignos, e geralmente são descobertos durante o autoexame das mamas2 ou em uma mamografia3.

Os nódulos na mama4 que surgem apenas devido a alterações hormonais podem desaparecer espontaneamente depois da menstruação5.

Quais são as causas dos nódulos mamários?

Os nódulos mamários benignos são causados por alterações hormonais, alterações fibrocísticas, cistos, lipomas, inflamação6, hemorragia7, crescimento excessivo de tecido1 mamário ou mastopatia diabética. Os nódulos mamários malignos podem ser um sinal8 de câncer9 de mama4.

Como o tecido1 mamário existe tanto da mulher quanto no homem, eles podem ocorrer em ambos os sexos. Mesmo as adolescentes que ainda não menstruam podem ter nódulos na mama4 durante a puberdade, devido a alterações hormonais próprias dessa fase da vida, os quais desaparecem naturalmente com o passar do tempo.

Até mesmo alguns bebês10 podem desenvolver nódulos mamários em decorrência do estrogênio que recebem de suas mães durante o parto; esses também desaparecem quando o estrogênio volta a níveis normais.

Leia sobre "Câncer9 de mama4", "Câncer9 de mama4 - preparação para a consulta médica" e "Recomendações para tratamento do câncer9".

Como detectar um nódulo11 mamário?

Se a pessoa for uma mulher, deve examinar suas mamas2 pelo menos uma vez a cada mês para verificar se há caroços. Na maior parte das vezes, esses exames serão normais, mas a paciente terá obtido a vantagem de se acostumar com as sensações normais ligadas a este exame e assim terá mais facilidade de perceber quaisquer possíveis anormalidades futuras, se elas vierem a ocorrer.

A maioria dos nódulos mamários são benignos, mas podem também ser um sinal8 de câncer9 de mama4. Encontrar esse nódulo11 pode permitir à mulher que ela inicie o tratamento precocemente. E isso faz toda a diferença quanto ao prognóstico12!

No entanto, a paciente deve ter cautela e bom senso. Muitas vezes, as pacientes serão submetidas a mamografias e biópsias13 desnecessárias. A melhor ocasião para fazer o autoexame das mamas2 é cerca de 3 a 5 dias após o término da menstruação5. Nessa ocasião os seios14 são naturalmente menos irregulares e há menos chance de a mulher confundir uma protuberância normal com um crescimento anormal.

Para fazer o exame, a paciente deve deitar-se de costas15, colocar a mão16 direita atrás da cabeça17 e usar os dedos médios da mão16 esquerda para pressionar suavemente, mas com firmeza, todo o seio18. Em seguida, deve apertar o mamilo suavemente para ver se sai algum fluido. Agora, assentada, deve verificar sua axila e o entorno dela. O mesmo procedimento deve ser adotado para o seio18 direito.

A seguir, ficando de pé e com os braços estendidos, frente a um espelho, deve fazer uma inspeção19 visual dos seios14 e verificar a simetria e a forma deles, bem como observar quaisquer alterações que haja na pele20 que os recobre. Essa mesma observação deve ser repetida, agora com os braços acima da cabeça17. Se perceber algo diferente, não é necessário entrar em pânico, pois na maioria das vezes será algo simples de ser resolvido. No entanto, um médico deve ser consultado para esclarecer a situação.

Quais são as características clínicas dos nódulos mamários?

Os nódulos mamários benignos são muito comuns e assintomáticos, têm bordas suaves e são móveis. Os nódulos mamários malignos, por outro lado, são menos comuns, podem ter bordas irregulares e não serem móveis. Além disso, eles podem ser acompanhados de outros sintomas21, como dor, inchaço22, vermelhidão ou secreções no mamilo.

Os homens também podem ter nódulos mamários por motivos semelhantes aos das mulheres. Em alguns casos (raros), o nódulo11 pode indicar câncer9 de mama4 masculino. Os homens brancos têm uma chance 100 vezes menor de ter câncer9 de mama4 do que as mulheres brancas. Os homens negros têm uma chance um pouco maior de ter câncer9 de mama4, cerca de 70 vezes menor do que mulheres negras.

Veja também sobre "Preventivo23 ou Exame de Papanicolau24", "Colposcopia25", "Mamografia3" e "Papilomavírus humano".

Como o médico diagnostica os nódulos mamários?

