Gostou do artigo? Compartilhe!

Como é o parto Leboyer? Quais são as vantagens e as desvantagens dele?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é o parto Leboyer?

O parto Leboyer não é uma nova forma de nascer, mas um parto comum que visa diminuir os impactos estressantes da transição que o bebê tem que fazer do ambiente uterino para o extrauterino.

Em que consiste o parto Leboyer?

Para atingir os seus objetivos, o parto Leboyer deve ser feito em ambiente que esteja o mais próximo possível do útero1 materno, ou seja, em um ambiente com pouca luz, aquecimento e silêncio. Além disso, outras medidas são adotadas para facilitar a transição entre a vida no útero1 e o mundo exterior: o bebê não é dependurado pelos pés; massagens são feitas nas costas2 do bebê com a finalidade de estimular seus pulmões;3 logo após o nascimento, o bebê deve ser enrolado e colocado precocemente no colo4 da mãe; o início da amamentação5 é precoce; o banho após o nascimento é dado perto da mãe e, de preferência, pelo pai e o cordão umbilical6 somente deve ser cortado quando para de pulsar.

O parto Leboyer pode ser feito por via vaginal normal, na água, ou por cesariana. Esse tipo de parto é indicado para gestantes tranquilas e sem complicações, que possam dispensar grandes atenções ao bebê. Ele foi criado pelo obstetra francês Fréderik Leboyer.

Quais são as vantagens e desvantagens do parto Leboyer?

Vantagens:

  • O bebê é colocado num berço ao lado da cama da mãe, o que favorece a amamentação5, diminui o estresse do bebê e aumenta o vínculo afetivo com os pais.
  • Segundo pesquisadores, as crianças que nasceram desse parto se tornaram mais seguras, autônomas precocemente e mais equilibradas emocionalmente.

Desvantagens:

  • Esse tipo de parto deixa a mãe um pouco "esquecida", na medida em que toda atenção é dirigida aos cuidados com o recém-nascido. Assim como num parto comum, a gestante geralmente está deitada de costas2, pernas em estribos e a episiotomia7 é usada quase que de rotina.
  • A colocação do berço no quarto da mãe favorece a contaminação do bebê por infeções trazidas pelos adultos que tenham contato com ele.
  • Uma das maiores desvantagens é que nem todo hospital possui equipe capacitada para esse tipo de assistência. 
ABCMED, 2014. Como é o parto Leboyer? Quais são as vantagens e as desvantagens dele?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/gravidez/559347/como-e-o-parto-leboyer-quais-sao-as-vantagens-e-as-desvantagens-dele.htm>. Acesso em: 7 dez. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
2 Costas:
3 Pulmões;: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
4 Colo: O segmento do INTESTINO GROSSO entre o CECO e o RETO. Inclui o COLO ASCENDENTE; o COLO TRANSVERSO; o COLO DESCENDENTE e o COLO SIGMÓIDE.
5 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
6 Cordão Umbilical: Estrutura flexível semelhante a corda, que conecta um FETO em desenvolvimento à PLACENTA, em mamíferos. O cordão contém vasos sanguíneos que transportam oxigênio e nutrientes da mãe ao feto e resíduos para longe do feto.
7 Episiotomia: Corte cirúrgico feito no períneo (área entre a vagina e o ânus), realizado com anestesia local, se a mulher ainda não estiver anestesiada, para alargar o canal do parto e, supostamente, ajudar o nascimento do bebê.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ginecologia E Obstetrícia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.