Gostou do artigo? Compartilhe!

Reticulocitose - conceito, causas, diagnóstico e tratamento

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são reticulócitos?

Reticulócitos são eritrócitos1 (ou hemácias2) imaturos, recém-emitidos na circulação3 sanguínea. Eles são produzidos na medula óssea4 e liberados na circulação3 e normalmente amadurecem em um ou dois dias em hemácias2, as quais têm uma vida útil de aproximadamente 120 dias em circulação3.

Eles são detectados em amostra de sangue5 venoso e a dosagem deles é útil no diagnóstico6 diferencial de anemias e no acompanhamento do tratamento de pessoas anêmicas. Valores aumentados indicam medula óssea4 normal, falando a favor de uma anemia7 por perda ou destruição de glóbulos vermelhos. Quando exames posteriores mostrarem valores progressivamente mais baixos, indicam uma boa resposta ao tratamento da anemia7 por deficiência de ferro ou anemia ferropriva8.

Uma pessoa normal apresenta de 0,5 a 1,8% de reticulócitos circulantes em relação às hemácias2. Porém, a interpretação é feita em valores absolutos, isto é, multiplica-se o valor obtido em percentagem na contagem de reticulócitos pelo número de hemácias2 total do paciente.

Saiba mais sobre "Anemias" e "Anemia ferropriva8".

O que é reticulocitose?

Reticulocitose é uma condição anômala do tecido9 sanguíneo, caracterizada pelo aumento na contagem dos reticulócitos circulantes, condição essa reputada entre os mais simples e os mais confiáveis sinais10 hematológicos da produção acelerada de eritrócitos1.

Se uma pessoa tiver anemia7, a percentagem de reticulócitos será aumentada se a medula óssea4 tiver capacidade de produzir novas células sanguíneas11. Se uma pessoa com anemia7 tiver uma percentagem normal, isto significa que a medula óssea4 não está produzindo novas hemácias2 a fim de corrigir esta anemia7. Assim, a reticulocitose é tanto um marcador hemolítico quanto um sinal12 de atividade compensatória da medula óssea4.

Quais são as causas da reticulocitose?

A reticulocitose pode ser decorrente de anemia7, de perda sanguínea pós-hemorrágica13 ou de hemólise14. Os reticulócitos são liberados em resposta à diminuição dos níveis de hemácias2 no hematócrito15. A reticulocitose pode também ser observada em distúrbios da medula óssea4, que luta para acompanhar a taxa de destruição das hemácias2.

Por outro lado, as causas de baixa contagem de reticulócitos incluem deficiência de ferro, deficiência de folato e deficiência de vitamina16 B12. A radioterapia17 também costuma afetar a produção de eritrócitos1 em muitos pacientes, pois suprime as funções da medula óssea4.

Leia sobre "Anemia7 por deficiência de ferro" e "Anemia perniciosa18".

Qual é o mecanismo fisiológico19 da reticulocitose?

Normalmente, a medula óssea4 produz e libera essas células20 regularmente para substituir o envelhecimento e a destruição das hemácias2, que se dá regularmente no baço21. Assim, elas existem comumente no sangue5, numa proporção de 0,5 a 1,8 por cento em relação às hemácias2. A presença de grande número de reticulócitos geralmente indica uma resposta à perda súbita de sangue5 e, portanto, uma maior ativação da medula óssea4. Nos distúrbios hemolíticos (destruição do sangue5), o corpo começa a destruir células sanguíneas11 maduras e, assim, eles também ativam a medula óssea4.

Uma contagem alta de reticulócitos indica também que a medula óssea4 está respondendo bem aos tratamentos. Nos transplantes de medula óssea4, um aumento na contagem de reticulócitos é uma indicação de um transplante bem-sucedido.

Uma diminuição na contagem de reticulócitos geralmente indica deficiência da medula óssea4 em produzir novos glóbulos vermelhos, como nos casos de tumores e infecções22 que ocorrem na medula óssea4. A doença renal23 pode diminuir a contagem de reticulócitos e a contagem de glóbulos vermelhos.

Quais são as principais características clínicas da reticulocitose?

A reticulocitose não gera nenhum quadro clínico específico, mas é indicadora de um quadro clínico motivado pelas condições que lhe sejam subjacentes.

Como o médico diagnostica a reticulocitose?

Uma simples coleta de sangue5 venoso para realização do exame de hemograma pode identificar a maior concentração de reticulócitos no sangue5 e determinar se o sangue5 de um paciente tem também outras anormalidades, como números baixos ou altos de outros tipos de células sanguíneas11.

