Gostou do artigo? Compartilhe!

Ectoparasitas humanos: piolhos, carrapatos, pulga, sarna, chato e larva migrans

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são parasitas?

Os parasitas, também chamados parasitos, são seres que vivem “às custas” de outros para atender às suas necessidades naturais, sobretudo de alimentação. Trata-se de uma relação entre espécies vivas diferentes em que apenas um dos lados (o do parasita1) é beneficiado, e o outro (o do hospedeiro) é prejudicado em sua plenitude, sem, contudo, ser levado à morte.

Os parasitas vivem em associação com o corpo do hospedeiro, seja externamente, seja internamente. Há três tipos de parasitas:

  1. Os obrigatórios, que somente sobrevivem às custas de parasitar outros seres.
  2. Os facultativos, que podem também viver uma vida livre, independente do hospedeiro.
  3. Os protelianos, que são obrigatórios em sua fase larval, mas se tornam facultativos quando chegam à fase adulta.

O que são ectoparasitas?

Os seres que parasitam aspectos internos do corpo do hospedeiro são chamados de endoparasitas e os que parasitam superfícies externas do corpo são ditos ectoparasitas. Por exemplo: no homem, as lombrigas e as tênias são endoparasitas; os piolhos e os carrapatos são ectoparasitas. Esse artigo tratará especificamente desses últimos.

Leia sobre: "As doenças transmitidas por carrapatos", "Os animais que mais matam no mundo" e "As picadas dos pernilongos".

Quais são os principais ectoparasitas humanos?

As ectoparasitoses humanas são doenças infecciosas muito comuns, principalmente em comunidades carentes, com grandes aglomerações de pessoas e más condições de habitação e higiene. Elas podem estar associadas a uma morbidade2 considerável e causar muito incômodo e angústia nas pessoas afetadas.

A prevalência3 normal dessas doenças na população geral é baixa, mas pode ser extremamente alta em grupos vulneráveis, onde os meios de controle de algumas delas são escassos e pouco eficientes.

O tratamento medicamentoso em massa da maioria delas é relativamente fácil e de baixo custo, no entanto, as medidas necessárias para controlá-las são mais complexas: educação para a saúde4, saneamento básico, melhorias da condição habitacional, etc.

Os principais ectoparasitas humanos são:

Piolho

A infestação5 pelo piolho é chamada pediculose e ocorre nas regiões pilosas do corpo. Há dois tipos de piolhos que podem acometer o ser humano: (1) Pediculus humanus corporis, que pode afetar as regiões pilosas de todo o corpo humano6 e o (2) Pediculus humanus capitis, que afeta apenas o couro cabeludo, podendo, ambos, serem agentes de doenças.

O piolho do couro cabeludo, mais frequente, aderece-se à raiz do cabelo7, onde se alimenta de sangue8 e põe seus ovos (chamados lêndeas), reproduzindo-se com impressionante celeridade. Comumentemente causa coceira intensa, feridas causadas pelo ato de coçar, marcas visíveis deixadas pelas picadas e ínguas e, nos casos mais graves, infecções9 secundárias.

As crianças, que são a maioria das pessoas infestadas, podem apresentar baixo desempenho escolar por dificuldade de concentração, em consequência do prurido10 contínuo e de distúrbios do sono. Crianças com infestação5 massiva e duradora também podem desenvolver anemia11 devido a que o piolho se alimenta de sangue8, espoliando o organismo.

A principal via de transmissão ocorre de cabeça12 a cabeça12.

O piolho do corpo é bem menos frequente e causa menos transtornos.

Eliminar os piolhos e as lêndeas não é muito complicado. Em geral, o tratamento recomendado será à base de inseticidas de uso local. Depois da aplicação, é indispensável o uso de pente fino para retirar as lêndeas, pois os medicamentos não as eliminam. No caso do piolho do corpo, como ajuda ao tratamento, a desinfestação13 apropriada das roupas é medida suficiente na maioria dos casos.

Carrapatos

Existem no mundo mais de 60 espécies de carrapatos, que tanto parasitam o homem como outros animas, alimentando-se de sangue8. Um certo número deles é infectado por vírus14, bactérias ou protozoários15, e pode transmitir esses organismos a seus hospedeiros. Nos humanos, esses parasitas infectados podem causar desde pequenas manifestações alérgicas, em que a pessoa tem escoriações16 e manchas vermelhas pelo corpo, até algumas doenças graves, como a febre17 maculosa ou a doença de Lyme, que podem levar à morte.

