Gostou do artigo? Compartilhe!

Doença da arranhadura de gato

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a doença da arranhadura de gato?

A doença da arranhadura do gato (DAG), também conhecida como febre1 da arranhadura do gato, linforreticulose ou doença de Teeny (linfadenite2 regional subaguda3) é uma infecção4 bacteriana que afeta os gânglios linfáticos5 que drenam os locais da arranhadura ou mordida do animal. Transmitida por gatos, é uma zoonose6, geralmente benigna, de evolução favorável. A doença tomou esse nome porque frequentemente é transmitida pelo fato dos gatos arranharem a pele7 humana, criando portas de entrada para as bactérias.

Saiba mais sobre "Bactérias".

Quais são as causas da doença da arranhadura de gato?

A doença da arranhadura do gato é causada pela bactéria8 Bartonella henselae, quando a pessoa é arranhada ou mordida por um gato hospedeiro. Entre gatos, a bactéria8 pode ser transmitida por pulgas. De gatos para humanos, ela pode ser transmitida por arranhão, mordida e lambedura, se a saliva de um gato infectado entrar em contato com uma ferida aberta no corpo ou com o branco dos olhos9 de uma pessoa (conjuntiva10).

Qual é o mecanismo fisiopatológico da doença da arranhadura do gato?

A bactéria8 Bartonella henselae infecta a parede dos vasos sanguíneos11 e deixa o local lesionado com uma bolha12 vermelha ou pústula13, podendo causar uma celulite14, que é um tipo de infecção4 subcutânea15. A bactéria8 é um bacilo16 gram negativo, pequeno, pleomórfico17, flagelado e intracelular facultativo. Os gatos infectados não demonstram sintomas18.

Quais são as principais características clínicas da doença da arranhadura do gato?

A maioria dos casos ocorre em crianças e adolescentes antes dos 18 anos, que geralmente têm maior contato com os gatos e é uma das causas mais comuns de adenopatia19 (inchaço20 dos linfonodos21) nessa faixa etária. A doença afeta 9 em cada 100.000 pessoas/ano.

Entre sete e catorze dias após a pessoa ter sofrido arranhão ou mordida do gato podem aparecer pústulas22 e bolhas vermelhas no local da lesão23, fadiga24, mal-estar, febre1 baixa, perda de apetite e de peso, dor de cabeça25, dor de garganta26, linfadenopatia na região do arranhão ou mordida. A maioria desses sintomas18 desaparece sem tratamento já na primeira semana, exceto o inchaço20, que pode levar meses para melhorar.

Em pessoas com comprometimento do sistema imunológico27, a infecção4 se manifesta por uma angiomatose28 caracterizada por lesões29 angioproliferativas30.

Como o médico diagnostica a doença da arranhadura de gato?

Se os gânglios linfáticos5 ficarem inchados após a pessoa ter sido arranhada ou mordida por um gato, deve-se levantar suspeita dessa doença. A doença pode ser diagnosticada com certeza pela detecção no sangue31 de anticorpos32 contra a bactéria8 Bartonella henselae.

Como o médico trata a doença da arranhadura de gato?

O tratamento é basicamente sintomático33, com antitérmicos34 e analgésicos35, conforme a necessidade. Pode ser aplicada uma bolsa de água quente sobre os nódulos linfáticos inchados. A aspiração dos linfonodos21 é indicada para o alívio da dor em pacientes com nódulos muito sensíveis.

Antibióticos como Amoxicilina, Ceftriaxona, Clindamicina, etc. podem ser usados na tentativa de eliminar as bactérias. Depois da primeira infecção4, a doença da arranhadura do gato costuma gerar uma imunidade36 que dura por toda a vida.

Como prevenir a doença da arranhadura de gato?

As pessoas que possuem gatos como animais de estimação devem ter cuidado com a saúde37 do animal, pois o gato não demonstra qualquer sinal38 da doença. No entanto, a doença pode ser evitada sem que seja preciso se desvencilhar do animal. Para isso, a pessoa deve lavar as mãos39 depois de brincar com um gato, manter o animal dentro de casa e tratá-lo contra as pulgas, além de levá-lo regularmente ao veterinário.

Quais são as complicações possíveis da doença da arranhadura do gato?

