Gostou do artigo? Compartilhe!

Tratamento da obesidade

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Sobre a obesidade1

A obesidade1 é uma condição caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura2 no corpo, a ponto de prejudicar a saúde3. Esse acúmulo pode ser maior ou menor em cada caso, sendo medido pelo chamado índice de massa corporal4 (IMC5), que é calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pela medida da altura do indivíduo ao quadrado. O IMC5 é classificado da seguinte maneira:

  • Sobrepeso6: IMC5 entre 25,0 e 29,9 Kg/m²
  • Obesidade1 grau I: IMC5 entre 30,0 e 34,9 Kg/m²
  • Obesidade1 grau II: IMC5 entre 35,0 e 39,9 Kg/m²
  • Obesidade1 grau III: IMC5 maior do que 40,0 Kg/m²

A obesidade1 é considerada uma doença crônica e multifatorial, resultante de uma combinação de fatores genéticos, ambientais, comportamentais e metabólicos. Ela está em aumento no mundo todo e já é considerada uma pandemia7. Entre 1980 e 2013, ela aumentou de 28% para 38%, e o IMC5 mundial aumentou 0,4 a 0,5 kg/m².

É difícil determinar o número exato de mortes causadas pela obesidade1, pois a condição está frequentemente relacionada a outras doenças. No entanto, de acordo com a Organização Mundial da Saúde3 (OMS), a obesidade1 é responsável por cerca de 2,8 milhões de mortes por ano em todo o mundo, e esse número pode variar em diferentes regiões do globo, dependendo de diferentes fatores, como localização geográfica, nível socioeconômico e estilo de vida. Embora o problema afete também os homens, ele é maior entre as mulheres.

A obesidade1 está associada a um maior risco de desenvolver uma variedade de condições de saúde3, incluindo:

Além disso, a obesidade1 em si mesma pode ter um impacto significativo na qualidade de vida, causando limitações físicas, baixa autoestima e discriminação social.

Veja também sobre "Macronutrientes12", "Micronutrientes13", "O que afeta o comportamento da glicemia14" e "Como funciona o controle do apetite".

Como é o tratamento da obesidade1?

O tratamento da obesidade1 deve envolver uma abordagem que combine:

  1. Mudanças na alimentação
  2. Aumento da atividade física
  3. Intervenções médicas adicionais
  4. Apoio emocional

Em alguns casos, está indicado fazer uma cirurgia bariátrica15, que diminui a absorção dos alimentos pelo trato gastrointestinal, promovendo a perda de peso.

O tratamento completo da obesidade1 demanda uma equipe multidisciplinar que conte com endocrinologista16, nutricionista17, cirurgião bariátrico, educador físico e, em alguns casos, psicólogo, para tratar eventuais comportamentos que podem causar compulsão alimentar ou para ajudar o paciente a não desistir do tratamento.

Melhor que o tratamento é a prevenção da obesidade1. Ela envolve hábitos de vida saudáveis desde a infância, como alimentação equilibrada, prática regular de atividade física, redução do tempo de sedentarismo18 e promoção de uma cultura de bem-estar.

No entanto, uma vez que a obesidade1 já exista, a perda de peso deve ser gradual e sustentável, o que exigirá atitudes diferentes a cada momento do processo de emagrecimento. Uma vez conseguido o peso ideal, é necessário mantê-lo relativamente inalterado. Isso exige uma mudança permanente no estilo de vida.

Algumas opções comuns de tratamento da obesidade1

Controle de calorias19 e alimentação saudável

O peso de uma pessoa está relacionado, entre outros fatores, à quantidade de calorias19 ingeridas e gastas a cada dia. Se a ingesta for maior que o dispêndio, a pessoa tende a ganhar peso e, se for menor, tende a perder peso. Calorias19 correspondem à quantidade de energia armazenada em cada alimento.

Para manter seu peso, uma pessoa precisa ingerir, em média, 2000 calorias19 por dia, mas esse número pode variar na dependência da idade, sexo e atividade física de cada um. Essas calorias19 são utilizadas nas atividades diárias da pessoa, como andar, pensar, respirar e nas demais atividades cotidianas. Os homens normalmente necessitam de mais calorias19 que as mulheres e as pessoas que se exercitam necessitam de mais calorias19 que as sedentárias.

Uma alimentação saudável é aquela que fornece todos os nutrientes necessários para o bom funcionamento do organismo sem ultrapassar o equilíbrio calórico necessário para a manutenção do peso. Uma alimentação saudável deve ser equilibrada, variada e adequada às necessidades individuais de cada pessoa. Isso inclui:

  1. consumir uma ampla variedade de alimentos, como frutas, vegetais, grãos integrais, proteínas20 magras (peixes, aves, legumes, nozes e sementes) e laticínios com baixo teor de gordura2, evitando os excessos;
  2. limitar o consumo de alimentos processados21, como refrigerantes, salgadinhos, doces e fast food em geral;
  3. reduzir o consumo de gorduras saturadas22 e trans, presentes em alimentos como carnes gordurosas, manteiga, margarina, óleos hidrogenados e alimentos fritos;
  4. aumentar a ingestão de fibras, presentes em frutas, vegetais, legumes, grãos integrais e sementes;
  5. hidratar-se adequadamente, bebendo água fartamente, evitando bebidas açucaradas e limitando o consumo de álcool;
  6. e moderar o consumo de sal e açúcar23.