O diagnóstico26 da existência e da natureza do nódulo11 mamário envolve uma combinação de exames. O exame físico das mamas2 e das axilas permite ao médico avaliar o tamanho, a forma e a textura do nódulo11, bem como a presença de quaisquer outras alterações mamárias.

A mamografia3 pode detectar a presença de um nódulo11 mamário e ajudar a determinar se é sólido ou preenchido com líquido (cisto). A ultrassonografia27 pode ajudar a distinguir entre um nódulo11 sólido e um cisto, bem como avaliar a forma e o tamanho do nódulo11. Uma ressonância magnética28 permite avaliar a natureza do nódulo11, mostrando áreas densas das mamas2 que podem ser difíceis de avaliar com mamografia3 ou ultrassonografia27.

Por último, a biópsia29, feita com agulha fina, com agulha grossa ou por cirurgia é o método mais preciso para determinar a natureza benigna ou maligna de um nódulo11 mamário.

Como o médico trata os nódulos mamários?

O tratamento dos nódulos mamários depende do tipo de nódulo11, bem como de outros fatores, como a idade e a saúde30 geral da paciente. Os nódulos mamários benignos são comuns e muitas vezes não requerem tratamento. Nesses casos, o médico pode optar por apenas monitorar o nódulo11 com exames regulares de mamografia3 ou ultrassonografia27 para verificar se há mudanças.

Se o nódulo11 é grande ou canceroso, pode ser necessário removê-lo cirurgicamente. Dependendo do tamanho e da localização do nódulo11, a cirurgia pode ser realizada com uma pequena incisão31 ou com uma mastectomia32 completa. Frequentemente, a cirurgia é seguida por quimioterapia33 e/ou radioterapia34.

Se o nódulo11 for causado por desequilíbrios hormonais, pode ser prescrita terapia hormonal para ajudar a diminuir o tamanho do nódulo11.

Saiba mais sobre "Radioterapia34", "Quimioterapia33" e "Imunoterapia".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da Mayo Clinic , do Mount Sinai Hospital – New York e da Johns Hopkins Medicine.

ABCMED, 2023. Nódulos mamários. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1437905/nodulos-mamarios.htm>. Acesso em: 22 fev. 2024.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
2 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
3 Mamografia: Estudo radiológico que utiliza uma técnica especial para avaliar o tecido mamário. Permite diagnosticar tumores benignos e malignos em fase inicial na mama. É um exame que deve ser realizado por mulheres, como prevenção ao câncer.
4 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
5 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
6 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
7 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
8 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
9 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
10 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
11 Nódulo: Lesão de consistência sólida, maior do que 0,5cm de diâmetro, saliente na hipoderme. Em geral não produz alteração na epiderme que a recobre.
12 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
13 Biópsias: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
14 Seios: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
15 Costas:
16 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
17 Cabeça:
18 Seio: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
19 Inspeção: 1. Ato ou efeito de inspecionar; exame, vistoria, inspecionamento. 2. Ato ou efeito de fiscalizar; fiscalização, supervisão, observação. 3. Exame feito por inspetor (es).
20 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
21 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
22 Inchaço: Inchação, edema.
23 Preventivo: 1. Aquilo que previne ou que é executado por medida de segurança; profilático. 2. Na medicina, é qualquer exame ou grupo de exames que têm por objetivo descobrir precocemente lesão suscetível de evolução ameaçadora da vida, como as lesões malignas. 3. Em ginecologia, é o exame ou conjunto de exames que visa surpreender a presença de lesão potencialmente maligna, ou maligna em estágio inicial, especialmente do colo do útero.
24 Papanicolau: Método de coloração para amostras de tecido, particularmente difundido por sua utilização na detecção precoce do câncer de colo uterino.
25 Colposcopia: Exame ginecológico auxiliar na visualização de lesões do colo uterino e da região genital feminina.
26 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
27 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
28 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
29 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
30 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
31 Incisão: 1. Corte ou golpe com instrumento cortante; talho. 2. Em cirurgia, intervenção cirúrgica em um tecido efetuada com instrumento cortante (bisturi ou bisturi elétrico); incisura.
32 Mastectomia: Cirurgia através da qual extirpa-se parte ou a totalidade da mama. Pode estar indicada como tratamento do câncer de mama.
33 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
34 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.