Gostou do artigo? Compartilhe!

Psicose pós-parto

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é psicose1 pós-parto?

A psicose1 pós-parto ou psicose1 puerperal é uma emergência2 psiquiátrica breve em que sintomas3 psicóticos se instalam, começando repentinamente nas duas primeiras semanas após o parto. Ela é diferente da depressão pós-parto e da tristeza materna. Em comparação com a tristeza e a depressão pós-parto, a psicose1 pós-parto é bastante rara, afetando apenas cerca de 0,1% das mulheres que dão à luz.

Quais são as causas e fatores de risco da psicose1 pós-parto?

As causas exatas das psicoses pós-parto não são conhecidas. Elas acontecem com mais frequência em mulheres que dão à luz pela primeira vez. Mulheres com história prévia de doença mental, especialmente transtorno bipolar, e história pessoal ou familiar de episódios prévios de psicose1 pós-parto correm maior risco de terem um episódio.

No entanto, cerca de metade das mulheres que experimentam psicose1 pós-parto não têm fatores de risco. Pode haver também um componente genético.

Saiba mais sobre "Depressão pós-parto" e "Transtorno bipolar do humor". 

Quais são as principais características clínicas da psicose1 pós-parto?

Muitas mulheres experimentam o "Baby Blues". Ele geralmente começa 3 a 4 dias após o nascimento, com mudanças de humor, explosão em lágrimas, irritação e ansiedade, e cessa quando o bebê tem cerca de 10 dias de vida. O Baby Blues não requer tratamento e desaparece por si mesmo.

Há também a depressão pós-parto, que afeta 10 a 15 em cada 100 mulheres após o parto. Os sintomas3 da depressão pós-parto são semelhantes aos da depressão em outros momentos. Estes incluem mau humor e outros sintomas3 que duram pelo menos duas semanas.

A psicose1 pós-parto, contudo, é diferente da depressão pós-parto e é uma doença mais grave, que pode ser perigosa para mães e bebês4. As mulheres com psicose1 pós-parto perdem sua conexão com a realidade e a possibilidade de suicídio e/ou de violência contra o bebê pode se tornar real.

Os sintomas3 têm início súbito nas primeiras duas semanas após o parto, às vezes nos primeiros dois a três dias. Os sintomas3 variam, podem mudar rapidamente e incluem pensamentos exaltados (mania), depressão, confusão severa, perda de inibições, paranoia, alucinações5 e delírios. Os sintomas3 mais graves duram de 2 a 12 semanas e a recuperação pode levar de seis meses a um ano. Outros sintomas3 que ocorrem nas psicoses pós-parto são mau humor e choro, ansiedade ou irritabilidade, mudanças rápidas no humor, inquietação e agitação, devaneios, ficar mais falante que o habitual e começar a apresentar distúrbios do sono, com dificuldades para dormir.

A paciente com psicose1 pós-parto não tem consciência da enfermidade, nem é capaz de cuidar de si mesma, assim como faria quando não está sofrendo esta alteração. Quase sempre, seus comportamentos bizarros impedem a paciente de cuidar do seu bebê que, em todos os casos, não deve ser deixado a seus cuidados exclusivos.

Leia sobre "Depressão", "Suicídio", "Paranoia", "Alucinações5", "Ansiedade" e "Distúrbios do sono".

Como o médico trata a psicose1 pós-parto?

Reconhecer os sinais6 o mais rapidamente possível é importante para o tratamento precoce e eficaz. Na maioria dos casos, a internação hospitalar é necessária. Drogas antipsicóticas e drogas estabilizadoras do humor, como o lítio, são normalmente administradas, mas não está claro se os estabilizadores do humor podem ser titulados em nível suficientemente alto, com rapidez suficiente para serem eficazes. A eletroconvulsoterapia pode ser considerada, especialmente se houver um alto risco de suicídio.

Como prevenir a psicose1 pós-parto?

Para as mulheres que anteriormente à gravidez7 já tomam medicações psiquiátricas, a decisão sobre se deve continuar durante a gravidez7 e a amamentação8 é difícil. Não há dados para orientar essa decisão com relação à prevenção da psicose1 pós-parto. Também não há dados para orientar a decisão sobre se as mulheres com alto risco de psicose1 no pós-parto devem tomar medicamentos antipsicóticos para preveni-la.

Mulheres com risco de psicose1 no pós-parto devem deixar-se monitorar por um psiquiatra durante a gravidez7 e por algumas semanas após o parto. Para mulheres com distúrbio bipolar conhecido, a medicação durante a gravidez7 reduz pela metade o risco de um grave episódio pós-parto, assim como começar a tomar a medicação imediatamente após o nascimento do bebê.

Saiba mais sobre gravidez7:

 

ABCMED, 2018. Psicose pós-parto. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-da-mulher/1323168/psicose+pos+parto.htm>. Acesso em: 24 set. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Psicose: Grupo de doenças psiquiátricas caracterizadas pela incapacidade de avaliar corretamente a realidade. A pessoa psicótica reestrutura sua concepção de realidade em torno de uma idéia delirante, sem ter consciência de sua doença.
2 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
5 Alucinações: Perturbações mentais que se caracterizam pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensações sem objeto. Impressões ou noções falsas, sem fundamento na realidade; devaneios, delírios, enganos, ilusões.
6 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
7 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
8 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Psiquiatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.