Num pequeno número de casos (2 a 10% dos pacientes imunodeprimidos não tratados) desenvolve-se alguma complicação, como confusão mental, neurorretinite (problemas de visão40), convulsões, encefalites41, pneumonia42 atípica, entre outras. Mesmo esses pacientes se recuperam sem sequelas43 e a mortalidade44 é próxima a zero.

Outros assuntos relacionados: "Picada de aranha", "Picada de cobra", "Ferroadas de abelhas" e "Picada de escorpião".

 

ABCMED, 2017. Doença da arranhadura de gato. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/1307103/doenca+da+arranhadura+de+gato.htm>. Acesso em: 15 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
2 Linfadenite: Inflamação dos gânglios linfáticos, que se manifesta por aumento do tamanho dos mesmos, dor e elevação da temperatura local. Pode ser produzida em resposta a uma infecção bacteriana, viral ou uma doença neoplásica.
3 Subaguda: Levemente aguda ou que apresenta sintomas pouco intensos, mas que só se atenuam muito lentamente (diz-se de afecção ou doença).
4 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Gânglios linfáticos: Estrutura pertencente ao sistema linfático, localizada amplamente em diferentes regiões superficiais e profundas do organismo, cuja função consiste na filtração da linfa, maturação e ativação dos linfócitos, que são elementos importantes da defesa imunológica do organismo.
6 Zoonose: 1. Doença que se manifesta sobretudo em animais. 2. Doença que pode ser transmitida aos seres humanos pelos animais, como, por exemplo, a raiva e a toxoplasmose. Certas zoonoses podem ser transmitidas ao animal pelo homem.
7 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
8 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
9 Olhos:
10 Conjuntiva: Membrana mucosa que reveste a superfície posterior das pálpebras e a superfície pericorneal anterior do globo ocular.
11 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
12 Bolha: 1. Erupção cutânea globosa entre as camadas superficiais da epiderme, cheia de serosidade, líquido claro, pus ou sangue, causada por inflamação, queimadura, atrito, efeito de certas enfermidades, etc. Deve ter mais de 0,5 cm. Quando tem um tamanho menor devem ser chamadas de “vesículas”. 2. Bola ou glóbulo cheio de gás, ar ou vapor que se forma (ou se formou) em alguma substância líquida ou pastosa, especialmente ao ser agitada ou por ebulição ou fermentação. 3. Saliência oca em uma superfície.
13 Pústula: Elevação da pele contendo pus, de até um centímetro de diâmetro.
14 Celulite: Inflamação aguda das estruturas cutâneas, incluindo o tecido adiposo subjacente, geralmente produzida por um agente infeccioso e manifestada por dor, rubor, aumento da temperatura local, febre e mal estar geral.
15 Subcutânea: Feita ou situada sob a pele; hipodérmica.
16 Bacilo: 1. Bactéria em forma de bastonete. 2. Designação comum às bactérias do gênero Bacillus, cujas espécies são saprófitas ou patogênicas para os seres humanos e para os mamíferos.
17 Pleomórfico: Propriedade que apresentam alguns seres vivos de variar sua forma de acordo com o período do ciclo de vida/reprodutivo ou das condições ambientais. Pode se referir a plantas, bactérias, vírus, tumores ou substâncias.
18 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
19 Adenopatia: Aumento anormal dos gânglios linfáticos. Pode ser acompanhado de dor, aumento da consistência, aderência a planos profundos, etc. É frequente em diversas situações, como infecções, inflamações, neoplasias, etc.
20 Inchaço: Inchação, edema.
21 Linfonodos: Gânglios ou nodos linfáticos.
22 Pústulas: Elevações da pele contendo pus, de até um centímetro de diâmetro.
23 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
24 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
25 Cabeça:
26 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
27 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
28 Angiomatose: Doença dos vasos sanguíneos caracterizada pela formação de múltiplos angiomas.
29 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
30 Angioproliferativas: “Angio” exprime a ideia de “vaso sanguíneo ou vaso linfático”. “Proliferativo” exprime a ideia de “favorecer a proliferação de”. Angioproliferativo favorece a proliferação de vasos.
31 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
32 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
33 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
34 Antitérmicos: Medicamentos que combatem a febre. Também pode ser chamado de febrífugo, antifebril e antipirético.
35 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
36 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
37 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
38 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
39 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
40 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
41 Encefalites: Inflamação do tecido encefálico produzida por uma infecção viral, bacteriana ou micótica (fungos).
42 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
43 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
44 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.

Veja também

Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.