Gostou do artigo? Compartilhe!

Existem vários tipos de manchas na pele. Qual é o seu tipo?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são manchas na pele1?

Manchas na pele1 são alterações localizadas na coloração da pele1. Algumas são congênitas2 ou hereditárias; outras adquiridas ao longo da vida. Umas devem-se a fatores internos do próprio organismo como, por exemplo, o vitiligo3; outras a fatores externos, como a exposição ao sol.

Há, também, as que permanecem benignas por toda a vida, e as que podem, a qualquer momento, se tornarem malignas, ou ainda as que já podem surgir como câncer4. Algumas são permanentes e outras podem desaparecer com tratamentos adequados. Muitas são tratadas por razões estéticas e umas poucas por razões médicas.

Saiba mais sobre "Manchas escuras na pele1".

Tipos de manchas na pele1 quanto à cor

As cores das manchas que surgem na pele1 podem indicar diferentes problemas de saúde5. Se levarmos em conta as colorações das manchas, teremos:

(1) Manchas marrons:

a. A melanose está diretamente ligada ao sol e aparece mais no dorso6 das mãos7, pescoço8 e costas9, que são áreas de muita exposição solar. Muitas pessoas acham que elas são causadas pelo envelhecimento, porque em geral aparecem ou aumentam nas pessoas mais velhas. Essas manchas nunca viram câncer4!

b. Fitofotodermatose, também chamada mancha do limão, é uma queimadura causada pela reação do componente químico da fruta cítrica com o sol. Desaparece depois de um tempo, diferentemente da melanose.

c. O melasma10 tem o seu surgimento relacionado a fatores genéticos, hormonais e ao sol. Costuma aparecer durante a gravidez11 ou por causa do uso de pílula anticoncepcional e piora com a exposição ao sol.

(2) Manchas pretas:

a. O nevo12 é uma pinta preta, geralmente benigna, mas que pode tornar-se câncer4. Ele é dito congênito13 quando a criança nasce com ele ou quando ele aparece até os dois anos de idade. É preciso ficar atento, porque essa pinta preta não pode aumentar de tamanho e nem mudar de forma.

b. O melanoma14 é uma lesão15 sólida, que pode ser plana ou mais alta, irregular, escura, com mais de uma tonalidade. É um dos tipos mais graves de câncer4.

c. As ceratoses seborreicas são pintas escuras que aparecem com o tempo e podem ser confundidas com nevo12, mas não têm um maior índice de transformação maligna. Uma grande diferença em relação ao nevo12 é que ela é mais áspera e aparece em área de dobra e no rosto.

(3) Manchas brancas:

a. O vitiligo3 é uma doença genética, autoimune16, que normalmente é despertada por uma alteração emocional.

b. A leucodermia solar, ou sardas brancas, aparece principalmente depois dos 40 anos e pode ser confundida com vitiligo3.

c. A pitiríase versicolor ou pano branco é causada por um fungo17. As pessoas com pele1 oleosa têm mais chance de adquirir essa infestação18. Ela também pode ser confundida com o vitiligo3.

(4) Manchas roxas:

a. Os hematomas19 são manchas devidas ao extravasamento de sangue20. Pessoas com fragilidade capilar21 maior ficam roxas ante os mínimos traumatismos. Isso é genético. O uso de vitamina22 C ajuda a melhorar os hematomas19.

b. Púrpura23 senil é o nome que se dá àquelas manchinhas roxas que aparecem nos braços dos idosos.

(5) Manchas vermelhas:

a. O nevo12 rubi aparece do nada na pele1, como se fosse um novelo de lã. Quando coçado, em geral sangra. Nunca se torna maligno. A retirada é meramente uma questão estética.

Saiba mais sobre "Fitofotodermatose", "Melasma10", "Melanoma14", "Vitiligo3" e "Pitiríase versicolor".

Tipos de manchas na pele1 quanto à exposição ao sol

O sol é o grande vilão da pele1. A exposição prolongada ao sol, além de promover um mais rápido envelhecimento da pele1, produz manchas cuja natureza precisa ser cuidadosamente investigada.

Depois de ter passado algum tempo ao sol, a pessoa pode notar que tem mais algumas manchas nas partes expostas do corpo. Mesmo que a pessoa agora sempre use proteção solar, ainda poderá desenvolver alterações na pele1 causadas pela exposição ao sol de décadas atrás. Muitas dessas manchas são totalmente benignas, mas distinguir pontos benignos daqueles que merecem atenção médica pode ser um pouco complicado.