Alguns autores consideram que uma proporção acima de 1% já constitui reticulocitose. A contagem de reticulócitos tanto avalia as funções da medula óssea4 (taxa de produção de sangue5) como as anemias e a resposta ao tratamento delas. Aquelas pessoas que tiveram perda massiva de sangue5 ou transfusões de sangue5 recentes podem ter os valores sanguíneos distorcidos e ter uma imagem falsa no hemograma.

Veja mais sobre "Transplante de medula óssea4", "Hemograma", "Plaquetas24 baixas" e "Hemorragias25 graves".

Como o médico trata a reticulocitose?

A melhor opção de tratamento para a reticulocitose pode depender do motivo pelo qual o paciente a possui. Se estiver associada à recuperação de uma condição em que o paciente já está sendo tratado, uma abordagem de espera e seguimento pode ser a mais aconselhável. Os médicos podem solicitar um segundo exame de sangue5 para confirmar que os valores voltaram ao normal quando o paciente teve a chance de se estabilizar. Quando é um indicador de anemia hemolítica26 ou outro problema no sangue5, o tratamento para essas condições subjacentes devem resolver a reticulocitose.

Leia também sobre "Síndromes mielodisplásicas", "Poliglobulia ou Policitemia27", "Leucemias" e "Transfusão28 sanguínea".

 

ABCMED, 2019. Reticulocitose - conceito, causas, diagnóstico e tratamento. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1336603/reticulocitose-conceito-causas-diagnostico-e-tratamento.htm>. Acesso em: 24 abr. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Eritrócitos: Células vermelhas do sangue. Os eritrócitos maduros são anucleados, têm forma de disco bicôncavo e contêm HEMOGLOBINA, cuja função é transportar OXIGÊNIO. Sinônimos: Corpúsculos Sanguíneos Vermelhos; Corpúsculos Vermelhos Sanguíneos; Corpúsculos Vermelhos do Sangue; Glóbulos Vermelhos; Hemácias
2 Hemácias: Também chamadas de glóbulos vermelhos, eritrócitos ou células vermelhas. São produzidas no interior dos ossos a partir de células da medula óssea vermelha e estão presentes no sangue em número de cerca de 4,5 a 6,5 milhões por milímetro cúbico, em condições normais.
3 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
4 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
5 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
6 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
7 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
8 Anemia Ferropriva: Anemia por deficiência de ferro. É o tipo mais comum de anemia. Há redução da quantidade total de ferro corporal até a exaustão das reservas de ferro. O fornecimento de ferro é insuficiente para atingir as necessidades de diferentes tecidos, incluindo as necessidades para a formação de hemoglobina e dos glóbulos vermelhos.
9 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
10 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
11 Células Sanguíneas: Células encontradas no líquido corpóreo circulando por toda parte do SISTEMA CARDIOVASCULAR.
12 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
13 Hemorrágica: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
14 Hemólise: Alteração fisiológica ou patológica, com dissolução ou destruição dos glóbulos vermelhos do sangue causando liberação de hemoglobina. É também conhecida por hematólise, eritrocitólise ou eritrólise. Pode ser produzida por algumas anemias congênitas ou adquiridas, como consequência de doenças imunológicas, etc.
15 Hematócrito: Exame de laboratório que expressa a concentração de glóbulos vermelhos no sangue.
16 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
17 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
18 Anemia Perniciosa: Doença causada pela incapacidade do organismo absorver a vitamina B12. Mais corretamente, ela se refere a uma doença autoimune que resulta na perda da função das células gástricas parietais, que secretam ácido clorídrico para acidificar o estômago e o fator intrínseco gástrico que facilita a absorção da vitamina B12.
19 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
20 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
21 Baço:
22 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
23 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
24 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
25 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
26 Anemia hemolítica: Doença hereditária que faz com que os glóbulos vermelhos do sangue se desintegrem no interior dos veios sangüíneos (hemólise intravascular) ou em outro lugar do organismo (hemólise extravascular). Pode ter várias causas e ser congênita ou adquirida. O tratamento depende da causa.
27 Policitemia: Alteração sanguínea caracterizada por grande aumento da quantidade de hemácias circulantes.
28 Transfusão: Introdução na corrente sangüínea de sangue ou algum de seus componentes. Podem ser transfundidos separadamente glóbulos vermelhos, plaquetas, plasma, fatores de coagulação, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Hematologia e Hemoterapia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.