Gostou do artigo? Compartilhe!

Teste de gravidez: estou grávida ou não?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são testes de gravidez1?

Testes de gravidez1 são exames que detectam se a mulher está ou não grávida. Existem vários tipos de testes de gravidez1. Para alguns deles a paciente deve urinar diretamente sobre uma fita, para outros a urina2 deve ser coletada num recipiente em que a fita então deve ser mergulhada. Os testes detectam a presença ou não do hormônio3 beta-gonadotrofina coriônica (β-HCG) na urina2, produzido a partir do momento em que o óvulo4 é implantado no útero5. O teste tem um índice de confiabilidade de 95-99%, desde que se observe o prazo de validade e as instruções contidas na bula sejam seguidas corretamente.

Como fazer um teste de gravidez1?

O teste de gravidez1 de farmácia pode ser comprado sem prescrição médica. Em geral, ele contém um bastão com uma fita dentro ou um pote e uma fita separada. É importante seguir as instruções do fabricante corretamente para que os resultados sejam eficazes. Cada kit de exame pode conter instruções diferentes para seu uso. Conforme o kit, você deve urinar diretamente na fita ou coletar a urina2 em um recipiente e em seguida mergulhar a fita, ou coletar urina2 e usar um conta-gotas para depositar a urina2 na fita. Em todos os casos, é necessário aguardar de um a cinco minutos antes de obter os resultados. Apesar de ser raro, é possível obter um falso positivo. Isso pode acontecer se a gravidez1 não prosseguiu logo após o óvulo4 ter sido fertilizado ou se a mulher está tomando medicamentos que contenham beta-HCG como, por exemplo, remédios usados para fertilidade. Se o teste for negativo, a mulher provavelmente não está grávida. No entanto, os resultados falso-negativos têm mais chances de ocorrerem do que os falso-positivos. Isso pode acontecer se a mulher fizer o teste muito cedo, se não deixou a fita em contato com a urina2 pelo tempo necessário ou se fez o teste com uma urina2 muito diluída. Em caso de dúvidas, a mulher deve procurar um ginecologista. Não há contraindicações para os testes de gravidez1.

Por que fazer um teste de gravidez1?

Por diversas razões, saber se está ou não grávida pode ser uma dúvida que a mulher deseja esclarecer rapidamente. Além disso, o diagnóstico6 precoce da gravidez1 é importante para se começar logo o atendimento pré-natal, para fazer o controle da pressão arterial7 e dos níveis de glicose8, parar de fumar, evitar desde cedo a ingestão de álcool, drogas e medicamentos que possam ser danosos ao feto9 e para receber outras que sejam benéficas.

Quando fazer um teste de gravidez1?

Um teste de gravidez1 pode ser feito a qualquer tempo que a mulher suspeite estar grávida, no entanto, para funcionar bem, ele precisa ser feito cerca de dois a cinco dias após o atraso menstrual, porque antes disso a concentração do hormônio3 beta-HCG é ainda muito baixa. Contudo, há alguns exames que conseguem detectar o beta-HCG em baixas concentrações e o teste de gravidez1 pode ser feito antes mesmo do atraso menstrual. A acurácia do teste é aumentada quando a mulher utiliza para o exame a primeira urina2 da manhã ou aquela que guarda um grande intervalo com a anterior (quatro horas, pelo menos), porque terão uma maior concentração do hormônio3. Uma verificação mais rápida pode ser feita por meio de um exame de sangue10, porque o beta-HCG já pode ser encontrado na corrente sanguínea cinco dias antes do começo esperado da menstruação11. Valores abaixo de 5 mIU/ml são negativos; entre 5 e 25 mIU/ml são indefinidos, podendo indicar uma gravidez1 muito recente; e valores acima de 25 mIU/ml são claramente positivos e indicam gravidez1 em curso. Em casos de gestações mais avançadas, ainda não confirmadas e frequentemente nem suspeitadas, pode-se identificar a bolsa gestacional, por meio da ultrassonografia12, a partir da 5ª semana de gravidez1 através da via transvaginal ou a partir da 7ª semana através da ultrassonografia12 abdominal. Se a gravidez1 está muito evidente, pode-se identificá-la através do exame físico. O útero5 começa a ficar palpável e após 20 semanas pode-se identificar os batimentos cardíacos do feto9 com o estetoscópio e perceber seus movimentos através da palpação13 abdominal.

Os testes caseiros de gravidez1

Muitas mulheres, na ansiedade de saber logo se estão ou não grávidas, acabam recorrendo a testes caseiros de gravidez1. Uma primeira indicação de gravidez1 às vezes é dada pelos sinais14 e sintomas15, mas como eles são pouco específicos, são também inseguros. No máximo, podem acender uma luz de alerta. Nesse rol estão o atraso menstrual, as náuseas16 e vômitos17, os seios18 doloridos e inchados, o cansaço e o urinar frequente. Alguns testes caseiros são, por exemplo, o teste de fervura da urina2, que consiste em ferver a urina2 e observar se ela “sobe” como o leite (positivo) ou não (negativo); teste da agulha, no qual a mulher deve urinar em um recipiente que contenha uma agulha dentro dele e deixá-lo fechado por oito horas; se a agulha mudar de cor, o resultado é positivo; teste da água sanitária, no qual a mulher deve acrescentar água sanitária à urina2 colhida em um recipiente. Se a urina2 mudar de cor ou efervescer, o resultado é positivo; do contrário, é negativo; teste do cloro, no qual a mulher deve adicionar cloro à urina2. Se ela ficar escura, o resultado é positivo; se mantiver a mesma cor é negativo; teste do óleo de pinho, no qual esse óleo essencial deve ser misturado à urina2. Caso a mistura mude de cor, o resultado é positivo. Como esses, existem vários outros, mas nenhum deles possui comprovação científica. Por outro lado, o resultado deles não é muito seguro, porque estão sujeitos a muitas variáveis.

ABCMED, 2015. Teste de gravidez: estou grávida ou não?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/gravidez/804759/teste+de+gravidez+estou+gravida+ou+nao.htm>. Acesso em: 25 mar. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
3 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
4 Óvulo: Célula germinativa feminina (haplóide e madura) expelida pelo OVÁRIO durante a OVULAÇÃO.
5 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
6 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
7 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
8 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
9 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
10 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
11 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
12 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
13 Palpação: Ato ou efeito de palpar. Toque, sensação ou percepção pelo tato. Em medicina, é o exame feito com os dedos ou com a mão inteira para explorar clinicamente os órgãos e determinar certas características, como temperatura, resistência, tamanho etc.
14 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
15 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
16 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
17 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
18 Seios: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ginecologia E Obstetrícia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.