A picada do carrapato em geral não é sentida porque sua saliva contém substâncias com efeito anestésico. No máximo, pode haver uma leve coceira, de natureza alérgica. O tratamento para picadas de carrapatos é específico para a bactéria18 de onde a pessoa estiver. No caso de haver a contaminação do ambiente (um gramado, por exemplo) é aconselhável fazer a dedetização do ambiente com produtos apropriados.

No caso de sintomas19 alérgicos à mordida do carrapato, o tratamento deve ser feito com antialérgico. A retirada do carrapato eventualmente encontrado no corpo deve ser feita com uma pinça, girando-o e puxando-o para fora da pele20, para evitar que algumas pequenas estruturas do carrapato fiquem na pele20 e causem reação alérgica21.

Bicho de pé

tungíase é causada pela penetração e subsequente hipertrofia22 (crescimento) da fêmea grávida da pulga Tunga penetrans (bicho de pé) na epiderme23 do hospedeiro. As áreas preferenciais de penetração desse tipo de pulga no homem são as áreas interdigitais dos pés. A fêmea grávida penetra na pele20 com a sua cabeça12 e libera seus ovos para o exterior, e a infestação5 ocorre quando o indivíduo pisa no solo contaminado sem proteção nos seus pés.

Complicações comuns incluem a infecção24 bacteriana secundária, a perda de unha e a deformação de dígitos. Animais domésticos, os porcos de meio rural e os ratos são reservatórios importantes. Não se conhece nenhuma quimioterapia25 eficaz para eliminar pulgas penetradas em seres humanos ou animais, e o tratamento atual consiste na retirada das pulgas penetradas e no tratamento de eventuais infecções9 secundárias com antibióticos.

Sarna26

Também chamada escabiose27 humana, é causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei hominis. A sarna26 é uma doença contagiosa28 e se espalha rapidamente por meio do contato físico nas famílias, escolas, casas de repouso e outros lugares de aglomeração de pessoas. A transmissão ocorre principalmente por contato direto, inclusive sexual. Condições socioeconômicas precárias, aglomerações, não aderência aos tratamentos e o desenvolvimento de resistência medicamentosa são os grandes responsáveis pela manutenção de altas taxas de prevalência3 em populações carentes.

O intenso prurido10 cutâneo29 que causa é motivado por uma reação alérgica21 a produtos metabólicos do ácaro e quase sempre leva a uma infecção24 secundária. O tratamento consiste em matar os ácaros e seus ovos com um medicamento aplicado do pescoço30 para baixo ou com medicamentos orais. A glomerulonefrite31 aguda também foi relatada como uma complicação séria associada à escabiose27.

“Chato” ou ftiríase

É causada pelo parasita1 Pthirus pubis32. Ele também é conhecido como piolho-da-púbis32, piolho-caranguejo, carango e piolho-ladro. A biologia desse parasita1 é semelhante à do piolho do couro cabeludo, sendo que ele normalmente se instala no pelo da região púbica e só em casos excepcionais atinge outras partes do corpo, como a barba, os cílios33, os pelos axilares e mesmo o couro cabeludo.

Ele passa toda sua vida infestando pelos humanos e alimentando-se exclusivamente de sangue8. A transmissão ocorre por contato físico muito próximo, principalmente contato sexual. O tratamento é feito com a aplicação de loções à base de benzoato de benzina no local infestado pelo parasita1.

Larva migrans

larva migrans é causada pela penetração de larvas de ancilostomídeos, normalmente oriundos de cães e gatos, na pele20 do homem. A infestação5 ocorre após contato com solo contaminado com as fezes desses animais. A larva tem esse nome porque continua migrando na epiderme23 durante várias semanas, mas a infestação5 no homem é autolimitada porque as larvas não continuam a se desenvolver nele, que é apenas seu hospedeiro acidental.

O tratamento periódico de cães e gatos­ domésticos com anti-helmínticos é indispensável para o controle dessa ectoparasitose. O tratamento do indivíduo acometido consiste na aplicação tópica de anti-helmínticos e, se necessário, estes medicamentos também podem ser prescritos por via oral.

