Gostou do artigo? Compartilhe!

Principais distúrbios ejaculatórios

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são distúrbios ejaculatórios?

Distúrbios ejaculatórios são condições médicas que afetam a atividade normal de um homem ejacular durante o ato sexual ou na masturbação1. Esses distúrbios podem envolver uma variedade de problemas relacionados ao processo de ejaculação2, como ejaculação2 rápida (precoce), atraso ejaculatório (ejaculação2 retardada), ejaculação2 ausente (anejaculação), ejaculação2 retrógrada, ejaculação2 dolorosa, ejaculação2 fraca ou astênica e ejaculação2 reflexa.

Tipos de distúrbios ejaculatórios

Alguns dos principais distúrbios ejaculatórios incluem os seguintes.

Ejaculação2 precoce

Denomina-se precoce  ejaculação2 que ocorre muito rapidamente, antes que a pessoa deseje e antes que sua parceira sexual tenha atingido o orgasmo, o que habitualmente é vivido com grande ansiedade e insatisfação por ambos os participantes do ato sexual.

Essa ejaculação2 geralmente ocorre dentro de 1 ou 2 minutos de iniciado o ato sexual e se dá ante o mero contato com a vagina3 ou tão logo o pênis4 seja introduzido nela. Não há um tempo mínimo definidor da ejaculação2 precoce e o que mais a define é a sensação subjetiva do homem e da sua parceira de que a ejaculação2 tenha sido muito rápida e ocorreu antes de ser desejada, sem poder ser controlada.

ejaculação2 precoce talvez seja a queixa mais comum nos consultórios dos sexologistas, atingindo 20 a 30% dos homens. Ela pode ocorrer normalmente de maneira episódica na juventude, em indivíduos que estejam iniciando sua vida sexual, em encontros com parceiros sexuais novos ou após longos períodos de abstinência sexual, mas quando se torna muito frequente e se prolonga pela maturidade passa a constituir um problema.

Não há um causa médica definida para esta condição. Pensa-se em uma sensibilidade anormalmente aumentada da glande peniana, na inexperiência que cerca as primeiras relações sexuais ou em conflitos psicológicos de várias naturezas.

Ejaculação2 retardada

Nesses casos, o homem pode ter dificuldade em ejacular, mesmo quando está excitado sexualmente e sente desejo de fazê-lo. Às vezes, a ejaculação2 pode não ocorrer em absoluto, o que é conhecido como anejaculação. A prevalência5 da ejaculação2 retardada é mais baixa que a da ejaculação2 precoce; cerca de 5% dos homens apresentam ejaculação2 retardada em algum momento da vida. No entanto, esse número pode ser maior, já que muitos homens não relatam o fato.

Essa disfunção sexual ocorre quando o homem demora muito para ejacular durante a relação sexual ou até não consegue ejacular. É possível, dentro de certos limites, controlar conscientemente o tempo médio para que a ejaculação2 aconteça durante o sexo, sendo possível prolongar voluntariamente esse tempo, mas na ejaculação2 retardada esse atraso não é controlável: o homem quer chegar ao orgasmo e não consegue, embora existam a ereção6 do pênis4 e desejo sexual.

A ejaculação2 retardada pode ter causas tanto psicológicas quanto físicas, mas é possível reverter a situação com tratamento individualizado.

Ejaculação2 ausente ou ejaculação2 bloqueada (anejaculação)

Anejaculação é a total falta de ejaculação2 por mais que o homem se esforce para obtê-la. É um distúrbio sexual que pode ser causado por diversas razões, como lesões7 na medula espinhal8, esclerose múltipla9 ou danos nos nervos que controlam a ejaculação2. Algumas doenças, como diabetes10, podem afetar os nervos e vasos sanguíneos11 relacionados à função sexual. A anejaculação pode ocorrer também em virtude de que os efeitos colaterais12 de certos medicamentos ou algumas cirurgias na região pélvica13 ou geniturinária podem interferir nos impulsos nervosos responsáveis pela ejaculação2.

Desequilíbrios hormonais também podem afetar a resposta sexual masculina, incluindo a capacidade de ejacular. Estados de ansiedade, estresse, traumas emocionais ou problemas de relacionamento podem levar a disfunções sexuais transitórias, incluindo anejaculação.

