Gostou do artigo? Compartilhe!

Pseudocisto pancreático

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é pseudocisto pancreático?

O pseudocisto pancreático é o desenvolvimento no pâncreas1 de um saco cheio de enzimas pancreáticas, sangue2 e tecido3 necrótico, envolvido por uma cápsula fibrosa e tecido de granulação4 que aparece secundariamente a uma infecção5. Os pseudocistos podem ser únicos ou múltiplos, de tamanhos variados e podem se formar dentro e fora do pâncreas1.

Tecnicamente o pseudocisto é diferente de um cisto verdadeiro. O prefixo “pseudo” significa falso. Um pseudocisto parece um cisto, mas é feito de tipos de tecido3 diferentes daqueles em um cisto verdadeiro. A parede de um cisto verdadeiro consiste de uma camada de células6 epiteliais claramente definida e é mais provável que um cisto verdadeiro seja canceroso que um pseudocisto.

Quais são as causas do pseudocisto pancreático?

Os pseudocistos pancreáticos formam-se quando os ductos pancreáticos7 são obstruídos por algum motivo. A causa mais comum de um evento dessa natureza é a inflamação8 do pâncreas1 (pancreatite9), a qual, por sua vez, é mais comumente causada por abuso de álcool e por cálculos biliares. Outra causa menos comum dos pseudocistos é o trauma ou golpe no abdômen.

Quais são as principais características clínicas do pseudocisto pancreático?

Os pseudocistos pancreáticos são pouco comuns e só ocorrem em aproximadamente 10% dos pacientes que sofrem pancreatite9. Embora os sintomas10 possam ser diferentes de uma pessoa para outra, alguns dos mais comuns a todos são dores abdominais e inchaço11. Outros sintomas10 incluem náuseas12, vômitos13, perda de apetite e de peso, diarreia14, febre15, uma massa sensível no abdômen, icterícia16 e, eventualmente, acúmulo de líquido na cavidade abdominal17. Contudo, esses sintomas10 não são específicos e também podem indicar outras condições, incluindo cistos pancreáticos ou tumores cancerígenos.

Um pseudocisto pancreático geralmente não é perigoso, a menos que se rompa. Mas um pseudocisto pancreático rompido é uma condição com risco de vida.

Saiba mais sobre "Pancreatite9", "Cálculos biliares", "Alcoolismo", "Icterícia16" e "Dor abdominal".

Como o médico diagnostica o pseudocisto pancreático?

Os pseudocistos são diagnosticados por uma tomografia computadorizada18 do abdome19. Outros testes que podem ser usados na identificação de um pseudocisto incluem exames de sangue2, ultrassonografia20 e colangiopancreatografia.

Os pseudocistos não podem ser distinguidos de verdadeiros cistos por exames de imagens, porque eles só se distinguem quanto ao tipo de revestimento.

Como o médico trata o pseudocisto pancreático?

Se o pseudocisto for pequeno e não causar sintomas10 graves, o médico pode monitorá-lo com tomografias periódicas. Frequentemente, eles melhoram e desaparecem por conta própria. Se o pseudocisto persistir, aumentar ou causar dor, pode ser necessário um tratamento cirúrgico. Em alguns casos, esta cirurgia pode ser feita por laparoscopia21.

Como evolui em geral o pseudocisto pancreático?

As perspectivas para alguém com pseudocisto são boas, desde que não haja chance de ruptura. A cirurgia para drenar pseudocistos tem alta taxa de recuperação. Se não for adequadamente monitorado ou tratado, um pseudocisto pode ser infectado ou pode romper, causando dor intensa, perda de sangue2 e infecção5 abdominal.

Como prevenir os pseudocistos pancreáticos?

Prevenir pancreatite9 é a melhor maneira de impedir a formação de cistos. Se a pessoa faz uso de bebidas alcoólicas com regularidade ou tem algum distúrbio relacionado ao uso de álcool, deve interromper esse hábito ou procurar tratamento, especialmente se tiver um histórico familiar de transtorno por uso de álcool ou pancreatite9.

Uma dieta pobre em carboidratos e colesterol22 e composta de frutas frescas, vegetais e proteínas23 magras pode diminuir os triglicerídeos e ajudar a prevenir o desenvolvimento de pseudocistos.

Quais são as complicações possíveis com os pseudocistos pancreáticos?

Muitas vezes os pseudocistos já são uma complicação da pancreatite9. As possíveis complicações dos pseudocistos pancreáticos incluem infecção5, hemorragia24, obstrução e ruptura.

Leia sobre "Dieta Low Carb", "Triglicerídeos altos", "Como melhorar a alimentação" e "Como reduzir o colesterol22".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos sites da U.S. National Library of Medicine, da Mayo Clinic e da Cleveland Clinic

ABCMED, 2020. Pseudocisto pancreático. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1361598/pseudocisto+pancreatico.htm>. Acesso em: 5 abr. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
2 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
3 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
4 Tecido de Granulação: Tecido conjuntivo vascular formado na superfície de um ferimento, úlcera ou tecido inflamado em cicatrização. Constituído por capilares novos e um infiltrado (com células linfóides, macrófagos e células plasmáticas).
5 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
7 Ductos Pancreáticos: Ductos que coletam SUCO PANCREÁTICO do PÂNCREAS e o fornecem ao DUODENO
8 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
9 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
10 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
11 Inchaço: Inchação, edema.
12 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
13 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
14 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
15 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
16 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
17 Cavidade Abdominal: Região do abdome que se estende do DIAFRAGMA torácico até o plano da abertura superior da pelve (passagem pélvica). A cavidade abdominal contém o PERiTÔNIO e as VÍSCERAS abdominais, assim como, o espaço extraperitoneal que inclui o ESPAÇO RETROPERITONEAL.
18 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
19 Abdome: Região do corpo que se localiza entre o TÓRAX e a PELVE.
20 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
21 Laparoscopia: Procedimento cirúrgico mediante o qual se introduz através de uma pequena incisão na parede abdominal, torácica ou pélvica, um instrumento de fibra óptica que permite realizar procedimentos diagnósticos e terapêuticos.
22 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
23 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
24 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Gastroenterologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.