Veja também sobre "Miíase34, berne ou bicheira", "Pediculose" e "Exame parasitológico de fezes".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente do site do Ministério da Saúde

ABCMED, 2022. Ectoparasitas humanos: piolhos, carrapatos, pulga, sarna, chato e larva migrans. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1426280/ectoparasitas-humanos-piolhos-carrapatos-pulga-sarna-chato-e-larva-migrans.htm>. Acesso em: 29 jan. 2023.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Parasita: Organismo uni ou multicelular que vive às custas de outro, denominado hospedeiro. A presença de parasitos em um hospedeiro pode produzir diferentes doenças dependendo do tipo de afecção produzida, do estado geral de saúde do hospedeiro, de mecanismos imunológicos envolvidos, etc. São exemplos de parasitas: a sarna, os piolhos, os áscaris (lombrigas), as tênias (solitárias), etc.
2 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
3 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Infestação: Infecção produzida por parasitas. Exemplos de infestações são sarna (escabiose), pediculose (piolhos), infecção por parasitas intestinais, etc.
6 Corpo humano: O corpo humano é a substância física ou estrutura total e material de cada homem. Ele divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A anatomia humana estuda as grandes estruturas e sistemas do corpo humano.
7 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
8 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
9 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
10 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
11 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
12 Cabeça:
13 Desinfestação: Eliminação de parasitas, insetos ou roedores.
14 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
15 Protozoários: Filo do reino animal, de classificação suplantada, que reunia uma grande parcela dos seres unicelulares que possuem organelas celulares envolvidas por membrana. Atualmente, este grupo consiste em muitos e diferentes filos unicelulares incorporados pelo reino protista.
16 Escoriações: Ato ou efeito de escoriar-se; esfolar-se, ferir-se.
17 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
18 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
19 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
20 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
21 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
22 Hipertrofia: 1. Desenvolvimento ou crescimento excessivo de um órgão ou de parte dele devido a um aumento do tamanho de suas células constituintes. 2. Desenvolvimento ou crescimento excessivo, em tamanho ou em complexidade (de alguma coisa). 3. Em medicina, é aumento do tamanho (mas não da quantidade) de células que compõem um tecido. Pode ser acompanhada pelo aumento do tamanho do órgão do qual faz parte.
23 Epiderme: Camada superior ou externa das duas camadas principais da pele.
24 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
25 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
26 Sarna: Doença produzida por um parasita chamado Sarcoptes scabiei. Infesta a superfície da pele produzindo coceira e vesículas branco peroladas juntamente com lesões por coçadura. Localiza-se mais freqüentemente nas pregas interdigitais, inguinais e submamárias. É contagiosa, passando de pessoa para pessoa por contato íntimo, e por isto muito freqüente em aglomerações humanas (asilos, creches, abrigos). Nestes casos toda a população deve ser tratada ao mesmo tempo.
27 Escabiose: Doença contagiosa da pele causada nos homens pelo Sarcoptes scabiei e nos animais por diversos ácaros. Caracteriza-se por intenso prurido e eczema. Popularmente conhecida como sarna ou pereba.
28 Contagiosa: 1. Que é transmitida por contato ou contágio. 2. Que constitui veículo para o contágio. 3. Que se transmite pela intensidade, pela influência, etc.; contagiante.
29 Cutâneo: Que diz respeito à pele, à cútis.
30 Pescoço:
31 Glomerulonefrite: Inflamação do glomérulo renal, produzida por diferentes mecanismos imunológicos. Pode produzir uma lesão irreversível do funcionamento renal, causando insuficiência renal crônica.
32 Púbis:
33 Cílios: Populações de processos móveis e delgados que são encontrados revestindo a superfície dos ciliados (CILIÓFOROS) ou a superfície livre das células e que constroem o EPITÉLIO ciliado. Cada cílio nasce de um grânulo básico na camada superficial do CITOPLASMA. O movimento dos cílios propele os ciliados através do líquido no qual vivem. O movimento dos cílios em um epitélio ciliado serve para propelir uma camada superficial de muco ou fluido.
34 Miíase: Infecção causada por mosca ou larvas. Estas podem infectar feridas na pele em indivíduos de higiene precária e desenvolver pequenas larvas por baixo da superfície cutânea.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.