Gostou do artigo? Compartilhe!

Diferenças entre trombose venosa profunda e tromboembolismo venoso

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Qual é a diferença entre trombose venosa profunda1 e tromboembolismo2 venoso?

A trombose venosa profunda1 (TVP) ocorre quando um coágulo3 sanguíneo, chamado trombo4, se forma no interior de uma ou mais das veias5 profundas do corpo, na maioria das vezes nas pernas. Chama-se tromboembolismo2 venoso (TEV) a uma condição na qual o coágulo3 sanguíneo formado nas veias5 profundas viaja na circulação6, alojando-se geralmente nos pulmões7 e dando origem a um quadro clínico conhecido como embolia8 pulmonar.

Saiba mais sobre "Trombose venosa profunda1" e "Embolia8 pulmonar".

Quais são as causas da trombose venosa profunda1 e do tromboembolismo2 venoso?

Três fatores contribuem para a ocorrência da TVP (tríade de Virchow):

  1. Estase9 venosa.
  2. Coagulabilidade aumentada.
  3. Alterações no endotélio10 (revestimento interno) dos vasos sanguíneos11.

A trombose venosa profunda1 pode se desenvolver se a pessoa tiver certas condições médicas que afetam a coagulação12 do seu sangue13. Também pode acontecer se a pessoa ficar sem mover as pernas por um longo tempo, como em longas viagens ou hospitalizações, se ficar assentado ou deitado ou permanecer de pé por longos períodos de tempo, como dentistas, barbeiros, cabeleireiros, sentinelas, etc.

Os gatilhos mais comuns que facilitam a emergência14 da TVP incluem, entre outros, as varizes15 e, nas mulheres, a gravidez16 e o uso de hormônios como contraceptivos orais ou estrogênio para os sintomas17 da menopausa18. É mais provável que a coagulação12 ocorra em pessoas mais velhas, obesas, ou com condições como câncer19 e distúrbios autoimunes20, como o lúpus21, por exemplo. Causas genéticas que determinam uma coagulabilidade aumentada do sangue13 também são importantes fatores contribuintes.

O tromboembolismo2 ocorre quando um coágulo3 se solta da parede de uma veia com trombose venosa profunda1 e viaja até os pulmões7, bloqueando parte ou todo o suprimento de sangue13 daquele órgão (embolia8 pulmonar). Os coágulos sanguíneos localizados nos membros inferiores (sobretudo nas coxas22) são mais propensos a quebrar e obstruir a circulação6 pulmonar.

O tromboembolismo2 é, pois, uma complicação grave e potencialmente mortal da trombose venosa profunda1. O TEV é mais comum em adultos com 60 anos ou mais, mas pode ocorrer em qualquer idade, sendo raro em crianças.

Leia sobre "Varizes15", "Menopausa18", "Doenças autoimunes20" e "Lúpus21".

Quais são as principais características clínicas da trombose venosa profunda1 e do tromboembolismo2 venoso?

A trombose venosa profunda1 pode ser muito grave porque pode se complicar com uma embolia8 pulmonar. A trombose venosa profunda1 em si pode causar poucos sintomas17 e pode, mesmo, ocorrer silenciosamente, sem sintomas17. Os sinais23 e sintomas17 mais comuns da trombose venosa profunda1 podem incluir inchaço24 na perna afetada, câimbra e/ou dor na perna, vermelhidão ou descolorimento na perna e uma sensação de calor na perna afetada.

Os sintomas17 do tromboembolismo2 venoso (embolia8 pulmonar) dependem do tamanho do coágulo3 e da sua localização no pulmão25. O sintoma26 mais comum da embolia8 pulmonar é a falta de ar, que pode ser gradual ou repentina. Outros sintomas17 incluem: ansiedade, pele27 úmida ou azulada, dor no peito28 que piora ao respirar e pode se estender para o braço, mandíbula29, pescoço30 e ombro, desmaio, arritmia31 cardíaca, tontura32, respiração rápida, inquietação, tosse com sangue13 e pulso fraco. Nos casos mais graves, o tromboembolismo2 venoso pode levar à síncope33 e mesmo à morte.

Veja também sobre "Câimbras34", "Ansiedade", "Arritmia31 cardíaca", "Expectoração35 com sangue13" e "Síncopes36".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas em parte dos sites da Healthline, do National Health Service do Reino Unido e da Mayo Clinic.

