Gostou do artigo? Compartilhe!

Artralgia: a famosa “dor nas juntas”

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são artralgias1?

Artralgias1 (do grego: arthro = junção + algos = dor) são dores em uma ou mais articulações2. Costuma-se falar em monoartralgia quando uma única articulação3 é afetada e em poliartralgia quando são comprometidas várias articulações2. Muitos médicos usam esse termo para referir-se a qualquer tipo de dor nas articulações2, mas outras organizações fazem uma distinção entre artrite4 e artralgia5 e definem a artrite4 como "inflamação6 das articulações2". Contudo, a artrite4 pode também causar dor nas articulações2, como as demais artralgias1. Assim, alguns autores afirmam que se uma pessoa tem artralgia5 (dores nas articulações2), não necessariamente tem artrite4, embora o contrário não seja verdadeiro e se tem artrite4 (inflamação6 das articulações2) pode ter artralgias1. Assim entendidas, as artrites são uma doença e as artralgias1 apenas um sintoma7.

Quais são as causas das artralgias1?

Há diversas razões pelas quais as articulações2 podem se tonar dolorosas. Entre elas contam-se traumas, ferimentos, inflamações8, infecções9, transtornos imunes, reações alérgicas e doenças degenerativas10. As causas traumáticas mais comuns são fraturas ósseas, luxações, uso excessivo da articulação3, entorses11, distensões e ruptura de tendão12 muscular. Entre as inflamações8 estão a gota13, a osteoartrite14, a artrite reumatoide15 e a artrite4 infecciosa. Em pessoas idosas são comuns as causas degenerativas10, com perda do coxim16 de cartilagem17 que reveste as extremidades dos ossos nas articulações2, para permitir que os movimentos sejam suaves e não dolorosos. A predominância dessa osteodistrofia18 como causa de dores articulares aumenta com o desgaste promovido pela idade ou devido a doenças.

É comum que enfermidades sistêmicas apresentem artralgias1 como sintomas19. As artralgias1 de origem autoimune20, por exemplo, ocorrem na artrite reumatoide15, esclerodermia, síndrome21 de Sjögren, lúpus22 eritematoso23 sistemático e doenças do tecido conjuntivo24. Outras causas de artralgia5 podem ser bursites, efeitos colaterais25 ou reações alérgicas a medicamentos, osteomielite26, lúpus22 eritematoso23 sistêmico27, tendinites e tumores ósseos. Fatores como idade avançada, obesidade28 e atividades que colocam pressão repetitiva sobre a articulação3 e lesão29 articular anterior aumentam o risco de desenvolvimento de artralgia5.

Quais são os principais sinais30 e sintomas19 das artralgias1?

As dores articulares podem ser agudas ou crônicas e podem variar de intensidade, de leve a grave. Muitas delas se fazem acompanhar de rigidez e inchaço31 nas articulações2, mas podem vir sem eles. Elas podem ser agudas, maçantes, em pontadas, queimação ou latejantes e podem ser contínuas ou intermitentes32. Junto com elas pode acontecer uma sensação de queimação ou comichão, hipersensibilidade, rubor, calor, inchaço31 e restrição da mobilidade articular.

Nos idosos, a perda progressiva da cartilagem17 das extremidades dos ossos faz com que eles se atritem uns contra outros, o que conduz à dor e restrição ou perda da mobilidade comum à articulação3 em causa. A dor dessa osteodistrofia18 é pior após alguma atividade e ao final do dia. Pela manhã ou após uma inatividade prolongada ocorre uma rigidez, que pode perdurar por alguns minutos. Dependendo da causa, a artralgia5 pode afetar apenas uma ou várias articulações2 e ainda ser uni ou bilateral.

Como o médico diagnostica as causas das artralgias1?

O diagnóstico33 das causas das artralgias1 nem sempre é fácil, porque muitas condições comuns compartilham sintomas19 semelhantes. Esse diagnóstico33 envolve fazer uma boa coleta de dados médicos e realizar um minucioso exame físico. Algumas manobras semiológicas podem ajudar a determinar a natureza da artralgia5. A tomada de exames laboratoriais como o hemograma, por exemplo, e de imagens das articulações2, por meio de radiografias, tomografia computadorizada34 ou ressonância magnética35 complementam o diagnóstico33.

Como o médico trata as artralgias1?

O tratamento das artralgias1 irá variar em função da articulação3 afetada, da gravidade da lesão29, da dor e da causa subjacente e visa tanto tratar e solucionar a causa delas quanto aliviar os sintomas19. Algumas artralgias1 são transitórias, outras não. Os casos mais simples e passageiros podem ser tratados com repouso das articulações2 afetadas, analgésicos36 e aplicação de gelo, até que os sintomas19 terminem. Casos mais graves podem exigir prescrição de medicamentos específicos, ou mesmo cirurgia, inclusive para a substituição de articulações2 severamente danificadas.

