Atalho: 6VLX0VF
Gostou do artigo? Compartilhe!

Herpes genital: o que é? Como evitar? Existe tratamento?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é herpes genital?

O herpes genital é uma infecção1 por vírus2 transmitidos sexualmente, que afeta a pele3 e/ou mucosas4 dos orgãos genitais. Uma vez contraído, dificilmente esse vírus2 é eliminado do organismo, porque o sistema imunológico5 das pessoas não tem pleno acesso a ele, pois ele se abriga nas raízes nervosas6, que esse sistema não atinge. A infecção1 é, por isso, considerada uma infecção1 recorrente, havendo às vezes longos períodos em que ela não se manifesta. Ela parece eclodir em situações em que o sistema imunológico5 da pessoa contaminada esteja enfraquecido.

Quais são as causas do herpes genital?

O herpes genital é causado pelo vírus2 simples do herpes. Há dois tipos de vírus2 que podem causar o herpes genital: vírus2 do herpes simples tipo 1 (HSV-1) e o vírus2 do herpes simples tipo 2 (HSV2). Geralmente, o HSV-1 infecta a mucosa7 da boca8 e dos lábios, causando as chamadas aftas ou herpes de boca8 e pode se espalhar para os genitais durante o sexo oral. O HSV-2, na maioria das vezes, causa diretamente o herpes nos orgãos genitais. Mais comumente, o herpes é transmitido quando a pele3 do receptor tem alguma lesão9 visível que serve como porta de entrada para o vírus2 ou a pele3 do doador apresenta bolhas ou erupções (crise ativa), mas também pode acontecer que NÃO haja lesões10 visíveis e a pessoa nem saiba que está infectada. Pode haver transmissão pelo contato com os fluidos da boca8 ou da vagina11 de uma pessoa infectada para outra não infectada. Muitas pessoas infectadas (cerca de 80%) permanecem assintomáticas, mas podem transmitir a doença. Existe também a transmissão vertical do vírus2, da mãe para o feto12 e para o bebê, no momento do nascimento.

Quais são os principais sinais13 e sintomas14 do herpes genital?

O período de incubação15 do vírus2 varia de 10 a 15 dias depois de a infecção1 ter-se realizado (às vezes mais). Nos primeiros dias da infecção1 pode não haver sintomas14 ou ocorrer um simples prurido16. Alguns dias depois aparecem as vesículas17. A primeira infecção1 é mais intensa e longa que as demais, porque ainda não se formaram as defesas para combater o vírus2, mas, apesar da formação posterior de anticorpos18, permanece o risco de recidivas19. As lesões10 do herpes genital se caracterizam por serem pequenas vesículas17 localizadas nos genitais (masculinos e femininos). Antes ou paralelamente ao surgimento das vesículas17 podem ocorrer ardor20, prurido16, formigamento, gânglios linfáticos21 inflamados e aumentados de tamanho, dores de cabeça22, dores musculares e articulares.

Como o médico diagnostica o herpes genital?

Além da visualização direta das lesões10, o médico (ginecologista ou urologista23) deve proceder a uma raspagem das feridas e retirar delas uma pequena quantidade de líquido, para observação ao microscópio. O herpes genital também pode ser diagnosticado por alguns exames laboratoriais. Os exames de sangue24 medem os anticorpos18 contra o vírus2 e podem identificar se uma pessoa tenha sido infectada alguma vez, mesmo que não esteja em crise no momento. O teste da reação em cadeia da polimerase (PCR25) pode ser realizado no fluido de uma bolha26. É o exame mais específico para o herpes. A cultura do fluido contido nas bolhas pode também detectar o vírus2.

Como o médico trata o herpes genital?

O herpes genital não tem cura. Medicamentos antivirais podem ser usados para um melhor controle da doença. O aciclovir27 pode destruir ou impedir que o vírus2 mantenha sua cadeia de replicação, mas quando o vírus2 está abrigado no sistema neural28 (habitualmente num gânglio29 neural), esse remédio não tem efeito. Podem ser usados também medicamentos para aliviar os sintomas14 (analgésicos30, anti-inflamatórios, etc.). Conforme o caso, são esporadicamente receitados antibióticos para uso tópico31 e limpeza das lesões10 com soro32 fisiológico33.

Como prevenir o herpes genital?

  • Sempre usar camisinha nas relações sexuais, isso ajuda a evitar a transmissão da doença. Fazer sempre uma boa higienização das regiões genitais antes e depois de cada relação sexual.
  • Evitar múltiplos (as) parceiros (as) sexuais.
  • A mulher deve informar ao médico que é portadora do vírus2 do herpes genital, se pretende engravidar, mesmo que no momento não tenha lesões10 ativas, pela possibilidade de transmissão para o filho.
  • Mesmo as pessoas que estejam sem lesões10 podem transmitir o herpes genital.
  • A escarificação34 das lesões10 pelo ato de coçar pode disseminar as lesões10.