Ejaculação2 retrógrada

Quando o mecanismo fisiológico14 da ejaculação2 normal falha, em razão de doença, de cirurgia ou do efeito colateral15 de medicamentos, o esfíncter16 entre a uretra17 e a bexiga18 (esfíncter16 interno) pode não se fechar corretamente e o sêmen19 pode fluir retrogradamente para a bexiga18.

Entre as causas neurológicas para que isso aconteça contam-se principalmente a esclerose múltipla9 e os traumatismos de coluna. Entre as causas traumáticas estão as cirurgias abdominais ou pélvicas20 e a ressecção endoscópica da próstata21. Algumas drogas utilizadas para tratamento de doenças cardíacas ou para aumento da pressão arterial22 podem levar à dessincronização do esfíncter16 interno e à ejaculação2 retrógrada.

Normalmente, não há nenhum sintoma23 especial e o paciente apenas notará uma nítida redução no volume ou mesmo ausência do esperma24.

Ejaculação2 dolorosa

A ejaculação2 dolorosa, também conhecida como algodispareunia ejaculatória, é caracterizada por dor, desconforto ou sensação de queimação no momento da ejaculação2. Ela pode ser causada por algumas condições médicas, como prostatite25 ou outras infecções26 do trato urinário27; doenças sexualmente transmissíveis, como clamídia ou gonorreia28; estenose29 uretral30 ou outras obstruções na uretra17; lesões7 na área genital, como cirurgias ou traumas recentes; e problemas psicológicos, associada à ansiedade ou à disfunção erétil.

Ejaculação2 reflexa

A ejaculação2 reflexa, também conhecida como ejaculação2 autônoma ou ejaculação2 involuntária31, é um tipo de ejaculação2 que ocorre sem o controle consciente do indivíduo. É comum ocorrer em situações específicas e pode ser desencadeada por estímulos físicos ou mentais. Um exemplo comum de ejaculação2 reflexa ocorre durante o sono, conhecido como "polução noturna" ou "ejaculação2 do sono". Nesse caso, a estimulação física do órgão genital durante o sono pode levar à ejaculação2, mesmo sem a presença de sonhos eróticos ou qualquer outro estímulo sexual externo.

O indivíduo que assiste cenas sexualmente excitantes também pode ter uma ejaculação2 não desejada. Além disso, em algumas condições médicas, como lesões7 na medula espinhal8, problemas neurológicos ou após certos procedimentos cirúrgicos, pode ocorrer a ejaculação2 reflexa como uma resposta involuntária31 do corpo a estímulos específicos.

Ejaculação2 astênica

É caracterizada pela emissão lenta do líquido seminal32, devido à ausência de contrações musculares que projetam o esperma24, promovendo assim a ejaculação2 sem força. Isso pode acontecer tanto durante o ato sexual quanto durante a atividade masturbatória. Trata-se de um distúrbio raro que pode ter consequências psicológicas muito negativas para o homem.

As possíveis causas da ejaculação2 astênica podem ser: medo de engravidar; estresse ou ansiedade; traumas na infância ou fase adulta; tensão durante o ato sexual por motivos diversos e preferência pela masturbação1 à relação sexual.

Ela pode ocorrer transitoriamente, no contexto de doenças sexualmente transmissíveis e processos inflamatórios da próstata21 e da uretra17. Formas persistentes podem resultar de lesões7 na coluna devido a danos neurogênicos e miogênicos no assoalho pélvico33. A propulsão reduzida da ejaculação2 também pode ocorrer com a idade, devido à redução do tônus ​​muscular da parede da uretra17.

Leia sobre "Gonorreia28", "Sífilis34", "Herpes genital" e "Sangue35 no esperma24".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente do site Portal da Urologia.

