Atalho: 6Y5471V
Gostou do artigo? Compartilhe!

Pitiríase versicolor ou micose de praia: como é esta micose? O que a causa? Quais são os sintomas? Existe tratamento? E prevenção?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é pitiríase versicolor?

A pitiríase versicolor, popularmente chamada de “pano branco” ou “micose de praia” é uma micose1 (infecção2 fúngica3) crônica que afeta a camada superficial da pele4, causada por um fungo5 saprófita6 que vive normalmente na pele4 humana. A doença existe em todo o mundo, mas é prevalente nos trópicos e nas regiões de climas temperados. A maioria dos casos ocorre em adultos jovens e afeta igualmente ambos os sexos e todas as raças. A pitiríase versicolor não é contagiosa7 e hábitos precários de higiene não são um fator de risco8 para a enfermidade.

Quais são as causas da pitiríase versicolor?

O distúrbio de pigmentação é causado por um fungo5 chamado Malassezia furfur, que é o agente etiológico9 da pitiríase versicolor. Ele é uma levedura lipofílica (dependente de lipídios para o seu metabolismo10). Algumas condições ainda pouco determinadas aumentam a presença do fungo5 e, assim, dos sintomas11.

Quais são os principais sinais12 e sintomas11 da pitiríase versicolor?

A pitiríase versicolor normalmente é assintomática. Em alguns casos pode haver um ligeiro prurido13 quando a pele4 se aquece ou transpira. Caracteriza-se por alterações da pigmentação cutânea14, dando origem a pequenas manchas recobertas por uma fina camada descamativa, que variam do branco ao alaranjado e marrom, razão da sua classificação como "versicolor". A Malassezia furfur tem preferência pela pele4 oleosa e procura os locais de maior secreção de gorduras, como tronco, pescoço15, couro cabeludo, rosto e conduto auditivo externo. As lesões16 descamativas nem sempre são perceptíveis, mas podem aumentar e coalescer (confluírem). As lesões16 podem variar de hipopigmentação da pele4 (manchas mais claras que a pele4 normal) à hiperpigmentação (manchas mais escuras que a pele4 normal). Elas são mais facilmente notadas após exposição aos raios solares, porque a ação do sol ativa a atuação do micro-organismo sobre o processo de pigmentação da pele4. A pele4 afetada por ele não se bronzeia normalmente com os raios solares, como o restante da pele4. Talvez por isso, a enfermidade manifesta-se principalmente no verão e na primavera.

Como o médico diagnostica a pitiríase versicolor?

O diagnóstico17 da pitiríase versicolor é feito principalmente pela observação do aspecto clínico das lesões16 e pode ser confirmado pelo exame micológico direto (raspagem cutânea14 das lesões16). Como esse exame direto tem alto grau de confiabilidade, a cultura para fungos raramente é necessária. Um diagnóstico17 diferencial deve ser feito com outras entidades que também provocam despigmentação cutânea14, como o vitiligo18, a pitiríase alba e a hanseníase em sua forma indeterminada.

Como o médico trata a pitiríase versicolor?

Há vários tratamentos disponíveis com taxas elevadas de cura, porém as recorrências19 são frequentes. O tratamento é feito com antifúngicos tópicos (sabonetes, xampus, loções, sprays ou cremes) e/ou sistêmicos20 (comprimidos). O tratamento deve ser feito o quanto antes, porque caso ele se inicie tardiamente as possibilidades de se reverter o quadro são menores.

Como evolui a pitiríase versicolor?

Normalmente, a pitiríase versicolor responde bem aos tratamentos e se cura.

Como é causada por um fungo5 que habita normalmente a pele4, é possível que a pitiríase versicolor volte a aparecer, mesmo depois de um tratamento bem sucedido. Por isso, às vezes faz-se necessário um tratamento de manutenção que deve ser prescrito por um dermatologista.

Como prevenir a pitiríase versicolor?

  • Usar buchas vegetais sobre o corpo, para promover a remoção mecânica dos fungos.
  • Usar sabonetes esfoliantes e cremes antifúngicos.
ABCMED, 2013. Pitiríase versicolor ou micose de praia: como é esta micose? O que a causa? Quais são os sintomas? Existe tratamento? E prevenção?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/349879/pitiriase-versicolor-ou-micose-de-praia-como-e-esta-micose-o-que-a-causa-quais-sao-os-sintomas-existe-tratamento-e-prevencao.htm>. Acesso em: 12 dez. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Micose: Infecção produzida por fungos. Pode ser superficial, quando afeta apenas pele, mucosas e seus anexos, ou profunda, quando acomete órgãos profundos como pulmões, intestinos, etc.
2 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Fúngica: Relativa à ou produzida por fungo.
4 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
5 Fungo: Microorganismo muito simples de distribuição universal que pode colonizar uma superfície corporal e, em certas ocasiões, produzir doenças no ser humano. Como exemplos de fungos temos a Candida albicans, que pode produzir infecções superficiais e profundas, os fungos do grupo dos dermatófitos que causam lesões de pele e unhas, o Aspergillus flavus, que coloniza em alimentos como o amendoim e secreta uma toxina cancerígena, entre outros.
6 Saprófita: Que ou o que obtém os nutrientes vitais a partir de matéria orgânica em decomposição, diz-se de vegetal. No entanto, o termo já foi aplicado também aos fungos quando estes eram considerados vegetais.
7 Contagiosa: 1. Que é transmitida por contato ou contágio. 2. Que constitui veículo para o contágio. 3. Que se transmite pela intensidade, pela influência, etc.; contagiante.
8 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
9 Etiológico: Relativo à etiologia; que investiga a causa e origem de algo.
10 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
11 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
13 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
14 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
15 Pescoço:
16 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
17 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
18 Vitiligo: Doença benigna da pele, caracterizada pela ausência de pigmentação normal nas regiões afetadas, frequentemente face e mãos. Hoje já há tratamento, porém este é demorado e com resultados variáveis de pessoa para pessoa. CÓDIGO INTERNACIONAL DE DOENÇAS (CID): L80- VITILIGO.
19 Recorrências: 1. Retornos, repetições. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
20 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.