Como evolui o herpes genital?

O herpes genital costuma regredir mesmo sem tratamento, mas em pessoas imunodeprimidas as lesões10 podem adquirir grandes dimensões.

Na gravidez35, o herpes genital pode provocar abortamento36 espontâneo.

O herpes congênito37 pode ser extremamente grave e letal.

ABCMED, 2013. Herpes genital: o que é? Como evitar? Existe tratamento?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/341249/herpes-genital-o-que-e-como-evitar-existe-tratamento.htm>. Acesso em: 23 ago. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
3 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
4 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
5 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
6 Raízes nervosas:
7 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
8 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
9 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
10 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
11 Vagina: Canal genital, na mulher, que se estende do ÚTERO à VULVA. (Tradução livre do original
12 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
13 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Incubação: 1. Ato ou processo de chocar ovos, natural ou artificialmente. 2. Processo de laboratório, por meio do qual se cultivam microrganismos com o fim de estudar ou facilitar o seu desenvolvimento. 3. Em infectologia, é o período que vai da penetração do agente infeccioso no organismo até o aparecimento dos primeiros sinais da doença.
16 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
17 Vesículas: Lesões papulares preenchidas com líquido claro.
18 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
19 Recidivas: 1. Em medicina, é o reaparecimento de uma doença ou de um sintoma, após período de cura mais ou menos longo; recorrência. 2. Em direito penal, significa recaída na mesma falta, no mesmo crime; reincidência.
20 Ardor: 1. Calor forte, intenso. 2. Mesmo que ardência. 3. Qualidade daquilo que fulge, que brilha. 4. Amor intenso, desejo concupiscente, paixão.
21 Gânglios linfáticos: Estrutura pertencente ao sistema linfático, localizada amplamente em diferentes regiões superficiais e profundas do organismo, cuja função consiste na filtração da linfa, maturação e ativação dos linfócitos, que são elementos importantes da defesa imunológica do organismo.
22 Cabeça:
23 Urologista: Médico especializado em tratar pessoas com problemas no trato urinário e homens com problemas nos órgãos genitais, como impotência.
24 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
25 PCR: Reação em cadeia da polimerase (em inglês Polymerase Chain Reaction - PCR) é um método de amplificação de DNA (ácido desoxirribonucleico).
26 Bolha: 1. Erupção cutânea globosa entre as camadas superficiais da epiderme, cheia de serosidade, líquido claro, pus ou sangue, causada por inflamação, queimadura, atrito, efeito de certas enfermidades, etc. Deve ter mais de 0,5 cm. Quando tem um tamanho menor devem ser chamadas de “vesículas”. 2. Bola ou glóbulo cheio de gás, ar ou vapor que se forma (ou se formou) em alguma substância líquida ou pastosa, especialmente ao ser agitada ou por ebulição ou fermentação. 3. Saliência oca em uma superfície.
27 Aciclovir: Substância análoga da Guanosina, que age como um antimetabólito, à qual os vírus são especialmente susceptíveis. É usado especialmente contra o herpes.
28 Sistema Neural: Todo o aparelho nervoso, composto de uma parte central, o cérebro e a medula espinhal, e uma parte periférica, os nervos cranianos e espinhais, gânglios autônomos e plexos. (Stedman, 25ª ed) Sinônimos: Sistema Neural
29 Gânglio: 1. Na anatomia geral, é um corpo arredondado de tamanho e estrutura variável; nodo, nódulo. 2. Em patologia, é um pequeno tumor cístico localizado em uma bainha tendinosa ou em uma cápsula articular, especialmente nas mãos, punhos e pés.
30 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
31 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
32 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
33 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
34 Escarificação: 1. Ato ou efeito de escarificar. 2. Série de arranhões ou pequenas incisões praticadas sobre uma superfície (p.ex., uma parede, a casca de uma árvore, etc.). 3. Na medicina, é o conjunto de leves incisões ou arranhaduras superficiais feitas com um escarificador (p.ex., na pele, para aplicação de uma vacina, ou num osso, para coleta de material). 4. Rebaixamento das bordas de um orifício feitas com um escarificador (ferramenta).
35 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
36 Abortamento: Interrupção precoce da gravidez, espontânea ou induzida, seguida pela expulsão do produto gestacional pelo canal vaginal (Aborto). Pode ser precedido por perdas sangüíneas através da vagina.
37 Congênito: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ginecologia E Obstetrícia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.