Gostou do artigo? Compartilhe!

Harmonização facial

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é harmonização facial?

A harmonização facial é um procedimento de intervenção estética não cirúrgico que reúne diversas técnicas, como a aplicação de toxina1 botulínica, carboxiterapia, intradermoterapia, peelings químicos, lifting facial e preenchimentos com uso de produtos químicos, como o ácido hialurônico e a toxina1 botulínica.

A harmonização facial é capaz, através desses procedimentos, de corrigir os principais ângulos do rosto e suavizar as linhas de expressão da pele2, apenas com o uso de produtos, sem a necessidade de incisões3.

Na maior parte das vezes, a harmonização facial é feita pelo cirurgião plástico, mas dermatologistas e dentistas especializados também podem fazê-la.

Por que fazer uma harmonização facial?

A harmonização facial é realizada com o objetivo de equilibrar e melhorar a estética do rosto e com isso resolver certos conflitos psicológicos com a própria aparência, melhorando a autoestima das pessoas. Sua demanda tem crescido muito nos últimos anos. A preocupação estética, que antes era quase que exclusiva das mulheres, hoje em dia é também um requisito dos homens.

A harmonização facial usa técnicas estéticas faciais para tornar mais harmônicos os traços da face4, usualmente distorcidos pelo envelhecimento, pela falta de harmonia congênita5, por marcas ou por lesões6 adquiridas.

O procedimento da harmonização facial pode ser feito por qualquer pessoa acima de dezoito anos que deseje e que tenha passado por uma avaliação médica prévia. Os resultados podem ser sutis ou mais pronunciados, dependendo das expectativas do paciente.

Leia sobre "Tipos de pele2", "Cuidados com a pele2", "Acne7" e "Isotretinoína".

Como é feita a harmonização facial?

O procedimento é feito com anestesia8 local e/ou sedação9, o que diminui muito o desconforto do processo. É comum haver algum desconforto ou inchaço10 após o procedimento, o que pode ser eliminado com analgésicos11 ou compressas de gelo.

A harmonização da face4 é um tratamento que deve ser personalizado a partir de uma conversa entre o paciente e o especialista. Ele tanto depende das expectativas do paciente quanto das viabilidades clínicas avaliadas pelo médico.

Basicamente, consiste em:

  • Preenchimentos com ácido hialurônico de sulcos e rugas e outros segmentos anatômicos da face4 que tenham sofrido retração com a passagem do tempo ou que sejam constitucionalmente menores do que o desejado.
  • Uso de botox para relaxar os músculos12 da face4, minimizar as rugas e prevenir o aparecimento de outras novas.
  • Procedimentos para corrigir imperfeições do dorso13 ou septo nasal14.
  • Procedimentos para diminuir as bolas de Bichat (bichectomia) que formam as chamadas maçãs do rosto.
  • Introdução na pele2 de fios de polidioxanona para levantamento e sustentação das estruturas faciais decaídas.

Esses procedimentos visam conferir melhor equilíbrio e harmonia aos traços faciais, corrigindo imperfeições e assimetrias, reduzindo rugas e linhas de expressão, melhorando a textura e firmeza da pele2 e conferindo uma aparência mais jovial. Eles, no entanto, têm uma duração limitada, porque os produtos utilizados são reabsorvíveis pelo organismo. Embora cada um dos componentes tenha uma duração específica, a duração média da harmonização facial é de 18 meses.

O paciente, porém, pode colaborar para que a duração do procedimento seja a maior possível tomando alguns cuidados: evitar atividades físicas de alta intensidade, não fumar, manter-se bem hidratado, não se expor ao sol forte sem proteção e não exagerar nas bebidas alcoólicas.

Quais são os recursos estéticos mais usados na harmonização facial?