ABCMED, 2018. Diferenças entre trombose venosa profunda e tromboembolismo venoso. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1324813/diferencas-entre-trombose-venosa-profunda-e-tromboembolismo-venoso.htm>. Acesso em: 29 out. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Trombose Venosa Profunda: Caracteriza-se pela formação de coágulos no interior das veias profundas da perna. O que mais chama a atenção é o edema (inchaço) e a dor, normalmente restritos a uma só perna. O edema pode se localizar apenas na panturrilha e pé ou estar mais exuberante na coxa, indicando que o trombo se localiza nas veias profundas dessa região ou mais acima da virilha. Uma de suas principais conseqüências a curto prazo é a embolia pulmonar, que pode deixar seqüelas ou mesmo levar à morte. Fatores individuais de risco são: varizes de membros inferiores, idade maior que 40 anos, obesidade, trombose prévia, uso de anticoncepcionais, terapia de reposição hormonal, entre outras.
2 Tromboembolismo: Doença produzida pela impactação de um fragmento de um trombo. É produzida quando este se desprende de seu lugar de origem, e é levado pela corrente sangüínea até produzir a oclusão de uma artéria distante do local de origem do trombo. Esta oclusão pode ter diversas conseqüências, desde leves até fatais, dependendo do tamanho do vaso ocluído e do tipo de circulação do órgão onde se deu a oclusão.
3 Coágulo: 1. Em fisiologia, é uma massa semissólida de sangue ou de linfa. 2. Substância ou produto que promove a coagulação do leite.
4 Trombo: Coágulo aderido à parede interna de uma veia ou artéria. Pode ocasionar a diminuição parcial ou total da luz do mesmo com sintomas de isquemia.
5 Veias: Vasos sangüíneos que levam o sangue ao coração.
6 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
7 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
8 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
9 Estase: 1. Estagnação do sangue ou da linfa. 2. Incapacidade de agir; estado de impotência.
10 Endotélio: Camada de células que reveste interiormente os vasos sanguíneos e os vasos linfáticos.
11 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
12 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
13 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
14 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
15 Varizes: Dilatação anormal de uma veia. Podem ser dolorosas ou causar problemas estéticos quando são superficiais como nas pernas. Podem também ser sede de trombose, devido à estase sangüínea.
16 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
17 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
18 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
19 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
20 Autoimunes: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
21 Lúpus: 1. É uma inflamação crônica da pele, caracterizada por ulcerações ou manchas, conforme o tipo específico. 2. Doença autoimune rara, mais frequente nas mulheres, provocada por um desequilíbrio do sistema imunológico. Nesta patologia, a defesa imunológica do indivíduo se vira contra os tecidos do próprio organismo como pele, articulações, fígado, coração, pulmão, rins e cérebro. Essas múltiplas formas de manifestação clínica, às vezes, podem confundir e retardar o diagnóstico. Lúpus exige tratamento cuidadoso por médicos especializados no assunto.
22 Coxas: É a região situada abaixo da virilha e acima do joelho, onde está localizado o maior osso do corpo humano, o fêmur.
23 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
24 Inchaço: Inchação, edema.
25 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
26 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
27 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
28 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
29 Mandíbula: O maior (e o mais forte) osso da FACE; constitui o maxilar inferior, que sustenta os dentes inferiores. Sinônimos: Forame Mandibular; Forame Mentoniano; Sulco Miloióideo; Maxilar Inferior
30 Pescoço:
31 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
32 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
33 Síncope: Perda breve e repentina da consciência, geralmente com rápida recuperação. Comum em pessoas idosas. Suas causas são múltiplas: doença cerebrovascular, convulsões, arritmias, doença cardíaca, embolia pulmonar, hipertensão pulmonar, hipoglicemia, intoxicações, hipotensão postural, síncope situacional ou vasopressora, infecções, causas psicogênicas e desconhecidas.
34 Câimbras: Contrações involuntárias, espasmódicas e dolorosas de um ou mais músculos.
35 Expectoração: Ato ou efeito de expectorar. Em patologia, é a expulsão, por meio da tosse, de secreções provenientes da traqueia, brônquios e pulmões; escarro.
36 Síncopes: Perda breve e repentina da consciência, geralmente com rápida recuperação. Comum em pessoas idosas. Suas causas são múltiplas: doença cerebrovascular, convulsões, arritmias, doença cardíaca, embolia pulmonar, hipertensão pulmonar, hipoglicemia, intoxicações, hipotensão postural, síncope situacional ou vasopressora, infecções, causas psicogênicas e desconhecidas.

Artigos selecionados

Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Angiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.