As manchas a seguir são causadas pela exposição ao sol, mas não progridem para câncer4:

  1. Sardas: as sardas escurecem quando expostas ao sol e ao calor, desaparecendo ou tornando-se mais claras no inverno. As sardas em si mesmas não são motivo de preocupação, mas sinalizam um risco aumentado de desenvolver câncer4 de pele1.
  2. Melasma10: o melasma10 se caracteriza por manchas escuras irregulares, é mais comum em mulheres entre os 20 e 30 anos e as manchas ficam mais escuras com a exposição ao sol. Pode desaparecer durante a menopausa24 à medida que os níveis de estrogênio e progesterona diminuem.
  3. Lentigens: as lentigens são manchas castanhas ou amareladas disseminadas nas partes expostas da pele1, devido à ação do sol. Elas são comumente chamadas de "manchas senis". São de forma irregular, maiores que as sardas e variam de marrom a marrom muito escuro.
  4. Ceratoses seborreicas: as ceratoses seborreicas são descritas como redondas, escuras e elevadas, parecendo estar presas, como um pedaço de chiclete.
  5. “Manchas brancas": o termo médico para essas “manchas brancas” é hipomelanose idiopática25. As mulheres acima dos 40 anos são mais propensas que os homens a terem essa condição e geralmente desenvolvem-na em áreas do corpo expostas ao sol.
Leia sobre "Sardas ou efélides", "Pintas na pele1" e "Protetor ou Filtro solar".

Não há razões médicas para tratar qualquer uma das opções acima. Só motivos estéticos justificam a tentativa de reduzir a aparência de manchas escuras ou melhorar o tom da pele1. Os produtos utilizados então são cosméticos e não medicamentos controlados, e seus fabricantes não precisam demonstrar a eficácia deles.

Os dermatologistas, no entanto, têm várias técnicas comprovadas para o tratamento de manchas na pele1. A pessoa que tem manchas na pele1 deve consultar regularmente o dermatologista e ficar atenta ao surgimento de verrugas ou crescimentos irregulares novos, bem como a alterações de tamanho, forma, cor, etc. das manchas já existentes. Essas mudanças podem ser um sinal26 de malignização.

Um dermatologista deve ser rapidamente consultado se o pigmento for muito escuro, se estiver aumentando de tamanho, se possui uma borda irregular, se possui uma combinação incomum de cores e se for acompanhado de prurido27, vermelhidão, sensibilidade ou sangramento.

Como prevenir as manchas na pele1?

Para evitar as manchas da idade e novas manchas após o tratamento, a pessoa deve limitar sua exposição ao sol, principalmente entre 10h e 14h, e usar protetor solar permanentemente. Também deve cobrir braços e pernas e usar um chapéu de abas largas quando tiver que ou quiser se expor ao sol. 

Veja também sobre "Cuidados com a pele1", "Mancha "Vinho do Porto" no rosto" e "Hemangiomas".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos sites da Harvard Medical School, da Mayo Clinic e da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

ABCMED, 2019. Existem vários tipos de manchas na pele. Qual é o seu tipo?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/1349503/existem-varios-tipos-de-manchas-na-pele-qual-e-o-seu-tipo.htm>. Acesso em: 12 nov. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
2 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
3 Vitiligo: Doença benigna da pele, caracterizada pela ausência de pigmentação normal nas regiões afetadas, frequentemente face e mãos. Hoje já há tratamento, porém este é demorado e com resultados variáveis de pessoa para pessoa. CÓDIGO INTERNACIONAL DE DOENÇAS (CID): L80- VITILIGO.
4 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Dorso: Face superior ou posterior de qualquer parte do corpo. Na anatomia geral, é a região posterior do tronco correspondente às vértebras; costas.
7 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
8 Pescoço:
9 Costas:
10 Melasma: Manchas escuras na face. O seu surgimento está relacionado à gravidez ou ao uso de anticoncepcionais hormonais (pílula) e tem como fator desencadeante a exposição da pele ao sol. Quando estas manchas ocorrem durante a gravidez, recebem a denominação de cloasma gravídico. Além dos fatores hormonais e da exposição solar, a tendência genética e características raciais também influenciam o surgimento do melasma.
11 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
12 Nevo: Popularmente conhecido como “pinta“ ou sinal de nascença“. É uma mancha na pele que pode ser uma lesão plana ou elevada, pigmentada (de cor marrom, cinza, azul ou preto) ou não e pode apresentar potencial de malignização dependendo do tipo.
13 Congênito: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
14 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
15 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
16 Autoimune: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
17 Fungo: Microorganismo muito simples de distribuição universal que pode colonizar uma superfície corporal e, em certas ocasiões, produzir doenças no ser humano. Como exemplos de fungos temos a Candida albicans, que pode produzir infecções superficiais e profundas, os fungos do grupo dos dermatófitos que causam lesões de pele e unhas, o Aspergillus flavus, que coloniza em alimentos como o amendoim e secreta uma toxina cancerígena, entre outros.
18 Infestação: Infecção produzida por parasitas. Exemplos de infestações são sarna (escabiose), pediculose (piolhos), infecção por parasitas intestinais, etc.
19 Hematomas: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
20 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
21 Capilar: 1. Na medicina, diz-se de ou tubo endotelial muito fino que liga a circulação arterial à venosa. Qualquer vaso. 2. Na física, diz-se de ou tubo, em geral de vidro, cujo diâmetro interno é diminuto. 3. Relativo a cabelo, fino como fio de cabelo.
22 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
23 Púrpura: Lesão hemorrágica de cor vinhosa, que não desaparece à pressão, com diâmetro superior a um centímetro.
24 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
25 Idiopática: 1. Relativo a idiopatia; que se forma ou se manifesta espontaneamente ou a partir de causas obscuras ou desconhecidas; não associado a outra doença. 2. Peculiar a um indivíduo.
26 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
27 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.