ABCMED, 2023. Principais distúrbios ejaculatórios. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-do-homem/1444055/principais-disturbios-ejaculatorios.htm>. Acesso em: 16 jul. 2024.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Masturbação: 1. Estimulação manual dos órgãos genitais que geralmente leva ao orgasmo. 2. No sentido figurado, inutilidade de tratar os mesmos temas (considerados infecundos), numa discussão ou pesquisa intelectual ou artística, de modo repetitivo, complacente e inconcludente.
2 Ejaculação: 1. Ato de ejacular. Expulsão vigorosa; forte derramamento (de líquido); jato. 2. Em fisiologia, emissão de esperma pela uretra no momento do orgasmo. 3. Por extensão de sentido, qualquer emissão. 4. No sentido figurado, fartura de palavras; arrazoado.
3 Vagina: Canal genital, na mulher, que se estende do ÚTERO à VULVA. (Tradução livre do original
4 Pênis: Órgão reprodutor externo masculino. É composto por uma massa de tecido erétil encerrada em três compartimentos cilíndricos fibrosos. Dois destes compartimentos, os corpos cavernosos, ficam lado a lado ao longo da parte superior do órgão. O terceiro compartimento (na parte inferior), o corpo esponjoso, abriga a uretra.
5 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
6 Ereção: 1. Ato ou efeito de erigir ou erguer. 2. Inauguração, criação. 3. Levantamento ou endurecimento do pênis.
7 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
8 Medula Espinhal:
9 Esclerose múltipla: Doença degenerativa que afeta o sistema nervoso, produzida pela alteração na camada de mielina. Caracteriza-se por alterações sensitivas e de motilidade que evoluem através do tempo produzindo dano neurológico progressivo.
10 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
11 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
12 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
13 Pélvica: Relativo a ou próprio de pelve. A pelve é a cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ilíacos), sacro e cóccix; bacia. Ou também é qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
14 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
15 Efeito colateral: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
16 Esfíncter: Estrutura muscular que contorna um orifício ou canal natural, permitindo sua abertura ou fechamento, podendo ser constituído de fibras musculares lisas e/ou estriadas.
17 Uretra: É um órgão túbulo-muscular que serve para eliminação da urina.
18 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
19 Sêmen: Sêmen ou esperma. Líquido denso, gelatinoso, branco acinzentado e opaco, que contém espermatozoides e que serve para conduzi-los até o óvulo. O sêmen é o líquido da ejaculação. Ele é composto de plasma seminal e espermatozoides. Este plasma contém nutrientes que alimentam e protegem os espermatozoides.
20 Pélvicas: Relativo a ou próprio de pelve. A pelve é a cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ilíacos), sacro e cóccix; bacia. Ou também é qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
21 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
22 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
23 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
24 Esperma: Esperma ou sêmen. Líquido denso, gelatinoso, branco acinzentado e opaco, que contém espermatozoides e que serve para conduzi-los até o óvulo. O esperma é o líquido da ejaculação. Ele é composto de plasma seminal e espermatozoides. Este plasma contém nutrientes que alimentam e protegem os espermatozoides.
25 Prostatite: Quadro de inflamação da próstata.
26 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
27 Trato Urinário:
28 Gonorreia: Infecção bacteriana que compromete o trato genital, produzida por uma bactéria chamada Neisseria gonorrhoeae. Produz uma secreção branca amarelada que sai pela uretra juntamente com ardor ao urinar. É uma causa de infertilidade masculina.Em mulheres, a infecção pode não ser aparente. Se passar despercebida, pode se tornar crônica e ascender, atingindo os anexos uterinos (trompas, útero, ovários) e causar Doença Inflamatória Pélvica e mesmo infertilidade feminina.
29 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
30 Uretral: Relativo ou pertencente à uretra.
31 Involuntária: 1.    Que se realiza sem intervenção da vontade ou que foge ao controle desta, automática, inconsciente, espontânea. 2.    Que se encontra em uma dada situação sem o desejar, forçada, obrigada.
32 Líquido seminal: Líquido seminal é um líquido pré-ejaculatório, que limpa o canal da uretra, neutralizando o pH e matando possíveis micro-organismos, para que o esperma não seja contaminado.
33 Assoalho Pélvico: Tecido mole, formado principalmente pelo diafragma pélvico (composto pelos dois músculos levantadores do ânus e pelos dois coccígeos). Por sua vez, o diafragma pélvico fica logo abaixo da abertura (outlet) pélvica e separa a cavidade pélvica do PERÍNEO. Estende-se do OSSO PÚBICO (anteriormente) até o COCCIX (posteriormente).
34 Sífilis: Doença transmitida pelo contato sexual, causada por uma bactéria de forma espiralada chamada Treponema pallidum. Produz diferentes sintomas de acordo com a etapa da doença. Primeiro surge uma úlcera na zona de contato com inflamação dos gânglios linfáticos regionais. Após um período a lesão inicial cura-se espontaneamente e aparecem lesões secundárias (rash cutâneo, goma sifilítica, etc.). Em suas fases tardias pode causar transtorno neurológico sério e irreversível, que felizmente após o advento do tratamento com antibióticos tem se tornado de ocorrência rara. Pode ser causa de infertilidade e abortos espontâneos repetidos.
35 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.