Medicações como imunossupressores para a disfunção do sistema imunológico37, antibióticos quando há uma infecção38, podem ser usados ou descontinuados quando uma reação alérgica39 for a causa. As injeções de corticoides são um tratamento muito comum para a inflamação6 das articulações2, mas não devem ser repetidas com muita frequência. O manejo sintomático40 da dor pode incluir exercícios de alongamento, medicamentos de combate e tratamentos considerados apropriados para os demais sintomas19.

Quais são as complicações possíveis das artralgias1?

As complicações das artralgias1 não tratadas, dependendo da sua causa, podem ser sérias, incluindo desde deformidades visíveis da articulação3 afetada até incapacidade funcional, gangrena41 e amputações de membro.

ABCMED, 2015. Artralgia: a famosa “dor nas juntas”. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/799199/artralgia-a-famosa-dor-nas-juntas.htm>. Acesso em: 11 dez. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Artralgias: Dor em articulações.
2 Articulações:
3 Articulação: 1. Ponto de contato, de junção de duas partes do corpo ou de dois ou mais ossos. 2. Ponto de conexão entre dois órgãos ou segmentos de um mesmo órgão ou estrutura, que geralmente dá flexibilidade e facilita a separação das partes. 3. Ato ou efeito de articular-se. 4. Conjunto dos movimentos dos órgãos fonadores (articuladores) para a produção dos sons da linguagem.
4 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
5 Artralgia: Dor em uma articulação.
6 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
7 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
8 Inflamações: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc. Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
9 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
10 Degenerativas: Relativas a ou que provocam degeneração.
11 Entorses: É a torção de uma articulação, com lesão dos ligamentos (estrutura que sustenta as articulações).
12 Tendão: Tecido fibroso pelo qual um músculo se prende a um osso.
13 Gota: 1. Distúrbio metabólico produzido pelo aumento na concentração de ácido úrico no sangue. Manifesta-se pela formação de cálculos renais, inflamação articular e depósito de cristais de ácido úrico no tecido celular subcutâneo. A inflamação articular é muito dolorosa e ataca em crises. 2. Pingo de qualquer líquido.
14 Osteoartrite: Termo geral que se emprega para referir-se ao processo degenerativo da cartilagem articular, manifestado por dor ao movimento, derrame articular, etc. Também denominado artrose.
15 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
16 Coxim: 1. Tipo de almofada usada como assento. Leito ou sofá sem costas e sem braços, composto de colchão fino; divã. 2. Parte da sela sobre a qual o cavaleiro se assenta. 3. Em tecnologia, é um compartimento cilíndrico que movimenta as extremidades do eixo de um aparato técnico. Suporte de ferro que se coloca sobre travessas para assentar os carris.
17 Cartilagem: Tecido resistente e flexível, de cor branca ou cinzenta, formado de grandes células inclusas em substância que apresenta tendência à calcificação e à ossificação.
18 Osteodistrofia: Deformação, distrofia dos ossos.
19 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
20 Autoimune: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
21 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
22 Lúpus: 1. É uma inflamação crônica da pele, caracterizada por ulcerações ou manchas, conforme o tipo específico. 2. Doença autoimune rara, mais frequente nas mulheres, provocada por um desequilíbrio do sistema imunológico. Nesta patologia, a defesa imunológica do indivíduo se vira contra os tecidos do próprio organismo como pele, articulações, fígado, coração, pulmão, rins e cérebro. Essas múltiplas formas de manifestação clínica, às vezes, podem confundir e retardar o diagnóstico. Lúpus exige tratamento cuidadoso por médicos especializados no assunto.
23 Eritematoso: Relativo a ou próprio de eritema. Que apresenta eritema. Eritema é uma vermelhidão da pele, devido à vasodilatação dos capilares cutâneos.
24 Tecido conjuntivo: Tecido que sustenta e conecta outros tecidos. Consiste de CÉLULAS DO TECIDO CONJUNTIVO inseridas em uma grande quantidade de MATRIZ EXTRACELULAR.
25 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
26 Osteomielite: Infecção crônica do osso. Pode afetar qualquer osso da anatomia e produzir-se por uma porta de entrada local (fratura exposta, infecção de partes moles) ou por bactérias que circulam através do sangue (brucelose, tuberculose, etc.).
27 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
28 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
29 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
30 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
31 Inchaço: Inchação, edema.
32 Intermitentes: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
33 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
34 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
35 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
36 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
37 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
38 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
39 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
40 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
41 Gangrena: Morte de um tecido do organismo. Na maioria dos casos é causada por ausência de fluxo sangüíneo ou infecção. Pode levar à amputação do local acometido.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Reumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.