  1. Toxina1 botulínica: a toxina1 botulínica é um dos tratamentos estéticos mais conhecidos e utilizados atualmente. Ela é produzida a partir da bactéria15 Clostridium botulinum. Seu efeito promove um relaxamento muscular temporário no local da aplicação. O músculo deixa de fazer movimentos, o que impede que uma ruga dinâmica se transforme numa ruga estática (aquelas que ficam evidentes mesmo sem nenhum movimento do rosto). A toxina1 botulínica também ajuda no controle do excesso de suor algumas vezes presente nas axilas, palmas das mãos16 e plantas dos pés.
  2. Ácido hialurônico: o ácido hialurônico faz com que a pele2 se mantenha firme e com elasticidade17 porque preenche os espaços intercelulares. Ele é normalmente produzido pelo corpo, mas sua produção vai diminuindo ao longo do tempo. A aplicação suplementar suaviza as linhas de expressão e as rugas, além de preservar a integridade das fibras de colágeno18. O resultado dura em média um ano. Entre seus benefícios, contam restaurar o volume e aspecto da pele2, preencher linhas e rugas estáticas e ter um efeito lifting, de levantar estruturas decaídas.
  3. Ácido poli-l-lático: o ácido poli-l-lático estimula a produção endógena de colágeno18 e faz a pele2 se auto preencher ao longo do tempo e restaurar o colágeno18 perdido. O tratamento com o ácido poli-l-lático proporciona resultados extremamente naturais e é indicado para repor volume, suavizar rugas ou sulcos, melhorar o aspecto da pele2 e a flacidez facial, amenizando a perda de gordura19 e de substância óssea. Ele rejuvenesce também áreas como o pescoço20 e o colo21 e melhora a flacidez corporal (braços, barriga, nádegas22) por estimular globalmente o aumento do colágeno18. Ele recupera o viço da pele2 e das regiões adiposas, garantindo a remodelação do rosto e do corpo.
  4. Laser CO2 fracionado: O laser CO2 fracionado possui ondas que atingem as camadas mais profundas da pele2, aumentando a produção de colágeno18. Ele é muito usado para tratar hipercromias, estrias, cicatrizes23 cirúrgicas, queloides e cicatrizes23 de acne7 e para o rejuvenescimento suave ou profundo. Ele aumenta a produção de colágeno18 e apresenta resultados desde o início, garantindo elasticidade17 e firmeza da pele2.
  5. Ultrassom microfocado: As ondas do ultrassom microfocado conseguem atingir e aquecer as camadas mais profundas da pele2, nas quais a contração do colágeno18 começa a ocorrer. Essa tecnologia utiliza o calor para promover a melhora da flacidez. O recurso foi desenvolvido com o intuito de proporcionar um tratamento de forma não-invasiva e não-cirúrgica e é indicado para pessoas que queiram diminuir a aparência de rugas e marcas de expressão. O músculo sofre uma contração imediata ao ser atingido e isso produz um efeito lifting.
  6. Ultrassom micro + macrofocado: O ultrassom micro + macrofocado escaneia o local e gera numerosos macro-coágulos no tecido gorduroso24, condenando definitivamente este tecido25 e melhorando a flacidez da pele2. Além disso, promove também a produção de colágeno18 em diferentes profundidades, conferindo o aumento da espessura da pele2 e da fáscia26 muscular. É usado em grandes áreas, como braço, abdômen, quadril, costas27, coxas28, joelhos, panturrilhas29 e na gordura19 submentoniana, conhecida como “papada”.
Veja também sobre "Rugas", "Queloides", "Estrias" e "Sardas ou Efélides" e "Melasma30".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da SBD - Sociedade Brasileira de Dermatologia e da SBCP - Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

ABCMED, 2023. Harmonização facial. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/1440870/harmonizacao-facial.htm>. Acesso em: 23 set. 2023.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Toxina: Substância tóxica, especialmente uma proteína, produzida durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capaz de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
2 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
3 Incisões: 1. Corte ou golpe com instrumento cortante; talho. 2. Em cirurgia, intervenção cirúrgica em um tecido efetuada com instrumento cortante (bisturi ou bisturi elétrico); incisura.
4 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
5 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
6 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
7 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
8 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
9 Sedação: 1. Ato ou efeito de sedar. 2. Aplicação de sedativo visando aliviar sensação física, por exemplo, de dor. 3. Diminuição de irritabilidade, de nervosismo, como efeito de sedativo. 4. Moderação de hiperatividade orgânica.
10 Inchaço: Inchação, edema.
11 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
12 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
13 Dorso: Face superior ou posterior de qualquer parte do corpo. Na anatomia geral, é a região posterior do tronco correspondente às vértebras; costas.
14 Septo Nasal: A divisão que separa as duas cavidades nasais no plano medial, composta de cartilagens, membranas e partes ósseas.
15 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
16 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
17 Elasticidade: 1. Propriedade de um corpo sofrer deformação, quando submetido à tração, e retornar parcial ou totalmente à forma original. 2. Flexibilidade, agilidade física. 3. Ausência de senso moral.
18 Colágeno: Principal proteína fibrilar, de função estrutural, presente no tecido conjuntivo de animais.
19 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
20 Pescoço:
21 Colo: O segmento do INTESTINO GROSSO entre o CECO e o RETO. Inclui o COLO ASCENDENTE; o COLO TRANSVERSO; o COLO DESCENDENTE e o COLO SIGMÓIDE.
22 Nádegas:
23 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
24 Tecido Gorduroso: Tecido conjuntivo especializado composto por células gordurosas (ADIPÓCITOS). É o local de armazenamento de GORDURAS, geralmente na forma de TRIGLICERÍDEOS. Em mamíferos, existem dois tipos de tecido adiposo, a GORDURA BRANCA e a GORDURA MARROM. Suas distribuições relativas variam em diferentes espécies sendo que a maioria do tecido adiposo compreende o do tipo branco.
25 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
26 Fáscia: Fáscia é uma bainha, uma folha ou qualquer outra agregação dissecável de tecido conjuntivo que se forma sob a pele para anexar, fechar e separar músculos e outros órgãos internos. Ela é composta de tecidos conectivos fibrosos, moles, colágenos, soltos e densos espalhados por todo o corpo. O sistema fascial interpenetra e envolve todos os órgãos, músculos, ossos e fibras nervosas, dotando o corpo de uma estrutura funcional e proporcionando um ambiente que permite que todos os sistemas corporais operem de forma integrada.
27 Costas:
28 Coxas: É a região situada abaixo da virilha e acima do joelho, onde está localizado o maior osso do corpo humano, o fêmur.
29 Panturrilhas: 1. Proeminência muscular, situada na face posterossuperior da perna, formada especialmente pelos músculos gastrocnêmio e sóleo; sura, barriga da perna. 2. Por extensão de sentido, enchimento usado por baixo das meias, para melhorar a aparência das pernas.
30 Melasma: Manchas escuras na face. O seu surgimento está relacionado à gravidez ou ao uso de anticoncepcionais hormonais (pílula) e tem como fator desencadeante a exposição da pele ao sol. Quando estas manchas ocorrem durante a gravidez, recebem a denominação de cloasma gravídico. Além dos fatores hormonais e da exposição solar, a tendência genética e características raciais também influenciam o surgimento do melasma.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.