Uma tal alimentação saudável e equilibrada é essencial no tratamento da obesidade1 e deve ser mantida para a conservação do peso ideal.

Prática de atividade física

Aumentar a atividade física é fundamental para queimar calorias19. Além disso, a queima de calorias19 ajuda também a melhorar a saúde3 cardiovascular, além de promover a perda de peso.

Recomenda-se a prática regular de exercícios aeróbicos, como caminhada, corrida, natação ou ciclismo, além do treinamento de força para fortalecer os músculos24. Eles podem contribuir de diversas maneiras para a perda de peso e a manutenção de um estilo de vida saudável, ajudando:

  1. na queima de calorias19, aumentando o déficit calórico necessário para a perda de peso;
  2. a acelerar o metabolismo25, aumentando a quantidade de calorias19 que o corpo queima em repouso (metabolismo25 basal);
  3. a preservar a massa muscular, que geralmente é perdida nos processos de emagrecimento;
  4. a melhorar a composição corporal músculos24/gordura2;
  5. e a controlar o apetite e a compulsão alimentar.

Mudanças no estilo de vida

Mudanças no estilo de vida e no comportamento são importantes para alcançar e manter a perda de peso a longo prazo. Isso pode envolver:

  1. a adoção permanente de uma alimentação saudável;
  2. o controle do tamanho das porções consumidas, praticando a moderação;
  3. o comer apenas nas horas estipuladas, deixando de “lambiscar” de vez em quando;
  4. a inclusão do exercício físico como uma atividade regular;
  5. a manutenção de hábitos saudáveis de sono;
  6. e o gerenciamento do estresse.

Terapia cognitivo26-comportamental

A terapia cognitivo26-comportamental pode ser útil no tratamento da obesidade1, ajudando os indivíduos a identificar e modificar padrões de pensamento e comportamentos relacionados à alimentação e ao exercício físico.

Uso de medicamentos

Em alguns casos, podem ser prescritos medicamentos para ajudar no controle do peso corporal, especialmente quando há riscos à saúde3 associados à obesidade1. Alguns exemplos deles incluem:

  1. inibidores de apetite;
  2. inibidores de absorção de gordura2;
  3. e medicamentos que aumentam o metabolismo25.

Esses medicamentos devem ser usados sob a supervisão de um médico porque envolvem riscos de efeitos colaterais27 graves.

Cirurgia bariátrica15

Em casos de obesidade1 mórbida ou quando outras formas de tratamento não foram eficazes, a cirurgia bariátrica15 pode ser considerada. Essa é uma opção mais invasiva e irreversível, que envolve a redução do tamanho do estômago28 ou a alteração do processo de absorção dos alimentos.

Leia sobre "Como funciona o controle do apetite", "Os mecanismos da fome" e "Dez dicas para mulheres perderem peso sem sofrer".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites do CDC - Centers for Disease Control and Prevention e da WHO - World Health Organization.

ABCMED, 2023. Tratamento da obesidade. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/obesidade/1439295/tratamento-da-obesidade.htm>. Acesso em: 22 fev. 2024.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
2 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
5 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
6 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
7 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
8 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
9 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
10 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
11 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
12 Macronutrientes: Os macronutrientes fornecem as calorias aos alimentos. São eles: carboidratos, proteínas e lipídeos.
13 Micronutrientes: No grupo dos micronutrientes estão as vitaminas e os minerais. Esses nutrientes estão presentes nos alimentos em pequenas quantidades e são indispensáveis para o funcionamento adequado do nosso organismo. Exemplos: cálcio, ferro, sódio, etc.
14 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
15 Cirurgia Bariátrica:
16 Endocrinologista: Médico que trata pessoas que apresentam problemas nas glândulas endócrinas.
17 Nutricionista: Especialista em nutricionismo, ou seja, especialista no estudo das necessidades alimentares dos seres humanos e animais, e dos problemas relativos à nutrição.
18 Sedentarismo: Qualidade de quem ou do que é sedentário, ou de quem tem vida e/ou hábitos sedentários. Sedentário é aquele que se exercita pouco, que não se movimenta muito.
19 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
20 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
21 Alimentos processados: São aqueles que passam por processamento industrial (larga escala) ou doméstico, contendo elementos químicos. Este processo de transformação, mesmo que caseiro, é percebido como menos saudável que o natural. Geralmente estes produtos sofrem junção com outro tipo de produto, como conservantes, ou alterações em sua temperatura. Exemplo: qualquer produto enlatado, engarrafado ou embutidos.
22 Gorduras saturadas: Elas são encontradas principalmente em produtos de origem animal. Em temperatura ambiente, apresentam-se em estado sólido. Estão nas carnes vermelhas e brancas (principalmente gordura da carne e pele das aves e peixes), leite e seus derivados integrais (manteiga, creme de leite, iogurte, nata) e azeite de dendê.
23 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
24 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
25 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
26 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
27 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
28 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.